Redação Pragmatismo
Racismo não 19/Sep/2013 às 10:16
40
Comentários

O desabafo de uma mulher negra humilhada na loja Malwee

O caso de racismo ocorrido na loja Malwee do shopping Interlagos chegou a público depois que a mãe publicou seu desabafo nas redes sociais. Loja "reconheceu o erro" e tentou se desculpar

Maria Rita Casagrande, Blogueiras Negras

Feche os olhos e imagine por um minuto:

Então você, negra, de black e linda acorda em um belo domingo e decide ir até o shopping, como você tem uma filha/o e como crianças de qualquer idade, tamanho, cor de pele (sim, pasmem, as negras também) usam e perdem muitas roupas você entra em uma loja cujo slogan remete a um carinho para fazer compras. Sua filha/o passa mal e vomita dentro da loja. Até aqui tudo comum na vida de qualquer mãe, quem nunca passou por uma situação do tipo que atire a primeira pedra. A situação começa a ficar incomum no pior sentido da palavra, quando a vendedora te traz um balde e um pano e te coloca para limpar a loja ‘Por gentileza, a senhora limpe essa sujeira da loja‘. No susto e no desespero, porque ter sua filha/o sem roupa, passando mal, exposta ao ar condicionado é uma situação desesperadora, você executa a tarefa enquanto vendedores e clientes observam sua atividade.

malwee racismo
(Resposta da Malwee – Reprodução)

Consegue imaginar esta situação acontecendo? Agora mude um pouquinho os detalhes e altere esta mãe para alguém de pele branca. Foi mais difícil enxergar agora? Doeu mais o frio da criança ou o constrangimento da mãe?

O caso ocorrido na loja Malwee do shopping Interlagos chegou a público depois que a mãe em questão publicou seu desabafo nas redes sociais. Eu acompanhei o caso com olhos bem atentos não apenas porque eu considerei de um racismo inacreditável (sim sou da opinião que se esta mãe fosse branca a vassoura jamais lhe seria apresentada e também porque não acho que o racismo no Brasil esteja de mãos dadas com o Papai Noel, o Coelho da Páscoa e o Saci, portanto ele existe e se materializa diante dos nossos olhos sempre que há uma brecha), foi também de um despreparo e falta de tato e empatia das vendedoras da loja, que poderiam ao menos ter oferecido um copo de água para esta criança, chamado socorro ou acionado o serviço de limpeza.

Responsabilidade das vendedoras? Sim sem duvida, algumas coisas a gente traz no coração e ponto final. Mas e a Malwee? Até onde eu sei, vendedores passam por treinamentos, aprendem sobre as atividades da loja, sobre respeito e ética. Me pergunto: que treinamento as moças envolvidas receberam uma vez que a própria Malwee apresenta uma nota que mais parece um atestado de descaso na mesma rede social que a mãe apresentou o seu caso e como ele foi muito criticado na própria página da marca exigia um “cala boca”.

Leia também

Só isso, Malwee? Claro que não. No dia 09 de setembro esteve na residência desta mãe uma representante da marca que repetiu o que foi publicado na nota, pediu desculpas e “presenteou” a família com 4 sacolas com itens da loja. Vamos recapitular: está mãe não comprou uma camiseta estragada para que fosse substituída por uma nova e, como pedido de desculpas, recebeu sacolas com itens da loja pelo transtorno, esta mãe foi humilhada, não só a mãe, mas a criança também, assistir sua mãe “levando uma bronca” por causa de um acidente que te envolve não é como um passeio no parque.

O que passou pela cabeça desta assessoria para entregar brindes a esta família, como um indivíduo, ou um grupo de indivíduos, conclui que bastam alguns brindes para que tudo seja esquecido? Qual é a visão da marca Malwee com relação a sua consumidora?

A mim não basta contratar algumas crianças negras para aparecerem nos comerciais, eu quero mais, quero o mesmo tratamento, quero respeito por onde passo e quero isto para meu filho também.

Eu era compradora Malwee, já não sou mais. Nem eu, nem grande parte da família que já está ciente do ocorrido.

Mas talvez você seja do grupo dos que bradam: “Ah, mas vocês veem racismo em tudo!” A você eu só posso afirmar que vejo racismo onde ele está representado, onde eu consigo me enxergar diante da dor ou do constrangimento a que a pessoa foi exposta sem a menor necessidade, se é em tudo é mais um motivo para que a gente fale muito sobre o assunto, aponte onde ele ocorre e batalhe para que situações como a deste episódio triste não ocorram mais. E se ainda assim você não se convenceu da necessidade de abrir os olhos para o que é aceitável e o que não é, sobre o que é respeito independente de etnia, tom de pele, nacionalidade, instrução, volte lá no primeiro paragrafo e faça o exercício de imaginar você nesta situação.

Quando nós, mães, pais, tios, tias, madrinhas, padrinhos vamos às compras, não raro avaliamos se o material das roupinhas é bom, se é puro algodão, se não foi costurado por crianças chinesas, por outras mães bolivianas em situação de semiescravidão, se agrediu o meio ambiente no processo de tingimento, além das perguntas corriqueiras como causa alergia ou dá a mobilidade necessária, cada um tem seu critério de avaliação para aquisição de qualquer produto embora a indústria aparentemente insista que basta ser bonitinho e com um comercial apelativo que nosso cérebro será lavado e compraremos como zumbis.

malwee racismo
(Foto: Jonathan Camuzo)

Eu não gosto de ter minha inteligência subestimada. Além de avaliar uma série de critérios na hora das minhas compras, eu levo em consideração o modo como uma marca trata seu consumidor e no (DES)caso da Malwee, além de vendedoras despreparadas e racistas, sua assessoria é, no mínimo, desrespeitosa e não deu nem a esta família nem aos seus tantos consumidores uma resposta digna (a não ser de lamento).

Malwee na minha casa nunca mais. Este ABRAÇO eu estou dispensando.

Posts relacionados

Comentários

  1. Simone Nuermberg Costa Postado em 19/Sep/2013 às 10:51

    também estou dispensando a Malwee das minhas futuras compras!!!!

    • ANDERSON Postado em 17/Mar/2014 às 15:29

      eu acho que isso aconteceria com qualquer pessoa ,independente da sua raça,pelo simples fato da sujeira e do impulso do funcionário que é muito mal pago ,geralmente não tem instrução e falta de cultura e educação ,trabalha muito e ganha pouco agora se acha que um funcionário totalmente infeliz ,iria limpar a sujeira e logico que não pois nem sua obrigação e feita imagine tem que limpar o vomito .... agora isso poderia ter acontecido com qualquer pessoa independente da sua cor , e eles poderiam fazer a mesma coisa....AGORA E JUSTO SIM QUE A EMPRESA SEJA PUNIDA PELO CONSTRANGIMENTO QUE A PESSOA PASSOU, E PELA FALTA DE ATENDIMENTO O FUNCIONÁRIO DEVE SER MANDADO EMBORA. COM RELAÇÃO A MULHER SER NEGRA ACONTECE MAS NEM SEMPRE, O PIOR PRECONCEITO NO COMERCIO ,AINDA É A FORMA DE SE VESTIR E A CARA DO CONSUMIDOR E TODOS OS VENDEDORES FAZER UM PRE JULGAMENTO E ISSO TEM UM FATOR DETERMINANTE NO ATENDIMENTO PODENDO SER BOM OU RUIM....DE ACORDO COM CADA SER HUMANO INFELIZMENTE.....

  2. Guilherme Postado em 19/Sep/2013 às 10:53

    Lavou, sujou, mas se a pessoa é cliente de uma loja, uma grande insensatez...

  3. joão augusto de lima Postado em 19/Sep/2013 às 10:54

    Malwee ? parabens, sra. jóice. tá compartilhado.

  4. Mariana Postado em 19/Sep/2013 às 10:58

    O que mais você gostaria que a loja fizesse? Além de um pedido formal de desculpas e uma possível retratação por meio de brindes e roupas? Em que MUNDO vocês utópicos idealistas vivem? Eu trabalho em uma empresa de 5.000 funcionários, programamos treinamentos e acompanhamento e mesmo assim muitos acabam saindo da curva, cometendo erros e deslizes. Isso faz parte do SER humano e controlar seus impulsos meus caros idealistas, não é assim tão simples quanto lhes parece. Um bocado de realidade e vivência em um setor de RH e treinamento lhes cairia muito bem.

    • Alice Filgueiras Postado em 19/Sep/2013 às 11:10

      é bem isso mesmo, Mariana. é triste ver uma marca inteira pagando por um funcionário desumano. Porque o que aconteceu ali não foi coisa que um treinamento resolveria. foi desumanidade mesmo. Isso é problema de criação.

