Redação Pragmatismo
Compartilhar
Juristas 13/Jun/2015 às 18:48
12
Comentários

Quanto ganha um Juiz no Brasil?

Levantamento revela que a média salarial paga a juízes e desembargadores em todo o Brasil é 25% superior ao teto do funcionalismo público

salário juiz brasil quanto ganha

Levantamento feito pela revista Época aponta que a média salarial paga a juízes e desembargadores em todo o Brasil é 25% superior ao teto do funcionalismo público. Enquanto o teto estabelecido por lei hoje é de R$ 33,7 mil, a média dos vencimentos dos juízes e desembargadores chega a R$ 41,8 mil.

Ainda conforme a revista, existem casos em que os salários dos magistrados ultrapassa a casa dos R$ 100 mil. Um exemplo é do presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), Pedro Carlos Marcondes, cujo rendimento mensal chega a R$ 125,6 mil.

Os cálculos da Época consideram salários e também os benefícios concedidos aos magistrados como auxílio para a compra de livros, auxílio educação (para filhos dos magistrados), auxílio mudança, diárias e auxílio transporte. Em média, os presidentes de TJ tem salários de R$ 59,9 mil, segundo a revista.

Nos ministérios públicos estaduais, o salário médio dos promotores, incluindo-se os benefícios, chega a R$ 40,8 mil. Os procuradores-gerais de Justiça tem vencimento médio de R$ 53,9 mil e o maior salário, nessa categoria, é de Mafran Vieira, do Rio de Janeiro. Como procurador-geral do RJ, Vieira recebe R$ 122,5 mil ao mês.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Luís Postado em 13/Jun/2015 às 18:59

    Putz! Um absurdo o custo e o inchaço do setor público brasileiro. E ainda se perguntam porquê todas tantas mentes brilhantes, em vez de ir para o setor privado, que é realmente o que move um país, tentam sua sorte no concurso público. Eu mesmo faria concurso se não exigisse tanto decorebismo, prefiro áreas que exijam raciocínio lógico/analítico.

    • Fábio Postado em 14/Jun/2015 às 19:24

      "Eu mesmo faria concurso se não exigisse tanto decorebismo, prefiro áreas que exijam raciocínio lógico/analítico"... Conversa fiada de quem já prestou e não passou. Quem disse que concurso é só "decorebismo"??? A propósito, não concordo com os altos salários acima. Sou SPF e ganho 19 mil por mês, muito bem ganhos, com um trabalho altamente intelectual, após prestar um concurso difícil e muito concorrido.

  2. Salomon Postado em 14/Jun/2015 às 00:54

    Há algo de podre no reino da Dinamarca.

    • Xico Postado em 14/Jun/2015 às 16:52

      não adiante citar o Bardo, tem que protestar, até a direita descobriu que gosta de protestos. Pois entao o que estamos esperando para ir para as ruas contra o judiciário?

  3. Xico Postado em 14/Jun/2015 às 16:50

    Cadê nossa bancada no legislativo, e o executivo para fazr frente a esse absurdo? O governo permite ser acusado e não acusa quando deve? Estou muito cansado desse tipo de coisa

  4. Roger Postado em 14/Jun/2015 às 21:18

    Enquanto a juizada se esbalda (canetada e mais R$ 4. 300, 00 de aux. moradia, mesmo tendo casa na cidade onde trabalham), os funcionários públicos do Judiciário Federal amargam 8 anos sem aumento (não fosse a progressão anual, estariam ainda mais federados com a inflação). Funcionários que fazem o chamado "grosso" do trabalho desses juízes. Tanto trabalho e estresse tem resultado em acontecimentos drásticos, como, por exemplo, dois suicídios em poucos meses no fórum trabalhista de SP.

