Pragmatismo Político (P)
Artigos do editor 06/Mar/2012 às 23:50 COMENTÁRIOS
Artigos do editor

Sem medo de ser (in)feliz: o dia em que o PSOL se aliou ao PSDB

Pragmatismo Político (P) Pragmatismo Político (P)
Publicado em 06 Mar, 2012 às 23h50

Para defender a tese da “esquerda verdadeira”, um dos argumentos destacados pelo PSOL é o da total e irrestrita independência da sigla. Mas a partir de agora, na cartilha da ‘esquerda autêntica‘ é preciso eliminar o tópico que trata de alianças partidárias sob qualquer égide.

PSOL aliança PSDB macapá HeloísaLuis Soares, Pragmatismo Politico

Fundado e formado por dissidentes petistas, o PSOL tem utilizado, desde o princípio, o próprio PT como parâmetro comparativo para externar os seus métodos e as suas práticas. Na empreitada pouco racional, e, portanto, não muito bem sucedida que objetiva descaracterizar o PT como um partido de massas e representante genuíno de uma frente progressista, a agremiação de Plínio de Arruda, Heloísa Helena, Baba e cia., não cansa de bradar aos quatro extremos que são eles, e ninguém mais, os baluartes da autêntica esquerda brasileira.

Para confirmar tal tese, um dos argumentos utilizados pelos psolistas é o da total e irrestrita independência da sigla. Razão de orgulho, estampado em palavras, gritos de guerra e residente nas mentes dos partidários e simpatizantes do partido que se julgam aptos a vislumbrar uma cartilha imaginária com as definições exatas sobre o significado do que é ser de esquerda no Brasil. Das definições mais incisivas, a independência partidária, repetimos, é destaque incontestável. De modo que, por esta ótica, até aliar-se ao PT seria constrangedor.

Leia mais

Acontece que em meados de fevereiro, foi notícia e circulou pelas redes sociais uma reunião entre o pré-candidato do PSOL à prefeitura de Macapá e lideranças do PSDB do Estado do Amapá. Registre-se: o PSOL teve a oportunidade de compor com outras frentes da esquerda (frentes da esquerda autêntica, como chamam) local, mas optaram por um outro caminho.

O PSOL foi além. Não apenas desprezou a composição com partidos com os quais teoricamente se identifica (PCB, PSTU), mas reuniu-se à portas fechadas com o PSDB, nas presenças do empresário Michel JK e do latifundiário Jorge Amanajás.

Quem são e como agem os representantes do PSDB do Amapá

O PSDB no estado do Amapá tem a mesma prática dos governos FHC e Alckmin. Criminalizam os movimentos sociais e massacram as classes menos abastadas. O partido é representado pelo deputado e empresário Michel JK, e pelo ex-presidente da Assembleia Legislativa, Jorge Amanajás, entre outros. Jorge Amanajás é o mais legítimo representante do agronegócio no estado, é um grande latifundiário e pesa contra ele acusações de grilagem de terras. Já Michel JK é um grande empresário, dono de uma rede de lojas em todo o estado, e ambos apoiaram o atual prefeito de Macapá, também preso em 2011 sob a acusação de corrupção

Apenas para explicitar o reducionismo imposto e que de nada serve ao debate político, vejamos: se “quem se alia ao PMDB de Sarney não é de esquerda”, como costumam afirmar, como definir então quem se alia ao PSDB de FHC e Aécio?

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), ex-petista, e que liderou o Congresso Estadual do PSOL no ano passado, já chegou a defender publicamente uma aliança com o PPS – partido que atua alinhado ao PSDB e ao DEM no Congresso Nacional. Randolfe chegou a rasgar elogios à Roberto Freire. Este último, diga-se, acometido por um anti-petismo/lulismo patológico que o fez perder-se no tempo e no espaço, a ponto de considerar em José Serra figura mais relevante do que Lula na política brasileira contemporânea e no processo histórico político.

A partir de agora, na cartilha da ‘esquerda autêntica‘ é preciso eliminar o tópico que trata de alianças partidárias sob qualquer égide.

Aguardemos os próximos capítulos. Ou os próximos tópicos a serem excluídos.

Pragmatismo Político procurou o deputado Ivan Valente, presidente nacional do PSOL, para tratar das alianças em curso no estado do Amapá. No entanto, não houve resposta.

Com informações de Almir Brito, de Macapá

Recomendações

COMENTÁRIOS