Redação Pragmatismo
Compartilhar
Juristas 04/Mar/2016 às 17:34
10
Comentários

O dia de Glória de Sérgio Moro

4 de março de 2016 é o dia de glória de Sérgio Moro. Ele conseguiu, numa simples vara judicial, mais do que conseguiria se dispusesse, como na frase célebre, “dos seus capangas lá do Mato Grosso”. Meter um ex-presidente da República num camburão: “Manda buscar aquele sem-vergonha e traz para a delegacia”. E com requintes de constrangimento: sexta-feira, bem cedo, justo na hora para as edições da Veja e da Época fazerem suas capas

Sérgio Moro justiça injustiça lula ódio
Sérgio Moro (reprodução)

Fernando Brito, Tijolaço

É o dia de glória de Sérgio Moro.

Com toda a cobertura legal que se autoconcede, conseguiu, numa simples vara judicial, mais do que conseguiria se dispusesse, como na frase célebre, “dos seus capangas lá do Mato Grosso”.

Meter um ex-presidente da República num camburão da política.

Manda buscar aquele sem-vergonha e traz para a delegacia”.

E com requintes de máximo constrangimento: sexta-feira, bem cedo, bem na hora para as edições da Veja e da Época fazerem suas capas.

Porque é preciso quebrar a alma do cidadão, pretendendo humilhá-lo diante de todos.

Sérgio Moro, apontado como paladino da Justiça, é seu pior violador, porque usa a toga para tirar-lhe das mãos a balança, o equilíbrio, a ponderação.

Não fosse o fato de termos uma imprensa que age como um aparelho golpista e antidemocrático, Moro nem sequer estaria respondendo por seus atos, porque jamais teria coragem de praticá-los.

Por que conduzir aparatosamente alguém para depor jamais foi chamado por seu tribunal a isso?

Por que, sobretudo, quando o ex-presidente acabara de ter uma ordem judicial que o protegia deste abuso mas que, como dizem os jornais “só valia para São Paulo”?

É simples.

Por que não é a prudência quem lhe guia os atos, como compete a um magistrado, mas a obsessão de poder.

Não este poder corrupto, desprezível, fisiológico que se obtém junto à malta, pelo voto.

O poder obtido pelo uso ilegítimo da autoridade judicial, em flagrante simbiose com o que há de mais autoritário e corrupto no Brasil: o seu sistema de comunicação.

Durante mais de dois anos, dedicou-se com afinco a isso, desde que conseguiu, usando o ladrão que mandara soltar – Alberto Youssef – infiltrar-se nas podridões havidas na Petrobras, claro que a partir de certa data, apenas.

E, reconheça-se, não o fez às escondidas, chegando a publicar todos os passos do projeto de demolição das estruturas que esperava alcançar em seus ensaios sobre a operação Manu Politi italiana, embora já nos falte aqui um Berlusconi.

Teve ajuda, é claro.

A mais importante delas, depois dos meios de comunicação, a ilusão do “Brasil de Todos”, que julgou que o controle remoto, as “instituições republicanas” e o equilíbrio dos homens e mulheres aos quais conduziu ao comando do Judiciário zelariam pelo equilíbrio do país.

Os versos, que não sendo dele, atribuem-se a Brecht – “um dia, vieram buscar os judeus, como eu não era judeu, não protestei…” – casam à perfeição com o que se passa no Brasil.

Curitiba imita a Baviera e, graças a esta inação, encontra a nação perplexa e a esquerda exangue.

Os tribunais, ah, os tribunais… Cunha, com todas as provas e documentos de favorecimento pessoal que existe não foi levado a depor à força, com ou sem “japonês”.

Há mil razões para uma democracia transformar-se numa ditadura, onde impera o arbítrio.

E nenhuma razão para que valentes se transformem em covardes e o aceitem.

É o dia de glória para Moro e o dia da vergonha para a Justiça brasileira.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. IRion Postado em 04/Mar/2016 às 20:21

    Fazendo sucesso entre os fascistas!

  2. Galvão Postado em 04/Mar/2016 às 20:27

    Eu tenho vergonha de ter um juiz deste no Brasil, parcial e tendencioso. Protege seus pares e ataca sem dó seus inimigos, não importa ter provas. O mais importante é o show que a mídia faz em cima de suas ordens (muitas vezes desnecessárias. arbitrárias). No entanto, ao que da a entender (com todo o respeito ao magistrado), só importa o prejuízo político e eleitoral que será causado ao Lula e ao PT, principalmente com vista a eleição presidencial de 2018. Porém o povo, a grande massa, não é boba. Sabe a diferença que fez a administração do PT a população. A vida de todos e do país melhorou em muito, só não enxerga quem não quer. Nunca tivemos um governo com tanta transparência, tão preocupado com o bem estar da população. Coxinhas aguardem... Em 2018 O PAPAI LULÃO VAI VOLTAR.

  3. enganado Postado em 04/Mar/2016 às 21:29

    Só resta saber qto de grana $$$$$ o Moro embolsou só nesta pirotecnia.

  4. João Paulo Postado em 04/Mar/2016 às 21:56

    Moro, parabéns pelo seu dia, seu grande filho de uma puta! Condução coercitiva é utilizada exclusivamente e excepcionalmente em casos em que há recusa no comparecimento espontâneo. E só. Decisão medonha e que - se as regras processuais forem minimamente observadas - permitirá ao corpo jurídico do ex-presidente conseguir mais fundamentos para o afastamento deste capacho vagabundo do capital.

  5. sidney Postado em 04/Mar/2016 às 23:11

    Glória? De forma alguma, uma vergonha nacional. Age com parcialidade, de forma cínica, atropela as leis principalmente de presunção da inocência, é pau mandado da rede globo. Um dia de vergonha para o país diante das câmeras internacionais que perceberam o estado golpista instaurado. Hoje me lembrei realmente dos tempos do militarismo.

  6. sidney Postado em 04/Mar/2016 às 23:15

    Esse merda querendo fazer nome com nosso LULA? Vai receber o que Maria e Silas Malafaia recebeu na fera. kkkkkkkkkkkkkk

  7. Salomon Postado em 05/Mar/2016 às 01:47

    Alguma dúvida de que o Lula será eleito em 2018?

  8. Phelipe Postado em 05/Mar/2016 às 12:35

    E se prenderem, aí vai ser pior pq a vitória virá no primeiro turno!

  9. Maximilien Postado em 05/Mar/2016 às 14:44

    Esse Canalha do Moro só não é mais sujo que o Governador Geraldo Alckmin

  10. olivires Postado em 05/Mar/2016 às 15:22

    O que chama de imprensa são 4 famílias que ditam o que aconteceu e não aconteceu, segundo o que lhes interessa. http://www.jornalggn.com.br/noticia/o-direito-reflete-o-que-existe-na-sociedade-diz-bandeira-de-mello "Se defendo o direito de propriedade, e só existem 4 ou 5 proprietários, não sou a favor da livre propriedade, sou a favor dos 4 ou 5 proprietários". - Celso Antônio Bandeira de Mello