Redação Pragmatismo
Compartilhar
Mídia desonesta 04/Aug/2014 às 16:19
40
Comentários

Aécio, Dilma e a mídia no "manchetômetro"

Laboratório de Estudos de Mídia da UERJ, através do seu “manchetômetro”, demonstra a desonestidade da imprensa brasileira. Se o Brasil fosse o que mostra a imprensa, estaríamos todos mortos de fome

Manchetômetro mídia dilma aécio eduardo
“Manchetômetro” revela como os jornais tratam desigualmente o governo federal e o governo paulista e como as notícias sobre Aécio Neves são mais equilibradas do que o material referente à Dilma Rousseff (Edição: Pragmatismo Político)

Luciano Martins Costa, Observatório da Imprensa

A Folha de S. Paulo acaba de descobrir que o racionamento de água que ocorre em São Paulo é racionamento mesmo, e não efeito colateral de obras de manutenção da rede. Essa constatação faz a manchete do jornal nesta sexta-feira (1/8): “Ação de SP na crise da água equivale a racionamento”.

No texto que se segue, o leitor fica sabendo que o racionamento que sofre na prática há um mês também é racionamento na teoria. O diário paulista só percebeu que o racionamento de fato é também um racionamento em termos técnicos quando alguns bares da Vila Madalena, região da boemia frequentada por jornalistas, tiveram que fechar por falta de água.

A nova interpretação da Folha para a crise de abastecimento chama atenção porque acontece ao mesmo tempo em que o jornal anuncia uma campanha para esclarecer aos leitores seu posicionamento diante de alguns temas tidos como importantes: casamento gay, pena de morte, cotas raciais, política econômica, aborto e legalização de drogas. A direção do jornal quer mostrar que, embora tenha posições claras sobre os assuntos, abre espaço para opiniões divergentes.

Essa mudança responde em parte a especulações feitas por protagonistas das redes sociais sobre a persistência da Folha de S. Paulo em pressionar o senador Aécio Neves (PSDB), candidato a presidente da República, a dar uma explicação para o caso do aeroporto privado feito em Minas Gerais com dinheiro público quando ele era governador do Estado.

Acesse o “manchetômetro” aqui

Foi a Folha que revelou essa história, obrigando os outros jornais a seguirem a pauta, e o veículo que mais mantém o assunto em evidência. Com a insistência do jornal paulista, Aécio Neves finalmente admitiu que usou o aeroporto “algumas vezes” e, nesta quarta-feira, acusa a Agência Nacional de Aviação Civil de atrasar a homologação do campo de pouso, o que pode ter feito com que ele, “inadvertidamente”, usasse as instalações irregulares.

No mesmo dia, em editorial, a Folha exige mais explicações, acusa o ex-governador de haver privilegiado a cidade onde sua família possui terras, observa que a obra “no mínimo, é conveniente para ele e seus parentes” e conclui que a questão “não está mais que esclarecida”, como quis Aécio.

O Brasil da imprensa vai mal

Alguns leitores escrevem comentários dizendo que o jornal paulista se descola de seus concorrentes, que poupam quanto podem o candidato tucano. No entanto, é mais fácil explicar a aparente guinada da Folha em dois aspectos: o jornal sempre foi muito próximo do ex-governador José Serra, que, embora correligionário, não tem qualquer entusiasmo pela candidatura de Aécio Neves; a Folha, como os outros diários de circulação nacional, segue demonstrando seu partidarismo em favor do PSDB em outros aspectos, principalmente no que se refere aos problemas de São Paulo.

Se não fosse pela simples observação crítica que o leitor mais atento costuma fazer, o partidarismo dos principais diários do País vem sendo registrado por um grupo de pesquisadores da UERJ – Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Suas análises da valência das informações destacadas pela imprensa mostram uma dicotomia presente nas escolhas editoriais, que reforçam aspectos negativos ou positivos dos acontecimentos conforme os protagonistas.

O Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (LEMEP) da UERJ demonstra, com seu “manchetômetro” (ver aqui), como os jornais blindaram Fernando Henrique Cardoso e expuseram Lula da Silva no passado recente, como tratam desigualmente o governo federal e o governo paulista, como as notícias sobre Aécio Neves são mais equilibradas do que o material referente à presidente Dilma Rousseff, bombardeada na proporção de 182 informes negativos para apenas 15 positivos, por exemplo, e como esse bombardeio se intensifica no período eleitoral.