  5. Rogério Romani Postado em 14/Jun/2015 às 23:54

    É um dos menores comparado com muitos países, nos E.U.A U$ 30.000,00

  6. Luiz Parussolo Postado em 15/Jun/2015 às 01:26

    Sobre um ataque a uma deputada estadual na Bahia e que procurou a delegacia e foi humilhada pela delegada sendo do PT fiz minhas objeções sobre o Brasil in totum conforme minha ótica do senso comum. A delegada disse que só com o PT que está até nos cabelos procurando imputar só ao PT e tomarem o poder, inclusive PMDB e outros coligados, mas são todos, todos os poderes, todas as instituições, atividades liberais, servidores e nomeados dos setores públicos, principalmente do judiciário e autarquias, cúpulas de entidades e estatais, centrais e sindicatos de empregados e empregadores, associações. Com um adestramento para macacos nos ditos cursos dito universitários, ou nem isso, torna-se juiz, médico, advogado, diretor de instituições, políticos presidentes, ministros, membro do MP, governador, presidente, jornalistas...... Só prejuízos, malandragens, uso de quem presta, uso dos recursos e dos direitos dos cidadãos, das entidades no país inteiro onde até pedreiros são suspeitos de desfalques de recursos, corporações par explorara trabalhadores sangrados por corporações e confrarias. Esse líderes e agressores que aparecem como homens são proles da mesma espécie, nada diferente. Hoje ninguém sabe mais quem é quem e a destituição de conhecimentos e princípios com envolvimentos de teorias materialistas e a nenhuma vocação ao trabalho onde muitos só vieram prestar serviços predatórios encostados em cargos, investiduras e no erário depois dos 25 anos ou mais e nem consciência de trabalho e ética funcional ter adquirido e muitos nem nascidos e por dedução nos cursos que é o professor com seus compêndios e sua retórica que ensina. Corporações, confrarias e seitas formam um sistema fascista dominante que mandam em tudo e com seus integrantes medíocres, empiristas, pobres, arrogantes com suas culturas ordinárias mandando e não pedindo. O Poder Judiciário que é a sustentação de uma nação com seus jurisdicionados em maciça maioria com seus adestramentos para macacos acreditando-se deuses e fazendo gato e sapato dos cidadãos e seus direitos, privilegiando oligarquias e burgueses e aparelhado com confrarias, poder econômico e Poderes Executivos. Desqualificados até como pessoas e em dignidade, suspeitos e denunciados de corrupções, patrimonialismos, propinas, envolvimento, acobertados pelas corregedorias, corporações de classe e legais. Mentiras em imprensa, nos poderes em em todo lugar onde a imprensa é o esconderijo de podridãos e falcatruas de quem lhe aprouve. E assim querem ser democracia e liberdade no país da libertinagem e desorganização tomado pelo poder financeiro. Ruído e enfraquecido em seus alicerces e domado pelo capital.

