Redação Pragmatismo
Compartilhar
Direita 18/Feb/2014 às 11:42
20
Comentários

Conheça Leopoldo López, o líder que prega o golpe na Venezuela

“Arrogante e sedento de poder”. Conheça Leopoldo López, radical ligado ao setor petroleiro que está tentando o golpe na Venezuela

leopoldo lópez venezuela golpe
Leopoldo López, o conservador radical que prega o golpe na Venezuela (Divulgação)

O perfil é o de um típico mauricinho do Leblon. Ou dos Jardins. Um coxinha – como se costuma dizer agora. Só que um coxinha perigoso. Leopoldo Lopez é criticado até por setores da oposição – por ter decidido sozinho chamar os jovens às ruas pra derrubar o governo eleito da Venezuela. Henrique Capriles, o outro líder da oposição, quer usar as ferramentas legais para derrotar o chavismo. Lopez quer o golpe.

Ele teve prisão decretada. Os EUA pressionam para que não seja detido. Por que? Lopez é apontado como homem de confiança, na Venezuela, do ex-presidente colombiano Alvaro Uribe – de extrema-direita.

Ex-prefeito do munícipio de Chacao (2000-2008), López, de 43 anos, vem de uma das familias da elite venezuelana, ligada ao setor industrial e petroleiro.

A definição acima está em reportagem produzida não por algum jornal chavista, mas pelo site da britânica BBC. Confira a seguir:

por Claudia Jardim, na BBC Brasil

Popular, carismático, imprevisível, arrogante e sedento de poder. Essas são algumas das características que analistas e líderes políticos costumam usar para definir Leopoldo López, o mais novo inimigo público do governo venezuelano de Nicolás Maduro.

Referência da ala radical da oposição venezuelana, López está sendo procurado pela Justiça venezuelana. A polícia chegou a fazer buscas em sua casa neste domingo, mas ele não estava lá.

O opositor não é visto em público desde quarta-feira, quando milhares de estudantes sairam às ruas, liderados por ele, para exigir uma mudança de governo.

No entanto, ele divulgou um vídeo neste domingo, dizendo ser inocente e desafiando as autoridades a prendê-lo durante uma marcha que ele convocou para a terça-feira.

“Não tenho nada que temer, não cometi nenhum delito, sou um venezuelano comprometido com nosso país, como nosso povo. Se há alguma decisão legal de me prender, estarei pronto para assumir essa perseguição e essa decisão infame por parte do estado”, disse.

Ele é acusado de ser o autor intelectual da onda de protestos violentos que tomou a capital do país nos últimos dias. As marchas se tornaram mais violentas na quarta-feira, quando três homens foram mortos durante um protesto contra o governo. Maduro acusa López de incitar a violência, enquanto a oposição afirma que os homens foram assassinados por milícias pró-governo.

“López ordenou que todos esses jovens violentos, treinados por ele, destruíssem metade de Caracas e então resolveu se esconder”, disse o presidente. “Se entregue, seu covarde!”

‘Golpe’

López se converteu na mais nova dor de cabeça do ex-candidato presidencial e governador Henrique Capriles – líder do setor moderado da coalizão opositora – desde que decidiu colocar em prática o plano chamado “A saída”. Apoiado pelo movimento estudantil, o plano consiste em intensificar a onda de protestos no país até levar o presidente à renúncia.

“Ainda acreditam que devemos esperar até 2019 (fim do mandato de Maduro) para sair deste regime?”, questionou López, em seu perfil no Twitter, ao convocar os protestos.

Essa declaração foi interpretada pelo governo como um chamado a um golpe de Estado.

A escalada de violência que tem marcado o tom dos protestos nos últimos dias preocupa aos “moderados” da oposição. Um dos membros da Mesa de Unidade Democrática (MUD) afirmou à BBC Brasil que o setor moderado da oposição tentou dissuadir López de sua “aventura” com os estudantes.

Ambições pessoais

Conservador, vinculado aos partidos de direita da região, López é visto como um “maverick” – jargão político para definir quem desobedece as linhas do partido – na avaliação do analista político Carlos Romero, professor da Universidade Central da Venezuela. “López tem um estilo muito personalista, pouco institucional. Ele está sempre em permanente busca de protagonismo”, afirmou Romero.

A seu ver, a polêmica decisão de levar a população às ruas para promover uma mudança de governo é uma manobra que tem como objetivo “ambições pessoais”, mas que pode levar à crise toda a coalizão opositora. “Leopoldo é um dirigente que neste momento está promovendo danos importantes à oposição democrática”, afirmou.

Sua habilidade em promover rupturas entre aliados políticos também foi destacada com preocupação por um conselheiro político da embaixada dos Estados Unidos em Caracas. Em documento desclassificado de 2009 vazado pelo Wikileaks, Robin D. Meyer, qualificou a López como uma “figura divisora da oposição, arrogante, vingativo e sedento de poder”, diz o documento que tinha como enunciado “O problema Leopoldo”.

A historiadora Margarita López Maya caracteriza a López como um político “audaz, ambicioso e carismático”. Em sua opinião, ele é capaz de capitalizar os anseios da juventude que não vê saídas, se não o protesto, como mecanismo de pressão para debilitar o chavismo.

“Levá-lo prisão seria convertê-lo em um mártir e ele seria catapultalo a uma candidatura presidencial”, avaliou a historiadora.

Entre os jovens que estão protestando nas ruas, López é visto como um ícone da rebelião anti-chavista e um potencial presidenciável. “Se ele for preso, o movimento estudantil irá às ruas defender sua liberdade. Compartilhamos com ele a visão de que é preciso mudar esse governo. Vamos continuar nas ruas até a renúncia do presidente”, afirmou à BBC Brasil o dirigente estudantil Daniel Alvarez.

Carreira

Ex-prefeito do munícipio de Chacao (2000-2008), López, de 43 anos, vem de uma das familias da elite venezuelana, ligada ao setor industrial e petroleiro.

Como prefeito, participou ativamente dos protestos que culminaram no golpe de Estado que derrocou brevemente o governo Chávez. Desde então, não pode se desvincular do rotulo de “golpista”, atribuido pelo governo e seus seguidores.

Em 2008, uma acusação de mau uso de recursos públicos, como prefeito de Chacao, fez com que o político fosse inabilitado politicamente pela justiça da Venezuela. Essa decisão do tribunal, impediu que lider opositor se projetasse como potencial candidato presidencial.

Formado em Harvard, sua carreira politica começou no partido Primeira Justiça, o mesmo de Capriles. Um racha interno o levou a abandonar o grupo. Ele então se filiou ao partido conservador Um Novo Tempo, onde permaneceu pouco tempo, até fundar seu atual partido Voluntad Popular.

com Escrevinhador

Recomendados para você

Comentários

  1. Carlos Prado Postado em 18/Feb/2014 às 12:00

    Sedento de poder? Ele está tentando se tornar ele próprio o ditador de uma república popular? Seu próprio reino faci-comunista? Então temos que parar esse homem, substituir o mal por uma merda....

    • Vinicius Postado em 19/Feb/2014 às 02:49

      faci-comunista? Hmm.

  2. Roberta Postado em 18/Feb/2014 às 12:18

    Bem, já pararam para pensar: se boa parte da população está apoiando este homem, saindo à ruas e até mesmo arriscando suas vidas talvez seja mais pelo descontentamento com o atual governo do que somente apoio à pessoa dele, talvez os venezuelanos só estejam cansados do poder atual que acabou e continua acabando com o país e querem algo diferente, não mais o que está sendo oferecido a eles, querem apenas alguém que dê um novo direcionamento ao país. A revolta contra algo pode mover muito mais pessoas do que o apoio a algo.

    • Carlos Prado Postado em 18/Feb/2014 às 20:10

      O problema do povo, principalmente o latino-americano, é acreditar que deve haver um autoritário governante para lhes salvar. É uma síndrome de estocolmo coletiva, que impede que nos libertemos de criminosos como Sarney, Geisel, FHC, Lula, Kirchner, Vargas ou Pinochet. Sonhamos com nosso próprio Hitler ou Lenin. A revolta para com o Maduro é mais que justificável. O problema é querer investir alguém com os mesmos poderes que Maduro agora possui. É tão difícil enxergar que o problema não está em quem ocupa o poder, mas sim está no poder. Difícil saber o que causa mais estrago: um estado que não trabalha visando beneficiar a população ou um que trabalha e é eficiente. Como já foi dito, de boas intenções o inferno está cheio. E não podemos dizer que ditadores como os nossos militares, Hitler, Mao e Stalin não tinham boas intenções. Disso estavam cheios. Isto de que o problema é o cargo de poder, não quem ocupa o cargo é tão difícil de enxergar que vemos um exemplo aqui em nossas terras. Querem colocar 500 anos de desgraça em cima do PT, mas este nada fez além do que já se fazia. Talvez até menos. Os governos Sarney e os Militares foram, querendo ou não, muito mais socialistas que os atuais. FHC e seu partido tem a mesma visão social-democrata adotada por Lula, aliás, está até no nome de seu partido. Já se roubou tanto, já se beneficiou tantos amigos em privatizações-estatais. Há empresas que sempre foram privadas mais são quase estatais com gerência privada como as que foram privatizadas - Odebrecht não consegue gastar um tostão próprio, consegue tudo com o governo, uma estatal com gerência privada. Não importa quem esteja no poder, deve-se limitar e acabar com tal poder de influenciar tanto na vida do cidadão.

      • Vero Postado em 19/Feb/2014 às 00:30

        criminosos como Kirchner??? se nota que NO sabes nada de la politica de Argentina. No te creas lo que te vende la television, que son todos sectores de poder economico opositores al gobierno elegido por mas del 54 % de los votos de la gente. Argentina es otra desde 2003, nadie hizo tanto, desde la epoca de Peron x el pais y su gente. Reestructuracion y pago de la deuda externa, pago a los ahorristas que se vieron privados de sus fondos en el 2001 con el "corralito", juicios a las juntas militares de la dictadura del 76, muchisimas leyes en beneficio de la gente mas marginada, como asignacion universal x hijo, plan progresar para que los chicos puedan terminar la escuela y continuar sus estudios, planes de vivienda accesibles a la clase trabajadora, paritarias entre empleadores y empresarios todos los años, aumento de salario a jubilados, ley de fertilizacion asistida, ley de igualdad de genero, ley de matrimonio igualitario. No hables sin saber. primero date una vuelta x Argentina!!!

      • Vero Postado em 19/Feb/2014 às 00:32

        El problema es que en muchos paises latinoamericanos como Venezuela, Argentina, Ecuador, Brasil, Chile, la derecha perdio el poder politico. Y jamas, x lo menos en Argentina, ha ganado una eleccion, como no puede hacerlo mediante las urnas...x el voto popular, la salida es el golpe de estado. Eso no esta nada bien. Es terrible lo que esta pasando en Venezuela

      • Carlos Prado Postado em 19/Feb/2014 às 19:28

        Se está no governo, mesmo com as mais nobres intenções, e continua a espoliar o povo então é criminoso. Desculpe, mas minha moral não é tão relativizável a ponto de deixar passar alguns roubos como se o fim justificasse os meios. Intervir na vida das pessoas, dizer o que e o que não se pode fazer, roubar a poupança das pessoas através da inflação, beneficiar poucos com o dinheiro de muitos, cobrar impostos e tudo isso sabendo que sairá impune pois tem uma arma na cabeça de cada cidadão...

  3. Thiago Teixeira Postado em 18/Feb/2014 às 12:47

    Ele está utilizando a mesma tática de Hitler que também foi copiada pelo próprio Hugo Chávez. Uma pré-mobilização social, seguido de uma tentativa feroz de golpe. Geralmente não há êxito na tomada de poder, mas deixa a população em alerta. A primeira insatisfação coletiva, por vias "legais", o golpista estratégico (inventei agora, kkkk) ganha as eleições (voto de protesto) e o cara entra no poder para pintar e bordar. Não subestimem o "coxinha".

  4. Carlos Normann Postado em 18/Feb/2014 às 13:30

    cada povo tem o seu Fernando Collor....esse é o FCM venezuelano!

    • alexandre lopes Postado em 18/Feb/2014 às 17:23

      HAHAHAHA... ótima analogia, Carlos!!!

  5. Caio Postado em 18/Feb/2014 às 15:07

    Pra sair um, tem que entrar outro, é a regra.

  6. renato Postado em 18/Feb/2014 às 18:17

    Era contra isto que Chaves lutava...morreu.. Maduro me parece que vai peitar estes merdas...

  7. Elias Postado em 18/Feb/2014 às 20:52

    Toda sorte ao povo Venezuelano a ditadura vai cair é questão de tempo. A parcela que consegue sobreviver sem papel higiênico não vai aturar muito tempo, o Brasil vive uma guerra civil imagina um país onde a violência é 4 x maior, verdadeiro inferno.

  8. leandro Postado em 18/Feb/2014 às 22:23

    não vou defender a esquerda... não sou um esquerdista. mas quem fodeu a américa latina foi a direita, a esquerda só chegou ao poder recentemente. Toda desgraça da américa latina é resultado de 500 anos de direita, portanto não venham culpar a esquerda. enfim... não tem mais em quem acreditar. é cada um por sí e Deus por todos... ops! a esquerda não gosta quando se fala em Deus... rsrs

  9. pocoyo Postado em 18/Feb/2014 às 22:40

    tipo a sininho?

  10. Lucas Postado em 18/Feb/2014 às 23:05

    Radical? Maduro é super moderado

  11. Sofia Postado em 19/Feb/2014 às 09:24

    Quem achar que o povo anseia por um político ditador, discordo completamente. Aqui no Brasil, as pessoas se agarraram a pensamentos anarquistas, como se já não houvesse um anarquismo econômico e político, fazendo os cidadãos desacreditarem das organizações políticas, falo isso não pra defender nenhum partido político, mas pra defender a importância de uma população politicamente organizada. Se hoje não conseguimos fazer a diferença na conjuntura política do país, isso se deve a uma falta de perspectiva das pessoas em se informarem enquanto cidadão politicamente organizado, porque queira ou não, temos leis e essas leis não condizem com a nossa realidade e só podemos mudar essa situação se organizando politicamente. Acredito que existe um certo desespero da sociedade por uma organização que lidere suas bandeiras de lutas e reivindicações, mas a desconfiança que existe hoje com as organizações políticas impedem que a sociedade queira saber até mesmo que poder de mudança tem se se organizarem. E isso é um atraso para o desenvolvimento do país em todos os aspectos. Esse "golpe" que se espera na Venezuela é um equívoco, o que Hugo Chavez conseguiu com muita garra avançar a cultura de engajamento político da população venezuelana, esse López irá desencantar a população, assim como fez o PT quando entrou no poder, as pessoas ansiando por, finalmente, um avanço, e hoje se votam no PT é por medo de piorar a situação.

    • Carlos Prado Postado em 19/Feb/2014 às 19:31

      É da natureza do nosso povo ser criativo e criar seus mundos e mercados paralelos, a margem dessas leis. Porém também está em nossa cultura que há de vir um ditador benevolente para nos salvar. Vivemos instintivamente de forma anárquica, até porque nosso estado não é tão eficiente em se adentrar na vida de todos. Mas nos contradizemos na hora de votar ou apoiar um "líder"

  12. Carlos Prado Postado em 19/Feb/2014 às 10:11

    Hum, então é ruim ser minimamente um "coxinha"? Entendo agora quão virtuoso é o trabalho do socialismo. É proteger o povo da riqueza, impedi-lo que receba o merecido, apenas a "necessidade". É impedir que o povo tenha conforto material para não se tornar um coxinha. Está dando muito certo, parabéns. E mais, nesses muitos anos de república do Brasil até quando nem mesmo o governante vê que sua medida pode ser chamada de socialista ele a toma e alcança o objetivo. Como dizia Shakespeare, se a rosa tivesse outro nome, ainda assim teria o mesmo perfume. Somos um país caminhando para o sucesso, então. Só estamos atrás de Cuba e Venezuela. E eu que achava que era desconhecimento de economia e de lógica, mas não. Só que o nobre objetivo de vocês é justamente o contrário. Impedir que as pessoas sejam minimamente ricas, não sejam coxinhas

  13. Pedrão Postado em 25/Mar/2015 às 20:16

    Para quem quiser saber algo sobre Felipe Gonzales, o golpista espanhol que articula com outros golpistas vendepátrias sul americanos o apoio aos golpistas venezuelanos, aí caí uma reportagem de Daniel Estulin: http://www.danielestulin.com/2010/07/14/gustavo-cisneros-rendiles/#more-2094