Além disso, o noticiário econômico apresenta um resultado consolidado de mais de 90% de notícias negativas, numa linguagem dicotômica e com poucas nuances, “interpretando os fatos e dados econômicos como sinais de uma crise, ou em andamento, ou prestes a acontecer”.

Os gráficos da cobertura agregada dos três jornais, por exemplo, mostram que a economia teve em julho 97,6% de notícias negativas contra apenas 2,4% de notícias positivas.

Se o Brasil fosse o que mostra a imprensa, estaríamos todos mortos de fome. Essa é uma das evidências de que a imprensa hegemônica rompeu com o jornalismo.

Recomendados para você

Comentários

  1. herbo Postado em 04/Aug/2014 às 16:52

    a unica curiosidade, Dilma é situação, atual governo, os outros são apenas CANDIDATOS, não se pode falar mal de do atual governo porque ela concorre a re-eleição ? que logica cretina é essa ?

    • André Postado em 04/Aug/2014 às 17:03

      Como assim, "não se pode falar mal"? Estão falando mal diariamente, meu caro. Entre os outros, que são "apenas candidatos", há um senador, que não apresentou um projeto relevante (sem falar nos mal-feitos como governador). E o outro, é um ex-governador, que conquistou popularidade devido aos projetos do governo Lula em Pernambuco. Quanto a estes, a mídia só fala mal depois de dar 5 notícias ruins sobre o governo.

      • Lopes Postado em 04/Aug/2014 às 18:31

        Quem trabalha muito, erra muito! Quem trabalha pouco, erra pouco! E quem não trabalha, não erra!

    • DOMENICO Postado em 26/Sep/2014 às 07:19

      FALAR MAL PODE, SEM DUVIDA. O QUE NAO PODE E SO FALAR MAL. E SEMPRE DESTACAR FATOS POSITIVOS. COMO E POSSIVEL QUE COM TANTO PESSIMISMO A DILMA CONTINUA LIDERANDO NAS PESQUISAS. O QUE QUE TA ACONTECENDO?

  2. André Postado em 04/Aug/2014 às 17:10

    Rodrigo, você não é ingênuo. Sabe que a grande mídia tem verdadeiro ódio ao PT. Para eles, nada é bom vindo do PT. Te faço uma pergunta, no noticiário de economia, chegaste a ver algo sobre a inflação dos últimos dois meses? Por que os jornalões não falaram da deflação dos alimentos nestes últimos meses? No governo do PT, os preços só são notícia quando sobem, isto é um fato. Em economia, saem novos dados todos os dias, boas e ruins. Quando se trata do PT, a grande mídia opta sempre por destacar as ruins.

    • Gustavo Postado em 05/Aug/2014 às 12:10

      Pois é, e essa mesma mídia golpista detêm em seu quadro de colunistas pessoas de esquerda, por exemplo, o Boulos do MTST. Mas claro, eles estão lá porque são ingênuos não é?! Ou deve ser algum disfarce deles. O PT usava a veja para fazer denúncia na época que era oposição, mas se sai qualquer notícia desfavorável a eles, se dizem perseguidos ou perseguem quem as fez. concordo com o rodrigo.

  3. Luke Skywalker Postado em 04/Aug/2014 às 17:19

    E tudo isso, também, porque houve maior democratização nas verbas publicitárias... Contemplando mais veículos... É represália desses mafiosos.

  4. Murilo Postado em 04/Aug/2014 às 17:29

    É importante ressaltar que todo esse ódio contra o PT se dar em razão da sua governança esquerdista, que visa nivelar as camadas da sociedade de forma mais homogênea. Em contrapartida os jornais são particulares, precisam de anunciantes, (O Capitalismo que empresas que pagam mal e abusam da jornada de trabalho do pobre ser humano). Ou seja a manutenção da Elite econômica que move isso. E o pior são as pessoas que leem Veja, estadão e O globo, acham que detêm "conhecimento...' para falar de política e economia, sendo que não fazem nem parte dos ricos e soberanos para defender a Direita...

  5. Eduardo Benatti Postado em 04/Aug/2014 às 17:54

    Ué, é ela que está gerindo o país, e está gerindo mal. País crescendo na base da impressão de dinheiro, esse protelamento da crise energética que vai explodir em breve, investimentos mortos em Cuba, Venezuela e Argentina enquanto aqui as santas casas estão fechando as portas...

    • André Postado em 04/Aug/2014 às 18:11

      Interessante que os tucanos usam o termo crise energética pra referir aos problemas causados nas hidrelétricas em virtude das estiagens. Buscam assim culpar o governo pelo problema. Já quando falam do DESABASTECIMENTO em SP, culpam os problemas climáticos, São Pedro... Ou seja, o MESMO problema tem duas interpretações, uma para o PT e outra para o PSDB.

