Pragmatismo Político (P)
Mulheres violadas 20/Abr/2012 às 18:46 COMENTÁRIOS
Mulheres violadas

Vídeo de estupro coletivo de deficiente reacende debate sobre violência sexual na África do Sul

Pragmatismo Político (P) Pragmatismo Político (P)
Publicado em 20 Abr, 2012 às 18h46

A garota de 17 anos foi atacada por sete homens no bairro de Soweto, em Johanesburgo. A polícia encontrou a garota na quarta-feira (18/04) na casa de um homem de 37 anos, detido em flagrante por sequestro e suspeita de estupro. Crime chocou o país.

mulheres áfrica sul estupro deficiente

Triste realidade: De acordo com ONGs pela defesa das mulheres, uma em cada três sul-africanas será violentada pelo menos uma vez na vida

O estupro grupal de uma deficiente mental de 17 anos, registrado por uma câmera de celular, parece ter sido a gota d’água para um país conhecido por reunir as piores estatísticas sobre violência sexual no mundo. De acordo com ONGs que combatem a violência de gênero, uma mulher é violentada a cada 27 segundos na África do Sul. Uma em cada três sul-africanas será violentada pelo menos uma vez na vida. Um em cada três sul-africanos irá estuprar uma mulher.

A garota, que apresenta a idade mental de uma criança de cinco anos, foi estuprada por sete homens há três semanas, no bairro de Soweto, em Johanesburgo. Porém, a agressão só foi descoberta após um vídeo com imagens da violência cair na internet. E se tornar um viral. Nas imagens, os suspeitos — com idades entre 14 e 20 anos — se alternam para estuprar a vítima, enquanto ela chora e pede para que parem. No final, o grupo oferece dois rands (pouco menos de 50 centavos de real) para que ela fique quieta.

A polícia encontrou a garota na quarta-feira (18/04) na casa de um homem de 37 anos, detido em flagrante por sequestro e suspeita de estupro. As autoridades acreditam que a menina foi mantida como escrava sexual pelos agressores, que também foram presos e levados para uma prisão local. A demora na investigação sobre o sumiço da menina foi outra falha apontada por grupos de defesa dos direitos das mulheres, que imediatamente após a divulgação do caso demonstraram repúdio à crescente violência no país e pediram mudanças urgentes.

Leia mais

A liga feminina do partido governista ANC (Congresso Nacional Africano) disse que o crime foi “sádico”, e levantou questões sobre a sociedade sul-africana e como os meninos estão sendo criados. “Quando se tornou aceitável para um grupo estuprar uma mulher e rir disso? Isso me deixa com o estômago revirado”, disse uma das integrantes da liga, de acordo com o jornal Global Post.

Em editorial na primeira página, o jornal sul-africano Star, um dos maiores do país, descreveu o incidente como “A nossa desgraça”. Jimmy Manyi, porta-voz do governo da África do Sul, chamou o crime de “ato bárbaro”.

O governo da África do Sul é frequentemente criticado por negligência com crimes sexuais no país. Críticos afirmam que é especialmente chocante que o governo não tenha feito o suficiente mesmo o país tendo uma das constituições mais igualitárias em termos de gênero e reunir em gabinetes oficiais um grande número de mulheres.

Com a propagação da notícia, a hashtag #rapevideo se tornou um ‘trending topic‘ na África do Sul, com tuítes que se alternavam entre o choque e desgosto. A maioria, porém, pedia um link para o vídeo.

Marina Terra, Opera Mundi

Recomendações

COMENTÁRIOS