Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Democratização Comunicação 15/Aug/2013 às 11:49
38
Comentários

"Eu sou uma das escravas do Fora do Eixo"

Integrante do Fora do Eixo publica texto em resposta às críticas e denúncias da cineasta Beatriz Seigner

Polêmica envolvendo Beatriz Seigner e o Fora do Eixo ocorreu após denúncias da cineasta contra o grupo. Bruno Torturra, integrante da mídia ninja, também publicou uma resposta. Confira abaixo a íntegra do texto de Dríade Aguiar.

Dríade Aguiar, Facebook

Você que vai ler este texto provavelmente não me conhece. Eu sou a Dríade Aguiar e tenho 23 anos. Sou negra e nasci na periferia de Cuiabá. Hoje moro na Casa de Brasília, vivendo o Fora do Eixo, grupo ao qual pertenço desde os 16. Por dois anos morei na Casa de São Paulo, onde conheci e convivi por quase um ano com a Beatriz Seigner. A quem eu já tive como uma amiga.

Faz vários dias que estou escrevendo este texto. E pensando se devo ou não publicá-lo. Depois de tudo que tenho visto nos últimos dias, decidi que não vou ficar mais com essa angústia guardada só pra mim.

Eu sou uma das escravas do Fora do Eixo. A Beatriz não, ela é alta, branca, bonita e vem de uma família de elite. Por isso ela pode escolher. Ela sabe o que quer. E por isso pode dizer que eu sou apenas uma escrava que segue ordens de um líder de uma seita. Por isso talvez em breve ela apareça na capa da Veja, como a moça corajosa que denunciou os bárbaros do Fora do Eixo. E salvou os escravos que agora poderão ser seus assalariados, no máximo assistentes de sua direção.

fora do eixo beatriz seigner

Dríade Aguiar, autora do presente texto. (Foto: Arquivo pessoal / Facebook)

Tô impressionada como algumas pessoas passaram a nos atacar a partir de um relato repleto de invenções fraudulentas de alguém que eu ja achei que foi parceira. De alguém com quem trabalhei lado a lado por quase um ano de graça, sem receber nada dela, fazendo planos de comunicação pra divulgar seu filme e ajudando a agendar exibições. E ao mesmo tempo, quando ela ficava tempo o suficiente perto, dividindo pensamentos, ouvindo música, fazendo rango e planejando junto.

A Beatriz entrava na nossa casa na hora que bem entendia. E ficava o quanto desejava. Quem conhece nossas moradias coletivas sabem que elas são abertas, que tem sempre um monte de gente nelas. Que todos podem entrar e sair a qualquer momento.

Aliás, a Beatriz não fala no texto dela, mas ela teve uma relação com um dos moradores. Não era um namoro, era um outro status, mas teve. E agora ela e a Laís vêm dizer que quem mora na casa do Fora do Eixo só pode ficar com quem é de lá. Como assim? Ela não era da casa e ficava com um morador de lá. Mas isso não interessava dizer. O que importavam era nos transformar em monstros.

Leia também

Como alguém pode ter guardado tanta mágoa e não se incomodar nem um pouco em mentir loucamente pra acabar com um projeto? Um projeto de vida. Sim, eu vivo no Fora do Eixo porque eu quero, porque gosto, porque tenho feito coisas que nunca faria se não estivesse nele.

Já li muitas vezes o seu texto Beatriz. Umas quinze, vinte vezes. E sempre paro no ponto onde você nos chama de escravos pós-modernos. Se alguém escravizou alguém nessa história foi você. Eu investi minha força de trabalho, trabalhei pra você sem cobrar nada pensando que éramos parceiras, que estava construindo algo pro cinema e pros cineclubes brasileiros.

Você tem coragem de dizer na minha cara que eu não dei um duro danado para divulgar o seu trabalho? Tem coragem de dizer na minha cara que não éramos parceiras? Tem coragem de dizer na minha cara que eu não fiz um plano de comunicação que levou o seu filme a ser exibido em lugares que ele nunca iria passar nem perto?