      • Eduardo Benatti Postado em 04/Aug/2014 às 21:04

        Os dois problemas tem bastante a ver com a infra-estrutura, mas o clima realmente tem um peso maior no abastecimento de água do que na rede elétrica do país, que parou de se desenvolver lá pelo final do mandato do FHC e desde então só recebeu remendos. E esse negócio de mídia golpista é 90% paranóia; realmente se você for pegar uma Veja ela vai ter um ponto de vista mais conservador e de direita, mas ela não era exatamente uma flor com o Fernando Henrique. Eles tinham medo do PT por causa das promessas que, se cumpridas, iam acabar afastando investimentos e até retirar capital investido no país, mas o governo já apanhava naquela época.

      • André Postado em 04/Aug/2014 às 21:16

        Tá de pegadinha, né Rodrigo? Tivemos apagão nos últimos anos de FHC. Olhe quantas novas hidrelétricas foram construídas nos últimos anos e compare. O gasto aumento enormemente de lá pra cá, e mesmo assim não tivemos nenhum risco de falta de energia. Certamente o clima tem mais peso no abastecimento de água. Mas existe aí um outro ponto fundamental que você, não sei por que razão, não mencionou. Que é o fato de que não haverá apagão no setor energético (mas um aumento de custo a ser pago em 2 anos em virtude da necessidade de uso das termoelétricas), diferente do que está ocorrendo com o abastecimento de água em SP, onde a água esta ACABANDO. Consegue perceber a diferença?

      • André Postado em 04/Aug/2014 às 21:17

        Errata: Eduardo. Discuto tanto com o Rodrigo por aqui que cheguei a me confundir rsrsrs

      • Eduardo Benatti Postado em 04/Aug/2014 às 22:24

        Cara, o problema é que vocês do MAV falam como se caso o PSDB tivesse continuado no poder não fosse haver nenhum investimento em nada. Claro que houve investimento na era PTralha, até porque a demanda aumentou. Mas o que o governo fez foi o mínimo do mínimo, pra manter a coisa funcional. E como você disse, a água está acabando em São Paulo, o que uma questão puramente climática. O problema da energia é a infra estrutura, ou seja, o foco central do problema é que não foi investido o suficiente pra captar o potencial hidrelétrico do nosso país. Outra coisa frustrante de lidar com vocês é que basicamente quem defende o PT só bate em duas teclas: apagão FHC e redução da miséria, com o ocasional "fim da dívida externa". O que a. aconteceu há mais de uma década b. aqueles que saíram da miséria dependem de Bolsa Família e crédito pra consumir (impressão de dinheiro), fora os tais parâmetros do governo que cinsideram alguém morando num fundo de vale com 300 reais por mês como classe média, e c. trocaram a dívida externa por uma dívida interna trilionária que mal se cobre os juros graças ao mau investimento da verba pública. Apesar disso, eu acho divertido vir aqui de vez em quando. Até menciono algumas pérolas (abundantes nas "matérias e fartas nos comentários) no Face :D

      • André Postado em 04/Aug/2014 às 23:02

        Eduardo, o problema de discutir com vocês, Demo-tucanalhas, é que são incapazes de admitir qualquer avanço dos governos do PT. Você esqueceu de mencionar a geração de emprego, a criação das diversas universidades federais (e programas correlatos como o Ciência Sem fronteiras e o Prouni), o aumento do salário mínimo e do seu poder de compra, o aumento exponencial da renda per capita da população... A lista é bem grande. E olha que ainda sou um crítico do governo, acho que poderia ter feito MUITO mais. Mas comparar com o PSDB não dá mesmo. É por isso que volta e meia venho aqui para lembrar os menos informados, principalmente aqueles que acham que ler Veja e Infomoney é o suficiente para saber tudo sobre política e economia.

      • André Postado em 04/Aug/2014 às 23:06

        E você está certo, o problema de SP é só climático. Afinal estamos no século XV, e falta de água é problema de São Pedro. Fico me perguntando como vive aquele povo do Oriente Médio, vai ver não bebem água, não é mesmo?

