Redação Pragmatismo
Preconceito social 13/Jan/2015 às 18:50 COMENTÁRIOS
Preconceito social

Jornalista propõe cobrança de entrada em praias da Zona Sul do Rio de Janeiro

Publicado em 13 Jan, 2015 às 18h50

Hildegard Angel sugeriu que entradas nas praias da zona sul do Rio de Janeiro comecem a ser pagas. Medida, de acordo com a jornalista, visaria 'solucionar' casos de violência. Texto foi retirado do ar após repercussão negativa

praia arpoador rio de janeiro
Banhistas lotam a praia do Arpoador, na zona sul do Rio de Janeiro (João Laet/Agência O Dia)

Em texto publicado nesta segunda-feira, a jornalista Hildegard Angel sugeria, em dois tópicos, que a redução da violência no verão carioca não merecia ações “titubeantes” do poder público. As medidas propostas, no entanto, geraram uma repercussão negativa e provocaram uma chuva de críticas à Hildegard, que chegou a ser acusada de simpatizar com ideologias nazistas.

Segundo sugestões de Hilde, as autoridades precisam ser “enérgicas e corajosas”, e a população não pode estar sujeita ao medo, à violência e ao vandalismo desenfreados. A primeira medida proposta por Hilde, então, é que “em dias de grande concentração de pessoas nas ruas e praias, nos fins de semana e feriados do verão”, a circulação de linhas de ônibus e metrô no fluxo Zona Norte – Zona Sul seja “drasticamente” diminuída.

A segunda e não menos polêmica sugestão da jornalista, chamada por ela de “plano B radical”, é cobrar entrada nas praias do Leme, Copacabana, Ipanema e Leblon. Segundo ela, que assume que as “soluções” são “antipáticas e discriminatórias”, a justificativa para tais atos é que, do contrário, a vida do carioca seria um caos. Ou, de acordo com ela, caos já é.

O texto de Hildegard Angel foi deletado de sua página original após gerar grande repercussão negativa nas redes sociais. Reproduzimos, abaixo, a íntegra do conteúdo:

O caos já se instalou no Rio, o poder público precisa coragem para agir à altura dele!

Certamente por maior que seja nosso efetivo policial, ele jamais será grande o suficiente para reprimir as hordas e hordas de jovens assaltantes e arruaceiros, que geram intranquilidade atacando cariocas e turistas nesses arrastões do verão no Rio de Janeiro.

É uma crise grave. O poder público não pode nem deve ser titubeante. Há momentos em que ele precisa ser enérgico e corajoso o suficiente para tomar medidas necessárias que desagradem. A população não pode estar sujeita ao medo, à violência, ao vandalismo desenfreados. Há ações que necessitam ser implementadas. Certamente os especialistas sabem quais são, mas sugerir não ofende.

1 – Em tais dias de grande concentração de pessoas nas ruas e praias, nos fins de semana e feriados do verão, diminuir drasticamente a circulação das linhas de ônibus e de Metro no fluxo Zona Norte – Zona Sul, estimulando o aumento do fluxo Zona Norte – Zona Oeste, para haver uma distribuição mais equilibrada da população das praias. Barra, Recreio, São Conrado têm praias imensas, lindas. Modo de evitar concentrações opressivas.

2 – Caso essa providência não alcance resultado, partir para um plano B radical: cobrar entrada nas praias de Leme, Copacabana, Ipanema, Leblon. Isso pode soar com estranheza para os cariocas, que sempre tiveram a praia gratuita, mas no exterior é a normalidade. Preços módicos, naturalmente.

As medidas são antipáticas e discriminatórias, concordo. Mas ou é isso ou será o caos. Ou melhor, o caos já é. Daí pra pior.

com informações de O Dia

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Jonas Schlesinger Postado em 13/Jan/2015 às 19:16

    Que ótima iniciativa. Visa inibir a entrada dos "pés rapados" que, apesar de pagarem impostos talvez mais do que quem é abastado, sujam a imagem de uma praia que deveria ser utilizada pelos patrícios e burgueses. Uma excelente iniciativa dessa mulher, genial. Olhe... meus parabéns. Agora vai dá pra comer caviar com lagosta e olhar o mar banhando quem realmente merece a zona sul. É assim que se encaminha para o primeiro mundo; pode ser que tenha alguma discriminação, mas é necessário varrer a ralé do que é bom. Essa ralé que só é cidadã quando paga imposto.