Eu adoraria poder te dizer um monte de coisas frente a frente. Se você é tão corajosa assim pra nos difamar, pra nos chamar de escravos, porque você não aceita um debate franco sobre o nosso projeto de cultura? Porque não expõe de forma clara sua lógica financista de cultura? Porque não diz claramente que se acha artista e que por isso tem que ganhar muito mais que eu pra manter seu status quo?

Beatriz, você poderia ser mais honesta. Poderia dizer que tudo que você decidiu “denunciar” não tem a ver só com o que fazemos ou com o que você diverge das nossas propostas. Tem a ver com outras questões subjetivas. E você misturou tudo pra tentar acabar com um projeto.

Você está sendo mimada e egoísta, Beatriz. Pense nisso. E como você tá dizendo que não debate com o Pablo, que tal debater comigo? Que sou apenas uma escrava. Uma escrava pós-moderna.

Pragmatismo Politico

Recomendados para você

Comentários

  1. Vitor Postado em 15/Aug/2013 às 14:36

    ai tem coisa, esse fora do eixo é muito confuso mesmo, se eles não querem duvidas sbre o que estão fazendo deveriam prestar contas mais claramente, o que eu vejo são explicações confusas do pablo capilé falando em cubo cards e nao sei o que e no fim ninguem recebe nada, como que os artistas que trabalham pra ele vão viver assim?

  2. Guilherme Postado em 15/Aug/2013 às 15:49

    Há um pouco de fofoca nesse texto. Antes da metade, parei de ler.

  3. Marco Sávio Postado em 15/Aug/2013 às 15:59

    Muita fofoca. E a questão de que os produtores recebem a maior parte da grana e o artista a menor? E o dinheiro de investimento a cultura que são captados pelos menininhos do fora do eixo e os músicos nunca chegam a ver essa grana, a não ser os músico famosos que vão render mais grana e mais divulgação. Quem está realmente fora do eixo são as bandas independentes que não precisam desse Fora do Eixo. Foda-se a picuinha da escrava idiota com a branquinha cineasta burguesa.

  4. Marcos Postado em 15/Aug/2013 às 16:06

    Nunca entendi essa visão "estou organizando um show/espetáculo/exposição e por isso devo ser bem remunerado" enquanto as pessoas que estão ali fazendo arte se contentando com migalhas. Na minha cabeça, isso funciona bem como uma pirâmide ou qualquer outra coisa do gênero que o valha (sabe Herbalife?), onde você só começa a ganhar se for frequente e não pelo que sua arte realmente representa. Posso ter uma visão míope em relação aos envolvidos com o Fora do Eixo, mas, me desculpe, eu toco desde os 14 anos e hoje, com 29, prossigo tendo bandas e fazendo shows dentro do underground, do hardcore, do faça você mesmo. Dentro de um local onde, teoricamente, as coisas são às claras - mesmo sabendo que uma hora ou outra não é bem assim. Podia simplesmente desistir e virar mais um trabalhador baladeiro. Mas não, prefiro, mesmo depois das 40 e poucas horas trabalhadas, fazer meu som, com meus amigos, com os que estão ali pelo que gostam do que fazem. E por isso, não consigo achar justiça nessa, que chamo de, escrotidão orçamentária por conta de "organizadores" ou "produtores" no mínimo um absurdo.

  5. Clarissa Postado em 15/Aug/2013 às 16:11

    "A Beatriz não, ela é alta, branca, bonita e vem de uma família de elite. Por isso ela pode escolher." Hummm... Dríade, se vc não pode escolher entre ficar ou não no FdE pq vc é negra e da periferia, então vc está sendo, de fato, escravizada!!! Se te falta opção de escolha, Dríade, vc é uma escrava! Se vc não se reconhece como escrava, pelo menos se reconheça como mão de obra barata e sem garantias trabalhistas. E se um dia vc quiser sair daí por qualquer motivo, vai sair com uma mão na frente e outra atrás! No mais, se a Beatriz não pode criticar pq é branca e de classe média, vc, Dríade, está reproduzindo o mesmo discurso dos PMs que dizem que as reivindicações de manifestantes de classe média não são legítimas etc, argumento bastante fraco, bem como as fofocas que vc incluiu no texto. Fala sério!

