Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 15/Dec/2015 às 16:37
14
Comentários

Quem são os 9 deputados que tentaram blindar Eduardo Cunha

Conheça detalhes a respeito dos 9 parlamentares que votaram pelo arquivamento do processo que investiga Eduardo Cunha

Deputados votaram a favor Cunha
Os 9 de Eduardo Cunha (Pragmatismo Político)

O Conselho de Ética da Câmara aprovou nesta terça-feira 15 a abertura de um processo disciplinar contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por quebra de decoro parlamentar.

Cunha, cujas residências em Brasília e no Rio de Janeiro foram alvo de mandado de busca e apreensão na Operação Catilinária, desdobramento da Operação Lava Jato, é acusado de mentir em depoimento à CPI da Petrobras.

Com a aprovação do relatório de Marcos Rogério (PDT-RO), Cunha terá 10 dias úteis para apresentar sua defesa escrita. O prazo começa a correr depois que o deputado for notificado.

A aprovação se deu por 11 votos a 9, após oito adiamentos seguidos conseguidos pela tropa de choque de Cunha na comissão.

Os 9 de Cunha

Nas redes sociais e na caixa de e-mail, leitores têm exigido de Pragmatismo Político mais informações acerca dos 9 deputados que tentaram blindar o presidente da Câmara no Conselho de Ética na manhã desta terça-feira (15).

Confira, a seguir, um breve levantamento dos 9 parlamentares que integram a tropa de choque de Cunha no Conselho e que, por muito pouco, não conseguiram impedir a investigação contra o presidente da Casa.

1. Manoel Júnior (PMDB-PB). Manoel Junior, deputado federal pelo PMDB da Paraíba, fiel aliado de Eduardo Cunha, já chegou a sugerir que Dilma Rousseff renunciasse ao cargo: “Se estivesse no lugar dela, eu renunciaria”. Dias depois, porém, foi cotado por seu partido para assumir o Ministério da Saúde, deu o dito pelo não dito e negou ter falado em renúncia da presidente. Acabou não assumindo a pasta. Financiado por planos de saúde e laboratórios, sua especialidade é defender o interesse privado. Teve o seu nome citado no relatório da CPI da Pistolagem por possível envolvimento no assassinato de um vereador. Foi chamado de “picareta desqualificado” por Ciro Gomes quando esteve cotado para assumir o Ministério da Saúde. “Quando a imprensa vasculhar a vida desse camarada, ele não dura 15 dias”, disse Ciro.

2. Wellington Roberto (PR-PB). Deputado Federal pelo PR da Paraíba, Wellington já foi deputado estadual e senador da República (suplente do senador Humberto Lucena, assumiu após a morte do titular). O parlamentar tem forte influência no interior paraibano e é conhecido por práticas políticas coronelistas. Foi acusado pelo empresário Darci Vedoin de envolvimento no chamado Escândalo dos Sanguessugas — esquema milionário que consistia em desviar dinheiro público destinado a compra de ambulâncias e equipamento hospitalar. Por ter foro privilegiado, a ação contra Wellington Roberto correu em segredo de justiça no Supremo Tribunal Federal. Wellington gastou R$ 189 mil de sua cota parlamentar para abastecer carros do seu escritório político no posto de gasolina do irmão. Recentemente, Wellington Roberto envolveu-se em uma cena tragicômica no Conselho de Ética da Câmara: alterado, agrediu fisicamente outro parlamentar para defender Eduardo Cunha.

3. Paulinho da Força (SD-SP). Paulinho da Força é o líder e fundador do Solidariedade. Apoiou Aécio Neves nas últimas eleições presidenciais e tem se revelado um dos maiores defensores do impeachment de Dilma Rousseff no Congresso Nacional. Chegou a dizer que “não interessa as acusações que pesam sobre Eduardo Cunha, porque o importante é derrubar a Dilma”. Foi condenado, em 2010, a devolver R$ 235 mil aos cofres públicos e pagar multa de R$ 471 mil por irregularidades e desvios no Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Atualmente, Paulinho da Força é réu no STF acusado de desviar dinheiro do BNDES. O Ministério Público pediu a condenação do deputado.

4. Cacá Leão (PP-BA). O deputado Cacá Leão foi integrante da falecida CPI da Petrobras até que o seu pai, o também deputado João Leão (PP-BA), apareceu como um dos parlamentares que tiveram o pedido de abertura de inquérito aceito pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Na época, Cacá afirmou que o fato do seu pai estar na lista de investigados da Operação Lava Jato não iria interferir no seu trabalho. Cacá Leão tem evitado a imprensa desde que surgiram especulações de que votaria a favor de Eduardo Cunha no Conselho de Ética. As especulações se confirmaram na manhã desta terça-feira (15) e o deputado já está sendo cobrado por eleitores.

