Redação Pragmatismo
Compartilhar
Homofobia 19/Jun/2013 às 15:00
25
Comentários

"Se governo interferir na cura gay, haverá rebelião evangélica", diz Feliciano

Pastor e deputado Marco Feliciano ameaça 'rebelião' se governo tentar barrar o projeto que legaliza a 'cura gay'

Com um discurso inflamado, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, Marco Feliciano (PSC-SP), ameaçou nesta quarta-feira (19) uma rebelião da bancada evangélica –composta por 80 deputados– caso o governo interfira na votação do projeto conhecido como “cura gay”. A mensagem foi dita quando o deputado chegava para uma audiência pública da comissão.

Ao negar que a votação da proposta tenha sido uma provocação às manifestações que tomam as ruas de vários Estados, o deputado disparou ataques a ministra Maria do Rosário (Direitos Humanos) que prometeu mobilizar o governo para evitar que a proposta avance na Casa.

Feliciano recomendou “juízo para a dona ministra”, disse que ela “mexe onde não devia” e recomendou que ela procure a presidente Dilma Rousseff porque “o próximo ano” tem eleições.

O projeto permite a psicólogos oferecer tratamento para a homossexualidade –a chamada “cura gay”, segundo os críticos da ideia, e terá que passar por outras duas comissões da Casa. Feliciano nega que a proposta tenha essa linha.

marco feliciano cura gay

O deputado Marco Feliciano (esq.) com o colega de Câmara Jean Wyllys, durante sessão da Comissão de Direitos Humanos (Sergio Lima / Folhapress)

“O governo sempre tenta barrar [projetos]. Isso acontece com todos os projetos, não é somente com esse. É o jogo político”, disse. “Queria aproveitar e mandar um recado: dona ministra Maria do Rosário dizer que o governo vai interferir no Legislativo é muito perigoso. É perigoso dona ministra principalmente porque ela mexe com a bancada inteira”, afirmou.

Segundo o deputado, a ministra deveria procurar a presidente Dilma Rousseff antes de falar. “A ministra falar que vai colocar toda máquina do governo para impedir um projeto. Acho que ela está mexendo onde não devia, senhora ministra juízo, fale com a sua presidente porque o ano que vem é político”, completou.

Em 2010, a campanha presidencial foi para segundo turno, sendo que um dos motivos apontados foi a onda de boatos entre eleitores religiosos contra Dilma.

Leia também

Ontem, a ministra condenou a votação da matéria na comissão. “O projeto significa um retrocesso na medida em que não reconhece a diversidade sexual como um direito humano. Quando se fala em cura, se fala na verdade que as pessoas estão doentes”, disse Rosário. “Somos cientes da responsabilidade de dialogarmos mais para que o projeto não venha a ser aprovado.”

Questionado sobre às críticas dos líderes da Casa de que não havia clima para votação da proposta diante dele ser alvo das manifestações, Feliciano desconversou. “Não tem nada a ver com as manifestações. O projeto estava para ser votado há dois anos, e o projeto estava vindo sendo votado há dois meses. Isso é regimental. Críticas fazem parte, um país democrático e funciona assim”, disse.

PROJETO

O projeto de decreto legislativo, de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), suspende dois trechos de resolução instituída em 1999 pelo CFP (Conselho Federal de Psicologia). O primeiro trecho sustado afirma que “os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades”.

A proposta aprovada ontem anula ainda artigo da resolução que determina que “os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica”.

Na justificativa do documento, Campos afirma que o conselho “extrapolou seu poder regulamentar” ao “restringir o trabalho dos profissionais e o direito da pessoa de receber orientação profissional”.

A votação é uma vitória da bancada evangélica, que tenta avançar com o projeto há dois anos. Durante o debate, manifestantes exibiram cartazes com frases contrárias ao texto. “Não há cura para quem não está doente”, dizia um deles.

HISTÓRICO

Desde o mês passado, a votação foi adiada ao menos cinco vezes, por diferentes motivos – desde falta de quórum a pedido de vistas de congressista. O relator do texto na Comissão de Direitos Humanos, deputado Anderson Ferreira (PR-PE), foi favorável ao projeto. “A Psicologia é uma disciplina em constante evolução e tem diversas correntes teóricas, sendo difícil determinar procedimentos corretos ou não, metodologias de trabalho apropriadas ou não”, afirma o deputado em seu relatório.

