Redação Pragmatismo
Compartilhar
Barbárie 03/Feb/2014 às 23:24
111
Comentários

Jovem negro é acorrentado nu em poste por grupo de ‘justiceiros’

Jovem negro é acorrentado nu em poste por grupo de ‘justiceiros’. Ele foi espancado e levou uma facada na orelha

Um adolescente foi espancado e preso a um poste por uma trava de bicicleta, nu, na noite da última sexta-feira, na Av. Rui Barbosa, no Flamengo, Zona Sul do Rio. Ele teria sido atacado por um grupo de três homens, a quem chamou de “os justiceiros”, segundo a coordenadora do Projeto Uerê, Yvonne Bezerra de Melo, de 66 anos. A artista plástica foi chamada por vizinhos que flagraram a cena, registrou a situação e compartilhou em sua página no Facebook. Internautas sugerem que ele seja um ladrão.

jovem negro justiceiros rio de janeiro
Jovem negro foi encontrado nu e preso pelo pescoço a um posto com trava de bicicleta (Reprodução / Facebook)

— Eu não quero saber se ele é bandidinho ou bandidão, você não pode amarrar uma pessoa no meio da rua. Aquela área do Flamengo teve um aumento muito grande de violência e roubos recentemente. Como as coisas não melhoram, um bando de garotões se juntam e começam a fazer justiça pelas próprias mãos. Sei que tem muita marginalidade e a polícia é ineficaz, mas você não pode juntar um grupo e começar a executar pessoas — explica Yvonne, que estima que o rapaz tenha entre 16 e 18 anos. — Eu perguntei a ele quem tinha feito aquilo e ele disse que eram os “justiceiros de moto”. Ele foi espancado, levou uma facada na orelha, arrancaram a roupa dele e prenderam pelo pescoço. E ninguém na rua faz nada para impedir.

Ameaças

Bombeiros do Quartel do Catete atenderam a ocorrência de agressão e soltaram o rapaz. Ele foi levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar. Yvonne conta que os bombeiros precisaram usar um maçarico para abrir a trava de bicicleta.
A artista plástica já chegou a receber ameaças por ajudar e defender o rapaz:

— Eu recebo ameaças por defender, mas estamos falando de seres humanos. Recebi no Facebook a seguinte mensagem: “Pra mim essa raça tem que ser exterminada com requintes de crueldade”. De um rapaz jovem, que não deve ter nem 20 anos. Se o Estado não toma providências para resolver o problema da violência, os grupos nazistas, neonazistas se unem e essa mentalidade toma conta.

Fundadora do Projeto Uerê — ONG que oferece educação a crianças e adolescentes com dificuldades de aprendizagem decorrentes de traumas —, Yvonne trabalha com projetos sociais no Brasil desde os anos 1980. Ela conta que, nesta época, esse tipo de ataque era comum.

— Nos anos 80 existiam, na Zona Sul, gangues de rapazes que saiam à noite para bater em mendigos e em meninos de rua. Depois, isso parou porque houve certa redução da criminalidade. Se ele rouba, que prendam, mas não pode torturar no meio da rua — conclui. — Esse tipo de crime tem muito racismo, muito preconceito. Se fosse o contrário, ia ser um Deus nos acuda. “O branquinho amarrado no poste, coitadinho!”. O que está acontecendo é que a violência está criando o ódio da população. Eu entendo, ninguém quer ser esfaqueado andando no Aterro (do Flamengo), mas você tem leis, tem uma polícia. Não pode fazer justiça com as próprias mãos.

Leia abaixo texto publicado pelo internauta João Pedro em sua página do Facebook:

Dia primeiro de fevereiro, véspera do dia de Iemanjá. Na noite seguinte, a região da Pedra do Sal, onde, não muito mais que um século atrás, havia um mercado de escravos e troncos para punição, seria tomada pela alegria fraterna de uma roda de samba tradicional. Mas antes disso, a poucos quilômetros dali, no bairro do Flamengo, os antigos horrores da Pedra da Prainha seriam revividos. Puseram um negro nu preso pelo pescoço com uma trava de metal num pelourinho improvisado. Segundo o comentário satisfeito de quem publicou a foto (sem qualquer tarja no rosto, perpetuando a humilhação pública), ele estava assaltando pessoas. Pra servir de exemplo aos pretos ladrões. Ao que tudo indica, obra de um grupo local organizado com esse intuito. Recentemente, um caso semelhante aconteceu numa praia na Zona Sul.

Se esse jovem não estava na Pedra do Sal de hoje ouvindo a alta poesia da música negra, tomando cerveja e conversando com seus amigos sobre seu trabalho de mestrado não é porque tenha um delírio malévolo de assaltar pessoas, fruto de uma natureza mais maligna ou menos humana que qualquer pessoa, mas porque não existe espaço objetivo pra dignidade e felicidade de todos no projeto capitalista, racista e violento de país que dirige o Brasil. Sem entender isso, não se entende nada e, facilmente, até mesmo sem perceber, se cai no colo dos fascistas.

É preciso saber que, oficial e oficialescamente, o Estado, seu judiciário e sua polícia fazem isso e pior todos os dias. Mas a resistência cotidiana, as lutas cotidianas e valores elevados presentes na consciência das massas exercem contrapressão. No entanto, a prova real do caráter humanamente falido do Estado burguês e de sua justiça degenerada é que na medida em que um setor cada vez mais amplo de civis se radicalizarem à direita e aderirem a seus valores e métodos, estaremos mais e mais próximos da barbárie do fascismo, sem subterfúgios. Não existe vacina política histórica, nada está garantido e nada está assegurado; a humanidade se reinventa todos os dias.

Repúdio absoluto e urgência de responder isso à altura. Não pode deixar naturalizar de jeito nenhum. Peço a todos que façam chegar a todas as organizações políticas, mandatos, movimentos e entidades democráticas de que tenham conhecimento.

com informações do Facebook e jornal Extra

Recomendados para você

Comentários

  1. Dani Postado em 04/Feb/2014 às 07:23

    Aí o cara rouba e ainda é coitadinho, como se pobreza fosse desculpa para falta de caráter. - Se esse aí rouba por que é uma pobre vítima do sistema, como tem tantos como ele que nunca roubaram? - Se esse aí rouba por que é uma pobre vítima do sistema, porque o Lalau roubou mesmo sendo rico?

    • Morais Postado em 04/Feb/2014 às 07:41

      Quem disse que ele é ladrão ?? Não teve queixa e nem vítima...isso tá parecendo coisa de playboy...

      • Juliano Postado em 05/Feb/2014 às 13:41

        Se você se informasse melhor, saberia que ele tem uma extensa ficha de crimes...

      • Maisa Postado em 05/Feb/2014 às 17:08

        Acredito eu (lembrando que essa é a minha opinião), que as pessoas fazem justiça com as próprias mãos, independentemente de ser negro, branco, gay, adolescente ou velho, por que a justiça no Brasil não funciona. E não funciona mesmo! A população esta cansada de ver a própria policia ajudando bandido, você hoje não sabe mais em quem acreditar. O ser humano esta passando necessidade e os políticos estão gastando fortunas comendo em restaurante chique e construindo estádios e enquanto isso os bandidos fazem a festa, roubam, matam e se for adolescente nem preso vai. Ele tem uma lista imensa de crimes e é apenas uma crianças, ele fugiu e sabe-se lá Deus o que vai fazer. Não sou a favor da agressão e muito menos de liberarem um adolescente mesmo tendo feito inúmeros crimes, mas é o que esta acontecendo no país, e as autoridades não estão nem aí pra população.

      • Rodrigo Postado em 21/Feb/2014 às 14:14

        Mesmo que ele seja mesmo assaltante, o resultado que veremos disso tudo é que os ladrões não deixarão mais ninguém para contar história. Não verão motivo nem sentido algum de não matar alguém quando forem roubar. E eles ficando mais perigosos, estes "machões" vão piar fino, tal qual piam hoje já com medo de serem "justiceiros" contra bandidos mais perigosos. Precisamos é reformar nossos sistema penal e presidiário além de unificar as polícias.

    • Victor Postado em 04/Feb/2014 às 09:05

      Concordo com o João Paulo. Quem garante que esse menino assaltou alguém? Muita gente lerá a notícia e dirá "bem feito", mas o fato é que quem pensa assim incorre no mesmo erro dos "justiceiros" da moto e dos revoltados de Facebook: julgar precipitadamente.

      • Juliano Postado em 05/Feb/2014 às 13:41

        Então se informe...

    • Carlos Sousa Postado em 04/Feb/2014 às 09:29

      A questão central deste texto não é o roubo e sim, a forma cruel que a população encontrou para punir. Cobramos que as leis sejam aplicadas, mas não fazemos por onde isso aconteça. Se for para se organizar contra os infratores, que hajam com seus celulares com câmeras e registrem o flagrante. Se for possível, como neste caso, deter o meliante, faça assim e chame a polícia. Justificar um erro com outro erro é equivalente a não raciocinar.

      • Juliano Postado em 05/Feb/2014 às 13:45

        Isso seria muito bonito se a justiça de fato desse o determinado fim ao infrator. O sistema completamente falho do país libera os bandidos após alguns dias, mesmo quando preso em flagrante. É normal ler notícias onde o bandido já tinha uma ficha extensa com a justiça, como é o caso aqui, diga-se de passagem. Inclusive em casos de assassinato acontece o mesmo... os bandidos já tinham feito e acontecido, mesmo assim estava em regime semi aberto ou tinha sido liberado por algum outro motivo. Um povo que tem o estado do seu lado não tem porque fazer justiça com as próprias mãos. Não é o nosso caso.

    • Beatriz Postado em 04/Feb/2014 às 09:55

      É claro, somos todos "iguais" não é? Com as mesmas oportunidades para fazermos aquilo que quisermos e alcançar nossos anseios, sem interferência racial ou econômica, e por tal motivo, pende para o lado errado aquele que é mau caráter e blá blá blá. Porém essas afirmações feitas pela grande maioria dos brasileiros não explicam porque a população carcerária de nossas prisões é majoritariamente negra e pobre e com certeza a resposta não se resume a impunidade dos homens corruptos, também não explica porque ainda hoje é tão difícil encontrarmos pessoas como este jovem concluindo o ensino médio e ingressando nas universidades federais, que apesar de publicas são na maior parte das vezes ocupadas por jovens de classe média alta ou ricos. Essas respostas prontas que o povo carrega na ponta da língua são um meio para se manter na inércia, para fantasiarem que a solução está em cada sujeito e que esses fatos não são problemas de todos e sim do "preto que resolveu sair da linha" (tenho grande nojo de colocar desta forma, mas é o que os hipócritas falam), ele que vá mudar de vida não é mesmo?! Enfim, respostas prontas vindas de pessoas que tem preguiça de ao menos pensar os problemas sociais e reivindicar soluções para estes!

      • Juliano Postado em 05/Feb/2014 às 13:54

        Brasil está imerso em um grande problema social que tem suas raízes desde sua descoberta. Há de ser uma revolução socio economica, sim... o buraco é mais embaixo? É. Negro é pobre porque seu povo foi escravizado há tempos atrás. Obviamente bandido não é bandido porque é negro, nem nada assim. É um reflexo histórico. Mas essa mudança que vai fixar todos os males sociais do nosso país não vai acontecer da noite pro dia, mesmo que aconteça um grande mutirão do povo para tal. Enquanto isso... devemos passar a mão na cabeça dos infratores? Vai abraçar o cara que te assalta, o cara que mata alguém da tua família? Porque, coitadinho, não teve as mesmas oportunidades? Ficar lambendo a bunda de bandido porque tá com dó vai ser de grande ajuda pra causa não vai? Sem punição ou correção, que o estado não fornece, o crime vai tomando conta de forma endêmica, e se o povo resolveu fazer justiça com as próprias mãos é só um reflexo de que a ponto o caos nesse país se instaurou. Eu não sou rico, nem de classe média alta. Estudei em colégio público a vida toda, não consegui me formar em nada, e trabalho pra caralho pra ter o pouco que tenho. Já fui assaltado mais de uma vez, não levaram minha vida, como acontece por aí, mas levaram coisas que suei muito pra ter, pra vir um vagabundo e levar. Se pudesse, arrancava a mão do filho da puta sim. Não vou ficar esperando justiça divina.

      • herbo Postado em 05/Feb/2014 às 17:29

        que desculpa cretina e preconceituosa, pela sua lógica perversa todo negro pobre seria ladrão, você é racista e preconceituosa.

    • Astolfo Postado em 04/Feb/2014 às 10:05

      Foi exatamente por isso que prenderam o Lalau pelo pescoço em praça pública quando pegaram ele roubando.

    • Robson Postado em 04/Feb/2014 às 12:54

      Alguém falou que o garoto em questão roubou alguém?

      • Cristiane Taz Postado em 05/Feb/2014 às 11:01

        Estou pesquisando na internet exatamente isso. Não que faça a mínima diferença pra mim, mas é realmente revoltante que os babacas não pensem, nem por um minuto, que se mesmo a justiça institucionalizada é falha, imagina três bandidos motoqueiros na noite do flamengo. Não encontrei nenhuma referência aos crimes praticados por esse menor, na folha foi dito que a polícia identificou o garoto e ele já foi acusado de três furtos, nada além disso, por enquanto.

      • Juliano Postado em 05/Feb/2014 às 13:54

        Te informa antes de falar.

    • Natalia Postado em 04/Feb/2014 às 13:47

      Não tem como justificar a privação da liberdade de nenhum ser humano !!. Sinceramente somete um ignorante pode achar que p direito material está por cima do direito moral. Estes caras tem muito mais a ver com razismo e sadismo que com a "proteção desinteresada" dos direitos da sociedade ... O preço de termos ruas sem criminosos no pode ser, que todos viremos criminosos .

      • Juliano Postado em 05/Feb/2014 às 13:56

        Vamos todos passar a mão na cabeça do bandido e agradecer. Quando você for assaltado, dê um abraço, e diga que sente muito pela situação que o pobre coitado está passando. Faça o mesmo quando algum familiar teu morrer em um assalto a mão armada.

      • herbo Postado em 05/Feb/2014 às 17:30

        Como assim amiga ? quer dizer que deveriamos deixar livre criminosos ? confere ?

    • Jaqueline Postado em 04/Feb/2014 às 14:46

      Alguém justificou que se possa roubar? Alguém disse que ele não deve ser punido, no rigor da lei (da lei das pessoas civilizadas), caso esteja roubando? Você ainda não entendeu a gravidade do que fizeram?

      • Juliano Postado em 05/Feb/2014 às 13:57

        Ok, agora me diga como, no Brasil, isso acontece... O que se vê é milhares e milhares de bandidos com ficha extensa de crimes, que andam livres leves e soltos por aí cometendo mais crimes. Seria muito bonito isso que disse, se tivéssemos um sistema legal que realmente funcionasse.

    • Geyzon Rodrigues Postado em 04/Feb/2014 às 23:58

      Esse da "Dani" comprova que o burro citado na bíblia realmente falou. O discurso do Bolsonaro (DEM) demostra com concretude que o fascismo é muito forte e é está representando o Brasil no parlamento nacional.

    • Lino Postado em 05/Feb/2014 às 13:21

      Mesmo que fosse, se eu ou minha familia passasse por dificuldades, sem duvidas roubaria tambem.

      • herbo Postado em 05/Feb/2014 às 17:32

        Isso mostra muito do seu carater, dificuldades é algo relativo, a constituição e a justiça de um modo geral tolera o roubo para sobreviver, que não é o caso de 90% dos ladrões, que roubam por falta de carater. Assim como você deve ser, vá trabalhar!

    • Ramon Postado em 05/Feb/2014 às 14:24

      A questão é: você está tentando usar exceções como regras. Roubar é errado, mas não significa que a raíz do problema está no indivíduo pobre que rouba, e sim no sistema. Porque curiosamente a maior parte dos ladrões são de classe baixa? Porque ser pobre é ser mal caráter? Não, muitos deles roubam por necessidade (em alguns casos também não justifica), e outros sim por falta de caráter. Assim como esse "Lalau" sendo rico roubou, ele é uma exceção dos ricos, que tendo tudo o que precisa, não precisa se rebaixar ao ato do roubo. Se todas as pessoas perdessem essa visão superficial de cada problema, com certeza a raíz de todo problema seria cortada, e não apenas as "folhinhas" dessa árvore.

    • Felipe Postado em 05/Feb/2014 às 15:10

      Um grande erro pensar que a perpetuação da violência é a resposta sensata para a construção de uma sociedade justa e solidária. Devemos entender o ser humano em sua singularidade, julgar é fácil, bater e espancar mais ainda. Que nossas palavras não sejam tão covardes e obtusas como os atos praticados por estes seres humanos cegos que procederam desta maneira. Que a violência física e psicológica, juntamente com a ignorância e o falso senso de justiça seja extirpado da face da terra de uma vez por todas!

    • Fran Postado em 05/Feb/2014 às 15:43

      A questão não é se ele é ou não ladrão....

  2. João Paulo Postado em 04/Feb/2014 às 08:27

    Dani, não é questão do rapaz ser coitadinho ou não, e nem mesmo teve confirmação de que o rapaz era ladrão, e mesmo se fosse, ladrão tem que ser preso pela polícia e julgado pela justiça, até porque todos sabem que a justiça pode ser falha, imagina então uma justiça feita por pessoas 'incompetentes' para tal, a questão é não se propagar um comportamento como esse, pois isso poderia nos levar ao estado de bárbaros. Imagina se a moda pega, e começam a surgir vários grupinhos de burgueses como esse, e víssemos diariamente vários negros presos em postes, nus em praça pública...? Não te lembraria nada? E já que você tocou no assunto, por que ao invés de correr atrás de ladrões na rua, esse grupo de justiceiros não faz algo para reverter o quadro? Como tentar impedir que pessoas no poder (os verdadeiros ladrões do Brasil) desviem verbas públicas para o enriquecimento ilegal?

    • Vera Alves Postado em 04/Feb/2014 às 08:48

      Exatamente!!!!

    • Thomaz Postado em 04/Feb/2014 às 10:13

      Qual a garantia que você tem que esses "justiceiros" são burgueses? Em minha cidade os bairros pobres é onde esse tipo de "justiça" mais ocorre. E independe se for branco, preto, verde, azul, roxo. É só o cara que é "vítima da sociedade burguesa" roubar de outro que tem um emprego, pega 3 ônibus pra chegar ao trabalho e ganha 1 salário mínimo honesto para sustentar 2 filhos.

      • Paulo Vítor Postado em 05/Feb/2014 às 16:43

        Pois é Thomaz. Qualquer um que responder com violência aos ''negros, pobres e excluídos da sociedade'' é burguês e opressor. É uma lógica ridícula. Na boca de quem defende veementemente o ladrão, as vítimas da violência são eles. Somente. Nós temos que ter paciência e refletir sobre o que nós fazemos de errado para causar tudo isso. E ai de quem levantar a voz p/ contestar. *No caso deste rapaz, ele poderia ser preto ou branco, p/ mim não faz a menor diferença.

    • Rodrigo Postado em 04/Feb/2014 às 10:47

      Ué, mas quando são postos os ladrões de um partido, em vez de a militância aplaudir e, então, protestar em busca da prisão dos ladrões dos demais partidos, ela passa é a tentar justificar o roubo, dizendo:" FHC fez, Itamar fez, Collor fez, Sarney fez, Mem de Sá, Nero e tantos outros, assim eu também quero, posso e vou fazer".

      • Thiago Teixeira Postado em 04/Feb/2014 às 16:15

        Mas nenhum deles foi preso, os partidários do PT, mesmo sem provas, foram. Não é estranho?

      • Rodrigo Postado em 04/Feb/2014 às 23:31

        Sem provas? O Ministro da Justiça, jurista que é, discorda de ti, ao afirmar categoricamente, em entrevista gravada: “Vou ser claro: teve pagamento ilegal de recursos para políticos aliados? Teve. Ponto final. É ilegal? É. É indiscutível? É. Nós não podemos esconder esse fato da sociedade e temos de punir quem praticou esses atos.” (basta por os termos entre aspas no google). E aí, prezado? Rumemos à apuração do mensalão mineiro, ou vamos ficar só no "nero fez"?

      • Thiago Teixeira Postado em 05/Feb/2014 às 13:37

        Me refiro ao roubo de dinheiro público, até hoje não vi as provas e nem a "fonte" da Folha de São Paulo. Referente a pagamento de propina com dinheiro não contabilizado, seguindo o raciocínio do Ministro, então porque ele não coloca o resto dos políticos na cadeia? Pois alianças são dessa forma, mensalão existe desde a República Romana. E mais, todos os ambulantes, trabalhadores sem registro devem ir para a cadeia, pois pegam dinheiro não contabilizado e entregam na mercearia. É ilegal? É ...

      • Rodrigo Postado em 05/Feb/2014 às 21:13

        Como disse em comentário anterior, lamento sua resignação. A compra do Legislativo é a subversão completa da separação de poderes, visando unicamente a hegemonia de um grupo, sempre em detrimento da população - desde Roma, até hoje. Separação de poderes, pois, é o norte, tendo, nós, sempre, de cobrar ética e legalidade dos políticos, de persistirmos na indignação, nos mobilizado contra práticas nefastas, criminosas. José Eduardo Cardozo reconhece o mensalão (quer identificar o dinheiro público? Busque no google, que a própria IstoÉ, em reportagem de 29.AGO.07, expõe a questão) , então... Que Lewandowski, Barroso, Toffoli e Teori Zavascki, que se indignaram com a condenação dos petistas, tenham todo o zelo necessário no julgamento do mensalão, trensalão, helipóptero e muito mais. P.S.: a reiteração de conduta não é causa de abolição do crime.

    • Igor Postado em 04/Feb/2014 às 11:06

      A indignação da artista plástica é válida. Se existe o tal grupo de justiceiros, o máximo que eles poderiam ter feito era ter chamado a Polícia. Mesmo sabendo da ineficiência desta corporação. Óbvio que ao submeter o suposto ladrão ao que ele foi submetido é crime também, e, ao responder com a mesma moeda, estão simplesmente replicando um comportamento criminoso e indesejável. Em relação ao verdadeiros ladrões, agora, vale lembrar que quando a nossa justiça faz algo para punir os verdadeiros ladrões, esse mesmo portal repudia a decisão do nosso colegiado e ironizando o trabalho de Joaquim Barbosa frente ao STF. Só vale punir se não for o "cumpanheiro", né? E gostaria de perguntar se dó da vítima que foi roubada, talvez até agredida, se alguém tem? Nem ao menos se toca nesse assunto...

      • Cristiane Taz Postado em 05/Feb/2014 às 11:08

        Igor, de qual vítima você está falando, que foi roubada ou talvez agredida? Não vi nada disso na notícia. Talvez você esteja presumindo que o garoto cometeu algum crime. Não que um roubo (que não foi sequer mencionado) cometido pelo jovem justificasse o que a quadrilha fez, mas eu fico curiosa de como você chegou nessa certeza absoluta sobre a existência de uma vítima (que pode até ter sido agredida.

      • Paulo Vítor Postado em 05/Feb/2014 às 22:53

        Cristiane, onde você leu que o Igor está afirmando uma agressão? Como VOCÊ chegou a esta conclusão também?

    • Antonio Postado em 04/Feb/2014 às 14:50

      Se alguém faz algo de errado deve ser encaminhado para a policia. Agora se alguns idiotas acham que atitudes como essa esta certa tudo bem, porém já pensou se as pessoas que acham que o problema das drogas estão com os usuários (lei da oferta e da procura) e que quando começar a se matar os usuários começando pela elite viciada a criminalidade diminuiria, também estiverem certas, estariamos decretando uma guerra civil. Estou escrevendo isso porque já me disseram que tem que pegar alguns viciados que financiam o tráfico e matar para ter repercussão, não concordo que este seja o caminho e a solução para fatos como esse.

    • Mile Postado em 05/Feb/2014 às 16:31

      Não entendo porque falam tanto em 'negros' 'pretos', como se bandido tivesse cor! Bandido existe de qqr cor, branco, preto, amarelo... e qqr classe social tbm, afinal quem mais rouba nesse país são os engravatados! Quem alimenta e sustenta a bandidagem (compram e usam drogas, compram armas) são os mais endinheirados... E se esse q foi amarrado fosse branco? E os 'Justiceiros' são todos brancos? Acho que tem muitos que distorcem o que esta acontecendo e levam tudo para o lado do preconceito, sendo que, vcs mesmo que falam isso estão sendo preconceituosos em seus comentários! '' vissemos vários negros presos em postes" Não tem nada a ver com a cor ou raça, mto menos com nazismo, neo não sei oq... se trata de que o povo brasileiro, esse que trabalha, luta pra sobreviver com pouco, esta cansado de injustiça, da corrupção dos governos e dos próprios policiais... Por isso mtos concordam com o fato de fazer justiça com as próprias mãos já que nossa justiça não faz nada em prol da sociedade! E isso é só o começo! Não tem essa de burgueses e pobres.. negros e brancos! Vcs coxinhas que só vivem discutindo o assunto na net e nada fazem, que querem botar nomes nas coisas comparando com algum fato histórico! Isso tem a ver apenas com sobrevivência !!!

  3. Fernando Postado em 04/Feb/2014 às 08:42

    "Se esse jovem não estava na Pedra do Sal de hoje ouvindo a alta poesia da música negra, tomando cerveja e conversando com seus amigos sobre seu trabalho de mestrado não é porque tenha um delírio malévolo de assaltar pessoas, fruto de uma natureza mais maligna ou menos humana que qualquer pessoa, mas porque não existe espaço objetivo pra dignidade e felicidade de todos no projeto capitalista, racista e violento de país que dirige o Brasil. Sem entender isso, não se entende nada e, facilmente, até mesmo sem perceber, se cai no colo dos fascistas." perfeito.

    • Rodrigo Postado em 05/Feb/2014 às 11:12

      E por que Lalau roubou? Temos de parar com essa ofensiva imputação personalidade fraca, medíocre, aos mais pobres. Temos de parar de impor que o pobre pode roubar, matar, trucidar, pois isso é ofensivo à grande maioria dos pobres, dignos que são, trabalhadores, que buscam a diária melhoria da condição de vida. Assim, Lalau já tinha ótimo salário e foi condenado por crime, do mesmo modo que tantos outros "ricos", "classe média" e "de baixa renda". Melhor ou pior condição econômica, mais ou menos melanina na pele, opção/orientação sexual, estatura, peso, origem, credo etc. não significam propensão ao crime nem tão pouco revelam salvo conduto para tais práticas.

  4. Guilherme Postado em 04/Feb/2014 às 10:05

    kkkkkkkkkkkkk, pelo menos no Flamengo ele nunca mais rouba...

    • Jamile Postado em 05/Feb/2014 às 11:13

      Guilherme , quanta ignorância cara!!! Estamos falando de um crime cujo o princípio: RACISMO. A intolerância transformam fanáticos e assassinos.

  5. Speak Postado em 04/Feb/2014 às 10:20

    Eu acho que as pessoas que defendem o "coitadinho", como a senhora que registrou e postou no face, devem adotá-lo, para então ele roubá-la, estuprá-la, não sei, derepente ela pode até gostar.. Realmente, se a polícia nunca está nos locais onde ocorrem os assaltos, a população tem que se defender. Também temos que repudiar a legislação do "menor" no Brasil, pode fazer tudo, assaltar, matar, estuprar, não vai preso, não pode nem mostrar a foto do vagabundo.. Vamos cortar o "mal" pela raíz.

  6. Rodrigo Postado em 04/Feb/2014 às 10:45

    Não entendo... Se rouba, agride e, após, é agredido, aí é destacado que é da "raça" negra (em que pese toda a evolução científica a demonstrar a inexistência de raças na espécie humana). Agora, se é um Ministro do STF, chamado largamente de "Capitão do mato", "negro traidor" e muito mais, pelos "progressistas de plantão", aí é exercício da liberdade de crítica, sem qualquer conotação discriminatória/injuriosa. Curiosa a utilização de um conceito de raça ao bel e oportuno prazer de quem assim o quer, não?

    • Rafael Martini Postado em 04/Feb/2014 às 11:08

      Exceto pela mensagem racista que a Yvone recebeu no FB, em momento algum o texto faz menção ao termo "raça". Negar todo o sofrimento e humilhação que acometeu (e ainda acomete) os negros é de uma ignorância e egoísmo impressionantes.

      • Rodrigo Postado em 04/Feb/2014 às 12:49

        Tratar da forma que postagem são feitas, que remetem ao sensacionalismo, acirrando os ânimos (assim como sempre a culpa de tudo é da classe média, ao que antes era das elites, mas agora já tem muito companheiro na elite...), não significa negar a escravidão; não significa esquecer que o ser humano negro vendido como escravo foi comprado nas mãos de tribos rivais, também integrada por pessoas com mais melanina na pele (a fim de que não fiquemos sempre naquela meia-verdade); nem mesmo esquecer que brancos, negros, índios e demais, bem como homens e mulheres, hétero ou homos, não discriminam a si mesmos. Então, sendo a discriminação algo inerente ao ser humano, daí deve partir a identificação da ignorância e egoísmo. Uma abordagem mais abrangente, sim, poderá impressioná-lo de verdade, prezado. Quiçá, pois, seja, como disse, revisto esse "racismo de ocasião", em que um alegado marginal possa sempre se defender alegando "estou sendo preso só porque sou negro/mulher/homossexual/nordestino(como eu o sou)/evangélico/umbandista etc.", ao que, sempre que se queira atacar um inimigo do partido, prontamente possam ser utilizados os mesmos termos abominado, como "aquele capitão do mato/negro vendido/bichinha/corno etc." Amplie seus horizontes a fim de entender a questão humana e a profundidade necessária para ser abordado um problema tal, verdadeiramente.

      • Fabio Postado em 04/Feb/2014 às 12:57

        Mas isso não pode ser usado como justificativa pelos atos praticados. Devemos resgatar os pobres (e consequentemente os negros que são sua maioria), mas em nenhum país de 1o mundo negro, branco, índio ou seja lá o que for e de onde veio, você recebe a áurea de coitadinho como aqui no Brasil e pior lá fora os grupos existem nas vizinhanças e se a polícia não resolvem eles o fazem pq também é fácil ter um porte de arma. E mais: no tribunal alegam legítima defesa - o que é verdade - e não tem mais problemas. Tudo diferente do que acontece por aqui! A solução é a educação, como todos sabem, mas até isso mudar as gerações perdidas pelo caminho merecem é cadeia. O ato acima não merece aplausos, assim como os dos infratores.

      • Rafael Martini Postado em 04/Feb/2014 às 19:09

        Não havia deixado claro em meu comentário, pois considerei sua comparação descabida e não vejo sensacionalismo algum nesta matéria. De qualquer forma, quem se refere ao JB fazendo alusão à cor de sua pele para tecer críticas em relação aos seus mandos e desmandos (como "capitão do mato") ou para elogiá-lo ("negro que venceu na vida"), está sendo preconceituoso.

  7. Kássia Rodrigues Postado em 04/Feb/2014 às 10:45

    vcs já pararam pra pensar que estamos falando de seres humanos??? SERES HUMANOS e não animais.. por mais que ele tenha feito alguma coisa errada (apesar de no texto não fala se ele roubou ou não), mas não devemos tratar alguém como animal... já pararam pra pensar que, muitas vezes, nós estamos sempre julgando os outros, de no tipo o negro deve ser o bandido e o branco o bonzinho?? enfim, uma coisa deve ser dita, e foi relatado no texto, de que há grupos que querem exterminar, querem terminar com negros, gays e outras minorias.. alias, esses grupos se acham no direito de fazer tal ato. vamos parar pra pensar um pouco ;)

    • Renata Postado em 05/Feb/2014 às 11:22

      Ahhh, então maltratar animais é de boas?? Espancar, matar e afins um animal é algo bacana pra você? Você é uma hipócrita ridícula.

  8. Rodrigo Nickel Postado em 04/Feb/2014 às 11:16

    A polícia só é eficiente em reprimir as manifestações sociais. Suponhamos que o rapaz estivesse roubando (NÃO HÁ CERTEZA SOBRE ISSO), a polícia deveria detê-lo. Mas não o fez, porque é incompetente ou mesmo omissa. Se a pura retaliação, se a pura vingança, se a justiça pelas próprias mãos banalizarem-se, ninguém, nem mesmo vocês, Dani e Guilherme, estarão imunes. É isso o que aqueles que defendem tais atrocidades sempre esquecem.

  9. Fabio Postado em 04/Feb/2014 às 11:20

    Não se trata de um negro, pobre. Se trata de um ladrão que roubava rotineiramente no local (lembro que existem mais negros em situação de pobreza e portanto mais chance estatística do ladrão ser negro - e isso não caracteriza racismo e sim uma consequência histórica da formação do estado brasileiro . Não se trata de um país capitalista, racista e violento, se trata de um país subdesenvolvido, corrupto e consequentemente violento (lembro que existem países socialistas, racistas e violentos e também países capitalistas, não racistas e calmos). Agora a atitude foi incorreta sem dúvida! Ela nos mostra a reação de uma sociedade que não suporta mais uma situação que não se resolve.

  10. Carlos Postado em 04/Feb/2014 às 11:41

    Então, ontem um jovem quase negro, também vítima do sistema, roubou uma van escolar na periferia de São Paulo, bateu em quatro carros, derrubou um poste e uma árvore. Durante a fuga, percebeu que havia uma criança branca no interior da van e - talvez pra não ser acusado de sequestro ou pedófilia - largou o estudante numa avenida movimentada da região, que foi resgatado por frentista. Foi casualmente detido porque destruiu a van e acabou preso às ferragens. A TV mostrou o momento em que o jovem quase negro, vítima do sistema, era levado para a delegacia. No braço dele, uma tatuagem estampava um marginal - que, apesar de ter o rosto coberto por capuz, provavelmente também era um jovem negro ou quase negro, vítima do sistema - segurando uma vítima pelo pescoço e apontando uma arma para sua cabeça. Esse jovem quase negro que aprontou toda essa confusão, causou enormes prejuízos, colocou vidas em risco e traumatizou a criança que estava no veículo roubado já tinha diversas passagens por crimes semelhantes. Como parece ser voz corrente que o modelo carcerário não funciona mesmo, quem sabe a dona Yvonne Bezerra de Melo ou as pessoas que criticaram a ação dos justiceiros não se animam em levar o nosso jovem quase negro, vítima do sistema, para casa e tentar reeducá-lo?

    • Bruno Postado em 04/Feb/2014 às 11:59

      Não me oponho que a sociedade faça justiça com as próprias mãos, seja com quem for, negro, quase negro, branco, amarelo, enfim. Só acredito que havia outras maneiras dos "Justiceiros" fazerem isso ao invés de exporem o rapaz daquela forma. Por exemplo: Poderiam pegar o rapaz em flagrante, dar uma pequena surra e levar a delegacia. Todo mundo pode dar voz de prisão, está na lei. A maneira como os justiceiros fizeram foi errado por ter toda essa dinâmica de humilhação. Mas enfim, se o estado não cumpre o seu papel, a sociedade precisa cumprir, claro que com consciência,.

    • marcelo_X Postado em 04/Feb/2014 às 14:34

      ótimo!

    • Eliel Postado em 04/Feb/2014 às 15:59

      falou tudo. Não digo que a atitude contra este jovem aqui tenha sido certo, mas ficar fazendo discurso e perdendo tempo para defendê-lo... Sinceramente, há outras coisas que merecem muito mais a nossa compaixão e tempo...

  11. Thiago Teixeira Postado em 04/Feb/2014 às 12:46

    Pergunta para esse Jovem negro do Flamengo ou para esse quase negro do Carlos (extraído da reportagem) se eles querem vir aqui em Mato Grosso trabalhar numa ponte no meio do mato de ajudante? Alojamento, comida, visita família a cada 90 dias ... verão a resposta dele. Aqui conosco também tem mais 200 jovens, negros, quase negros, caboclos, loiros, sarará, ruivos, pobres, vítimas do sistema, mas trabalhando.

    • Francisco Carlos Postado em 04/Feb/2014 às 13:17

      Legal,pelo pensamento do Thiago Teixeira o futuro dos jovens negros deve ser o mesmo de seus antepassados antes de 1888.Para muita gente da PODRE sociedade brasileira,o pelourinho ainda existe e os rapazes negros merecem ser os primeiros a irem para ele!Deprimente e revoltante!

      • Rodrigo Postado em 05/Feb/2014 às 11:16

        E pelo pensamento do Francisco, as pessoas não precisam trabalhar, sendo mais válido optar pelo roubo, tomando de assalto bens e valores desses desgraçados da classe média, que insistem em trabalhar, em pagar imposto retido na fonte, em ver a renda familiar diminuir dia a dia, com os aumentos dos preços e tarifas de serviços públicos essenciais, os quais não têm qualidade na iniciativa pública, tendo de ser buscados na iniciativa privada. Calma, Chico. O trabalho enobrece o homem, possibilita o gozo de dignidade e a melhoria da vida familiar - critiquem Barbosa pelo que entenderem por excesso, mas não se esqueçam de que ele, quanto à sua trajetória de vida, valorando o trabalho e estudo, deu um grande exemplo.

      • Thiago Teixeira Postado em 05/Feb/2014 às 13:22

        Você dever ser muito retardado ou não teve aulas de interpretação de texto como alguns nesse site que mal leem o que a gente escreve e sai soltando os cachorros sem razão alguma.

      • Thiago T. Lopes Postado em 05/Feb/2014 às 16:41

        Ô, Rodrigo, em que país você mora? Quem vai dar emprego pra esse rapaz aí? Você fala do ponto de vista da classe média, a coitadinha da classe média. Vi muitos amigos meus entrando pro tráfico de drogas, pois nunca tiveram uma oportunidade da vida. Dizer que a sociedade oferece oportunidades, que só vagabundos não conseguem ser bem sucedidos é meramente ideológico. Aí vem a propaganda do brasileiro que não desiste nunca, criação de heróis (pessoas humildes que ficaram ricas com o trabalho), etc. Mas o mundo, citando racionais, é diferente da ponte pra cá. Não existe oportunidades para os pobres, meu caro, a não ser o crime, os trabalhos mal remunerados com altas cargas de horário, que a classe média jamais trabalharia. As escolas das regiões periféricas não chegam nem aos pés das escolas da classe média. O que acontece então? O tráfico vira uma opção pra essa molecada, o crime, etc. Veja a cor do cara , meu. Porque sempre é o negro que comete o crime contra o branquinho da classe média? Porque os dois não vivem no mesmo mundo, porque o citado negro teve que comer o pão que o diabo amassou. Se o branquinho aí e o negro estiverem numa mesma fila de emprego, quem vai ser chamado? Não venha em falar em trabalho que dignifica o homem não. O que dignifica é arte, cultura e educação coisa que esse rapaz do poste nem sabe o que é, porque nunca lhe foi oferecido. Ouça uma coisa, Rodrigo, o que acontece é algo que vocês da direita não querem admitir, mas que está escancarado: luta de classes. É a sua classe contra a classe pobre. Vocês oprimem, depois ganham o troco.

      • Thiago Teixeira Postado em 05/Feb/2014 às 19:16

        Xará, vou discordar de você em um ponto: Emprego tem sim. Se ele bater aqui na nossa obra jogamos a turquês na mão dele e socamos o caboclo na ferragem. Conheço muitos fazendeiros aqui em Mato Grosso, Goiás desesperados atrás de mão de obra. Ai perto dele mesmo, manda ele colar nas obras da Transcarioca que ajudante tem vaga sempre. É esse o problema Thiago, a juventude de hoje não quer nada com nada, não quer pegar no pesado, não quer encarar um podão (corte de cana), querem ficar cheirosinhos, trabalho fácil (furto, aviãozinho), andar de teninhos novo e baladinha. Resumindo, não largam a capital, ficam na periferia, de baixo da ponte mas se recusam a morar numa cada de alvenaria numa fazenda no interior do Brasil.

      • Rodrigo Postado em 05/Feb/2014 às 21:16

        Que tal você, Thiago T. Lopes, dar emprego a ele? Creio que sim, não? E, que mal te pergunte, não há brancos pobres no Brasil?

      • Thiago T. Lopes Postado em 06/Feb/2014 às 07:45

        Caros Rodrigo e Thiago Teixeira, bem se vê de que posição vocês falam. A classe média quer mesmo é manter suas regalias, e pobre só serve pra ser seu empregado. Vocês querem mesmo é manter sua profissão liberal, enquanto que o pobre que vá carpir capim por aí, de preferência na região do nordeste, bem longe de vocês. A verdade é essa , meus caros. Todo mundo sabe que a classe média tem raiva, ódio da classe mais baixa; tem , inclusive, medo de se proletarizar. E anseia fazer parte da burguesia, isto é, deter os meios de produção. Querem que tudo esteja no seu lugar na hierarquia social exceto se for pra vocês subirem um degrau. E, vejam bem, estou falando de estrutura. Enquanto a estrutura se mantiver do jeito que está, a sociedade vai produzir sempre essas cenas de violência urbana que presenciamos. Não me venham dizer em brancos pobres, ou de pobres que não cometem crimes, porque estamos falando aqui de estrutura. Somente isso explica o cenário que vivenciamos. Eu daria emprego pra ele, caro Rodrigo, se eu fosse um burguês, se tivesse alguma empresa. Minha pergunta é: e você, vai lá trabalhar de peão? Virar lixeiro? Meu, se você nascesse numa favela, do jeito que é desregulado, facinho você entraria por PCC. Já vi muitos com você.E você, Thiago Teixeira, a vaga está lá ainda, eu não sei porque você também não se candidatou nela.

      • Thiago Teixeira Postado em 06/Feb/2014 às 11:36

        Xará, você é que está sendo preconceituoso com o trabalho pesado. Eu não estou ai na Faria Lima, estou aqui no Rio Araguaia no sol quente com a roupa suja de concreto, e num intervalo e outro gosto das discussões de ideias desse site. Você acabou de dar um tiro no pé ofendendo os Lixeiros. Lixeiro faz concurso sabia? Fazem teste físico para ingressar. E Peão de obra ganha muito mais dinheiro que os cheirosinhos do shopping. Dignidade é trabalho em fábrica e no Boticário apenas? Trabalho pesado é depreciativo pra você? Reflita no que disse.

      • Rodrigo Postado em 06/Feb/2014 às 12:46

        Classe média com regalias? Quais? Pagar por um caríssimo plano de saúde, vez que o SUS não atende bem sequer os mais pobres? Pagar por uma caríssimo creche/escola/faculdade, vez que Municípios, Estados e União (à exceção das Faculdades Públicas) não provêem educação de qualidade sequer aos mais pobres? Transporte público? Quais privilégios? Um discurso tão vazio e sem elementos, acaba sendo reverberado prontamente, sem que sequer o interlocutor pare para pensar que o que diz não se sustenta. Aguardo a relação de privilégios que a classe média tem. Aliás, aguardo também a razão de ser proferido ódio contra a classe que todos integramos. E o porquê de não mais se falar em "elites dominantes" (já tem muito companheiro na elite?). E burguesia? Creio que você anda lendo muita história contemporânea e se esquecendo da história moderna. Mesmo porquê o mesmo governo que instiga ódio contra a classe média, prontamente comemora a ascensão de muitos a tal patamar de renda. Ao fim, lamento que você ache tão fácil entrar para o PCC, enquanto tantos outros não repetem tal caminho. A ampla maioria, honesta que é, retira seu argumento, vindo ainda a se enojar de ser chamada de "propensos ao crime" ou "pessoas com desculpa para serem criminosos"; explique os ladrões da classe média, das "elites", os ladrões brancos, índios, pardos, mulheres e homossexuais, então.

      • Rodrigo Postado em 06/Feb/2014 às 12:47

        Ah, antes que me esqueça, você não quer dar o emprego, né? Só mesmo o jogo de cena.

      • Thiago T. Lopes Postado em 07/Feb/2014 às 10:03

        Thiago, por favor, não perverta o sentido do meu texto. Sim, eu sei que o trabalho pesado é digno, ainda porque o conheço na pele. Note que estou falando do ponto de vista da classe média. Para ela é que há trabalhos não dignos , que ela jamais faria. Como escrevi acima, o maior medo da classe média é proletarizar-se. Isso explica a atitude reacionária dela quando nota que uma classe mais baixa está se expandindo. Veja-se notícia deste próprio jornal, sobre a professora da PUC que zomba de um homem pobre no aeroporto. Lógico que zomba ( à la Gentile), pois tem um pobre compartilhando um espaço que somente a classe dela compartilhava. Ela ( a classe média) se sente ameaçada. Ela quer que as empregadas domésticas limpem suas sujeiras, cuide dos seus filhos, e se revoltam quando criam leis trabalhistas para as tais empregadas, de acordo com notícia recente no Brasil. Mas com você o assunto é agora outro, porque você diz pegar no pesado. Mas justamente você é quem deveria olhar do ponto de vista do subalterno, e não do patrão - a não ser que você seja patrão. Porque se você é patrão, meu caro, só pode falar como patrão, nunca via entender a língua de seus empregados. Agora você, Rodrigo, eu só lamento suas falácias. Estou me sentindo como se desse aula para um papagaio que só sabe repetir frases prontas. E pior, com uma dose de pedantismo oco, muito comum entre os usuários da Wikpédia. Mas pelo menos você se assumiu como da classe média, aí o jogo ficou mais limpo. Claro que você vai defender sua classe. Quer uma vantagem de ser da classe média, uma só? Ela não fica amarrada num poste, apanhando de justiceiros. Ela não fica amontoada num presidio. Ela não fica dependendo de bolsas, ela tem direito a boas escolas, convênios médicos, etc. Você me pergunta se eu daria emprego para aquele rapaz, querendo encontrar alguma contradição nas minhas falas. Claro que daria. Mas fique atento, porque o que você está perguntando (você daria emprego para ele?) pressupõe a campanha da Sherazade. Agora você vem me perguntar o seguinte (é de rir). "Quais as vantagens da classe média, já que ela paga um caríssimo plano de saúde?". Você acha que o pobre pode pagar pelos planos de saúde que vocês pagam? Você afirma que tenho ódio pela sua classe, quando na verdade só estou dizendo o que ela é. Se isso resulta em ódio, está nela. Você citou termos como elite dominante e burguesia. Você tem dúvidas de que existam? Não me ocupo delas, porque estou conversando com um interessante exemplar da classe moyenne e não quero perder a oportunidade, que para mi está sendo muito antropológica. E você fez referencias de novo ao PT! Meu Deus, que implicação com o PT. Deixa eu te falar: o PT foi de esquerda. O PT seria ideal - dentro da minha ideologia - nas eleições de 1989. O PT era de esquerda quando não se aliava a banqueiros e empresários, quando fazia parte dos movimentos sociais, quando pregava reforma agrária antes de abandoná-la quando subiu ao governo. Pare de parecer com essas tias velhas, que tem medo de comunista, porque comunista come criancinhas. Ah, e só mais uma coisa: só de você citar termos como história contemporânea e história moderna mostra que você nem sabe do que está falando.

      • Thiago T. Lopes Postado em 07/Feb/2014 às 12:15

        Ah, sim , Rodrigo, esqueci de explicar a sua pergunta: "explique os ladrões da classe média, das "elites", os ladrões brancos, índios, pardos, mulheres e homossexuais, então". Mas como você só entende coisas simples, com linguagens de Wikipédia, eu vou ser bem didático e vou imaginar que você é um aluninho, tá bom? Então, pra ficar mais fácil, vamos falar de feijõezinhos. Vamos fazer de conta que uma sociedade produz dois tipos de feijõezinhos: feijõezinhos cariocas e feijõezinhos brancos. Essa sociedade tem um sistema que produz feijõezinhos criminosos. Por isso há, nesse sistema, feijõezinhos cariocas e brancos que cometem crimes. Mas aí, o aluninho Diginho pergunta: "Essa é a nossa sociedade?". Não, ainda não é nossa sociedade, porque nossa sociedade tem um diferencial, que é produzir muito mais feijõezinhos cariocas do que feijõezinhos brancos. E o principal: ela tem um outro fato em seu sistema, que consiste em oprimir os feijõezinhos cariocas, coisa que reflete no primeiro fator, o de produzir feijõezinhos criminosos. O resultado disso tudo, é que podemos dizer que haja mais feijõezinhos cariocas cometendo crimes, mas isso se dá mais pela maior proporção de sua população feijoidal, mas que também há feijõezinhos criminosos brancos, mesmo que haja poucos feijõezinhos brancos na imaginada sociedade. O mais importante é entender a relação dos fatores crime e opressão que ajudam na constituição dos papilonáceos. E sobretudo: nenhum feijão nasce criminoso.

      • Rodrigo Postado em 07/Feb/2014 às 12:40

        Rapaz, vamos atualizar esse discurso. Leia livros sobre história contemporânea e moderna. Não ponha palavras na minha boca, quanto à wikipédia. Não a leio - não seja desonesto quanto a tanto e muito mais, quanto às tuas interpretações em muito particulares, quiçá (espero que não) maliciosas. Se eu posso pagar para tentar ter uma saúde melhor, é porque eu trabalhei. Assim como muitos que melhoram de vida (não canso de falar do motorista de ônibus que usou a o valor de sua rescisão trabalhista para a montagem de linha de produção de chinelos quadrados - aumentou a produção, a venda e hoje emprega muitos e paga muitos tributos). Não espezinhei ninguém. Não humilhei ninguém, nem ofendi. Não trato o negro pobre como ladrão, como muitos aqui insistem, afirmando que é pessoa fraca e inidônea - ao contrário, conheço ampla maioria honesta e de bem. Mas fique, você sim, com seus chavões. Distorça todas as falas, se é o que te faz muito feliz. E, quando voltar ao seu lar de classe média, siga sendo hipócrita, quiçá (espero que não) oportunista, distribuindo ódio e agressões. Eu seguirei trabalhando e respeitando as pessoas, sejam elas pobres, ricas, negras, brancas, hétero ou homossexuais. Seguirei instando a todas à educação, ao trabalho, ao estudo (em que pese você ter dito que trabalho não dignifica o homem, mas tão somente cultura, artes, lazer - eu só posso ter acesso a isso quando em momentos de lazer, quando não estou, pois, TRABALHANDO). Abraços, paz e bem, prezado. Tire tanta mágoa, tanto ódio de seu coração, ou ao menos o repense e verás que está equivocado, ao odiar a si próprio.

      • Thiago T. Lopes Postado em 07/Feb/2014 às 14:08

        E você, Rodrigo, continue tapando os ouvidos para os argumentos, a fim de preservar sua segura ignorância. Também vou continuar trabalhando - e estudando, claro - só que, infelizmente não vai ser num lar de classe média. Pense na história dos feijõezinhos, ela mostra o quão as coisas são parte de uma Estrutura. Guarde bem essa palavra: estrutura. É ela que deve ser atacada, e não indivíduo. O ser humano é algo muito complexo, fruto de relações históricas, sociais, existenciais, culturais, etc. Tudo isso deve ser levantado ao se criticar a ação de um ou outro indivíduo. Daí vem a importância de o cara linchado ser negro. Isso importa sim, isso explica muita coisa. Ninguém pega o ladrãozinho branco pra bater, mas viu um negro e porrada nele. Você acha mesmo que cor não importa nesse caso? lembre dos feijões. E não se preocupe, um dos meus historiadores favoritos é contemporâneo e morreu há pouco tempo - o Hobsbawm - e também leio Foucault, que dizem ser historiador, ou filósofo, embora não se posssa na verdade categorizá-lo. Leio história contemporânea, sociologia contemporânea também, sobretudo Bauman. Mas, enfim, já que você já se despediu, devolvo o abraço, e vou voltar a discutir com pessoas mais lidas. Um abraço.

      • Rodrigo Postado em 07/Feb/2014 às 17:09

        Hobsbawm? Ótimo, minha professora de geografia, quando do vestibular, indicou-nos Era dos Extremos, sobre o que seria o século mais curto da história. Ótimo livro, até o ponto em que o autor justifica todos os milhões de mortos de Stalin (você chama Stalin de ultra-direita, Hobsbawm acolhe-o e justifica o genocídio do esquerdista). Parece que, realmente, você tem séria deficiência interpretativa, não entendendo os comentários aqui postados, nem mesmo o que seus ídolos dizem. Ao fim, concordo em parte: o problema é estrutural, humano e individual. De nada adianta a melhor estrutura (como nossa Constituição o é, mas ainda temos uma sociedade e indivíduos que, boa parte, prima pelo comportamento improbo, não urbano, desleal, criminoso (propina ao policial, achaque por policiais, político desonesto, pais que não se importam com a moral e ética de seus filhos, o jeitinho brasileiro etc.).

  12. Marcos Ruas Postado em 04/Feb/2014 às 13:33

    Pelo título da matéria, parece que ele foi amarrado por ser negro. Mas ao que tudo indica, o problema é ser ladrão. A impunidade está tão grande ultimamente que as pessoas estão desistindo de chamara a polícia e fazendo justiça com as próprias mãos. Isto é muito perigoso, estamos à beira de uma guerra civil. Ou a justiça passa a punir ladrão como tem que ser punido, ou estes casos serão cada vez mais corriqueiros.

  13. barata Postado em 04/Feb/2014 às 13:42

    Se ocorrer manifestacao publica exigindo que nossas leis sejam revisadas, onde os menores independente de sua idade fossem julgados condenados por praticarem delitos. Ficariam ate completar 16 anos em um local e o restante da pena iria para presidio nomalmente, O que nao e justo sao eles tirarem vidas de trabalhadores e criancas, portar armas para matar e traficar tudo isso porque sabem que nada sera feito que voltarao para as ruas limpos e pior repetir tudo de novo e rir da gente. Essa Injustica leva a pratica da justica. O que vc faria se um deles abusasem ou matassem um de seus familiares?

    • Cristiane Taz Postado em 05/Feb/2014 às 11:21

      Primeiro, sua resposta, chamaria a polícia, denunciaria e só, é o que me compete pela legislação brasileira. Agora eu te pergunto uma coisa, você sabe o que significa a palavra ignorância? É o que vc tem no assunto relação entre jovens e criminalidade. Existem alguns fatos que talvez você desconheça. Os jovens são muito mais vítimas do que autores de crimes, a maior parte dos crimes que eles cometem é contra a propriedade e não contra a pessoa, se pensarmos em jovens negros os números são mais assustadores. Nenhum crime é justo, ele é sempre o avesso da justiça, e, portanto, somente a justiça pode restaurar o equilíbrio, mais crimes só criam uma bola de neve. Te aconselho a pesquisar sobre o assunto.

  14. Lena Postado em 04/Feb/2014 às 17:44

    Queria ver a policia ser tao eficiente em prender bandidos assim como fez com os ditos justicieiros. Ja fui assaltada varias vezes no flamengo, no aterro, na praia de botafogo e no largo do marchado. Fui a policia no catete e recebi a resposta de que nao havia jeito. EU teria que tomar cuidado... Nao sou a favor dessa desse grupo, mas a policia nao faz absolutamente nada. Agora a pobre crianca esta solta novamente.... tadinho... depois quando te assaltar a mao armada vamos aplaudir os coitados menores delinquentes.

  15. Marcio Postado em 04/Feb/2014 às 17:58

    É, infelizmente a história tem o péssimo hábito de reaparecer. Nós sabemos que atitudes como essa são oriundas de uma justiça que não pune os culpados (e algumas vezes condena os inocentes). No entanto, por que essa pessoa que defendeu esse bandido (se realmente for um) não o leva pra sua casa? Quem sabe, no dia seguinte, ela acorda e se depara com a casa vazia e a sua família degolada. Tudo porque acharam "certo" abrigar um viciadinho em crack capaz de degolar crianças pra comprar pedra.

  16. Elen Postado em 04/Feb/2014 às 20:14

    Impressionante como distorcem a verdadeira gravidade desse ato, linchamento crime. E esse rapaz, bandido, sei là o que é um marginalisado da sociedade. Fiquei chocada com a jornalista Karyn Bravo apoiar o ato em um jornal televisivo!!! Se é pra fazer justiça, por que o grupo não começa pelos governantes, responsàveis por tantas mazelas em nossa sociedade??

  17. Thiago T. Lopes Postado em 04/Feb/2014 às 20:14

    E você acha o que, Thiago? Que essas pessoas que cometem crimes o fazem por que tem uma natureza criminal, é isso? Eles tem uma natureza ruim? São, nas palavras de um Cesar Lombroso, "criminosos nato"? O que vai ser feito agora, medir o tamanho dos seus cérebros pra ver se são criminosos? Se você acha mesmo tudo isso, eu vou logo avisando; os nazistas tinham a mesma concepção determinista.

    • Rodrigo Postado em 04/Feb/2014 às 23:36

      Os nazistas também diziam que marchariam contra os reacionários soviéticos; queriam determinar o que a sociedade poderia ler/assistir/conhecer; queriam reescrever a história; endeusaram um ser humano, como se impassível de críticas fosse; estimulava a delação de traidores da pátria (alguém se esqueceu do "disque dedo duro bolivariano", recém implantado por Maduro?); e muito mais. E aí?

      • Thiago T. Lopes Postado em 05/Feb/2014 às 15:37

        Rodrigo, por favor, reescreva o que disse, porque não dá pra entender onde é que você quer dizer, nem onde quer chegar.

      • Thiago T. Lopes Postado em 05/Feb/2014 às 16:04

        Eu queria entender porque os Reaças não sabem escrever com clareza. Rodrigo, você afinal de contas está criticando o que aí no se comentário? Os Nazistas? Os soviéticos? Por favor, me diga: quem está determinando o que a sociedade pode ler, assistir e conhecer? Quem quer reescrever a história? Quem endeusa o ser humano como se fosse impassível de críticas? Quem anda estimulando a delação de traidores da pátria? A esquerda é? O pensamento progressista? Acho que o senhor está mal informado, então. O senhor está pervertendo tudo em coisas simplificadas. Onde leu isso, na Veja? Ou foi aquele sofista do Olavo de Carvalho. Vamos , me diga onde a esquerda está te obrigando a ler ou assistir aluma coisa, ou me diga onde eles querem reescrever a história. Se bem que no seu caso, ler algumas coisas básicas talvez te ajudassem tanto a pensar melhor quanto a escrever também.

      • Rodrigo Postado em 05/Feb/2014 às 22:47

        Thiago, em que pese a deficiência interpretativa, esclareço ainda mais: você buscou imputar a pecha de "nazista" a outro comentarista, atitude em muito similar (espero estar errado) a todos aqueles que, em vez de refutar argumentos, buscam destruir um indivíduo, seu nome, honra, levando-o ao descrédito. Ou seja, é mais fácil destruir uma reputação que um argumento. Então alertei que muitas das condutas do nazismo encontram similaridade para com aquelas de um determinado partido, ou seja, que você pode acabar recebendo a etiqueta que tentou impor; pelo seu raciocínio, pode-se então, livre e deliberadamente, chamar de nazistas os integrantes e seguidores desse partido? Você, mesmo, ao repetir o chiste "reaça", repete uma fala nazista. Hitler afirmou reacionários os soviéticos, contra os quais marcharia. Ao não cuidar de argumentos, cuidando unicamente do interlocutor, aproxima-se da conduta daqueles que pregam a agressão à pessoa, mas não a contestação de argumentos. Mas, vamos lá: 1- reescrever a história? Não ouviu falar de uma comissão da meia-verdade? Apenas uma parte da verdade vem sendo divulgada, sendo abandonada a investigação das torturas, assaltos e assassinatos de outra parte envolvida nos fatos; 2- determinar o que se pode ler? Uma certa Ministra quis usar a Polícia Federal para "investigar" um piadista (mas não se preocupa com os direitos humanos de Celso Daniel, Toninho do PT e familiares dos mesmos); 3- endeusa o ser humano? Experimente criticar, além das devidas críticas a Alckmin, Serra, Aécio etc., Lula ou Dilma. Experimente falar em parques eólicos abandonados, em transposição do rio São Francisco, em apagões, para ver quantas pedras, paus e porretes verbais estarão reservados para ti; 4- delação de traidores da patria? O companheiro Maduro lançou um "disque denúncia" (o google te ajuda a ser melhor informado). E, não, não li na Veja. Mesmo porque o google ajuda tanto, com tantas imagens, dados, sites, podendo-se ir muito além da pasteurização da tv. Olavo de Carvalho? Ainda não tive a oportunidade de conhecer esse, mas vou buscar informação também; caso você tivesse apresentado os argumentos dele e contrargumentado, facilitaria entender o porquê de sua discordância para com ele. Então, prezado, lamentando seu discurso, ninguém me obriga a nada. Exercendo minha autonomia, meu livre arbítrio, busco informar-me, ir além de cartilhas partidárias, de telejornais. Quem sabe quando você passar a fazer o mesmo poderá ampliar seus horizontes a ponto de compreender, claro que lamentando, a verdade mútua na seguinte fala de FHC: " Nossas diferenças com o PT são muito mais em relação à disputa de poder do que sobre ideologia"

      • Thiago T. Lopes Postado em 06/Feb/2014 às 08:28

        Meu caro Rodrigo, agora que você articulou seu texto, fica mais fácil entender o que você disse(Não tenho a obrigação de decodificar textos mal escritos). Mesmo assim, infelizmente, está cheio de equívocos grotescos. Você está reproduzindo uma neurose social, que sempre está com medo de uma ameaça vermelha, igualzinho à véspera do golpe de 64. É uma espécie de comando de caça comunista feito pela internet, que chega a ser cômico. E veja bem, não disse que o meu xará é nazista, não vou reduzi-lo a isso. O que eu disse é que suas ideias formam a mesma base do nazismo. Chamar alguém de reacionário não faz ninguém ser caracterizado de nazista, como você inocentemente afirmou, porque se trata de um termo que pode ser usado em outros contextos. Reacionário, meu amigo, é usado para aqueles que se opõe a mudanças revolucionárias sociais e políticas. O nosso colega, o Thiago Teixeira, não usou apenas um termo usado pelos nazistas, ele simplesmente - e pelo visto você também - tem uma concepção que virou base para o nazismo, coisa muito pior. É só questão de análise do discurso - já ouviu falar disso? Acho que não, não é? Pô, vocês não leem livros de história? E não estou falando de livros didáticos não, estou falando de livros de historiadores mesmo. Parece que sua fonte, o Google, não é muito boa. Melhor é que você leia historiadores, filósofos,sociólogos, artigos acadêmicos. Primeiro, quanto à comissão da verdade. Eles não estão inventando nada, estão desnudando o que ficou escondido até hoje. Você já deve ter lido, pela sua fonte Google, que a história é escrita pelos vencedores. Pois bem, isso significa, a fundo, que a história tem pontos de vista, a história oficial é narrada, digamos, por apenas um grupo. Ora, a história oficial narrada pelos anos de ditadura já foi contada, está lá nos manuais de escola da época, nos jornais da época, nos livros didáticos da época, vídeos, publicações do governo. Sempre, caro, valorizando o governo, com mitos de milagre econômico, de bem estar social, etc O que era contra a história oficial, já sabemos que ficava censurado. Ou seja: ficava na invisibilidade. Escondido. Não era narrado. Agora, o que estão fazendo é um trabalho arqueológico que visa dar à luz coisas que ficaram escondidas nessa história. Segundo, e resumindo dois ou três tópicos seus, você veio me mostrando exemplos de coisas do PT, interpretando que sou, sei lá, petista. Cara, eu sou de esquerda, logo não sou petista. O PT foi um judas que a imprensa - e a direita de plantão - criaram pra bater. Botaram um chapeuzinho de esquerda na cabeça dele, mas quem é de esquerda mesmo sabe que o PT está longe disso. Agora, meu caro, você diz, querendo dar a entender que a visão da esquerda é o ser humano não passível de crítica: "Experimente criticar, além das devidas críticas a Alckmin, Serra, Aécio etc., Lula ou Dilma. Experimente falar em parques eólicos abandonados, em transposição do rio São Francisco, em apagões, para ver quantas pedras, paus e porretes verbais estarão reservados para ti". Meu, é falar do Alkimin, do Serra, da Globo, e os porretes verbais são os mesmos. É um debate. você tem razão quando diz que o pessoal é violento com as palavras, mas fazer o que? A ideia é mesmo expor suas ideias e levar porrada, não pense que as coisas são bonitinhas. Não pense que sou contra punições sobre políticos que tenham infringido alguma lei, mesmo se for de esquerda, pois para o bem da própria esquerda, é bom que paguem. Mas que provem, e que a lei seja para todos, não somente para um partido. Também não venha reduzir nosso debate entre PT e PSDB, porque estamos discutindo ideologia, não partidarismo. E, mais uma vez, não se limite a informações de internet não. Se quer mesmo conhecer essas coisas, faça um estudo formal: de história, letras, sociologia, de preferencia numa universidade pública. Não se limite ao Google.

      • Rodrigo Postado em 06/Feb/2014 às 13:04

        Você inicia falando dos pontos contemporâneos e nos noticiários, por mim abordados. "Qual a fonte", questiona. Eu respondo que não apenas tv, mas vários blogs, sites jornalísticos, ou seja, a mídia - quem informa é a mídia, seja ela impressa, radiofônica, eletrônica ou televisiva. Mas, caso queira falar de história, perfeito. Aí rumaremos, sim, aos livros, às bibliotecas, sempre com o cuidado de atingir a história o menos parcial possível - escrita que é pelo vencedor, cabe correção, uma comissão da verdade inteira, mas não apenas da meia verdade (os crimes todos devem ser expostos, dos militares e de quem se disse de esquerda, apenas para cometer crimes). E, mais, em tal pesquisa histórica veremos o que foram os regimes de esquerda. Veremos sobre a União Soviética, a escassez de bens e alimentos, os milhões de assassinados nos gulags, ao que os generais esquerdistas gozavam de boa vida; sobre o Camboja e Pol Pot; sobre a China e toda a exploração e ditadura até hoje vigente; sobre os assassinatos de Che e Fidel, bem como o desprazer de Che para com homossexuais; veremos sobre os governos de esquerda na África. Veremos, pois, que o capitalismo não é o sistema ideal, com todas suas graves distorções. Mas, o que haveria de ser a resposta, consegue ser ainda pior: os EUA se autoproclamam livres para assassinar com drones quem quiserem, invadir os países que quiserem, roubar tanto petróleo quanto quiserem; os esquerdistas massacram o próprio povo, que, ao começo perde liberdade de expressão e de ir e vir (tal qual nas ditaduras de direita), ao fim restando inflação galopante (Argentina) e sem papel higiênico (Venezuela e Cuba) - a desculpa é sempre a mesma, a culpa sendo sempre dos outros. Vamos falar da escravidão? De todo o absurdo que foi a transformação do ser humano em coisa? De sua redução à condição humilhante de propriedade, de ser humano (quando assim conseguia ser considerado) de última classe? E vamos falar também que esses negros que foram escravizados eram prisioneiros de tribos rivais, vencedoras? Ou seja, quem vendeu o negro ao branco, se não o próprio negro? Claro que vendeu não como ser de segunda classe, mas como inimigo derrotado, mas tal é sequer tocado pelos nossos grandes livros de história. Ao menos nos meus, conforme lembro-me muito bem. E vamos falar de Uganda e seu singular tratamento para homossexuais? Os esquerdistas se calaram sobre tal. Se calaram também sobre o aumento de 300% no homicídio de negros, anotado em 2012 pelo site vermelho.org, quanto aos 08 anos antecedentes. Isso na Bahia petista! Então, se quer falar de história, relembrando que há uma história moderna, bem como de todos os absurdos da direita e esquerda, na história moderna, contemporânea, antiga etc., ótimo. Que sejam abertos os livros para uma verdade integral, mas não apenas parcial. A arqueologia, pois, não pode esconder um esqueleto e expor apenas o outro, sob pena de incorrer no mesmo erro que imputa ao outro. Quer ser de esquerda ou direita? Ótimo, que o seja. Quer ser mais? Seja ser humano e sensato, não se achando a última virgem, ao contrário, dispondo-se a um discussão justa, racional e equilibrada.

    • Thiago Teixeira Postado em 05/Feb/2014 às 13:28

      Cara, por favor, poste um comentário seu, de seu ponto de vista, você só sabe caçar e criticar a opinião das pessoas. Natureza criminal existe sim, não sabia? Muitos nasceram pobres, foram maltratados, passaram fome mas com dignidade e trabalho subiram na vida, como tem muito riquinho que nasceu em berço de ouro e mata a família inteira para ficar com a herança.

      • Thiago T. Lopes Postado em 05/Feb/2014 às 15:54

        O seu problema está aí, meu caro. Sua concepção é determinista, você acredita em natureza criminal, concepção esta que está na base do fascismo/nazismo. Você quer meu ponto de vista? Meu ponto de vista é que as coisas não existem aprioristicamente, que as coisas são construídas, historicamente e socialmente construídas. Não me venha com o argumento de que o rapaz da matéria é de natureza criminosa, e que por isso deve apanhar, deve sofrer, deve ser torturado, deve ter pena de morte, etc. Dizia-se que os judeus eram de natureza inferior, e existia toda uma ciência que o comprovava. O resultado, todos já conhecemos. Uma pessoa que defende - há quem mesmo aplauda - uma ação covarde como a que foi postada neste jornal, ou quem encontra justificativas para tal ato, no mínimo é uma pessoa mal informada, pouco instruída. Mas estou sendo otimista. Há quem seja na verdade um criminoso, um criminoso covarde que fica alimentando concepções como essas que você defende. Mas não vou dizer que esse é o seu caso, porque não te conheço; prefiro acreditar que você é só mias uma Maria vai com as outras, que fica se alimentando de ódio, lê algum artigo reacionário, e sai desesperado pra comentar nos jornais o seu ódio pelo outro. Tome cuidado, pois se você está mesmo correto em suas concepções, fique experto co a sua natureza, pois, ao julgar pelas suas palavras, há que um quê de criminoso nelas.

      • Thiago T. Lopes Postado em 05/Feb/2014 às 15:54

        O seu problema está aí, meu caro. Sua concepção é determinista, você acredita em natureza criminal, concepção esta que está na base do fascismo/nazismo. Você quer meu ponto de vista? Meu ponto de vista é que as coisas não existem aprioristicamente, que as coisas são construídas, historicamente e socialmente construídas. Não me venha com o argumento de que o rapaz da matéria é de natureza criminosa, e que por isso deve apanhar, deve sofrer, deve ser torturado, deve ter pena de morte, etc. Dizia-se que os judeus eram de natureza inferior, e existia toda uma ciência que o comprovava. O resultado, todos já conhecemos. Uma pessoa que defende - há quem mesmo aplauda - uma ação covarde como a que foi postada neste jornal, ou quem encontra justificativas para tal ato, no mínimo é uma pessoa mal informada, pouco instruída. Mas estou sendo otimista. Há quem seja na verdade um criminoso, um criminoso covarde que fica alimentando concepções como essas que você defende. Mas não vou dizer que esse é o seu caso, porque não te conheço; prefiro acreditar que você é só mias uma Maria vai com as outras, que fica se alimentando de ódio, lê algum artigo reacionário, e sai desesperado pra comentar nos jornais o seu ódio pelo outro. Tome cuidado, pois se você está mesmo correto em suas concepções, fique experto co a sua natureza, pois, ao julgar pelas suas palavras, há que um quê de criminoso nelas.

      • Thiago Teixeira Postado em 05/Feb/2014 às 19:24

        Não cara, tortura está errado. O rapaz a gente não conhece e tens razão que não podemos julgá-lo e nos deixar ser influenciado pela mídia convencional. O meu lado é de uma pessoa que passa por problemas sérios de captação de mão de obra para trabalho e quando vejo comentários do tipo "... a sociedade não vai dar emprego pra ele porque é pobre e preto ..." ai eu fico f...dido mesmo.

      • Thiago T. Lopes Postado em 07/Feb/2014 às 11:06

        Rodrigo, veja como você conhece pouco o seu objeto de crítica (crítica não, mera difamação). Desconhecendo a fragmentação da esquerda e suas várias direções, você acha (talvez o tio Rei tenha dito, né?) que todo mundo de esquerda defende ou gosta da União Soviética. E que todo governo esquerdista vai criar Gulags, vai virar uma nova URSS. Não, Rodrigo, não: você está generalizando, está mal informado. Dentro da União Soviética havia socialistas que se opunham ao governo, alguns chegaram a morrer pelas mãos de Stalin. Um sociólogo marxista que gosto de ler, chamado Georg Lukács, por exemplo, era uma voz contrária ao stalinismo. Não me venha listando atos bárbaros de governos pelo mundo afora, dando a entender que tais atos são inerentes da esquerda. Aí está o seu erro. Aí vem você com seus argumentos sofistas, apontando problemas estruturais da Venezuela e de Cuba, ignorando os séculos de submissão colonial de tais países, e de um vergonhoso embargo econômico que sofrem. Veja como você confunde as coisas, colocando Venezuela e Cuba ao lado da União Soviética. Esta aboliu o mercado e isso foi um dos fatores de sua bancarrota. Coisa que nem a Venezuela, nem Cuba fazem, pelo contrário. E se hoje estão em crise, é justamente porque seu mercado está em crise, já que - além do embargo - vivemos numa crise econômica grave e porque isto aqui, amigo, é a América Latina. Eles não estão em crise porque são de esquerda, estão em crise por questões de mercado, que não depende somente deles, mas de outros países também. Imagine se o Brasil sofresse um embargo, por mais capitalista que fosse. Finalmente, para mostrar ainda mais sua ignorância, (ignorância revestida de uma falsa imagem de conhecedor do assunto) gostaria de tratar, (infelizmente terei que ser breve, porque não se pode, de acordo com seu capitalismo, dar aulas de graça, não é?), gostaria, como disse, de tratar desse assunto tocado por você da maneira mais desastrosa: "Vamos falar da escravidão? De todo o absurdo que foi a transformação do ser humano em coisa? De sua redução à condição humilhante de propriedade, de ser humano (quando assim conseguia ser considerado) de última classe?". Pois bem, Diginho, antes vamos começar, dizendo que o escravismo é um conceito e como tal deve ser desenvolvido. Por que você o citou, eu não entendi. Digo sobre essa questão de conceito, porque já ouvi de vocês mal informados, de que os trabalhadores de Cuba, por exemplo, são escravos. Isso é um absurdo. Lá se vive em outro sistema econômico, não se pode usar indiscriminadamente a mesma palavra. Não se esqueça de que existe escravismo em países capitalistas, como o Brasil, por exemplo. Lá no Brás, meu caro, está cheio de Bolivianos trabalhando como escravos. Você que reclama porque, coitadinho, é da classe média pagadora de impostos, parece que não enxerga que quem costura sua roupinha comprada num Shopping, foi um boliviano que mora numa favela que você só conhece pelas imagem do Google, sua fonte. Um escravo. Bom, mas vou ao principal: "De todo o absurdo que foi a transformação do ser humano em coisa? De sua redução à condição humilhante de propriedade". Sem querer, você acabou aludindo a uma concepção - advinha? - marxista. Uma concepção trazida por Marx no Capital, atacando um sistema explorador, opressor, chamado - advinha de novo- capitalismo. Que se baseia em três coisas: mais valia, fetichização e deificação. Essas duas últimas dizem respeito - falando vulgarmente - ao processo de coisificação do homem, cujo valor é medido pelo valor das mercadorias. E tudo num sistema capitalista vira mercadoria, tudo. Até o homem, que, para ser homem, deve vender sua força de trabalho. Com esses processos, medindo-se com a mesma cifra o valor de um carro com o valor do trabalho de um homem. No sistema capitalista, o homem é coisa, nada mais. Mas, enfim, vou encerrar por aqui por enquanto,porque acho que me alonguei. Rodrigo, largue a Wikipédia, ela é superficial. E não faça parte desse exército que prega uma conspiração comunista, tudo com medo de um iminente golpe comunista. E tente conversar com pessoas da esquerda, aberto a ouvi-las, porque nem todo mundo da esquerda defende Stalin, nem todo mundo da esquerda vota no PT. E fique com uma diferença principal entre o sistema capitalista e o sistema socialista: no capitalista, o dinheiro está acima de tudo; no socialista, está o humano.

      • Rodrigo Postado em 07/Feb/2014 às 12:48

        Marx, o que morava com o primo e era por ele sustentado... O que buscava favores sexuais de suas, como você coloca, "empregadas escravas"? Ótimo! Mais um capitalista oportunista, que finge ser "socialista" para atrair uma legião cega. E siga distorcendo tudo. Tudo é relativizado por ti. Tudo é explicado, quando se toca nos erros bárbaros da esquerda (até Cuba é dissociada da URSS!). Pode seguir reescrevendo a história, aliás, a "estória". Já quanto a todas as suas omissões, fique tranquilo. Siga odiando a si mesmo, prezado classe média, siga não se aceitando. E, novamente, não leio a Wikipédia. Você já tentou colocar palavras na minha boca, dizendo que eu lia Olavo. Agora que eu leio wikipédia. Não siga táticas de guerrilha de cartilhas partidárias, por favor. Isso ou se informe melhor, porque a internet, quanto à mídia, possui milhares de veículos de mídia, como este próprio. Lamento você conhecer apenas a editável wikipédia. Então, anote minhas sugestões: pare de odiar a si mesmo e se informe mais sobre a internet, pois ela não se resume à editável wikipédia. Abração.

      • Thiago T. Lopes Postado em 07/Feb/2014 às 13:50

        Nossa, mas que sensibilidade, Rodrigo. Você acha o que? Quem vai vir aqui, falar um monte e não vai ouvir nada, é? Deixo avisado que não sou um dos seus pares. E saiba (você que não me conhece) que não faço parte da classe média, e, mesmo que fizesse, eu ainda manteria uma visão crítica sobre ela. Sartre foi um dos maiores críticos da burguesia, e,no entanto, era burguês. Mas não, sou sou da sua classe, em todos os sentidos. Você é tão obtuso que vê distorções nas coisas argumentadas e verdade nos falsos silogismos. Aqui, nesses comentários, eu só brinquei um pouco, porque estou consciente de estar jogando pérolas a porcos. Estou só testando pra ver até onde vai o despreparo, a falta de cultura, a falta de leitura, a falta de raciocínio de gente como você. Refuto algumas ideias, questiono outras, explico coisas que você ignora, tiro um sarro da sua cara, só pra ver até que ponto um reacionário da classe média consegue ir. Só que eu era mais otimista quanto aos resultados. Paciência. Alguém cuja crítica a Marx se resume em dizer que o autor era sustentado pelo primo e que tinha "escravas", é algo que mostra o seu tamanho, Rodrigo, e o tamanho do seu intelecto. Por isso as minhas palavras soam desprezo.

      • Rodrigo Postado em 07/Feb/2014 às 20:00

        Prezado, FHC, quando confrontado com sua contradição, disse: "esqueçam o que escrevi". Marx também era assim, a contradição em pessoa. O próprio "faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço". Falava sobre exploração, mas via o que à época era chamada de "criada" como sua empregada sexual. Falava sobre exploração e explorava seu primo, pois preferia dar-se deliberadamente ao ócio que trabalhar, saber o que é suor no rosto. Sentir-se dignificado ao ver o dever cumprido, ou ao menos para se sustentar dignamente. Então, ao ver uma pessoa que fala das mazelas do capitalismo, mas esquece-se de instar o indivíduo à mudança interior de comportamento, a deixar de ser preguiçoso, a deixar de ser contraditório, a deixar de ver aquela que está empregada na residência em que vive como uma escrava sexual, só posso ver uma obra vazia. Alguém que começou uma crítica, que poderia ser em muito válida, mas enveredou por um caminho vergonhoso. Tal é minha crítica, mas não apenas a Marx, mas também a quem defenda qualquer outra posição, sendo amplamente contraditório. A todo socialista de ocasião, que apenas quer atrair um séquito de seguidores, uma turba que lhe permita andar de Land Rover, provar dos melhores uísques, dos mais finos lençóis de algodão egípcio. A todo capitalista explorador, que subverta o sistema apenas pensando em sempre ganhar, em sempre explorar o outro (quem se mete em esquemas de pirâmide, reduz o ser humano à condição análoga à de escravo em fazendas, carvoarias e confecções, v.g.), que não saiba perder (quem se beneficiou de Proer). Por tudo isso eu vejo que você não me traz pérolas (a não ser que na conotação pejorativa da palavra), mas apenas perita. Mas, reconheço que há porcos e, na revolução dos bichos, alçamo-os ao poder. Contudo, prontamente, como Orwell já vaticinava, julgaram-se mais iguais que os outros, mais especiais, como que se tivessem o direito de reiterar as barbaridades dos governos anteriores. Ao fim, contudo, ao menos fico feliz em ver que você amplia os horizontes e percebe todo o espectro do pensamento político. Enquanto alguns vêem somente a extrema direita, de um lado, e a esquerda de outro, você aparenta ver desde a extrema esquerda, que gosta de Stalin, Che, Pol Pot, Mao e muito mais, passando pela esquerda, centro, indo à centro-direita, direita e extrema-direita. E te elogio por isso, pois tanto há reaças de direita e esquerda, quanto revoluças de esquerda e de direita, bem como de centro e centro-direita e centro-esquerda. Ia ainda elogiar sua amenidade inicial, aparentando exposição de urbanidade, respeito para com o próximo, mas tornou à carga ofensiva, aos porretes verbais, então ainda não posso formalizar o elogio. Espero logo poder. Prezado, sou da área de Humanas. Sou Advogado e minha grade curricular contemplou Antropologia, mesmo a jurídica, Ciências Políticas, Filosofia e Filosofia Jurídica, Lógica, bem como matérias outras a permitir uma visão de mundo maior que a contemplada na fria letra da lei. Posso não ter tido contato tão amplo com determinados autores quanto pessoas graduadas em filosofia, em antropologia, em ciências políticas. Mas aproveitei o contato que tive, ao qual dou seguimento, para formar um censo crítico. E, então, ter parcimônia nas palavras, nos julgamentos, em que pese o ser humano não conseguir alcançar a perfeição, do que tenho plena ciência e convicção. Não o conheço, não sei sua origem, sua árvore genealógica. Deve ser de pessoas de bem, óbvio. Conheço, sim, minha origem. Ascendência indígena, negra e branca, com avós paternos padeiro e dona de casa e maternos alfaiate e costureira. Meus pais, no interior da BA, estudaram e foram aprovados em concurso público, podendo ter uma vida mais confortável e assim prover o mesmo aos seus filhos - por isso insisto que "classe média" não é uma desgraça, mas o resultado de uma vida de luta. Eu, de posse de tal base, dei seguimento, um nordestino que foi estudar em São Paulo, que foi vítima de discriminação, mas preferi ignorar ignorantes (a quem quiser se valer da lei, tem todo o direito e apóio), estudei e cá estou eu. Reflito sobre a sociedade, ajudo clientes que não podem pagar prontamente (sempre há um jeito de auxiliar, um "calote" que se leva sorrindo, sabendo que é de bom coração, um dia, essa boa pessoa vindo a me "pagar" ao transferir a caridade a outrem). Moro no interior da BA e viajo ao "interiorzão", buscando clientes (há o rural, com direito à aposentadoria e muitos outros, que apenas querem "encostar", sem qualquer justificativa, eu me negando a propor ações temerárias). Vejo um mundo que complementa minhas leituras, seja na internet (mídia em geral), livros jurídicos e tantos outros (sugiro a você "O andar do bêbado", bem como "Justiça: o que é fazer a coisa certa"). Tudo isso, com o passar dos anos, amadurece a mente, acalma a palavra (já fui jovem e tive meus arroubos, não tão grandes, em centro acadêmico), estende a reflexão, de modo que a ação seja o mais sensata possível. Hoje, pois, quando analiso e comento tais discussões políticas, o faço lembrando que temos, sim, uma responsabilidade coletiva, estrutural, mas, acima de tudo isso, uma enorme responsabilidade individual. Não podemos apenas prontamente culpar um sistema, sem nos esquecermos das pessoas que o integram e fomentam. Tudo, pois, pode tender a mudar, a passar, mas, se o indivíduo não lançar-se à ação, seja em complementação à caridade, à mão recebida, se não atentar também para a responsabilidade individual e parte que lhe caiba, nada mudará.

  18. Dracularv Postado em 04/Feb/2014 às 23:43

    No mundo em que vivemos, negro é sinônimo de assaltante, de pessoa sem caráter, e por aí vai, só que tenho muito orgulho de ser negro, e não tenho nada que temer esta crueldade que fazem gratuitamente com pessoas todos os dias, o que precisamos é de mais respeito, educação de qualidade, que, infelizmente, no nosso país, só tem quem pode pagar por ela.

  19. Elias Postado em 05/Feb/2014 às 02:07

    Bandido. Ponto final, é assim em países de verdade. Sem conversa fiada. Maaaas como estamos no Bresil de esquerda no mundo do avesso, estão tristes porque um bandido foi preso pelo povo, fala sério, a bandidagem na minha região em 1 ano mataram mais de 1000 pessoas e muitos são menores de idade, não ficam presos nem 1 mês. O povo brasileiro tem que acordar a esquerda não pensa muito diferente desse tipo de "texto", se armem o máximo possível o estado não é capaz de proteger nem ele mesmo, talvez um dia pelo menos o Brasil tenha um governo que defenda a justiça.

    • Cristiane Taz Postado em 05/Feb/2014 às 11:32

      Nossa Elias, eu me interessei por esse caso e ando pesquisando. Vi que você tem bastante conhecimento. Passa pra mim sua fonte. Como você soube que ele era "Bandido. Ponto final...". Quanto aos ditos países de verdade, além de alguns do Oriente Médio, quais outros têm linchamento como pena para, na falta de palavra menos vazia, "Bandido". Sobre a sua região, qual é a fonte de dados sobre a "bandidagem", quantos são menores, quanto tempo ficaram presos.

  20. Fernanda Postado em 05/Feb/2014 às 10:03

    Nossa é intrigante o quanto este assunto rendeu e saiu fora contexto. Foi para o "Japão, voltou", "foi novamente" porém a coisa é muito simples: Confirmou que é bandido (provas/ testemunhas)? Sim, então foi pouco o que aconteceu, deveriam ter feito mais! Ele deveria ter sido tratado como os bandidos tratam a sociedade matando sem escrúpulos mesmo quando não existe reação, só por prazer. Não confirmou que é bandido? Os justiceiros agiram de forma errada. Ninguém aguenta mais essa violência e falta de impunidade. Direitos humanos se preparem pois os cabelos ficarão arrepiados! A sociedade está com tanto ódio que os bandidos pensarão duas vezes antes de agir, isso não tem volta. Desde os primórdios o "SERUMANO" só "conquista" com a "guerra", está no DNA e este sentimento de "sobrevivência" está vindo cada vez mais a tona.

  21. Antonio Palhares Postado em 05/Feb/2014 às 10:57

    Eu acho que os maiores bandidos do Brasil são a rede globo e suas coligadas. São permissionárias de serviços públicos de informação e o não informam com qualidade nem melhoram a qualidade intelectual do brasileiro.Nos estamos em guerra civil há muito tempo e ninguém liga para isto. Aqui existe a banalização da violência. O correto é agir em nome da lei e isto nossas autoridades não fazem.O PCC manda em São Paulo e o comando vermelho no RIO. Os nossos valores morais são carcomidos e cidadãos de bem aviltados por este esquema safado. Abaixo a globo e as mentiras que ela representa. Na hora de votar este dai pode. So não pode ser cidadão .

  22. Diego Postado em 05/Feb/2014 às 12:16

    Agora a questão é porque ele era negro? Não A questão é porque ele ESTAVA PRATICANDO CRIMES! A atitude foi errada. Mas ela não deve ter essa pecha de nazista, fascista. Isso foi obra de gente revoltada com a impunidade e com o direito penal brasileiro imbecil e abolicionista, que faz com que a sociedade não se sinta segura e alguns mais ousados e inconsequentes venham e cometam atos como esses. E reitero: repudio o ato

  23. leandro Postado em 05/Feb/2014 às 14:12

    HAHAHAHA a esquerda cada dia mais doidona!!! Jovem negro? rsrsrs... o cara é marginal da pesada! a ficha policial dele tá cheia! Certa classe da esquerda logo logo vai propor dar uma medalha para o marginal a cada cidadão que ele carbonizar vivo, com honra ao mérito se esfaquear antes. acham tudo muito normal, "luta de classes" eles chamam. se o marginal for preto e a vítima branca... aí é que fica tudo melhor ainda, "justiça social". conheço bem este tipo, os caras gozam de prazer ao verem um negro pobre matar ou assaltar um branco de classe média. estuprar uma patricinha branca então... é o auge da "luta de classes". é demência demais. coitados dos esquerdistas, antes combatiam o facismo, a direita, o racismo... agora fumam maconha e falam besteira.

  24. Esther Postado em 05/Feb/2014 às 14:17

    a situação é preocupante e o que se lê nos comentários também o são... o que mais lamento é que as opiniões aqui colocadas, são a expressão do que é absorvido e processado via midia parcial brasileira pela maioria da teórica e excludente classe média brasileira. lamentável... confunde-se respeito com direito, abuso com meritocracia... e por ai vai. Ser teórico nesse país é uma virtude. fala-se de situações, atitudes e universos que pra muitos de nós nós são absolutamente desconhecidos. lamentável...

  25. Rodrigo Sartoti Postado em 05/Feb/2014 às 15:32

    Vocês são doentes? Não interessa aqui se o cara assaltou ou não. O fato é a violência que foi perpetrada pelo grupo de "justicieiros". Alguém que deseja punir um criminoso com tamanha violência e humilhação só pode ser um doente mental, sinceramente. Querem o que, voltar ao estado de natureza e instituir uma carnificina? Se o cara cometeu qualquer delito que seja, ele deve ser punido dentro dos limites da lei, como qualquer pessoa humana. E não falo aqui de "passar a mão na cabeça" ou qualquer coisa do tipo, falo apenas de cumprimento da lei, de respeito à dignidade alheia. Os "justiceiros", pra mim, são criminosos piores do que qualquer um que assalta por aí. Além disso tudo, não há prova alguma de que o rapaz acorrentado tenha cometido qualquer crime.

  26. mario Postado em 05/Feb/2014 às 16:56

    por que não fazem isso com traficantes???????

  27. Vitor Postado em 05/Feb/2014 às 17:26

    A culpa não é dos justiceiros e nem do bandido. A culpa é do estado que permitiu essa situação. Ete deve ser severamente responsabilizado.

  28. Joao Postado em 07/Feb/2014 às 08:48

    Ele não foi amarrado por ser negro, e sim por ser BANDIDO. Quem está com dó que leve pra casa. Estamos cansados desse bando de marginais, que vem assaltar e não pensam meia vez para te matar e ainda te chama de vagabundo. Sou a favor de Direitos Humanos à HUMANOS DIREITOS. Bandido tem que ser punido. É por isso que este país não vai pra frente, todo mundo tem dó de vagabundo.... AFF

  29. jaspion Postado em 07/Feb/2014 às 09:46

    se esse bandido marginal vagabundo tivesse matado alguém, ninguém nem publicaria nada em site nenhum e nem sairia nos jornais. Mas como o bandido foi preso pela própria população (e está dizendo na lei que o povo tem direito de prender criminosos) aí agora ele vira o bandido coitadinho negro que foi vítima de racismo. a esquerda adora compactuar com o crime protegendo os bandidos com os mais diversos sofismas e uso de desonestidade intelectual. a esquerda é um cãncer Parabéns ao povo que prendeu esse marginal vagabundo! ___

  30. Bruno Postado em 11/Mar/2014 às 12:54

    Acredito que a questão de racismo aqui não se enquadra de forma plena, mesmo sem negar sua existência. Pelo fato de ser um termo de enorme insistência para discursos sensacionalistas tiram o foco da real questão, o fato motivante para tais revoltas. Violência, criminalidade, humilhação e medo. São diversos os motivos que assolam a população e inserem nela o sentimento de revolta e repulsa aos que ferem seus direitos básicos. Dessa forma não é possível esperar que uma população aceite autoridade de um governo que não cumpre com a sua função. Aí que se perde o discurso de quem é apto a fazer valer o contrato social. O povo não é um participante passivo na forma que um país procede, e por mais que exista um governo legal, é do povo e somente dele de conferir a real legitimidade e impôr seus verdadeiros anseios. A questão é que enquanto não houver real garantias sobre os direitos da população indiferente de qualquer indicie social, o transgressores estarão sujeitos aos revezes de seus atos.

  31. Ricardo Postado em 30/Jan/2016 às 19:30

    Não defendo a atitude do rapaz que foi preso ao poste. Mas a atitude dos justiceiros também não é perdoável ou compreensível (como disse a Sheherazedo). Essas questões de criminalidade, racismo, desigualdade, tudo se mistura. E é um problema que não vai ser solucionado amarrando um infrator a um poste e decepando uma orelha dele. O buraco é muito mais embaixo. Eu acredito que precisamos de ações sociais para melhorar o Brasil e, claro, diminuir a criminalidade. Mas é um longo e constante processo. Acho que existe um certo egoísmo por parte de muitas pessoas que, entre outras coisas, se posicionam a favor da pena de morte e da redução da maioridade penal. Já tivemos pena de morte por aqui, a qual foi abolida por Dom Pedro II, após a justiça na época, reconhecer que errou, ao mandar para a forca um homem inocente.

O e-mail não será publicado.