Redação Pragmatismo
Compartilhar
Cinema 30/Mar/2016 às 15:38
7
Comentários

Manifesto em defesa da democracia é divulgado por profissionais do cinema

Profissionais do cinema lançam manifesto pela democracia. Entre os profissionais que assinam o manifesto estão Wagner Moura, Paulo Betti, Karim Ainouz, Jorge Furtado, Anna Muylaert, Tata Amaral, Alê Abreu, Gregório Duvivier, Laís Bodanski, Tizuka Yamazaki, Leticia Sabatella e Silvia Buarque

manifesto pró dilma defesa democracia cinema artistas
Atores Wagner Moura, Letícia Sabatella e Paulo Betti (Imagem: Pragmatismo Político)

Profissionais que trabalham com cinema e no setor de audiovisual brasileiro fizeram ontem (29) um ato na Central do Brasil chamado Cinema Brasileiro Pela Democracia. Os participantes são contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e defenderam a manutenção do Estado de Direito, a democratização da mídia e das telas para a exibição de mais filmes nacionais.

No paredão do prédio da Central, os organizadores projetaram montagens, memes, charges e manifestações de apoio ao movimento, além de falas dos participantes.

Para o diretor e roteirista Vinícius Reis, um dos organizadores do ato, o Brasil está presenciando um golpe neste momento, com um processo de “impeachment sem base jurídica”. “A gente está em uma vigília pela democracia. No momento a gente está vivendo um golpe no país. Há uma grande mobilização dos setores e dos artistas. Tem outros atos do cinema acontecendo em outros estados.”

De acordo com Reis, a escolha da Central do Brasil para a mobilização é simbólica. “A Central é um local bom de mobilização, é um cenário, uma locação popular, todo o Rio de Janeiro está passando por aqui nesse final de expediente, no final do dia de trabalho. E o cinema, nos últimos ano, é uma arte que se tornou mais popular e tem mobilizado bastante a sociedade. Você tem cineclubistas de comunidades, de periferias”.

Reis informou que o objetivo do ato também é chamar para a Jornada Nacional em Defesa da Democracia, marcada pela Frente Brasil Popular para quinta-feira (31). “Nós vamos participar também [da jornada do dia 31]. Tem vários atos, ontem teve o do teatro, saindo daqui tem o ato da música, do samba em Copacabana. São pequenos atos convocando para o dia 31, é uma grande vigília pela democracia, ou o que resta dela”.

Outra organizadora do ato, a produtora Vania Catani, lembra que o setor de audiovisual lançou um manifesto na semana passada, que já conta com mais de 3,2 mil nomes. “A gente é pela democracia, pelo Estado de Direito, que a Justiça não seja partidária e seja justa, que as coisas sejam analisadas para todos de igual maneira. É o que eu acho. O manifesto já tem mais de 3 mil nomes e o grupo do Facebook tem mais de 5 mil nomes”, disse a produtora.

Além da “defesa da democracia e da legalidade” e contra “arbitrariedades promovidas por setores da Justiça”, o texto do manifesto aborda pautas setoriais e denuncia o que chamou de “enganosa narrativa” que vem sendo construída. “Televisões, revistas e jornais, formadores de opinião criaram uma obra distorcida, colaborando para aumentar a crise que o país atravessa, insuflando a sociedade e alimentando a ideia do impeachment com o objetivo de devolver o poder a seus aliados. Tal agenda envolve desqualificar as empresas nacionais estratégicas, entre as quais se insere a emergente indústria do audiovisual”, diz o manifesto divulgado pelos profissionais do cinema e audiovisual.

Entre os profissionais que assinam o manifesto do audiovisual e do cinema estão Wagner Moura, Paulo Betti, Karim Ainouz, Jorge Furtado, Anna Muylaert, Tata Amaral, Alê Abreu, Gregório Duvivier, Laís Bodanski, Tizuka Yamazaki, Leticia Sabatella e Silvia Buarque.

Akemi Nitahara, Agência Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. poliana Postado em 30/Mar/2016 às 19:51

    ah tá...gente boa mesmo é o lobão, o ronaldo fenômeno, o frota, a wanessa, o hulk..massa, naro! parabéns pelo lado q vc escolheu...sinta-se orgulhoso de sua pessoa. parabéns mesmo!

  2. Jonas Schlesinger Postado em 30/Mar/2016 às 22:53

    Concordo. Se for pra tirar a Dilma sem base jurídica melhor cassar a chapa logo e convocar novas eleições. Ninguém merece mais 1 presidente não eleito no poder, né Parkinson? Agora a única coisa que discordo é passar mais filmes nacionais. Brasil não presta pra fazer filme. Só comédia pastelão, autobiografia, melodrama, affs

    • André Bergamo Postado em 31/Mar/2016 às 02:05

      "O Brasil não presta para afzer filmes". Será que não percebe que está dizendo que você mesmo não presta para issso? Ou é francês, angolan, ou chinês? E meu caro tem muita gente legal trabalhando no audio visual brasileiro, muita mesmo, gente bacana, raladora e de talento, é só ter um pouco mais d empatia pelos trabalhadores brasileiros, ou gostar mais desta arte, ir em locadoras, ir em amostras de cinema que acontecem em tudo quanto é lugar do páis. Não é só vendo TV e Oscar que vai descobrir este maravilhoso mundo, que está aí ao seu alcance, basta querer participar ou procurar. Abraços, e por favor não leve isso como ofensa, pelo contrário isso se chama auto estima.

      • eu daqui Postado em 31/Mar/2016 às 11:55

        Não isso se chama facismo: o outro não pode ter um gosto diferente do seu. A verdadeira autoestima não se insulta com a divergencia.

    • eu daqui Postado em 31/Mar/2016 às 11:55

      Apoiado: eleições sim. Porcaria ainda pior, não.

  3. Galvão Postado em 30/Mar/2016 às 23:23

    Esse Naro NÃO Solbo nada mesmo. continua sendo uma BESTA, não é a toa que a coxinha dele tem chifre e tridente. Ele deve ter foto do Cunha, Aécio e Bolsonaro(NARO) na carteira e postes deles no quarto.

  4. André Bergamo Postado em 31/Mar/2016 às 02:08

    Todos os que assinaram ali, me parecem ser pessoas boas, honestas, trabalhadoras. Você conhece algo que denigra a o caráter delas, para achá-las pessoas ruins? Você não é nazista né? Que acha que uma pessoa é boa ou ruim por causa de democracia né?