Redação Pragmatismo
Política 01/Feb/2017 às 13:09 COMENTÁRIOS

PT apoia André Figueiredo para a Presidência da Câmara e PCdoB está dividido

Após pressão da militância, que exigiu que o PT não apoiasse nenhum candidato pró-impeachment, partido declara voto em André Figueiredo (PDT). Bloco será formado por PT, PDT, REDE e alguns membros do PCdoB, que está dividido. PSOL também pode aderir ao bloco

PT PDT presidência da câmara

O PT decidiu apoiar o deputado André Figueiredo (PDT-CE) para a presidência da Câmara em reunião na tarde desta terça-feira (31).

A decisão da bancada atende expectativas da militância do partido, que pressionou os parlamentares a rejeitarem os nomes que apoiaram o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, como Rodrigo Maia (DEM-RJ), Jovair Arantes (PTB-GO) ou Rogério Rosso (PSD-DF).

Entre as articulações, PT e PDT devem formar um bloco parlamentar com Rede e PCdoB para tentar uma melhor performance nas eleições internas da próxima quinta-feira, dia 2 de fevereiro.

Os parlamentares petistas ainda estão reunidos para formalizar o apoio a André Figueiredo ainda nesta terça-feira (31). Com este bloco, mesmo que o PT perca as eleições, a legenda terá direito a uma vaga de titular na Mesa Diretora e deve ficar com a 4ª Secretaria da Casa.

Há duas semanas, o diretório nacional do PCdoB havia recomendado voto em Rodrigo Maia. Agora, com a possibilidade da formação de bloco entre PT e PDT, o partido comunista está dividido. O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) já declarou voto em Maia. No entanto, outros deputados do partido querem formar o bloco com a nova oposição.

O bloco oposicionista poderá crescer com o a adesão do PSOL. Mas o líder dos socialistas na Câmara, Ivan Valente (SP), se recusa a aceitar a aliança caso o PCdoB participe. “O PCdoB apoia Rodrigo Maia e não aceitamos formar bloco assim”, disse Valente. O PSOL pretende lançar Luiza Erundina (PSOL-SP) à presidência da Câmara.

PSDB e PMDB unidos no Senado

Um acordo fechado entre PSDB e PMDB, em torno da candidatura de Eunício Oliveira (PMDB-CE), destina a vice-presidência do Senado aos tucanos que indicaram o líder do partido peessedebista na Casa, Cássio Cunha Lima (PB), para o posto. O senador responde a processo no STF por crime eleitoral e pode virar réu a qualquer momento.

Ainda pelo acordo, o PSDB poderá indicar o senador Tasso Jereissati (CE) para presidir a Comissão de Assuntos Econômicos, uma das mais importantes do Senado. Nesta acomodação política, o senador Paulo Bauer (PSDB-SC) será o líder da bancada nos próximos dois anos.

Congresso em Foco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários