Redação Pragmatismo
Compartilhar
Guerra injustificável 10/Oct/2014 às 18:26
12
Comentários

O sofrimento dos curdos em luta desigual contra o Estado Islâmico

Esquecidos por razões políticas, os curdos se deparam agora com uma luta extremamente desigual com o Exército Islâmico, dotado de blindados e uma capacidade bélica esmagadora

curdos estado islâmico
Milhares de curdos cruzam a fronteira da Síria com a Turquia todos os dias para fugir do Estado Islâmico

Em artigo publicado no The Guardian em 8 de outubro, o professor de antropologia da London School of Economics David Graeber lançou um alerta sobre a gravidade da luta dos curdos contra o Exército Islâmico na cidade de Kobani, na fronteira da Síria com a Turquia. (“Why is the world ignoring the revolutionary Kurds in Syria?”)

Graeber, conhecido militante dos movimentos Occupy nos Estados Unidos, teve seu contrato não renovado com a Universidade de Yale em 2008, e foi para a Inglaterra, onde deu aulas na London University e agora está na LSE.

Graeber compara a situação dos curdos nesta região da Síria à dos republicanos na Guerra Civil Espanhola, entre 1936 e 1939. Diz que da mesma forma que os republicanos ficaram isolados pelos países do Ocidente naquela época, os curdos estão sendo “esquecidos”, também por razões políticas.

Diz o professor que os curdos promoveram uma verdadeira revolução nesta região da fronteira turca, chamada de Rojava, depois de se livrarem do controle do governo despótico de Bashar al Assad graças à guerra civil que grassa no país. Acentua que os curdos instituíram conselhos municipais renovados na região, com participação obrigatória de todas as etnias e culturas presentes nas cidades e também a presença obrigatória de pelo menos uma mulher.

Ressalta ainda que na região formou-se uma “União das Mulheres Livres”, cujas militantes têm se destacado no combate ao Exército Islâmico que ele, sem rebuços, chama de um grupo de extrema-direita, comparando-os aos falangistas de Franco. O que estaria ocorrendo em Rojava e especificamente na cidade de Kobani seria uma vingança do Exército Islâmico contra os curdos da região. Afirma ele que foram militantes de Rojava que atravessaram a fronteira do Iraque para socorrer seus compatriotas cercados no monte Sinjar pelo ISIS, e que foram eles que conseguiram evitar que estes fossem perseguidos e até literalmente escravizados pelos militantes extremistas, e não os bombardeios norte-americanos.

A luta em Kobani – e isto não é só Graeber que reconhece – é extremamente desigual. O Exército Islâmico dispõe de armamento pesado – inclusive blindados – e os curdos não. Inclusive só dispõem de armas antiquadas e não têm armas antitanque. Hoje (10) caiu o quartel general curdo na cidade em poder do grupo, e a ONU lançou um alerta temendo um massacre.

De onde vem o armamento pesado do Exército Islâmico? São armas e blindados apreendidos dos exércitos sírio e iraquiano, ou contrabandeado para eles por infiltrados e/ou graças à corrupção pura e simples. Inclusive muitas das armas e da munição são de procedência norte-americana.

Os Estados Unidos têm bombardeado posições do grupo em torno da cidade, mas os bombardeios têm tido pouca eficácia em deter o avanço deste grupo, porque a luta agora se dá casa a casa dentro da cidade. No Guardian também foi possível ler uma afirmação incompreensível do secretário de Estado, John Kerry, de que aquela região “não é prioritária” na luta contra o Exército Islâmico.

Enquanto isto, até o momento o Exército Turco, concentrado na fronteira, assiste impassível à luta desigual, apesar de ter autorização do Parlamento para intervir, inclusive em território sírio.

Para Graeber esta situação criminosa de abandono dos turcos se deve 1) à má vontade histórica da Turquia em relação aos curdos; e 2) à posição dos países do Ocidente de receio de que o exemplo da “revolução curda” se estenda a outras regiões da Síria e do Iraque, pelo menos. O Partido Revolucionário de Rojava trabalha em conjunto com o Partido dos Trabalhadores Curdos, um movimento guerrilheiro que, no entanto, afirma ele, abandonou faz tempo a luta armada como método contra o Exército Turco.

Por seu turno, vários dos demais grupos da oposição síria lamentam os bombardeios norte-americanos contra o ISIS, dizendo que eles só ajudam o regime de Bashar al Assad, e também nada fazem para ajudar os curdos, cada vez mais isolados.

Flávio Aguiar, RBA

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários

  1. João Paulo Postado em 10/Oct/2014 às 21:13

    Parabéns ao Pragmatismo por abordar esse assunto dos Curdos , onde a omissão é quase total por parte da mídia (como sempre) Cadê o Arvaaz ... calado , nada fala é claro não dá ibope pra eles. E assim mais um povo bom , verdadeiro vai sendo destruido o mesmo com a Líbia , os tibetanos os iraquiano, a Síria e etc....

  2. Carlos Postado em 11/Oct/2014 às 00:16

    Dilma quer dialogo com eles, terrorista defende terrorista.

    • Salomon Postado em 11/Oct/2014 às 18:07

      Carlos, como você é burro. Você deve ser um desses sujeitos cujo complexo de inferioridade é tamanho que, ao se olhar no espelho, se sente mal por considerar a imagem superior à original.

      • Patrícia Postado em 12/Oct/2014 às 01:51

        Ótima resposta Salomon!

    • eu daqui Postado em 13/Oct/2014 às 14:32

      Dilma pode ter apelado pro terrorismo sim: mas contra um estado totalitário, ilegítimo e genocida que era o Brasil da época. Acho que até eu teria feito o mesmo.

      • Carlos Postado em 14/Oct/2014 às 04:04

        Teria nada quem trabalhava na época achava bem melhor que a realidade de hoje, pergunte para qualquer idoso.

  3. mario Postado em 12/Oct/2014 às 11:12

    Carlos coxinha . os Estados Unidos são o culpado por 99,99% do mal no oriente médio, fomentando guerras pra alimentar sua industria armamentista. quem garante que esses videos nao sao montagens pra justificar outra guerra da mesma maneira que os EUA podiam ter prevenido o 11 de setembro e ñ preveniram/? quem garante que o estado islamico é tudo que dizem ser e se n é apenas uma fabricação da midia ocidental a soldo dos eua?

    • Maria Fernanda Postado em 13/Oct/2014 às 10:56

      Putz...por favor né!

  4. Jonas Schlesinger Postado em 12/Oct/2014 às 17:53

    Hehe talvez as palavras da sua presidentuça não tenha sido para se ter uma conversa com terroristas, mas ela foi infeliz nas suas palavras porque possibilitou a ambiguidade nelas. Resumindo a dilmaça não sabe se expressar. Enfim tanto ela como o Partido das Trevas querem enfiar no cu do Obama que ele está equivocado e que defende a Onu reagir contra o imperialismo americano. Ora os EUA mandam na ONU só pra começar a sede fica em Nova Iorque, o brasil quer cadeirinha no conselho de segurança, mas ficará chupando chupeta se contentando com acento periódico. Tem mesmo é que meter a chibata nesses terroristas de merda degoladores!!

    • eu daqui Postado em 13/Oct/2014 às 14:34

      Se formos chibatar todos os terroristas do mundo vai sangrar mais gente no primeiro do que no terceiro.

      • Carlos Postado em 14/Oct/2014 às 04:06

        Sonho kkkkkkkkk, primeiro mundo é combatido apenas por gente não civilizada do mundo inteiro doa a quem doer.

      • Carlos Postado em 14/Oct/2014 às 04:15

        http://www.youtube.com/watch?v=_hNt7kFshfU