Redação Pragmatismo
Compartilhar
Religião 06/Oct/2015 às 09:39
8
Comentários

“Igreja não é museu, mas um local para o progresso”, diz Papa Francisco

Papa diz que Igreja “não é museu”, mas local para avanços. Francisco pediu espírito de “solidariedade, coragem e humildade” no momento em que a Igreja Católica vai abordar temas como a homossexualidade e a comunhão para divorciados que voltam a se casar

papa francisco igreja homossexualidade

O papa Francisco disse hoje (5) que a Igreja “não é um museu”, mas um local para o progresso, dirigindo-se aos 360 participantes do Sínodo dos Bispos, no início de três semanas de debates.

Ele pediu espírito de “solidariedade, coragem e humildade” no momento em que a Igreja Católica vai abordar temas sensíveis, como a comunhão para divorciados que voltam a se casar e a homossexualidade.

A Igreja “não é um museu para manter ou preservar. É um lugar onde o povo santo de Deus avança”, declarou o papa.

Na missa de abertura do sínodo nesse domingo, o papa defendeu o casamento e os casais heterossexuais, mas também insistiu em que a Igreja deve ter “as portas abertas para receber todos os que a procuram”.

A 14ª Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, que ocorre até o dia 25 no Vaticano, tem como temas centrais os desafios, a vocação e a missão das famílias católicas no mundo atual, analisados ao longo de 147 artigos do documento de trabalho, apresentado em junho à imprensa.

Agência Lusa

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Renan Postado em 06/Oct/2015 às 10:46

    Papa Francisco: o método do sínodo é abrir-se ao Espírito Santo Em seu discurso no início da primeira congregação geral do sínodo, o Santo Padre recorda que, se não se deixarem guiar pelo Espírito Santo, “todas as nossas decisões serão apenas decorações que, em vez de honrar o Evangelho, o encobrem e escondem” Cidade do Vaticano, 05 de Outubro de 2015 (ZENIT.org) Rocío Lancho García | 465 visitas O sínodo é um caminhar juntos com espírito de colegialidade, aceitando com valentia a “parresia, o zelo pastoral e doutrinal, a sabedoria, a franqueza, e colocando sempre diante dos nossos olhos o bem da Igreja e das famílias”. O sínodo não é um congresso, nem um parlamento ou um senado em que é preciso chegar a um acordo. O sínodo é uma expressão eclesial, “é a Igreja que caminha junta para ler a realidade com os olhos da fé e com o coração de Deus”, “é a Igreja que se interroga sobre a fidelidade ao depósito da fé e que, por isso, não representa um museu, mas uma fonte viva, da qual a Igreja se sacia para saciar o depósito da vida”. Com estas palavras, o papa Francisco se dirigiu nesta manhã à assembleia geral do sínodo, em seu primeiro dia de congregação geral. Durante as próximas três semanas, bispos e especialistas de todo o mundo falarão sobre “A vocação e a missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”. Embora não estivesse previsto na programação, o pontífice saudou os participantes e lhes recordou o sentido deste encontro e o seu objetivo principal. Sem escutar a Deus, alertou, “todas as nossas palavras serão somente palavras, que não saciam e não servem”. Sem nos deixarmos guiar pelo Espírito Santo, “todas as nossas decisões serão só declarações que, em vez de honrar o Evangelho, o encobrem e escondem”. O sínodo acontece necessariamente no seio da Igreja e “dentro do Santo Povo de Deus, do qual fazemos parte na qualidade de pastores, ou seja, servidores”. O sínodo é um espaço protegido, em que a Igreja experimenta a ação do Espírito Santo. “No sínodo, o Espírito fala através da língua de todas as pessoas que se deixam conduzir pelo Deus que surpreende sempre, pelo Deus que se revela aos pequenos, que se esconde dos sábios e dos inteligentes. Pelo Deus que criou a lei e o sábado para o homem e não o contrário. Pelo Deus que deixa as 99 ovelhas para buscar a única ovelha perdida. Pelo Deus que é sempre maior do que as nossas lógicas e nossos cálculos”, explicou o Santo Padre. Por outro lado, ele também recordou que o “sínodo poderá ser um espaço à ação do Espírito Santo somente se nós, participantes, nos revestirmos de valentia apostólica, de unidade evangélica e de oração confiante”. E continuou: “A valentia apostólica que não se deixa assustar pelas seduções do mundo, que tendem a apagar no coração dos homens a luz da verdade substituindo-a por pequenas luzes temporais”. A valentia apostólica de “levar a vida e não fazer da nossa vida cristã um museu de lembranças”. O Santo Padre também falou da humildade evangélica que sabe “esvaziar-se das próprias convicções e preconceitos para escutar os irmãos bispos e encher-se de Deus”. Humildade que leva a “não apontar o dedo para os outros, mas a lhes estender a mão sem nunca sentir-se superior a eles”. “A ação confiante é a ação do coração quando se abre a Deus, quando cala todos os nossos barulhos para escutar a suave voz de Deus que fala no silêncio”, observou o papa. Ao encerrar a sua intervenção, Francisco voltou a insistir que o sínodo não é um parlamento onde o consenso se baseia na negociação ou em compromissos. “O único método do sínodo é o de abrir-se ao Espírito Santo com valentia apostólica, humildade evangélica e com oração silenciosa para que seja Ele quem nos guie, nos ilumine, e colocar diante dos nossos olhos, junto com as nossas opiniões pessoais, a fé em Deus, a fidelidade ao magistério, o bem da Igreja e a salus animarum”. Para encerrar, o papa Francisco agradeceu a todos os que participam e trabalham neste sínodo de um modo ou de outro e com diferentes tipos de responsabilidade. Fonte: Agência Zenit - Conclusão do PP: "Abrir se ao Espirito Santo = Abrir se ao mundo." O que ele disse: “A valentia apostólica que não se deixa assustar pelas seduções do mundo, que tendem a apagar no coração dos homens a luz da verdade substituindo-a por pequenas luzes temporais”. A valentia apostólica de “levar a vida e não fazer da nossa vida cristã um museu de lembranças”. Significa, olhar em frente para o "céu que nos aguarda" como diz a Igreja no final do Credo "Espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há vir." e não às seduções temporais em detrimento da verdade. Ou seja, a verdade é uma só, não pensem que eu quero mudar a Igreja com o parâmetro do mundo apesar de contradizer a Verdade. Esse Papa é muito mal assessorado, mas lugares como o PP e principalmente a grande mídia estão prontos pra usar isso contra ele.

