Pragmatismo Político (P)
Saúde 28/Ago/2013 às 22:04 COMENTÁRIOS
Saúde

Como foi a primeira passagem dos cubanos no Brasil em 1999?

Pragmatismo Político (P) Pragmatismo Político (P)
Publicado em 28 Ago, 2013 às 22h04

“Houve uma integração e identificação enorme com a população. Eles estavam sempre presentes”. Testemunha revela detalhes da passagem dos médicos cubanos no Brasil nos anos 90

Kiko Nogueira, diário do centro do mundo

Neilton Araújo de Oliveira foi secretário de saúde de Palmas, capital do Tocantins, entre 1997 e 2000. Especialista em saúde pública, ele é professor da Universidade Federal, onde coordenou a criação do curso de medicina. Na secretaria, Neilton trabalhou diretamente com profissionais cubanos. Pouco mais de uma centena deles foi trabalhar no estado, graças a um convênio com o governo de Cuba. Atual diretor adjunto da Anvisa, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Neilton contou ao Diário como foi a passagem dos cubanos.

médicos cubanosA avaliação de todos os secretários dos municípios, não só a minha, é de que se tratou de algo muito positivo. Houve uma integração e uma identificação enormes com a população. O grosso do atendimento, em cidades do interior do país, é a atenção básica. Os cubanos eram profissionais dedicados e competentes e que faziam com que as pessoas se sentissem seguras e bem atendidas.

Havia, no começo, dificuldades com a língua, mas isso foi superado rapidamente. Pode acontecer com qualquer médico do Brasil. Eu mesmo, depois de me formar em Goiânia e ir para o norte, tive de aprender a me referir às gestantes como “buchadas”. A barreira da linguagem é fácil de ser quebrada se você investe na integração com a comunidade.

Leia também

A população gostava deles porque estavam presentes no dia a dia. Isso faz toda a diferença. São cidades totalmente abandonadas, que se transformam com médicos que passam a acompanhar os habitantes, vendo as crianças, cuidando dos doentes, estando presentes.

Isso faz muita falta no Brasil. Uma pesquisa que realizei para meu doutorado pelo Instituto Oswaldo Cruz revelava que só 5% dos formandos no Brasil desejam trabalhar em cidades pequenas do interior, onde a carência é bem maior. 60% deles querem ser especialistas.

Se o Mais Médicos cometeu um erro, foi envolver pouco as entidades do setor na formulação do programa. Isso acirrou o corporativismo da classe — que já é grande. As agressões, porém, não ajudam o debate. Isso não constrói nada.

O Mais Médicos propõe que os cubanos sejam acompanhados por tutores, o que é importante. O argumento de que o programa seja eleitoreiro é uma bobagem. Tudo o que qualquer governo faz pode ser interpretado desta forma. O que vale é se funciona.

As acusações de má formação dos cubanos são levianas. No Tocantins, não houve nenhum caso que permita afirmar isso. No Brasil, também temos bons cursos e outros muito ruins, privados ou públicos. A formação profissional nunca dependeu só disso.

Cidades pequenas não precisam de grandes instalações hospitalares. Não é necessário um hospital de transplante em cada lugar. A população pobre precisa de um médico por perto.

O Mais Médicos é uma oportunidade de ouro para discutir a saúde no país. Questões complexas exigem soluções complexas. Pena que esse tipo de debate seja contaminado pelas mesmas pessoas que falam em invasão comunista e outros absurdos.

Eles formam uma força de trabalho fundamental. O Mais Médicos está ocupando um espaço vazio. Na política, não existe vácuo. A formação desses estrangeiros — e não só dos que vêm de Cuba, mas os espanhois, portugueses etc — vai no sentido de integrar e trabalhar perto de quem necessita. No Tocantins, eles ajudaram em algo fundamental: evitar que problemas simples se tornassem problemas graves.

Recomendações

COMENTÁRIOS