Redação Pragmatismo
Geral 12/Nov/2013 às 12:58 COMENTÁRIOS
Geral

Sem-teto brasileiro foi aos EUA três vezes em 15 meses

Publicado em 12 Nov, 2013 às 12h58

Sem-teto esteve três vezes nos Estados Unidos num período de 15 meses. Ele já foi preso sete vezes desde junho e é acusado de atuar como “ativista profissional” desde as ondas de manifestações

Jair Seixas Rodrigues (divulgação)
Jair Seixas Rodrigues (divulgação)

Suspeito de atuar como “ativista profissional” em atos como o Ocupa Cabral e Ocupa Câmara, Jair Seixas Rodrigues, o Baiano, de 37 anos, esteve três vezes nos Estados Unidos num período de 15 meses, segundo dados da Seção de Fiscalização do Tráfego Internacional da Polícia Federal.

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”5″ posicao=”direita”]

A frequência das viagens de Baiano ao exterior despertou a atenção de agentes da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI) e da Coordenadoria de Informações e Inteligência (Cinpol) da Polícia Civil, que investigam o caso.

Preso sete vezes desde junho, quando teve início a onda de manifestações na cidade, Baiano admite não ter uma ocupação formal nos registros feitos nas três delegacias por onde passou. Com o segundo grau incompleto, ele se identifica como ativista da Frente Internacionalista dos Sem-Teto (Fist), o que não lhe garante uma renda. Por isso, a polícia tenta identificar a origem dos recursos do suspeito, que permanece preso na Cadeia Pública Bandeira Stampa, no Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste.

O levantamento feito junto à PF com base no passaporte mostra que Baiano viajou para os EUA em 25 de maio de 2010, retornando ao Brasil menos de um mês depois. O ativista voltou à América do Norte outras duas vezes, a última em 6 de agosto de 2011. Baiano é suspeito de integrar um grupo, juntamente com outras cinco pessoas vindas de estados das regiões Norte e Nordeste, de “ativistas profissionais”, que receberiam dinheiro para atuar em protestos.

Baiano foi preso pela primeira vez em 2 de julho, acusado de depredar patrimônio público durante o Ocupa Cabral, no Leblon. Depois, ele voltou a ser preso outras seis vezes sob a acusação de desacato, agressão, desobediência e de atear fogo a um coletivo e a uma patrulha. A polícia tenta rastrear a origem do dinheiro usado no pagamento de fianças do ativista.

(Atualização – Um contraponto ao texto inicial)

Incorporamos à matéria comentário enviado por Susana. Leia a seguir.

Sobre Jair Seixas Rodrigues

Jair Seixas Rodrigues é um ativista, membro da Frente Internacionalista dos Sem Teto (FIST). Militante político assíduo nas manifestações, é famoso por seu megafone que toca sirene e música de ‘Titanic’, participou das duas edições do Ocupa Cabral e do Ocupa Câmara Rio.

Despojado, humilde e alegre, é uma pessoa simples, mas que em sua vida de ativismo social já viajou por mais de 20 países em todo mundo e fala inglês, francês, espanhol e norueguês. Quando houve o terremoto no Haiti, participou como voluntário da missão humanitária e carregou corpos das vítimas. Viajou à África do Sul para conhecer mais sobre a vida de Nelson Mandela. Já esteve nos Estados Unidos e viveu na Europa. Em Salvador trabalhou com oficina de música para crianças de rua.

Hoje trabalha incansavelmente em prol daqueles que não acesso à moradia devido à intensa especulação imobiliária no Rio de Janeiro. Foi preso de forma completamente arbitrária no Centro da cidade no dia 15 de outubro, em meio a diversos advogados do DDH e fora da manifestação. Estava apenas caminhando e, ao se afastar um pouco, foi puxado por um grupo de policiais, como pode ser visto a partir dos 2:55 do seguinte twitcast: http://twitcasting.tv/woodydudu/movie/22392405

Baiano estava sem identidade (retirada pela própria PM em outra oportunidade) e os PMs disseram que iam apenas levá-lo para 17ª DP para sarquear (verificar a existência de mandatos em seu nome) e liberá-lo depois. Ele foi levado então para a 5ª DP, onde lhe foi imputado um flagrante do crime de associação criminosa armada, sem o menor subsídio jurídico, pelo fato de ele ter sido supostamente visto no local em que uma viatura da polícia foi incendiada. Jair foi detido várias outras vezes ao longo das manifestações, a primeira vez no fim do primeiro Ocupa Cabral. Ao insistir em manter sua barraca, inconformado com a forma arbitrária com que a ocupação estava sendo removida, foi preso. Nesse incidente, a polícia deteve todos seus documentos: identidade, passaporte, roubando-lhe toda comprovação de sua existência.

Desde então se tornou perseguido por policiais que certamente não aceitavam a sua postura convicta e corajosa de manter a cabeça erguida e sempre questionar a legitimidade dos policiais militares e de sua corporação. Provavelmente o fato de ser negro e se vestir de forma simples nunca ajudou policiais conservadores e preconceituosos a engolir os “desaforos” de um “qualquer”.

Destemido, Jair sempre assumiu a responsabilidade por todas suas ações e optava por não usar máscaras. Apesar dele ter sido levado em “flagrante” fora de qualquer ação criminosa, entre as acusações absurdas que estão sendo feitas estão: associação criminosa armada, dano ao patrimônio público, desacato, resistência e desobediência. Foi capa do jornal ‘O Globo’, na vergonhosa edição do dia 17 de outubro (https://www.facebook.com/events/343186182463285/344428152339088/).

Era citado no subtítulo como “BAIANO VOLTA À CADEIA”, apesar de ser réu primário. Associaram a ele o apelido fictício “Maconhão”, pelo qual ninguém o conhece. Disse-se que ele tinha sido preso por quebrar um carro da polícia, mas quebrou o carro se debatendo, após ser preso arbitrariamente. Jair, Baiano, é um dos grandes guerreiros e símbolos das manifestações populares de 2013 no Brasil e sua prisão tem um enorme valor simbólico também para o Estado, que quer que alguém sirva de exemplo. Não podemos aceitar que ninguém seja preso por se manifestar em defesa de uma sociedade mais justa, muito menos um cidadão tão valoroso como Jair.

Recomendações

COMENTÁRIOS