    • Flávio Postado em 19/Sep/2013 às 11:13

      Pague uma indenização, melhore os treinamentos e demita a funcionária. Acho que isso estaria de bom tamanho.

    • julio Postado em 19/Sep/2013 às 11:22

      Racista detected...

    • Alexandre Carvalho Postado em 19/Sep/2013 às 11:25

      Mariana, sua animal! ki bosta de empresa que você trabalha minha filha? Porque eu trabalho em uma empresa com mais de 17.000 funcionários o GRUPO ABRIL, conhece? E se isso acontecer é RUAAAA R-U-A..... "Um bocado de realidade e vivência em um setor de RH e treinamentos lhes cairia muito bem." Cairia muito bem a você... Ao invés de vomitar suas asneiras como "controlar seus impulsos". Coitadinha das vendedoras, descriminaram uma senhora negra com a sua filha, coitada gente, ela não controlou o impulso de pegar a vassoura e tratar a senhora como uma empregada doméstica. Queridinha, qualquer ser humano nessa terra tupiniquim descende em algum momento dos nossos irmão Africanos..... Nasce de novo minha filha e volta aqui pra fazer um comentário pertinente...

      • Ramon Postado em 19/Sep/2013 às 16:22

        Que babaca você, não sabe nem debater.

      • Danilo Postado em 19/Sep/2013 às 22:33

        Vamos lá..., sou consultor da TI e já prestei serviço para a Abril, e já teve sim caso de racismo, no caso o gerente me contou (vamos poupar nomes) que para evitar qualquer problema transferiram os funcionários envolvidos para outros setores para evitar problemas. Um tempo depois o acusado de racismo "pediu as contas". Na empresa Wickbold também já vi umas "discussões desse tipo". Para a surpresas do moralistas de plantão, infelizmente isso é mais comum do que parecesse. Porém, usando as palavras da "Mariana" vocês fecham os olhos para os problemas e vivem em um mundo utópico. A empresa irá responder porque é um funcionária dela, mas fora isso ela não pode fazer muito mais. A verdade é, o pv aqui está discutindo mais sobre a grana que a mulher pode ganhar do que necessariamente com a punição do funcionário racista, ninguém está ligando para os direitos e tudo mais, o que importa é o dinheiro....

    • João Postado em 19/Sep/2013 às 11:30

      E tem gente que acha que com brindes e pedidos de desculpas se resolve tudo...Se fosse comigo, o processo já estaria em andamento e o dinheiro ganho com a indenização seria doado para uma creche.

    • Jarbas Aj Postado em 19/Sep/2013 às 11:33

      Mariana... funcionaria da acessoria MALWEE identificada ......

    • Renato Postado em 19/Sep/2013 às 11:41

      essa é a resposta pra quem nao quer solução para tudo que está errado: "mais o q eu vou fazer?" "o q mais vc gostaria q a loja fizesse?" "nao posso fazer nada, infelizmente é assim".... voce sinceramente acha que uma pessoa que passa por essa situação, está REALMENE querendo brindes de uma loja em q foi desrespeitada? E se esse funcionário é o ponto fora da curva, porque todos os outros dentro da curva nao foram la e pegaram a vassoura falando: desculpa senhora, eu limpo aqui. ??? pq o treinamento é feito pra vendedor VENDER pra sua empresa, e nao SER UMA PESSOA MELHOR no mundo.. isso nao vem de treinamento e muito menos dentro de um ambiente como esse, onde as regras das corporações sao muito mais importante q o valor do ser humano, isso vem de cada um... Aposto que ficaram com medo de ser demitido, de fica acumulando contas desempregado por ter defendido uma causa obvia, simples, natural.... alias, "ter de defender" uma causa dessa é um absurdo.... e eu te pergunto: se uma mulher com joias, muiiiiito chic, narizao em pé, com bolsas mais chic q a propria roupa, e com uma filha e ela vomita no chao da sua loja. QUEM QUE IRIA LHE DAR UMA VASSOURA ?... valores, valores de uma sociedade doente... eu gostaria que esse mundo "q vcs utopicos idealistas vivem" existisse, é por isso que me indigna d+ todas situações de injustiça. Mais parece que é aceitável para maioria...

    • Nubia Oliveira Postado em 19/Sep/2013 às 11:49

      Mariana, acho que vc não compreendeu o texto porque não consegue compreender a gravidade do ocorrido. Infelizmente, poucas pessoas que nunca sofreram racismo (desculpa se eu estiver errada sobre vc), podem sentir o peso desse crime e o tom de descaso da resposta da loja. Não foi um incidente qualquer, não poderia ser tratado como tal. Não quero ser ofensiva na minha resposta. Apenas alerta-la. Concordo contigo que uma empresa não tem condições de ter 100% de domínio sobre os atos dos funcionários. Se o tivesse, seria até estranho... Mas ela pode responder sobre os seus atos. E da forma que o fez, foi longe do ideal.

      • Helton Postado em 19/Sep/2013 às 13:45

        Mas ninguém respondeu a pergunta da Mariana, qual solução seria considerada satisfatória? Eu acredito que a funcionária deveria ter sido demitida, ela e quem deu a ordem e quem não impediu, e os clientes que estavam na loja e não fizeram nada para impedir tal barbaridade deveriam também ser expostos. Mas a lei permitiria a empresa demitir a funcionária assim, ainda mais declarando em redes sociais? O mundo de ordem tem seus prós e contras. Eu tenho nojo de gente racista, eu jamais deixaria que uma situação dessa tivesse que tomar comoção nacional em redes sociais para poder me fazer de santo em comentário. Eu teria tomado a vassoura e o balde da mão da senhora, entregue a funcionária e prestado ajuda à criança na hora. Duvido que essa loja estava vazia... é triste ver quanta gente sem atitude e ética tem por aí.

  5. Nyde Sales Postado em 19/Sep/2013 às 11:06

    A atitude foi racista sim ! fora isso o mínimo de educação e solidariedade faz diferença!

  6. Inadequado Cidadão Postado em 19/Sep/2013 às 11:09

    Maria, respeito todo o conteúdo de seu texto, afinal, todos temos direito natural de manifestar nossas opiniões. No entanto, analisando sob um prisma neutro, acho que há indícios mas não provas de que o motivo ocorreu por "racismo". Quando buscamos fatos, temos de colhê-los de todos os lados, não apenas de um, ainda que sintamos mais empatia por uma parte ou por outra, ou ainda pelo grupo a que pertence, seja qual for a razão. De fato, a situação foi desagradável para todos. Com efeito, as vendedoras poderiam apresentar uma atitude mais solidária. Erraram. Mas acusá-las de racismo pura e simplesmente porque a mãe em questão, bem como sua filha, eram negras e supor que, caso fossem "brancas" (o que é um erro, citar etnia e na contraparte citar "cor" de pele), o tratamento seria outro. Talvez sim, talvez não. Ficamos ainda no campo das hipóteses. Quanto à generalização que fez, ao dizer "...além de vendedoras despreparadas e racistas...", foi tão infeliz quanto. Isso fere tantas outras mulheres e homens que trabalham nas lojas da Malwee, e que nada tiveram a ver com a situação. Não faz sentido outorgar a outrem culpa da atitude de uma pessoa ou de um pequeno grupo. Antes que a sra. ou alguém venha questionar minha etnia, ou minha opinião acerca do "racismo" e do "preconceito", eu sou totalmente contrário a qualquer discriminação, seja por uma pessoa ser "negra", seja por ser gorda, seja por ter ERRADO. Senti ódio em suas palavras. A maior arma para combatermos toda sorte de preconceitos é com Amor, não com rancor. Para finalizar, da mesma forma como pediu que nós, leitores, fizéssemos uma reflexão acerca de nos imaginar na situação dessa mãe, peço que faça outra: se imagine na "pele" de uma funcionária qualquer da Malwee, que foi chamada de racista, sem nem mesmo ter conhecido você, a mãe ou a menina.

    • Letícia Postado em 19/Sep/2013 às 15:03

      Parabéns, o único ser humano aqui com bom senso.

    • Kary Cintra Postado em 19/Sep/2013 às 15:30

      Com certeza, foi o que eu estava pensando durante toda a leitura... O que eu percebo é que uma injúria cometida,é uma injúria, contra qualquer ser humano, mas não, o destaque é porque ela é negra...Mas em nenhum momento é citado absolutamente nada que prove que a vendedora teve tal atitude pelo fato de a mulher ser negra...Dai a afirmar que se a mulher fosse branca isso não teria ocorrido, é muito "achismo" não? E outra coisa que eu me pergunto,quantos outros casos de mal tratos por vendedores a clientes estão sendo retratados aqui? Este, especificamente pelo fato de a mulher ser negra, não pelo fato em si... Isso, na minha opinião, se chama sensacionalismo...O preconceito existe, é fato, não estou negando esse fato de maneira alguma. Porém se o que tanto se busca é igualdade para as raças, credos e sexos, temos que parar de fazer distinções sejam elas qual forem, o ser humano merece respeito, nem o negro mais, nem o branco mais, nem os demais mais, iguais...