  6. Gabriel Coimbra Postado em 15/Aug/2013 às 16:12

    Escreveu muito e não disse nada.

  7. Álvaro Romão Postado em 15/Aug/2013 às 16:12

    Mais um que não concebe o artista como profissional, como trabalhador. Não tem que ganhar mais. Artista não vive de vento, não come idealismo, artista, como todos neste capitalismo precisa de grana pra comer, se não não dá pra fazer arte. Querem valorizar arte com um prato de comida? Ou querem fomentar a arte, com a produção de públilco, mas sem fomentar o artista? fica complicado, né Fora do Eixo!?

  8. Gustavo Postado em 15/Aug/2013 às 16:13

    Texto pra quem esta la dentro ler.

  9. Clarissa Postado em 15/Aug/2013 às 16:14

    Se vc não consegue defender o FdE pelas suas qualidades e virtudes, é melhor não falar nada. Tentar desqualificar as críticas da Beatriz com ataques pessoais é besteira e não irá em nada ajudar o FdE!

  10. Alex Marques Postado em 15/Aug/2013 às 16:17

    Parabéns Dríade Aguiar. Leio todos os comentários de pessoas que estão no mínimo cegas pelo sistema e fico angustiado pela falta de senso coletivo. Muitas vezes escrevo alguma resposta mas acabo desistindo de publicar sabendo que sempre existirá um outro idiota que vomitará alguma opinião de caixinha, sem ao menos inteirar-se da verdadeira realidade alheia. Mais uma vez, meus Parabéns!

  11. Vinícius Schmidt Santos Postado em 15/Aug/2013 às 16:29

    O problema é que os líderes não querem remunerar as formigas. Que dão um duro danado. Não duvido nada da sinceridade Dríade, mas ela é uma das formigas.

  12. Caio Guerin Postado em 15/Aug/2013 às 16:36

    Que texto ruim, hein.

  13. Pamela Postado em 15/Aug/2013 às 16:51

    Nossa, achei que fosse ler algo esclarecendo ou rebatendo as críticas e não passou de um bate boca de adolescente.

  14. renato Postado em 15/Aug/2013 às 17:08

    Eu não sei de nada. Mas esta Beatriz não quer bater boca com Pablo. Porque não. Se não o que dá direito de falar dos outros. Quem é essa Beatriz. Que já passou uns dias no cafofô. Hein Beatriz... Que bicho te mordeu... Quem dá direita te paga.

  15. Thiago Postado em 15/Aug/2013 às 17:32

    Com um argumento fraco, Dríade se coloca de vítima de uma situação utilizando de termos racista que ela mesmo se impõe ao se comparar com a Beatriz, onde o foco da denúncia da cineasta é outro, é trabalho, é valorização da arte. Dríade, sinceramente, vá um terapeuta, que tu, minha filha, pirou o cabeção na "ideologia!eu quero uma pra viver"

  16. Eduardo Postado em 15/Aug/2013 às 17:34

    elite, branca? sério?

  17. Fernanda Postado em 15/Aug/2013 às 17:35

    Ao contrário do texto da Beatriz, esse aqui é vazio e não contradiz nenhum único ponto da denúncia que ela fez, aliás é bem o contrário, chegando até a apelar para o pessoal e a fofoca, típico de quem tá atolado até o pescoço...Se forem atrás de checar tudo o que ela diz contra esse tal de Fora do Eixo, certeza que vão encontrar. De boa intenção o inferno tá cheio e esse Capilé é só mais um esperto que encontrou um nicho pra explorar...tá levando vantagem legal ao que tudo indica, e como sempre, tem seguidores cegos fiés que o defenderão...

  18. Mariana Barros Postado em 15/Aug/2013 às 18:34

    essa "resposta" da moradora da Casa Fora do Eixo está mais vaga que vagão de trem fantasma... Na hora q ela escreve "Se alguém escravizou alguém nessa história foi você. Eu investi minha força de trabalho, trabalhei pra você sem cobrar nada pensando que éramos parceiras..." fiquei na expctativa de ler uma explicação sobre as acusações da Beatriz. Mas não. Se trabalhou sem receber nem cobrar nada, então, pronto, foi assim porque ambos quiseram assim. Aí a menina escreve: "Você tem coragem de dizer na minha cara que eu não dei um duro danado para divulgar o seu trabalho?"... Pelo que eu li, a tal Beatriz fala sim q nego dá um duro danado e não pode assinar que foi quem fez e tb não recebe moeda por isso...então...