  7. Luiz Parussolo Postado em 15/Jun/2015 às 01:28

    Tenho vergonha de ser juiz Por João Batista Damasceno Tenho vergonha de dizer que sou juiz. E não preciso dizê-lo. No fórum, o lugar que ocupo diz quem eu sou; fora dele seria exploração de prestígio. Tenho vergonha de dizer que sou juiz, porque não o sou. Apenas ocupo um cargo com este nome e busco desempenhar responsavelmente suas atribuições. Tenho vergonha de dizer que sou juiz, pois podem me perguntar sobre bolso nas togas. Tenho vergonha de dizer que sou juiz e demonstrar minha incompetência em melhorar o mundo no qual vivo, apesar de sempre ter batalhado pela justiça, de ter-me cercado de gente séria e de ter primado pela ética. Tenho vergonha de dizer que sou juiz e ter que confessar minha incompetência na luta pela democracia e ter que testemunhar a derrocada dos valores republicanos, a ascensão do carreirismo e do patrimonialismo que confunde o público com o privado e se apropria do que deveria ser comum. Tenho vergonha de dizer que sou juiz e ter que responder porque — apesar de ter sempre lutado pela liberdade — o fascismo bate à nossa porta, desdenha do Direito, da cidadania e da justiça e encarcera e mata livremente. Tenho vergonha de dizer que sou juiz, porque posso ser lembrado da ausência de sensatez nos julgamentos, da negligência com os direitos dos excluídos, na demasiada preocupação com os auxílios moradia, transporte, alimentação, aperfeiçoamento e educação, em prejuízo dos valores que poderiam reforçar os laços sociais. Tenho vergonha de dizer que sou juiz porque posso ser confrontado com a indiferença com os que clamam por justiça, com a falta de racionalidade que deveria orientar os julgamentos e com a vingança mesquinha e rasteira de quem usurpa a toga que veste sem merecimento. Tenho vergonha de dizer que sou juiz porque posso ser lembrado da passividade diante da injustiça, das desculpas para os descasos cotidianos, da falta de humanidade para reconhecer os erros que se cometem em nome da justiça e de todos os “floreios”, sinônimos e figuras de linguagem para justificar atos abomináveis. Tenho vergonha de dizer que sou juiz porque faço parte de um Poder do Estado que nem sempre reconheço como aquele que trilha pelos caminhos que idealizei quando iniciei o estudo do Direito. Tenho vergonha de dizer que sou juiz, porque tenho vergonha por ser fraco, por não conhecer os caminhos pelos quais poderia andar com meus companheiros para construir uma justiça substancial e não apenas formal. Tenho vergonha de dizer que sou juiz, mas não perco a garra, não abandono minhas ilusões e nem me dobro ao cansaço. Não me aparto da justiça que se encontra no horizonte, ainda que ela se distancie de mim a cada passo que dou em sua direção, porque eu a amo e vibro ao vê-la em cada despertar dos meus concidadãos para a labuta diária e porque o caminhar em direção a ela é que me põe em movimento. Acredito na humanidade e na sua capacidade de se reinventar, assim como na transitoriedade do triunfo da injustiça. Apesar de testemunhar o triunfo das nulidades, de ver prosperar a mediocridade, de ver crescer a iniquidade e de agigantaram-se os poderes nas mãos dos inescrupulosos, não desanimo da virtude, não rio da honra e não tenho vergonha de ser honesto. Tenho vergonha de ser juiz em razão das minhas fraquezas diante da grandeza dos que atravancam o caminho da justiça que eu gostaria de ver plena. Mas, eles passarão! João Batista Damasceno é doutor em Ciência Política e juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Membro da Associação Juízes para a Democracia (AJD).

  8. eu daqui Postado em 15/Jun/2015 às 12:42

    Em todo o mundo juizes ganham muito bem. Se ele faz seu trabalho direito, se paga e vai muito além. O negocio aqui é moralizar o judiciario e não faveliza-lo. Aposto que, houver juiz cotista, todo mundo aqui no pp vai defender o cara independente da moralidade e do salario.

  9. Juninho Barbosa Postado em 15/Jun/2015 às 16:45

    Enquanto o presidente do TJMG ganha um absurdo, eu, como professor do Estado de MG, ganho um absurdo: R$ 1455,30. Ambos somos servidores públicos no mesmo Estado, o dinheiro que nos pagam vem da mesma fonte. Não quero ser juiz. Quero ser professor e receber o que é justo. Acho que ninguém precisa receber uma fortuna para viver. É imoral diante do resto que sobrevive com muito pouco.

  10. enganado Postado em 16/Jun/2015 às 23:56

    Quanto ganha? Depende do juiz, se for tucano, ganha SEMPRE um Por fora, até apto em Miami-EUA. Agora se for honesto será olhado com desconfiança. Se tiver dado uma sentença a favor de um PETISTA, está com os dias contados, ou se aposenta ou vai Pra Vala. Agora se imitar o Gilmar "Dantas", Moro, JB, Marco Aurélio de Mello, Rosa Weber ... vai para as alturas. Mas o ápice mesmo é ser Juiz-Tucano-Paraná e/ou Judeu (ex.: Fux)-agraciado com prêmio pela rede gRoubo, defendido pelo boechat (o cretino adora o JB e Moro. Dá ver o calibre da honestidade do boechat), pertencente aos quadros dos PSDB/DEM, ninguém segura o salário. Deve ser em torno, somando tudo, no mínimo R$ 300.000,00 e com conta em algum paraíso fical. Não se esqueçam, aqui é República dos 5P's, ou seja, cadeia só para POBRES/PRETOS/PUTAS/PROFESSORES/PETISTAS.