    • Ramon Postado em 19/Sep/2013 às 16:25

      Concordo plenamente. Não há indícios que provem que se a cor da pele da cliente fosse outra o tratamento também seria. Achei o texto tendencioso ao racismo. Também não é "culpa da Malwee" e sim da funcionária.

    • Isaac Postado em 20/Sep/2013 às 23:24

      Não importa se o discurso remete ao racismo ou não, o que importa é que o racismo vem embutido nesse tipo de situação, é cultural situações de descaso, desrespeito, abuso envolver negros, a questão é essa, querer minimizar não anula a presença do racismo ali, não anula a hipótese de que se fosse uma mãe e criança branca não haveria esse constrangimento, o ponto aqui não puramente o racismo, é toda a circunstância que envolveu esse racismo.

  7. Adriana Postado em 19/Sep/2013 às 11:14

    Ainda surge quem defenda um absurdo desses? Espera-se da marca que se retrate, que se comprometa a treinar bem seus funcionários, e que assim o faça, que corrija este erro, ou será um padrão? Que não tripudie sobre o sofrimento e a humilhação, ofertando bugingangas. Estamos aceitando o racismo com uma fatalidade? Como algo imutável no mundo em que vivemos?

  8. Pedro Postado em 19/Sep/2013 às 11:25

    Mas se por um acaso isso acontecer com uma mulher branca o que isso caracteriza, racismo ? Só por que ela é branca ela teve que fazer isso. Eu concordo que no Brasil existe muito racismo , muito racismo vindo de pessoas negras contra elas mesmas. Somente discordo quanto a esse caso. O que acontece é que muitos sofrem racismo ou mesmo se não sofrem tem ciência de que ele existe no Brasil e ficam com o pé atrás em relação a qualquer comportamento que não lhe agrade e acabam colocando racismo onde as vezes é algo que aconteceria independente da cor da pessoa.

  9. Gertrudes Maria Vieira da Postado em 19/Sep/2013 às 11:31

    A vendedora nao teve o menor tato, educacao. E acredito que faria isso tb com uma pele branca, existe treinamento , existe o suporte das empresas, o que uma empresa nao da suporte e a educacao, sutileza, gentileza, e qdo da poder a estas pessoinhas feinhas elas crescem, se forem negras mais se forem brancas menos..mas tb.

  10. Ezequiel Postado em 19/Sep/2013 às 11:37

    Concordo com a Maria e acho que a matéria acabou sendo bem infeliz(mas essa é minha opinião) Erros são para ser corrigidos e temos a chance de aprender com eles... Assim como um ato não justifica todo a uma vida.... e um funcionário não representa uma empresa e a visão do dono.... jah que citou tanto em família, imagine a mesma cena acontecendo no ambiente familiar, onde alguém com seu sobrenome comete um erro, apenas um, e julgam toda uma geração por essa falha... temos que refletir mais antes de escrever nossos textos..

  11. Modesto Postado em 19/Sep/2013 às 11:37

    Sim, houve racismo. Sim, deve ser punido. Mas você está latindo contra a árvore errada. Racismo é crime e crime é responsabilidade pessoal. Não foi a loja franqueada nem a empresa dona da marca Malwee que humiliou a mãe. O funcionário da loja é o único responsável pelo seu gesto. Culpar a loja, ou a marca, significa absolver a única pessoa que cometeu crime de racismo nessa história.

  12. Nubia Oliveira Postado em 19/Sep/2013 às 11:39

    É incrível como as pessoas ficam ofendidas quando alguém relata um caso de racismo e sua indignação com o mesmo. Enfim, é tudo muito triste e desanimador. Creio que essa doença um dia tenha cura, mas vai demorar.

  13. José Luís Postado em 19/Sep/2013 às 11:39

    Em um MUNDO Mariana em que não haja uma idiota como a funcionária causadora do constrangimento e pessoas como você que tentam justificar o injustificável. O pior é que talvez, eu digo talvez, a aludida funcionária e mesmo a Sra. Mariana sejam negras ou descendentes, imbuidas no entanto da ideologia do sr. de escravos.