  19. Acacio Postado em 15/Aug/2013 às 18:35

    Que venham as FFAA Já !!!

  20. Henrique Postado em 15/Aug/2013 às 18:47

    Alguém com o nível de inteligência da Beatriz Seigner poderia tentar respondê-la.

  21. Pablo Postado em 15/Aug/2013 às 19:22

    Mano acaba com a poha desses editais que esses deslumbrados voltam todos para casa da mamãe.

  22. michel Postado em 15/Aug/2013 às 19:30

    típica réplica de quem sofre de dissonância cognitiva e acredita no que quiser - ou no que os "messias" do fde a fazem pensar. achei a resposta vazia - principalmente pelo fato de que a própria autora diz que passou muito tempo escrevendo essa resposta. o coletivo tem características de seita sim! quem vive ali dentro abre mão de sua liberdade individual sim! quem tá dentro se julga acima do bem e do mal por estar "promovendo a cultura", o que pra eles, significa remunerar mal e porcamente os artistas que tocam em seus festivais, se valer de dinheiro público para manter a moradia coletiva e criar uma incrível bolha que só quem tá afim de viver "fora do eixo" é que compra essa balela... e só pode comprar usando cubocard, porque dinheiro de verdade só fica no bolso de peixe grande...

  23. Marjorie Rodrigues Postado em 15/Aug/2013 às 19:31

    Não rebateu nenhum dos pontos que a Beatriz coloca. Apenas fica de mimimi "não sou escrava" sem entrar no mérito que de fato as pessoas do FdE não assinam suas produções e recebem no tal de cubo card que não é bem dinheiro. Rebateu num nível fofoca e ataque pessoal. Diz que pensou, pensou antes de publicar o texto... Devia ter ficado sem publicar.

  24. JussaraMartins Postado em 15/Aug/2013 às 20:27

    Dríade tu decidiu certo em publicar. Conheci a pouco o FDE a partir da entrevista na Tv , passei a acompanhar as demais repercussões. Adorei saber que gente jovem está fazendo acontecer as coisas de forma diferente, trabalhando com outra ética e lógica. Eu escrevi comentário na matéria da Beatriz pois achei no mínimo estranho aquelas alegações. Eu acredito que nossa juventude possa encontrar um jeito da gente pra progredir, criar, amar e ser uma sociedade mais justa e ética. Adorei saber que tu existe . Não estou compartilhando essas matéria pois acho que não devemos fazer isso render mais do que já rendeu. Avante!

  25. Saulo Postado em 16/Aug/2013 às 01:42

    Acho que em vez de ficar trocando asneiras, o negocio é ver o que esta errado e fazer uma ideia que é "massa" evoluir, não ficar no "eu durmo na cama e vc dorme na lama" que TOSCO!! vamos evoluir galera, essa é a onda...

  26. Luiz Postado em 16/Aug/2013 às 09:16

    Não entendi a necessidade de se posicionar como negra (ainda mais com uma foto ao lado) em um texto que não diz respeito a questão racial. É algo relevante para o tema, ou apenas busca de blindagem politicamente correta para os argumentos que seguirão?

  27. Ferreira Postado em 16/Aug/2013 às 09:25

    O texto mistura uma linguagem "mediana" (com alguns erros de português) com elementos de quem domina uma linguagem mais culta. Para mim, duas possibilidades: 1- o texto foi escrito por uma pessoa, talvez a autora que se identifica, mas revisado por alguém que não se mostrou. 2 - o texto nem é da autora que se identifica.

  28. Asia Postado em 16/Aug/2013 às 12:30

    Diz Driade que não faz parte de uma elite e se compara com a Beatriz, mas em momento nenhum diz que o seu pai é um dos atores mais conhecidos de Cuiabá. Um dos humoristas da rede globo local, que acaba sendo transmitida em MS também. Ou seja, esse discurso de pobre, negra e periférica não é o mais correto. Parabéns por um texto ruim e sem nexo. Eu conheço a FdE, quem foi cortado da rede por não estar no mesmo fluxo e pessoas que não receberam da FdE. Até agora me mantive fora do debate, mas o seu texto simplesmente é ridículo e impossível de não ter resposta.