    • Eduardo Benatti Postado em 05/Aug/2014 às 13:12

      Verdade, eu forcei a mão nessa do clima. A infra-estrutura deficiente com certeza é um fator forte na crise da água. Não vou dizer que no oriente médio tem a abundância do Brasil em água, mas vá lá, é um ponto válido. Já a questão do aumento do salário mínimo, isso é natural em qualquer lugar do mundo; o custo de vida aumenta, novas necessidades aparecem (exemplo, a explosão da era digital), novos serviços surgem, a renda tem que aumentar. Isso é natural. Além do que, quando o FHC saiu o plano real não tinha nem cinco anos de idade, estava engatinhando. As universidades federais são um bom conceito só que aplicado meio nas coxas. As medidas tomadas no governo PT visaram facilitar a entrada no ensino superior, porém, sem fortalecer a educação de base, que continua naquele sistema bancário de aprendizagem (que até o Paulo Freire critica). As cotas, ProUni e federais são válidas para incluir os mais pobres no ensino superior, mas não resolve a questão principal, que é de que o grande obstáculo do pobre para o ingresso na educação superior é a formação básica deficiente. Ele sai da rede pública totalmente despreparado. Dito isso, o governo do Lula não foi uma abominação, pelo menos no primeiro mandato e o começo do segundo. Houve um desenvolvimento considerável, ainda mais com o fator China do lado. Depois disso virou um projeto de perpetuação no poder via populismo, com uma verdadeira orgia de dinheiro público e negociação de cargos sem precedentes em troca de apoio político.

      • André Postado em 05/Aug/2014 às 14:07

        1- Concordo em parte, sobretudo com a falta de investimentos na educação de base. Mas é bom lembrar que esta está a cargo dos estados e municípios. Só se a educação básica for federalizada o governo poderá realizar maiores mudanças. 2- Mas discordo em outras questões. Primeiro, o plano real é de fevereiro de 1994, ou seja, FHC teve mais 8 anos de governo. Segundo, não estou falando do aumento simples do salário mínimo, mas do seu aumento de poder de compra. Na época de FHC, o salário equivalia a menos de 100 dólares. Em terceiro lugar, a negociação de cargos é um problema do sistema político brasileiro. A questão é simples, sem o apoio do PMDB não é possível conquistar maioria, e, portanto, é impossível governar. Caso o Aécio ganhe, ele não vai conseguir governar sem compor uma maioria, não é a toa que ele fez pressão para tentar trazer o PMDB por seu lado. No fim das contas não conseguiu, mas aceitou de bom grado o apoio do PTB, partido que mais lucrou no episódio do mensalão. Achar que é possível mudar este quadro, simplesmente elegendo outro candidato é ingenuidade. Quem quiser governar neste sistema terá que negociar cargos obrigatoriamente.

      • poliana Postado em 05/Aug/2014 às 15:49

        PERFEITO ANDRÉ!! MARAVILHOSO SEU POSICIONAMENTO! sempre bom ouvir diferentes pontos de vistas, sem apelas pra baixaria. adorei o debate entre vcs!

      • poliana Postado em 05/Aug/2014 às 16:13

        apelar*

    • Thiago Postado em 06/Aug/2014 às 08:48

      A santa casa é de SP, amigo...

    • Fabio Hideki Postado em 19/Oct/2014 às 17:46

      manchetometro.com.br/analises-1998/analises98-candidatos/

  6. Thiago Teixeira Postado em 04/Aug/2014 às 18:20

    O Legal seria esse grupo fazer um manchetômetro entre 1995 até 2002. Só assim para esses coxinhas entenderem que a grande mídia é golpista e faz uma artilharia incessante contra o governo federal petista até a fadiga extrema, formando opinião e desestabilizando o poder executivo.

  7. Thiago Teixeira Postado em 04/Aug/2014 às 18:23

    Pelo amor de Deus, deixe de ser cego ou fingir de tal.

  8. André Postado em 04/Aug/2014 às 20:24

    Existem várias comparações neste sentido. É só ver as capas da VEJA nos anos de FHC e Lula. Governo tem que ser criticado mesmo, mas é preciso o mínimo de isonomia, e isso a grande imprensa não tem.

  9. André Postado em 04/Aug/2014 às 20:38

    Hoje o JN vai iniciar uma série de reportagens sobre "os principais problemas do Brasil". Acha que isso é acaso? Por que eles não fazem isso sempre? A verdade é que a globo e a grande mídia só se interessam pelos problemas do país quando é pra criticar os governos que não lhe agradam.

  10. poliana Postado em 05/Aug/2014 às 02:00

    "Laboratório de Estudos de Mídia da UERJ, através do seu “manchetômetro”, demonstra a desonestidade da imprensa brasileira". e alguém duvida disso??? a grande mídia desse país é absolutamente psdbista. sempre blindou os tucanos e sua corja! n importa qtos podres esses partido e seus representantes tenham, ela nunca noticiará isso! apenas o pt é o partido demoníaco e corrupto desse país! essa parcialidade dela é realmente nojenta! se serve de consolo, em tempos de redes sociais, o poder de manipulação sobre a massa caiu muito! prova disso foi a eleição de haddad em sp, e a própria manutenção do pt no poder já há 12 anos! vamos ver até qdo esse mal caratismo do pig consegue chegar!!!

  11. poliana Postado em 05/Aug/2014 às 02:02

    tá bom filhinho, agora vai tomar o teu todinho gelado e volta pra tua bolha e teu mundinho coxinha cor de rosa.

    • Thiago Teixeira Postado em 05/Aug/2014 às 08:27

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  12. Rafael. Postado em 05/Aug/2014 às 10:46

    Rodrigo, fica claro em seu post que você nem sequer leu a matéria ou se leu não a compreendeu em nada. Comportamento típico.

  13. Alessandro Postado em 05/Aug/2014 às 14:17

    Então a mídia odeia ela e os bancos também.... Putz, a Dilma deve ser muito melhor do que eu pensava. hahaha

  14. José Feitosa Postado em 07/Aug/2014 às 23:34

    A presidenta sem sombra de dúvidas a meu ver é a que melhor entre os outros candidatos que poderá atender aos anseios da maioria menos favorecido.

  15. Waldomiro Postado em 14/Aug/2014 às 10:40

    As notícias da mídia brasileira sobre economia são sempre negativas. Procuro sempre desligar o aparelho, principalmente, se forem Miriam Leitão e Sardenberg.

  16. LIZA Postado em 14/Aug/2014 às 11:42

    Dilma pra mim não foi uma das melhores, bastava ser ela mesma;POIS NÃO TEVE POSTURA ALGUMA COM OS MOVIMENTOS POPULACIONAIS NA RUA.ACHAVA QUE AQUELA COBRANÇA TODA QUE ELA DEMONSTRAVA COM A MÍDIA SERIA ALGO BOM PARA O PAÍS;QUE NADA TODOS FIZERAM EXATAMENTE A MESMA COISA :"NADA".MAS, EM TROCA DISSO VEIO OS MÍDIANARIOS,QUE ANDAM POR AÍ ACHANDO QUE MANDAM NO PAÍS SÓ PORQUE POSSUEM UM LUGAR NO CARGO PÚBLICO ISSO TUDO É UMA CHATISSE ...SEM FALAR NA VIOLENCIA QUE PREDOMINA ,SEJA POR PALAVRAS OU POR FALTA DE INVESTIMETO NA EDUCAÇÃO;

  17. samara Postado em 14/Aug/2014 às 12:56

    Dilma, não soube resolver a questão das manifestações nas ruas,o que fez com que ela perdesse totalmente a autoridade, junto com o PT.

  18. poliana Postado em 05/Aug/2014 às 10:15

    putz naro...e vc ainda diz q n é tucano??? cara, sai do armário filho!

  19. poliana Postado em 05/Aug/2014 às 15:51

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk!!!! então tá bom naro...o pior cego é akele q n quer ver...mas tudo bem, vc tem razão: me namorar deve ser ruim mesmo. casar com vc é q deve ser fácil..imagino o quão feliz vc é capaz de fazer uma mulher!

  20. André Postado em 05/Aug/2014 às 14:38

    A UERJ, como a maioria das universidades públicas, está entre as melhores universidades do país.

  21. poliana Postado em 05/Aug/2014 às 16:15

    "A UERJ (como a maioria das universidades públicas) é um antro de esquerdopatas." então a melhor opção é privatizar as universidades públicas no país né?! assim como fhc pretendia e o coordenador da campanha do aécio já andou defendendo publicamente. n é isso q vc quer? será melhor para o brasil né?

  22. Mauricio Palhano Postado em 07/Aug/2014 às 01:31

    Realmente é algo colérico eu diria Poliana. Uma pessoa que discorda de certos posicionamentos de esquerdas é "obrigatoriamente" de direita? Você vai reduzir os seres humanos a isso? A uma trincheira ideológica? Isso é penosamente limitado, vamos continuar agindo como andróides padronizados com discursos de balcão? Discordo do Naro quanto a UERJ, e não sou de esquerda, menos ainda de direita. Vivemos um péssimo momento no Brasil, as pessoas estão de robotizando e se entricheirando, se limitando o posicionamento e o pensar. Isso é catastrófico...