“É direito do profissional conduzir sua abordagem conforme a linha de atuação que estudou e prefere adotar. Também constitui direito do paciente buscar aquele tipo de atendimento que satisfaz seus anseios”, completa ele.

Para Ferreira, a mudança na resolução do Conselho Federal de Psicologia reforça a “liberdade de exercício da profissão” de psicólogo.

A proposta é rejeitada pelo CFP. No ano passado, a entidade recusou-se a participar de uma audiência pública realizada na Câmara para debater o projeto. O conselho inclusive lançou uma campanha contra a ideia. A OMS (Organização Mundial de Saúde) deixou de considerar a homossexualidade doença em 1993.

Márcio Falcão, FolhaPress

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Daianne Postado em 19/Jun/2013 às 15:16

    Só aumentando meu grau de ódio contra esse estorvo! Ele vai fazer o que, agora? Propor que nos queimem em praça pública? VSF, seu safado! Vagabundo!

  2. maria aparecida Postado em 19/Jun/2013 às 15:26

    bom , tem um monão de héteros querendo ser homosexuais na surdina, muita hipocrisia,

  3. Carlos Cesar Lira dos Santos Postado em 19/Jun/2013 às 15:28

    Simplesmente ridícula essa ideia deste filha da puta, tanta coisa para ele se preocupar ela esta é procurando cura para uma coisa que nem é doença. A ideia que se tem é de que ele nem sabe qual é o seu papel na câmara, ele tem que garantir os DIREITOS HUMANOS ao invés de coibir como esta fazendo.

  4. mauricio Postado em 19/Jun/2013 às 15:28

    Quero ver essa rebelião evangélica, duvido que ele esse poder de agregar a massa evangélica, É um Soberbo, arrogante e hipócrita!! Ele não representa os evangélicos.

  5. João Postado em 19/Jun/2013 às 15:56

    Feliciano é igual a Adolph Hitler: dois monstros com suas marionetes, com um ódio exagerado sem sentido.

  6. Joao Dos Santos Postado em 19/Jun/2013 às 16:38

    deixa os homosexuais pra lá.. qual é sua felciiano qq vc quer com eles? mmmmmm

  7. Marco Postado em 19/Jun/2013 às 16:46

    Ridículo esse Marco Feliciano e quem pensa como ele! Pessoas conservadoras ao extremo, usando religião para influenciar na política e sociedade!

  8. will Postado em 19/Jun/2013 às 16:48

    mas mando toda a bancada evangelica para rua ou manda fuzilar todos e pronto acabaou simples assim.

  9. Pedro Teixeira Postado em 19/Jun/2013 às 16:57

    Annonymous, gostaria de sugerir o próximo alvo....esse tipo aí...deve ter tanto lixo nas contas particulares dele que vocês podem trazer a tona. eu gostaria q ele morresse

  10. Eu Postado em 19/Jun/2013 às 17:23

    Essa coisa que não é humana chamado feliciano: é a personificação do demonio ele esta fazendo uma desordem politica social. como pode esse boçal ter poder de decidir assuntos polémicos essa besta humana tem formação do que; é graduado a onde tem mestrado é phd; meu DEUS o que falta para cassar esse aluno de hitler.

  11. ana jardim Postado em 19/Jun/2013 às 18:29

    Eu costumo ser censurada neste site, mas mesmo assim vou deixar meu recado para o desavisados: Esta notícia não procede porque os evangélicos não fazem rebelião, fazem manifestações pacíficas!! E o povo Brasileiro aprendeu muito bem conosco!! Obrigada de nada. E a quem possa interessar: "CURA GAY" Este projeto foi nomeado pela mídia de forma pejorativa e nada imparcial. Estas distorções é muito comum pelo jornalismo militante do nosso país. Isso serve para enganar, indignar, revoltar e causar descontentamento na população. Está claro a intenção! Pois é evidente que ninguém em sã consciência aceita ou aprova "Cura Gay" né gente? Este projeto apenas propôe que os profissionais da área da psicologia volte a ter o seu direito de pronunciar, participar e discutir os assuntos perninestes a erotização em meios de comunicação de massa. E que tenham liberdade de atender pessoas que QUEIRAM e que SE SENTEM DESCOFORTÁVEL com a sua condição homoafetiva. Como se vê acusações de que a proposta tem como objetivo curar ou tratar a homossexualidade como uma doença não é verdadeira...A proposta apenas defende a liberdade do psicólogo APOIAR pessoas que optar por ajuda clínica. Não precisamos amar os idealizadores e defensores deste projeto, mas como cidadãos temos que entender na real do que se trata para não sermos sempre manipulados! Estamos tão cansados de ler ou ver na TV uma notícia e depois pensar assim: "Mas não é nada disso"!! Somos bombardeados o tempo por jornalismo falso e tendenciosos. Vale ressaltar também que o poder que o Deputado Feliciano possui NÃO o habilita legitimar este projeto, ele ainda terá que passar por duas comissões e pelo plenário da câmara. Ou seja, Feliciano NÃO tem legitimidade! Quer saber mais? jogue no google: DECRETO LEGISLATIVO Nº 234/11

  12. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 19/Jun/2013 às 19:18

    Não existe ex-gay. Existe quem nunca foi. Acordem! É a mesma coisa de DEIXAR DE SER HÉTERO! Quem consegue? Estas tentativas de "cura da homossexualidade" pela Igreja SÃO FALSAS. Entram 80 gays solteiros, saem 40 casais. É uma colônia, isso sim! Fora o pessoal que "ministra": TODOS SUPOSTOS EX-GAYS que traem suas mulheres de enfeite. Claro, e tem que pagar. Sítios de recuperação para gays, QUE EXISTEM SIM, são PAGOS. Não existe "CURA" para algo que é CONCERNENTE AO DESEJO INATO. A resolução do Conselho Federal de Psicologia é CLARA e não fere o direito da pessoa que procure auxílio para egodistonia (CID 10: F66.1) Ela não vê a homossexualidade como doença PORQUE NÃO É. Vê a ANGÚSTIA do indivíduo que não se aceita como nociva e o ajuda nisso. Resolvido o conflito a pessoa se aceita e se sente livre, feliz para ter ou não alguém na vida COMO QUALQUER SER HUMANO. É simples. Não precisa de mudança. Esse "projeCO" não vai a frente. O Feliciano e sua patota SÓ querem uma coisa gente: VOTO. Essa MALDITA bancada EVANGÉLICA, que de Evangelho não tem NADA, é uma cambada de lobistas. Fundamentalismo é uma desgraça. Espiritualidade é outra coisa. AGORA ELE AMEAÇA REBELIÃO? Isso é fala de PASTOR? Ora, aos que creem eu digo: é a VOZ DO DIABO. Aos que não creem eu afirmo: é a VOZ DA DISCÓRDIA. Um projeto desses coloca homossexuais EM RISCO pois as pessoas menos esclarecidas, a maioria, VÃO TACHÁ-LOS DE DOENTES e isso gerará CONFLITOS IRREPARÁVEIS. Vai legitimar violências morais e físicas. A PSICOLOGIA TEM O DEVER DE LEVAR O INDIVÍDUO A AUTO-COMPREENSÃO E NADA MAIS. ELA NEM TOCA NA QUESTÃO GENÉTICA QUE ESTÁ SENDO USADA PELO REDATOR DO PROJETO COMO BASE, ou seja, TENTAM FALAR SOBRE UM CACHO DE UVAS ANALISANDO UMA BERINJELA. É preciso desenhar ou deu para entender que isso é POLITICAGEM RELIGIOSA?

  13. André Postado em 19/Jun/2013 às 21:48

    Que se rebelem e que se descabelem, pois a evolução caminha pra frente e não haverá retrocesso naquilo que já foi conquistado.

  14. Rogerio Postado em 19/Jun/2013 às 21:56

    Procurando conhecer o outro lado disso, vi que a proposta não seria curar gay, mas tratar transtornos psicológicos decorrentes da reorientação. O gay, que por algum motivo, religioso ou não, queira deixar de ser gay, pode sofrer com isso. Ele seria tratado, não como um doente portador de homossexualidade, mas como paciente que sofre depressão, angústia. A depressão causada pela reorientação é que seria tratada. E nesse caso, se for isso mesmo, eu apoio então esse projeto. Quem disse que um gay não tem o direito de deixar de ser?

  15. jose carlos Postado em 19/Jun/2013 às 23:17

    vai ver, feliciano fez esse "tratamento" e se curou...daí, justifica-se a sua insistencia no tema.

  16. Julio Cesar Salles Postado em 20/Jun/2013 às 00:43

    Proponho que de agora em diante venhamos chamar o Deputado Feliciano de Deoutado Gadernal, o que vcs acham?

  17. luiggi Postado em 20/Jun/2013 às 01:42

    Feliciano bom é Feliciano morto. Não é assim que se diz em relação aos bandidos neste país? E junto em sua jornada aos infernos poderiam acompanhá-lo toda a bancada evangélica.

    • Jorge Postado em 16/Oct/2013 às 12:34

      Apoiado!

  18. Camila Postado em 20/Jun/2013 às 09:16

    Fico pensando naqueles pais (evangélicos ou não) que, ao perceberem que seus filhos demonstram tendência à homossexualidade, passarão a recorrer aos "profissionais" de psicologia para "curar" seus filhos desse "mal". Um adulto tem o direito de tentar deixar de ser gay (o que acho IMPOSSÍVEL), tem o direito de procurar um psicólogo e "se tratar", mas as crianças não terão esta opção. As crianças sofrerão ainda mais com esta medida. Isso sim me preocupa. Achei a ideia do Pedro Teixeira ótima, de que o Anonymous invada a vida do Feliciano e o exponha ao ridículo, inclusive sobre suas orgias sexuais, porque aquele ali de hétero não tem nada, enrustido infeliz. Abraços.

  19. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 21/Jun/2013 às 15:21

    Rogério, a pessoa que quer deixar de ser Gay entra em depressão por que? Não seria a Egodistonia já prevista no CID 10: F66.1? Não há motivo para mudar a resolução do CFP.

  20. Arlindo Reis Postado em 23/Jun/2013 às 16:53

    ESTOU COM O DEPUTADO FELICIANO NÃO SE TRATA DE “CURA GAY” A questão é a seguinte: Homossexualismo não é genético, caso fosse, todo o gêmeo Mz teria que também ser homossexual,se o irmão fosse, já que fisicamente, um é cópia genética do outro, e não é o que acontece. Também não é doença. Trata-se de comportamento, que pode ter como razão, uma variedade de causas. Um indivíduo que por algum motivo, decide pela REORIENTAÇÃO do seu comportamento sexual, tem o direito de buscar ajuda de um profissional competente, no caso um psicólogo, e o Conselho Federal de Psicologia, não tem o direito de proibir isso.

  21. Arlindo Reis Postado em 23/Jun/2013 às 16:55

    ESTOU COM O DEPUTADO FELICIANO NÃO SE TRATA DE “CURA GAY” A questão é a seguinte: Homossexualismo não é genético, caso fosse, todo o gêmeo Mz teria que também ser homossexual,se o irmão fosse, já que fisicamente, um é cópia genética do outro, e não é o que acontece. Também não é doença. Trata-se de comportamento, que pode ter como razão, uma variedade de causas. Um indivíduo que por algum motivo, decide pela REORIENTAÇÃO do seu comportamento sexual, tem o direito de buscar ajuda de um profissional competente, no caso um psicólogo, e o Conselho Federal de Psicologia, não tem o direito de proibir isso, QUEM QUIZER CONTINUAR SENDO GAY, QUE CONTINUE, QUAL É O PROBLEMA? Não entendo o porque de tanto stress.

  22. Eu Postado em 27/Jun/2013 às 12:16

    Gostaria de saber porque o nobre deputado baluarte da moral e dos bons costumes e seus seguidores que são acima de qualquer suspeita com sua moral totalmente ilibada praticamente chegando a santos não se preocupam com A PEDOFILIA ISSO SIM É UMA CAUSA SÉRIA E GRAVE QUE MERECE ATENÇÃO DO GOVERNO E DA SOCIEDADE PARA ESSA ABERRAÇÃO MONSTRUOSA QUE AUMENTOU EM 400% ISTO É MUITO GRAVE GRAVISSIMO ele esta desviando o foco o País precisa de resolver problemas sérios e urgentes o que interessa a esse palhaço o se faz entre quatro paredes é por isso que este pais não vai para frente felicianos silas e por ai vai que lastima.

  23. Pablo Vieira de Mendonça Postado em 27/Jun/2013 às 20:21

    Arlindo, como você cita ARGUMENTO DE BIOLOGIA para CIÊNCIA DO COMPORTAMENTO? O projeto deveria ser encaminhado a Psiquiatras e não a Psicólogos, já que embasa-se nisso. Percebe a falta de noção técnica? Por que a bancada evangélica quer passar este projeto? Defende interesses de voto, meu caro. Abre o olho.

  24. Betina Postado em 02/Jul/2013 às 13:12

    Que venha essa rebelião. Quem sabe assim, não vão uns desses idiotas presos por vandalismo ou algo do tipo. Fiquem nas ruas, gritem a favor do preconceito... assim, saberemos bem quem vocês são.