  29. Bruno Diniz Postado em 16/Aug/2013 às 13:25

    A mídia NINJA é fenomenal enquanto instrumento democrático que aproxima os cidadãos das manifestações políticas à guisa da multiparcialidade, como pontuou Capilé. Assim, esse tipo de mídia é uma evolução em face da tradicional mídia conservadora que quando não é parcial claramente à direita, utiliza da égide da imparcialidade mas "recorta"/mostra os fatos no sentido de interesse da direita. Mas as alegações da Beatriz Seigner a respeito da usurpação de representação dos movimentos sociais é muito séria. Se isso estiver acontecendo as consequências a longo prazo podem ser desastrosas pelo virtual esvaziamento ideológico dos movimentos ante um controle representativo aglutinador. O texto da Dríade, deveras, não elucida nada a favor do Fora do eixo.

  30. Bernardo Postado em 16/Aug/2013 às 13:39

    No texto do Bruno ele escreve "Capilé é uma virtuose da articulação mental, verbal e política.", e agora esse discurso de vítima e sem conteúdo. Tá cada vez mais parecendo uma seita mesmo.

  31. André Postado em 16/Aug/2013 às 19:13

    Excelente refutação à esse texto: http://lucianoayan.com/2013/08/16/mais-um-exemplo-da-dialetica-maravilhosa-dos-refens-do-fora-do-eixo-integrante-se-revolta-com-as-revelacoes-de-beatriz-seigner-e-da-mais-um-papelao/

  32. dnaiel Postado em 16/Aug/2013 às 21:14

    acho que pode-se comparar o fora do eixo a a marca de roupas zara, o produto final do fora do eixo é muito interessante mas como chegar até ele é repugnante

  33. rodrigo Postado em 19/Aug/2013 às 15:36

    Bom cai de para-quedas aqui, mais gostaria de deixar minha REFLEXÃO sobre esse assunto que desconheço. No pais em que vivemos, quando se trata do financeiro, e a integridade da suposta instituição a qual rendem muito dinheiro,as pessoas não medem esforços para saírem no lucro, os valores que somos doutrinados a seguir são posto de lado, numa estrema frieza em prol de seu próprio interesse financeiro. pensem nisso!

    • Geraldo Postado em 02/Sep/2013 às 17:17

      Ué, mas o que paga as contas é o dinheiro. Me fala algum artista que realmente conseguiu sobreviver por causa do Fora do Eixo.

  34. Osvaldo Aires Bade Comentários Bem Roubados na "Socialização" - Estou entre os 80 milhões Postado em 21/Aug/2013 às 15:51

    A VERDADE SOBRE O FORA DO EIXO QUE DEIXOU RASTRO DE CALOTES EM SUA ORIGEM EM CUIABÁ http://cinenegocioseimoveis.blogspot.com.br/2013/08/a-verdade-sobre-o-fora-do-eixo-quem.html

  35. Leandro Postado em 15/Sep/2013 às 09:19

    Primeiro, a moeda no Brasil não é Cubo Card, é R$ REAL. Essa explicação do texto se enquadra no mesmo estilo que pastores picaretas usam para justificar suas falcatruas. Essa "escrava aí com certeza é uma pessoa da cúpula do Fora do Eixo'. Vi de perto como esses eventos funcionam, LITERALMENTE NÃO PAGAM os artistas. Os músicos são explorados sim.

  36. Washington Postado em 26/Feb/2015 às 01:22

    A moça diz que mora na casa Fora do Eixo desde dos 16 anos. Gostaria de saber se ela, após ter entrado nessa casa, continuou estudando.

  37. Anderson Postado em 02/Mar/2015 às 01:44

    Péssimo texto! Mais uma sem noção que não valoriza o trabalho do artista. O Pragmatismo Político deveria filtrar melhor seus textos. Assim o portal fica desacreditado. Vira um revoltados online às avessas.