    • KARINA BB Postado em 14/Jan/2015 às 12:17

      Voltou meu amorzinho,bjinhos proce Jonas,,qnt ao post,tenho medo do nosso futuro essa onda de neonazismo travestida de conservadorismo,se espalha pelo mundo,ta ficando assustador

  2. leonardo Postado em 13/Jan/2015 às 20:16

    Não há nada que se possa fazer. A baderna é cultural.

  3. Vinicius Postado em 14/Jan/2015 às 00:47

    Depois dessa não duvido mais de nada de alguns "jornazistas" , enquanto o mais lógico seria aumentar o transporte público no dia de mais movimento essa "senhora" propõe o contrário, é muita mesquinharia, arrogância. Alguém joga essa mulher numa ilha deserta por favor!

    • poliana Postado em 14/Jan/2015 às 11:09

      e tal opinião, veio de uma pessoa q perdeu a mãe e o irmão, brutalmente assassinados, pela polícia militar durante a ditadura!! inacreditável!!!!

      • Vinicius Postado em 15/Jan/2015 às 01:37

        Eita! Eu não sabia que ela era filha de Zuzu Angel e irmã de Stuart Angel, como assim!?!?! Enquanto seu irmão morreu covardemente e brutalmente pelos militares lutando por seus ideais, essa "senhora" fica vomitando besteiras preconceituosas, mesquinhas e arrogantes, lamentável!

    • testemunha binocular Postado em 15/Jan/2015 às 17:48

      Zuzu e Stuart teriam vergonha de ouvir ela dizer isso. Que papelão...

  4. Thiago Teixeira Postado em 14/Jan/2015 às 08:54

    Estou de acordo. Além da poluição visual que negros e pardos favelados causam nas praias, é impossível fazer um self da Barra da Tijuca e postar para a galera, com um ser de cabelo pinxaim ao fundo. Culpa desse governo corrupto do PT e da Dilma. O ideal seria criar uma faixa de gaza no Brasil e colocar todos os "malandros" e "favelados" para de tempos em tempos, ficar atirando bombas na cabeça deles. (texto irônico, calma).

  5. poliana Postado em 14/Jan/2015 às 11:06

    ah, claro! a segregação é a resposta! vamos isolar o pessoal da periferia e n permitir q eles frequentem as praias cariocas. pobre e favelado tem q ficar longe da civilização mesmo não é!!?? qta coerência em seu posicionamento!!! segrega tudo!! de preferência, mata logo os perifas' q é a melhor solução!

    • Luciana Lima Postado em 14/Jan/2015 às 23:45

      O tal piscinão de Ramos foi feito com esse intuito pra que as pessoas da Zona Norte do Rio ficassem por lá e não fossem nas praias da Zona Sul

  6. Maria Postado em 14/Jan/2015 às 21:42

    E com os pobres e favelados que ja moram na zons sul, faz o que?? Extermina??

  7. Yrae Postado em 15/Jan/2015 às 18:00

    A solução dos atuais "eugenistas" é segregar por condição financeira , o que deixa claro que a preocupação com a segurança é a cerca dos mais ricos e considerados "cidadãos de bem" de acordo com parâmetros racistas e classistas.

  8. Amanda Postado em 15/Jan/2015 às 21:59

    Kkkkk até o direito de usufruir da beleza da natureza estão querendo tirar dos pobres!!

  9. poliana Postado em 16/Jan/2015 às 16:52

    Naro, de fato, me equivoquei com o seu post. Vc disse q era inaceitavel a proposta dela. Eh q n percebi o ponto de segmento. Li todo o seu post como uma pergunta. Desculpe.Ralnente me equivoquei.

  10. Joao Carlos Postado em 24/Jan/2015 às 15:15

    até que não é uma má idéia! o problema dos arrastões seria resolvido e a poluição visual também. ( pobraiada farofenta )