  14. pedro Postado em 19/Sep/2013 às 12:22

    Se fosse na minha loja, ou eu fosse vendedora, podia ser branca, preta ou amarela, vomitou, limpou. Não vamos deslindar para o sensacionalismo, nem tudo é racismo. Uma notícia dessas serve para tirar a atenção daquilo que realmente importa.

    • MICHEL Postado em 19/Sep/2013 às 12:53

      Com certeza você não tem uma loja, ou se tiver deve ser de ultimo nível... Colocar um cliente pra limpar chão, é coisa de gente retardada, desequilibrada, e fracassada empresarialmente. E sei bem o que estou lhe falando, pra chegar onde cheguei já engraxei sapatos, vendi bolos.....e detalhe, sou negro Jornalista e empresário.

      • Carlos Francisco Postado em 19/Sep/2013 às 14:16

        A criança passando mal e a mulher entra na Malwee... HAHAHAHAHA... é piada... Sou branco e quando criança, sempre que tive vontade de vomitar minha mãe me dava um saco de plástico e falava pra eu vomitar dentro. Isso é uma questão de educação que vem de berço.

      • pedro Postado em 19/Sep/2013 às 19:27

        Realmente, é típico de um homem bem-sucedido ficar falando bem de si mesmo na internet. O fato de você ser empresário, negro e jornalista não altera em nada minha percepção de que essa notícia é sensacionalista. E ser negro e ter nascido pobre não é exclusividade sua nem te faz melhor ou mais "valoroso", cara. Seja mais humilde

  15. José Ferreira Postado em 19/Sep/2013 às 13:14

    Essa atitude não foi racista, mas a funcionária deve ser demitida por conta da forma que maltrata os seus clientes. Hoje é a Joice, amanhã pode ser você...

  16. bibi Postado em 19/Sep/2013 às 13:56

    Pra ser sincera, se meu filho vomita em uma loja ou em qualquer lugar eu sou a primeira a pedir um pano para limpar. Ninguém é obrigado a limpar a sujeira de meu filho, menos ainda uma coitada de uma vendedora que ganha uma miséria (já fui vendedora e sei do que estou falando). Agora, que isso não seria feito se a mãe em questão fosse branca e bem vestida, isso é verdade...

  17. MARIA Postado em 19/Sep/2013 às 22:20

    SINTO NOJO DESSA ATITUDE.......MALWEE NUNCA MAIS...!

  18. Danilo Postado em 19/Sep/2013 às 22:54

    Vish, meu comentário foi "rejeitado", só um alerta para um dos comentários. Já prestei serviço na área de TI da Abril e já teve caso de racismo sim!. Quanto maior a quantidade de funcionários maior a chance de ter algum crime envolvido, não só racsita, discurssão violenta, drogas, roubo (já vi roubarem um celular na empresa Wickbold) e outras coisas..., não sei pois não trabalho na Malwee, mas isso parece um funcionário delinquente, a empresa acaba respondendo porque é um funcionário dela, mas não confundam as coisas. Só porque o funcionário x é racista, não significa que a empresa x também seja e antes de virem postando que a sua empresa é tudo de bom investiguem na "rádio peão" (fofocas e boatos) sobre os podres da empresa.

  19. Thiago Teixeira Postado em 20/Sep/2013 às 12:22

    Vamos aos fatos, a criança vomitou, ai ... : 1- Limpou a boquinha da filha e foi saindo de fininho? 2- Se preocupou e disse: Moça (vendedora), dá um balde que eu limpo! 3- Nossa, quer que eu chamo o pessoal da limpeza? 4- Ai que mico, o que que eu faço moça? Para cada atitude há uma ação, eu acho que nesse caso, como a moça é Negra (eu também sou), quer posar de superior, se acha intelectual e contextualizada, metida, deve ter praticado a opção 1 e deu no que deu.

    • Line Postado em 27/Sep/2013 às 09:38

      Não duvido q tenha sido isso mesmo.

  20. dils santos Postado em 18/Oct/2013 às 09:03

    tragico!!!! aos poucos a gente vai vendo e percebendo que quase todas as grifes !brancas tem essa atitude imoral,insana contra futuros compradores e o que eles ganha com isso e que QUASE ninguem vai preso,processado,essa turma ja age sabendo os fins

O e-mail não será publicado.