    • Peterson Postado em 06/Oct/2015 às 13:23

      TL;DR

    • Rodrigo Postado em 06/Oct/2015 às 14:35

      (Outro Rodrigo) Em resumo, a exemplo da notícia sobre o perdão às mulheres que abortam (na qual foi omitido o trecho em que o Papa falava sobre arrependimento), aqui mais uma fala do Papa é apresentada de forma, no mínimo, incorreta, não correspondendo à realidade.

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 06/Oct/2015 às 15:08

    Pega leve, Chicão..."a Igreja não é um museu, mas um local para avanço"....tem gente enxergando progressismo demais nas tuas palavras....modernidade demais....sabemos que excomungado voce já está....se continuar ousado assim vão acabar "te morrendo de causas naturais"...te cuida, Papa Vermelho...

    • Eduardo Ribeiro Postado em 06/Oct/2015 às 15:44

      Narinho não aprende....teu pálato nunca vai cicatrizar desse jeito, menino...tu tambem vai excomungar o Papa Comuna?

  3. Randy Postado em 06/Oct/2015 às 20:30

    Papa safado hipócrita... cada hora ele fala uma coisa de acordo com os seus interesses...

  4. Pedro Accioli Postado em 07/Oct/2015 às 08:16

    Este papa é o cara! Sério! Ninguém leva em conta o quanto ele está fazendo um grande bem a humanidade, tem idéias políticas progressistas que em nenhum papa teve no passado!

  5. Lopes Postado em 23/Nov/2015 às 13:29

    Esse papa é um completo idiota!