Redação Pragmatismo
Polícia Militar 18/Nov/2016 às 17:51 COMENTÁRIOS

Policiais que não quiseram reprimir trabalhadores no RJ estão presos

Policiais que abandonaram a Tropa de Choque durante repressão contra trabalhadores foram ovacionados nas ruas, mas estão presos. O vídeo do momento em que os agentes deixam o batalhão teve forte repercussão na imprensa e nas redes

policiais abandonam repressão manifestantes
Policial militar abandonou cerco contra trabalhadores Reprodução Facebook / Julio Trindade

Dois policiais do Batalhão de Choque abandonaram a tropa que avançava rumo à Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) para reprimir um protesto na tarde da última quarta-feira (16).

Os militares foram aplaudidos pelos manifestantes que realizam desde a manhã um ato contra o pacote de medidas de austeridade apresentado pelo governo e que começa a ser discutido na Alerj.

A ação dos dois policiais foi filmada por pessoas que estavam no local. O vídeo mostra os dois agentes sendo parabenizados assim que deixaram a tropa que seguia pela avenida Primeiro de Março, no centro, na altura do Tribunal de Justiça do Rio.

“Parabéns, caveira”, diz um dos manifestantes. Outros se aproximaram e abraçaram os dois policiais que se recusaram a agir contra o protesto. Caveira, no entanto, é o apelido dado aos policiais do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais), e não aos do Batalhão de Choque.

No início do vídeo, também é possível escutar o barulho da explosão de uma bomba de gás.

“A tropa de choque avançava em direção à Alerj com bombas e jatos d’água”, explicou o estudante Júlio Trindade, que acompanhava o ato e fez a filmagem. “Os dois policiais estavam na frente, segurando o escudo, mas abandonaram o posto”, relatou.

A atitude dos militares foi aplaudida no Facebook. “Atitude como desses heróis não são fáceis”, dizia um dos comentários.

Prisão

Os dois policiais, que não tiveram seus nomes divulgados, foram presos administrativamente no dia seguinte. Eles serão julgados e, se condenados, a pena é de um a dois anos de detenção.

Teoricamente, a dupla não pode ser considerada desertora e responderia por recusa à Obediência.

VÍDEO do momento em que os PMs desistem da repressão:

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários