Redação Pragmatismo
Compartilhar
Saúde 23/Feb/2014 às 15:37
33
Comentários

A hipocrisia e o silêncio dos críticos do Mais Médicos

Por onde andavam os críticos do Mais Médicos quando dois profissionais brasileiros trocaram socos durante um parto? Por que, com a mesma virulência com que atacam o programa, não se indignam com os colegas que faltam ao plantão?

mais médicos brasil
Foto: Profissionais do programa Mais Médicos (Reprodução)

Dr. Rosinha, Congresso em Foco

Semana passada, fazendo uma “limpa” no computador encontrei esta pérola de 2010: “Briga em parto: médicos podem ser indiciados por aborto em MS”. Na ocasião, 25 de fevereiro de 2010, estarrecido, li que na cidade de Ivinhema (MS) dois médicos brigaram na sala de parto. Na sala, estava uma parturiente para dar à luz. Os dois, em vez de fazer o parto, começaram a brigar. Não, não brigavam para ver quem iria fazer o parto. A matéria que li não dizia a razão da briga, mas, talvez brigassem por dinheiro. Sim, quanto cobrariam pelo parto ou quem receberia do Sistema Único de Saúde.

Informa a notícia que “os médicos trocaram socos na sala do hospital onde a mulher era atendida”. Ela havia optado por parto normal, mas com a confusão acabou submetida a uma cesariana, e o pior: o recém-nascido faleceu. A certidão de óbito da criança, uma menina, diz que ela morreu por “sofrimento fetal agudo e anóxia”, falta de oxigênio.

Essa briga na sala de parto custou a vida de uma criança. Sobre isso, não vi, na ocasião, nenhuma nota do Conselho Regional de Medicina do Mato Grosso do Sul ou do Conselho Federal de Medicina. Ou eles não tomaram conhecimento? Ou soltaram a nota e fui eu que não tomei conhecimento?

De qualquer maneira, não fizeram o escarcéu que fazem contra o “Programa Mais Médicos”. A desistência da médica cubana Ramona Matos Rodriguez foi a festa da direita (DEM, PSDB), parte da imprensa e da maioria das entidades médicas.

A desistência da Dra. Ramona e de outros cubanos como o do Dr. Ortelio Jaime Guerra, que fugiu do Brasil para os Estados Unidos, não é uma condenação ao “Programa Mais Médicos”, mas sim discordância ideológica do governo cubano.

A diferença entre a Dra. Ramona e o Dr. Ortelio é que ela procurou auxílio da direita (DEM) brasileira enquanto ele da organização não- governamental (ONG) Solidariedade sem Fronteiras, com sede em Miami. Essa ONG provavelmente financiada pelo governo dos Estados Unidos tem o objetivo de estimular os cubanos a entrar nos EUA, com o “visto humanitário”.

Enquanto festejam a desistência de cubanos e cubanas, nada escrevem ou falam sobre o excelente resultado do Mais Médicos ou mesmo de casos (positivos) isolados como o que ocorreu no município de Candiota.

No mês de janeiro, um médico cubano encaminhou um paciente do Hospital de Candiota para o Pronto Socorro de Bagé. Foi o que bastou para o Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Sul. Assim que tomou conhecimento da “irregularidade”, pediu a expulsão do cubano do Mais Médicos. Qual a irregularidade?

O médico cubano foi chamado para atender um paciente no Hospital de Candiota porque o médico (brasileiro) que deveria estar de plantão não estava.

Não bastasse o Sindicato, o Conselho Regional de Medicina (Cremers) também reagiu. Segundo um conselheiro, há uma determinação do Cremers que barra a atuação dos médicos do programa nos hospitais. Sendo rude: o médico brasileiro não está de plantão, porém o médico cubano não pode atender, mesmo que o paciente possa morrer.

Semana passada, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, apresentou um balanço do Mais Médicos. São cerca de 9 mil médicos distribuídos pelo Brasil. De acordo com os dados divulgados, havia, naquele dia, 89 profissionais ausentes de seus postos de trabalho. Quatro deles cubanos, cinco de outras nacionalidades e 80 brasileiros. Do Mais Médicos, pouco mais de 800 médicos são brasileiros, portanto uma taxa de desistência de 10%. Já entre os cubanos as deserções representam 0,09% dos 5.550 profissionais em atividade pelo programa.

Não custa perguntar:

1) Sobre o caso de Ivinhema: os médicos foram punidos?

Como a notícia da briga e da morte da criança correu o país, deveria correr o país o resultado dos processos, tanto nos Conselhos como da Justiça.

2) Sobre o caso de Candiota: as entidades médicas vão cobrar e/ou punir o médico ausente de seu trabalho?

Recomendados para você

Comentários

  1. Selton Postado em 23/Feb/2014 às 16:32

    Enxerga-se somente aquilo que interessa para eles.

  2. renato Postado em 23/Feb/2014 às 19:04

    A direita é mínima, morta,malfazeja, mal intencionada, de má vontade... E vou parar por aqui... E tem tentado se esconder atras da Profissão de Médico. Vou parar por aqui.. Pois mais a frente ela se junta com os profissionais da Justiça.

  3. Alexandre Lopes Postado em 23/Feb/2014 às 19:48

    Vivemos, no âmbito da saúde , uma ditadura corporativa que reage, ferozmente , a " invasões " estrangeiras , sobretudo quando esses " invasores " não são regidos pela lógica mercantilista .

  4. Thiago Teixeira Postado em 23/Feb/2014 às 19:50

    Vou fazer uma analogia do CRM com o CREA (Engenharia). Os CRM são muito unidos, abafam todos os casos, acobertam os médicos e tentam resolver entre eles, passando a mídia que todo procedimento foi correto. O CREA, é o oposto, são todos desunidos, um Engenheiro que descobrir o erro do outro e publicar para se sentir mais inteligente. É bom, é sadio, é correto, eu faço ART´s, cálculos e eu leio, releio, recalculo n vezes com medo de ter algo errado, pois se tiver meu amigo, nunca mais consigo trabalho naquele estado. Resumindo, o CRM não aceita profissionais de países emergentes (para não falar negros, se não vão dizer que é vitimismo) atuando no Brasil, estes serão vigiados igual os Engenheiros do CREA vigiam as obras nesse país, com lupa.

    • Gaspar Postado em 23/Feb/2014 às 22:03

      Eu estava pensando a mesma coisa por esses dias. Sem falar que as carteiras profissionais de alguns CREAs são caríssimas.

    • Claudio Postado em 24/Feb/2014 às 13:28

      Como engenheiro, assino embaixo da descrição que vc deu ao nosso "coorporativsmo"...

    • Rodolfo Postado em 24/Feb/2014 às 13:39

      "igual os Engenheiros do CREA vigiam as obras nesse país, com lupa." ué, e não deveria ser assim ?

      • Thiago Teixeira Postado em 24/Feb/2014 às 14:43

        Sim. Agora porque o CRM não age dessa forma? É esse o ponto que coloquei.

    • Ana Cristina Postado em 25/Feb/2014 às 16:16

      Em que CREA vc atua? Trabalhei na central do CREA mais rico do país, tinha que estar presente em todas as Plenárias e acompanhava de perto o trabalho dos Conselheiros, sei bem quantos engenheiros já foram punidos por seus erros. Como Creano (que afirmou ser) sabe o quanto o CREA de SP retorna aos cofres do CREA Federal e nem precisamos falar da politicagem que há por trás dessas presidências. Se nunca tivesse trabalhado lá já teria argumentos o suficiente para questionar sua afirmação (sem nem citar a Copa, que seria um clichê), depois que assisti de perto o suado trabalho daqueles distintos senhores e mesmo tendo duras críticas a ação dos nossos médicos brasileiros não posso aceitar uma injustiça dessas.... CREAs e CRMs não distinguem em nada quanto suas posturas protecionistas.

    • jose Postado em 31/May/2014 às 12:38

      vamos trazer engenheiros, advogados, etc, de outros paises tb.

  5. ademar Postado em 23/Feb/2014 às 20:30

    Não entendi a ligação dos dois casos: Ivinhema e Candiota com o programa mais médicos, que relação há? Acho o programa mais médicos como boa iniciativa, com muitas falhas, que podem ser corrigidas, mas o programa é um alento em nossa tão sofrida saúde pública, mas os dois casos citados (exemplos deploráveis) não podem ser justificativa para a chancela do mais médicos, há de se analisar o programa em suas propostas somente, o caso dos médicos cubanos por exemplo, tem de ser corrigido a forma de remuneração, trabalham no Brasil, devem ter os mesmos direitos que qualquer trabalhador conforme nossa constituição, não se trata de concordar ou discordar do regime de Cuba, apenas deve prevalecer a legislação brasileira, o trabalho é realizado aqui.

    • luiz benedito ponzeto Postado em 23/Feb/2014 às 21:37

      Ademar, você está desorientado, precisa urgentemente consultar um médico, se não, seu problema pode se agravar.

      • José Ferreira Postado em 23/Feb/2014 às 23:31

        O Ademar está certo. É você que está a ser indelicado e incoerente...

    • rafael Postado em 24/Feb/2014 às 03:13

      esses médicos enviam dinheiro para ajudar seu povo

  6. Bruno Bomfim Postado em 24/Feb/2014 às 02:33

    Os meios justificam os fins? Não adianta dizer que vários brasileiros estão sendo beneficiados com o Mais Médicos, pois foi implantado de forma incorreta, desigual, criarem a ideia que haveria uma especialização, entretanto, os médicos que vêm de Cuba já são especialistas em saúde da família, por que vêm para o Brasil fazer um curso de especialização em médico da família? Vêm fazer a mesma especialidade?sem direitos trabalhistas como férias e décimo terceiro? Justificaria dizer que muitos alemães se beneficiaram com a guerra, ainda que Hitler tenha assassinado 6 Milhões de Judeus??? Os fins não justificam os meios!!!

  7. Eva Moraes Postado em 24/Feb/2014 às 07:42

    É por conhecer o CRM, como paciente do SUS, que faço essa denúncia: dia 19/02/14, o médico brasileiro, "dr" Bruno Cainelli de Oliveira Prado, CRM 157277, recusou atendimento à paciente. Esse era o médico da família do paciente em questão.

    • Lucas Postado em 24/Feb/2014 às 11:56

      Eva Moraes, Médico tem o direito de recusar atendimento a não ser em casos de urgência/emergência. Não importa se ele for médico da família do paciente durante 20 anos, se ele decidir recusar aquele atendimento, é direito dele.

  8. Marcos Postado em 24/Feb/2014 às 10:38

    PREZADOS, SERIA MUITO INTERESSANTE REUNIR UMA MATERIA COMPLETA SOBRE TODOS OS ABSURDOS COMETIDOS POR MÉDICOS BRASILEIRO QUE SE TEM NOTICIA, É UMA INFINIDADE DE OCORRENCIAS, COMO OMISSÃO E ATÉ MESMO AÇÃO CRIMINOSA. PARA FAZER FRENTE AOS DESMANDOS DO CONSELHO DE MEDICINA, A INERCIA QUE ESSE CONSELHO ESTA MERGULHADO, A ANUIDADE COBRADA DOS MÉDICOS É UMA DAS MAIORES EMITIDA POR CONSELHOS DE REGISTRO, E É UM DOS PIORES SERVIÇOS PRESTADO AOS PROFISSIONAIS, À CLASSE MÉDICA EM GERAL E A POPULAÇÃO.

    • Thiago Postado em 24/Feb/2014 às 19:11

      Vamos começar essa jornada desativando o Caps Lock!

  9. Pereira Postado em 24/Feb/2014 às 13:01

    Eu sou a favor desse programa, mas tivemos ja 26 anos desde a nova constituição para arrumar a saúde e nada . Esse programa é uma tentativa de remediar uma situação caótica, acho que não seria a melhor maneira de arrumar a saúde. Tendo em vista a mixaria que recebem e a falta de segurança e infraestrutura que os médicos tem que enfrentar no interiorão e em favelas. O programa não é ruim no ponto de vista de remédio para um problema, mas para a solução a longo prazo não é a melhor saída.

  10. Joao Postado em 24/Feb/2014 às 13:38

    Engraçado são os estudantes pobres de escola pública que acabaram de entrar no curso de medicina graças à política de cotas criticando o Mais Médicos! Essas pessoas nunca postarsm nada sobre nada, aí passam em medicina e ficam com medo da concorrência.

    • Thiago Teixeira Postado em 24/Feb/2014 às 17:24

      Bando de babaca e oportunista João. Não sou exemplo pra ninguém, mas fiz questão de ingressar na Universidade Pública sem essa frescura de cota e muito menos ENEM. Tá lá no meu diploma: Ingresso via vestibular. Mesmo assim já passei preconceito com engenheiros mais velhos que eu, um fiscal antigo do governo me disse isso semana passada: Tá vendo, isso que dá essas cotas, qualquer um vira engenheiro. Só não joguei o cara de uma altura de 25 metros pois tinha testemunha perto, mas esfreguei na cara dele que fiz universidade igual a todos, sem coitadismo.

  11. Bruno Postado em 24/Feb/2014 às 14:00

    "Essa briga na sala de parto custou a vida de uma criança." Você tem ideia da responsabilidade incumbida nesta afirmacao? Reflita e seja mais ponderado no seu texto. Os principes da direita, diogo e reinaldo, cometem os mesmos erros de prepotência e ignorância. Você, autor, demonstra estar no mesmo nível deles, só que no time oposto.

    • Diego Postado em 25/Feb/2014 às 05:26

      Disse tudo.

  12. Fátima Maria Postado em 24/Feb/2014 às 18:24

    Quanto ao programa mais médicos, os salários que os médicos cubanos recebem é igual ao dos demais médicos do programa, o salário que os cubanos recebem no Brasil, eles acordaram isso com o governo do seu pais. Não cabe ao governo brasileiro questionar isso, até porque há um órgão internacional acompanhando esse acordo. É preciso saber respeitar a decisão do governo de Cuba e dos seus trabalhadores. E viva o Programa mais médicos e sejam bem vindos os médicos cubanos!

  13. Cesar Ribeiro Postado em 24/Feb/2014 às 18:57

    Pragmatismo Político perdeu a isenção que eu achava que havia há algum tempo atrás, mas hoje está claramente à serviço do governo... que pena...

    • Thiago Teixeira Postado em 25/Feb/2014 às 08:19

      Quem pensa dessa forma são pessoas que torcem para o Brasil afundar. E quando detectam alguma ação positiva, tacham o jornalista como "a serviço do governo". A gora entendo porque a grande mídia passa 100% do seu tempo denegrindo o governo, é com medo de perder seus clientes.

  14. Maria de Lourdes Ferreira Postado em 24/Feb/2014 às 21:08

    Por que essa classe de profissionais tem tanto receio dos cubanos? Não se garantem? Os cubanos examina o paciente, coisa rara de se ver no Brasil! Que me perdoe os bons médicos! Não acredito que vocês estão reclamando dos cubanos e sim aqueles profissionais que não tem compromisso com a profissão.

  15. Melina Postado em 24/Feb/2014 às 22:59

    Concordo que a discussão no parto é realmente um caso deplorável, e deveria ter a punição de profissionais que em momento impróprio arriscaram a vida de um paciente. Apesar disso, não justifica a existência do programas "mais médicos", porque isso é desvalorização dos estudantes brasileiros que aspiram uma vaga nas universidades e faculdades brasileiras, dos que já estudam medicina, dos que a exercem, é elucida a desvalorização do próprio povo. Desde quando um país exerce protecionismo externo? Hoje, depois de 5 anos, consegui entrar em uma universidade de medicina, vim de escola pública, e para conseguir o ingresso estudei mais de oito horas por dia, meu colega também oriundo de escola pública conseguiu ingressar em uma faculdade em Cuba, lá ele relata do acesso mais fácil a universidade e da medicina preventiva (Porque eles trabalhar para evitar a doença, mas a parte de combatê-la é mais complicado), ela relatou que alguns nem chegam a terminar a faculdade e recebem o diploma como incentivo do governo, porque eles ganham com a importação de inteligência, o que é o mais médicos senão um produto também? E o governo cubano está explorando bem essa matéria prima, pouco lapidada. Em contrapartida temos o governo brasileiro, que favorece a exploração de inteligência, não investe suficiente em educação (Saibam que há vestibulares de medicina que chegam a 300 aspirantes por 1 vaga) e daí favorecem profissionais do exterior para trabalhar no campo que deveria ser ocupado por brasileiros. A população cresce a cada ano, faz sentido as vagas não aumentarem proporcionalmente? O vestibular que fui aprovada, eram 98 pessoas por 1 vaga, os veteranos da universidades estudam tanto que soube de casos de pessoas dois dias sem dormir. Não acham injusto o favorecimento de cunho político prejudicarem tantos profissionais? E se fosse o seu filho estudando a cinco anos para entrar no vestibular, estudasse mais seis anos (Isso excede 8 horas diárias), perdesse noites de sono, e na hora de exercer sua profissão fosse ocupado por um profissional de outra nacionalidade que não teve a educação especializada para hospitais brasileiros, melhor ainda, e se fosse seu filho tratado por um médico cubano? A educação e saúde de Cuba não são idênticas a do Brasil, as condições sanitárias do hospitais cubanos não são idênticas ao Brasil (Por mais estranho que pareça). Eu apoio sim o uso de profissionais cubanos, e até de outros países, mas quando as estruturas do país apoiar também ao estudante e trabalhador brasileiro, quando as universidades conseguirem ter suporte para aceitar maior número de estudantes, quando os hospitais conseguirem ter estruturas para preparar esse profissional que vem de fora, com cursos especializados e palestras sobre a realidade brasileira, e curso de aprendizagem da língua. Quando o programa mais médicos não influenciar a demissão de profissionais brasileiros e for uma equipe de apoio, não de substituição. Quando a professora Jane Elliot soube da morte de Martin Luther King, resolveu fazer alguma coisa para mudar a realidade racista do país dela, ela realizou uma série de palestras e desenvolveu um método para detectar que a população americana era conscientemente ou inconscientemente racista, em uma dessas ela disse: "Eu quero que cada pessoa branca nesse auditório, que gostaria de ser tratada da mesma maneira que a sociedade trata os cidadãos negros ficassem de pé." Ninguém se levantou. "Isso deixa claro que vocês sabem o que está acontecendo." Da mesma forma gostaria de perguntar as pessoas que estão lendo aqui, gostaria que se manifestasse as pessoas que estudariam cinco anos para entrar na universidade por oito horas diárias, depois passassem seis anos estudando mais de oito horas, e no dia de exercer a profissão que foi preparado para exercer fossem substituídos por mão de obra barata e estrangeira? Não é a toa que há tantos médicos que estão reclamando, e vocês sabem o que está acontecendo.

  16. Jordan Postado em 25/Feb/2014 às 19:06

    Mais uma reflexão maniqueísta que leio sobre as mazelas do Brasil . Acho que devemos parar com esse dualismo, afinal vivemos santificando e transformando outros em demônios . Assim ocorre na politica,em manifestações de ruas e não seria diferente no caso dos mais médicos . Logo para muitos os médicos hoje são sinônimos de faltar plantão ou que só pensam no dinheiro e outras coisas mais e que os médicos do exterior são as santidades.Diante disso me pergunto: será que esta certo esse maniqueísmo onde uns são judas e outras deuses e no final nem judas nem os "deuses" promovem melhoria da saúde do país ?Para mim antes de criar o dualismo dos bons e não bons devíamos perguntar : será mesmo que o mais médico vai melhorar a saúde publica ou vai apenas reeleger alguém ?? Mas calma quando falo em reeleger não estou levantando a bandeira do DEM , PSDB ou sendo contra o PT , lembra que sou contra o dualismo . Estou falando que esses mesmos que só mudam de cor e número e nome vivem apenas pensando em reeleger ou se elegerem nas próximas eleições e esquecem dos eleitores por quatro anos ? OU você acha que esse caras sabem que está faltando heparina ou não tem gesso no quinto centro ou até mesmo que o sistema de regulação não regula nada bem , onde um paciente precisa sair de lugares muitos distantes para fazer uma cirurgia simples aqui em grandes centros . Enfim passaria aqui a noite toda falando de coisas simples que faltam até na capital da terceira maior cidade do Brasil que é Salvador ,afinal minha intenção não é levantar bandeira, é apenas repassar as duvidas que também tenho . As dúvidas são 1) Se esse médicos vão embora após 3 anos o que vai acontecer com a saúde dessas pessoas que segundo os governantes estão com a melhor saúde do mundo ? 2)Será que é errado uma pessoa que se dedicou por anos aos estudos ter uma carreira estável e com condições de trabalho ? 3) A saúde se faz com somente com médicos que vão embora após 3 anos ? Por fim sugiro a todos que estudem as diretrizes do SUS afim de ver que pouco se fala no singular médico e sim no todo que é a saúde .

  17. pamela Postado em 25/Feb/2014 às 21:38

    Esta reportagem simplifica de forma covarde e leviana os inúmeros profissionais brasileiros médicos que trabalham todo dia no SUS, salvando milhões de vidas diariamente...Como toda a profissão existem tb pessoas ruins. O que a reportagem não fala é sobre a ajuda financeira a Cuba, seu porto construído com dinheiro publico e sem aprovação do congresso, e de um programa que não respeita as leis trabalhistas...Toda realidade tem dois lados e se distorcida leva a mentiras. A saúde precisa melhorar e para isso precisa de transparência e não do seu uso com fins políticos eleitoreiros.

  18. Renan Lopes Postado em 25/Feb/2014 às 22:07

    Gostaria de saber exatamente a quais "RESULTADOS EXCELENTES" (do Programa Mais Médicos) o texto se refere, visto que não houve ainda tempo para medir nada, somente a perplexidade das pessoas de bom senso. Gostaria também de saber se a pessoa que escreveu esse texto revisou o caso da briga dos médicos o suficiente, antes de lançar a hipótese do "talvez brigassem por dinheiro". Gostaria também de saber o que esses casos citados, absolutamente de exceção, têm a ver - e, logo, como podem ser colocados na mesma balança - de um PROGRAMA DE GOVERNO, de repercussão internacional, que mobiliza verba PÚBLICA diretamente para um país onde há uma ditadura assassina e uma formação médica predominantemente ultrapassada, para qual a brasileira não deve nada, e que não é preparada para a precariedade, mas tão somente habituada a atuar nela.

  19. Paulo Postado em 25/Feb/2014 às 22:15

    São imensas as irresponsabilidade e as violações a saúde por parte dos próprios Brasileiros que não vem a tona acobertadas pela as esferas corruptas de estado que são cúmplice dessas injustiças.E num caso especifico desse vem com moralismo baixo. Tirem o chapéu pra os cubanos, que são humanos ... vamos socializar! o mais médico esta dando certo em todos lugares, esses casos isolados dos dois que decidiram mudar de ideologia, não caracteriza o mais médico e nenhuma hipótese,em todos os lugares ha as ovelhas perdidas que se não tomarmos cuidado colocara o rebanho a perder.