5. Erivelton Santana (PSC-BA). Deputado pelo Partido Social Cristão (o mesmo de Marco Feliciano e Eduardo Bolsonaro), Erivelton Santana elegeu-se com a promessa de que defenderia, na Câmara dos Deputados, os “valores da família brasileira”.

6. João Carlos Bacelar Filho (PR-BA).

7. Ricardo Barros (PP-PR). Relator da Comissão do Orçamento 2016 e aliado do governador Beto Richa (PSDB) no Paraná, Ricardo Barros é o deputado que pretende cortar R$ 12,2 bilhões do Bolsa Família — programa que atende 14 milhões de famílias, ou aproximadamente 50 milhões de pessoas, cerca de metade delas crianças e adolescentes. “Ninguém vai ficar na miséria se cortar um pouco do Bolsa Família”, justificou. Ao mesmo tempo, Barros quer duplicar a verba destinada aos partidos políticos, de R$ 311 milhões para R$ 600 milhões (Fundo Partidário).

8. Vinicius Gurgel (PR-AP). Vinicius Gurgel está no primeiro mandato como deputado federal. Ganhou destaque na imprensa nacional pela reportagem “Os Campeões do Cotão”, por ter solicitado reembolso na Câmara Federal de R$ 190 mil por aluguel de veículos e embarcações. Também foi flagrado repetidamente em encontros com Valdemar Costa Neto (PR), condenado na Ação Penal 470 (mensalão).

9. Washington Reis (PMDB-RJ) Washington Reis já teve os seus direitos políticos cassados por três anos após condenação por improbidade administrativa quando foi prefeito de Duque de Caxias. Em 2014, foi alvo de investigação da PF e do Ministério Público Federal (MPF) por supostas fraudes em licitações. Na época, agentes federais chegaram a entrar na casa do deputado e apreenderam documentos. O deputado federal é investigado também em uma ação do Supremo Tribunal Federal por crime ambiental. Além dessas ações, Washington Reis é investigado em inquéritos que apuram supostos crimes eleitorais e lavagem de dinheiro. Os conteúdos dos processos destacam depoimentos afirmando que o deputado usou a máquina pública, quando era prefeito de Caxias, para conseguir votos nas eleições de 2008.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Mirna Marino Duarte Postado em 15/Dec/2015 às 17:27

    Jornal Extra: Zito e Washington Reis condenados por improbidade Uma decisão da 4ª Vara Federal de São João de Meriti suspendeu por três anos os direitos políticos do prefeito de Duque de Caxias, José Camilo Zito, e do candidato a deputado federal e ex-prefeito da mesma cidade Washington Reis. Os dois réus foram condenados por improbidade administrativa. A decisão é de 16 de julho. A ação foi proposta pelo Ministério Público Federal. Além de suspender os direitos políticos de Zito e Washington Reis, o juiz Fabrício Antonio Soares determinou a seguinte sanção: proibição de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, pelo prazo de três anos. Também determinou multa a ser revertida para a União. O MPF argumenta que ambos deixaram de cumprir a lei que determina que os municípios devem notificar partidos, sindicatos e organizações patronais das verbas federais repassadas às administrações municipais. Por meio de sua assessoria, Zito emitiu o seguinte comunicado: “O prefeito está tomando as medidas cabíveis com relação ao fato. É uma ação injusta, com motivação política. Essa ação não é definitiva, pois é de primeira instância. Zito tem confiança de que a sentença será revertida”. A assessoria de imprensa de Washington Reis informou que ele já recorreu, que sua candidatura permanece e que “tem plena convicção de que a sentença será revertida”. http://www.prerj.mpf.mp.br/noticias/jornal-extra-zito-e-washington-reis-condenados-por-improbidade/

  2. Danilo Postado em 15/Dec/2015 às 18:10

    tudo laranja, e é bom que a população tome nota de quem são estes trastes. Traste não se preocupa se vai entrar pra história ou não. Traste é traste.

    • Cristiano de Oliveira Postado em 17/Dec/2015 às 20:27

      O povo não quer nem saber, meu caro se não Cunha e Renan e tantos outros não teriam sido eleitos novamente.

  3. Evilailton Postado em 15/Dec/2015 às 18:57

    Você erraram o Barcelar ai, os dois não são flor que se cheire mas este ai não é a favor de cunha não!.. O outro é João Barcelar!!!

