Redação Pragmatismo
América Latina 18/Nov/2013 às 13:13 COMENTÁRIOS

Camila Vallejo vence e centro-esquerda avança no Chile

Candidata à deputada pelo Partido Comunista, Camila Vallejo, 25 anos, foi eleita com expressiva votação e se sagrou como uma das cinco personalidades políticas mais bem avaliadas pelo povo chileno

camila vallejo chile
Camila Vallejo vence eleição para parlamento chileno (Arquivo)

Camila Vallejo, ex-presidente da Federação de Estudantes do Chile (Fech), ficou conhecida mundialmente ao liderar manifestações no país em defesa de educação gratuita e de qualidade. Nas eleições celebradas neste domingo (17), a candidata à deputada pelo Partido Comunista foi votada para compor o Parlamento chileno.

Aos 25 anos, Camila levou 43,7% dos votos no populoso distrito de La Florida. “Quero agradecer a todos por tornarem possível este triunfo, que não foi só resultado do esforço e da luta de uma mulher, foi resultado da luta e trabalho de muitos companheiros que acreditaram que podemos mudar o Chile”, disse ela após a vitória.

Camila sintetiza o presente e o futuro do Partido Comunista chileno. A ex-dirigente do movimento estudantil é tratada com carinho especial pelas lideranças da legenda comunista. Em agosto, sua popularidade já contabilizava 44% (percentual que nenhum dirigente comunista havia alcançado depois da ditadura). O resultado das eleições confirmou Camila como uma das cinco personalidades políticas mais bem avaliadas pela população chilena (a única que nunca ocupou um cargo público).

[listaposts tipo=”relacionadosportags” titulo=”Leia também” total=”5″ posicao=”direita”]

Há pouco mais de um mês, Camila deu à luz uma menina, fruto do relacionamento com o estudante cubano Julio Sarmiento. Mesmo grávida, a nova deputada chilena não deixou de frequentar as manifestações e encontros de organizações comunitárias, visitou feiras e comunidades mais carentes, durante a campanha.

Também pelo Partido Comunista, Karol Cariola, ex-líder da Federação de Estudantes da Universidade de Concepción, conseguiu votos para integrar o Parlamento, com 38% no distrito de Recoleta, ao sul de Santiago.

No total, quatro emblemáticos ex-líderes estudantis foram eleitos para o Parlamento chileno no pleito de domingo. Gabriel Boric, ex-presidente da Federação de Estudantes da Universidade do Chile (sucesso de Camila no cargo) e Giorgio Jackson, presidente da Federação de Estudantes da Universidade Católica, figuram entre os votados.

O novo cenário político chileno é reflexo de uma população cansada dos desmandos da direita, representada atualmente pelo presidente Sebastian Piñera. Neste ano em que o Chile completou 40 anos do golpe que depôs o comunista Salvador Allende e instaurou a ditadura de Augusto Pinochet, a resposta e o reconhecimento da população não poderiam ser mais diretos.

Théa Rodrigues, Vermelho e agências

Comentários

  1. Caio Postado em 18/Nov/2013 às 21:24

    aqui tem que ter quantos anos pra se eleger deputado?? 35??

    • Thales Postado em 18/Nov/2013 às 21:53

      tem que ter 21 para ser deputado federal, estadual ou prefeito. Governador e vice é 30 anos, Presidente, vice e senador é 35. Vereador é 18 anos

      • Caio Postado em 19/Nov/2013 às 16:23

        A obrigado, presumi que fosse mais pq só vejo velhos, hehe

  2. Alex Postado em 18/Nov/2013 às 21:31

    18 anos Caio.

  3. Alex Postado em 18/Nov/2013 às 21:37

    A visão de ensino superior gratuito da Camila ignora o modelo argentino e o modelo brasileiro.Ela foi buscar na Espanha (não riam) o modelo que propõe para o país dela. Esse modelo era o sonho de consumo do finado Ministro Paulo Renato, nele o estado financia com bolsas os estudantes em faculdades privadas. Era o que o MEC dos anos FHC preparava e que levou Uniban a contratar (e depois demitir) doutores, à Univ. Mogi levar um ex-reitor da USP pra lá e, junto, uns figurões de USP e Unicamp para puxarem recursos da fapesp, etc. Considerando que ela nunca sequer sugeriu que os recursos da "lei do cobre" fossem direcionados para a criação de um sistema público de ensino superior e que grande parte desses recursos tem as forças armadas como destino perpétuo, é difícil acreditar que dessa deputada saia algo que revolucione o ensino superior chileno

  4. Santos Postado em 18/Nov/2013 às 21:37

    Quero ver quando estiver com mais de 50 anos de idade, se vai pensar da mesma forma...

  5. Caio Postado em 19/Nov/2013 às 09:50

    Moro no Chile e garanto que a direita e o liberalismo melhorou a qualidade de vida das pessoas daqui.

    • James Moura Postado em 19/Nov/2013 às 13:51

      É Caio, parece q a maioria da população do Chile discorda de vc. rs

      • Gustavo Postado em 19/Nov/2013 às 21:24

        hahaha, exato!

  6. Esquerdopatite Postado em 20/Nov/2013 às 01:55

    Interessante uma estudante doutrinada para variar, o grande mau no mundo é a influencia de gramsci nas instituições, a ideologia de direita é praticamente inexistente nas universidades gerando partidos de esquerda em toda parte acabando com o progresso real, é triste a realidade atual.