  4. Pedro Luiz Vieira Nesti Postado em 15/Dec/2015 às 19:12

    Manoel Júnior (PMDB-PB) - Wellington Roberto (PR-PB).- Paulinho da Força (SD-SP) - Cacá Leão (PP-BA) - Erivelton Santana (PSC-BA) - Joao Carlos Bacelar (PR-BA) - Ricardo Barros (PP-PR) - Vinicius Gurgel (PR-AP) - Washington Reis (PMDB-RJ) - sem excessão são todos canalhas, escrotos, enquanto nós não nos movimentarmos para acabar com esse amontoado de " partidos" políticos,essa cambada de amebas,continuarão a fazer essas porcarias( fezes)

  5. Paulo Postado em 15/Dec/2015 às 22:00

    Pessoal, está errado a foto do deputado "João Bacelar". Vocês colocaram a foto do deputado primo do "João Barcelar" que tem o mesmo nome porém só usa publicamente "Bacelar". Inclusive os dois são brigados por terem ideias totalmente opostas. Isso tira credibilidade de vocês

  6. Adriano Vasconcellos Postado em 15/Dec/2015 às 23:20

    O Bando de Cunha!!!!!!!!!!

  7. Yasmim Postado em 16/Dec/2015 às 00:06

    Um detalhe que faltou na descrição do deputado Ricardo Barros (PP-PR), é que ele é marido da vice do Beto Richa, a Maria Aparecida Borghetti ou conhecida como Cida.

  8. Marley Postado em 16/Dec/2015 às 01:27

    Guarde bem os nomes destes políticos, seus estados de origem, seus partidos e como cada um quer retirar algum benefício social da população. Eles formam a ‘tropa de choque do Cunha’ na defesa dos seus interesses obscuros. Guarde bem nomes, partidos e seus estados. Não deixe eles nunca mais se reelegerem. Só assim conseguiremos contribuir com o fim da corrupção e de moralização da Política. “Manoel Junior, deputado federal pelo PMDB da Paraíba, Ciro Gomes o qualificou como “picareta desqualificado” e Washington Reis já teve os seus direitos políticos cassados por três anos após condenação por improbidade administrativa quando foi prefeito de Duque de Caxias; Wellington Roberto (PR-PB), desviava verbas da saúde, na Paraíba, João Carlos Bacelar Filho (PR-BA) e ; Vinicius Gurgel (PR-AP), está no 1° mandato e já gastou C$ 190 mil com aluguel de veículos; Ricardo Barros (PP-PR), Partido do Maluf, quer cortar o bolsa família e Cacá Leão (PP-BA), está sendo investigado pelo lava jato; Erivelton Santana (PSC-BA), ‘defensor dos valores cristãos’; e, por fim, Paulinho da Força (SD-SP), um oportunista que traiu os trabalhadores e tem como objetivo derrubar Dilma” pois, sempre teve inveja do PT e da CUT. Claro que existem outros políticos corruptos, como Sampaio de Campinas, Bolsonaro, no Rio e Maluf em SP. Vamos ficar alertas e começar a limpeza na política....

  9. gerson Postado em 16/Dec/2015 às 10:59

    O correto seria coloca-los numa sala e explodir umas 100 granadas, não para matar instantaneamente. mas para deixa-los agonizando de dor e sofrimento. Já que fazem o povo sofrer, seria legal um acontecimento desse, afinal ninguém iria se importar.

    • katia Postado em 17/Dec/2015 às 09:06

      Concordo que devemos puni-los Mas teremos que usar a inteligência e a criatividade para isso Pois da forma violenta que foi sugerida só estaríamos trocando uma violência por outra Acredito que não esquecer o que eles fizeram e ainda ajudar outros a lembrar, de forma a impedir que esses senhores se mantenham na vida pública já é o suficiente

  10. Antonio Palhares Postado em 16/Dec/2015 às 14:36

    Estes são os homens de Deus.

    • Cristiano de Oliveira Postado em 17/Dec/2015 às 20:59

      Eles são uns farsantes, Eduardo Cunha não tem moral pra defender a família e nem pode representar os Cristão ou Evangélicos, um homem que é réu em vários processos, teve relacionamento com Collor e PC Farias, um homem com um histórico como esse nada pode fazer contra a sujeira dos outros. ainda mas quando pensa que a Polícia Federal e o ministério Público estão a serviço do PT e do governo.

  11. joao pedro bif Postado em 16/Dec/2015 às 16:41

    Nenhuma crítica, nenhum ressalvo nos absolverá da culpa da conivência.