Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Ditadura Militar 16/Nov/2012 às 16:59
12
Comentários

Documentário sobre Guerrilha do Araguaia enfurece militares

Militares se exaltam durante exibição de documentário sobre o Araguaia. Esbaforido e nervoso, oficial militar gritou no meio da sessão, orientando grosseiramente que todos os seus subordinados se retirassem dali

Militares do Comando da 23ª Brigada de Infantaria de Selva, no Pará, se exaltaram durante a reunião do Grupo de Trabalho do Araguaia (GTA), em Marabá (PA), quando começou a exibição de um documentário com depoimentos de camponeses vítimas dos militares durante a Guerrilha do Araguaia. Transtornado, o coronel Celso Osório Souto Cordeiro, interrompeu a sessão aos berros, ordenando que seus subordinados abandonassem o salão.

(Foto: Guerrilha do Araguaia / Reprodução)

O oficial bateu boca com o representante da Secretaria de Direitos Humanos (SDH) no grupo, Gilles Gomes. A discussão só não virou agressão física graças à intervenção de integrantes do Ministério da Defesa. O fato ocorreu no dia 23 de outubro e só agora foi divulgado.

“Militares, todos fora!”, gritou na ocasião o militar que, em julho, fora condecorado com a Medalha do Pacificador, concedida pelo Comando do Exército.

O GTA foi criado pelo governo para cumprir a sentença judicial de buscar informações e tentar localizar restos mortais de desaparecidos políticos na região. O Exército tem dado apoio logístico às ações desde 2009.

Esse foi o primeiro atrito entre militares e civis desde então. O grupo é formado por representantes dos ministérios da Defesa e da Justiça e da Secretaria de Direitos Humanos.

Leia também

Internamente, a atitude do coronel foi considerada grave, mas superável. Oficialmente, o Ministério da Defesa e a Secretaria de Direitos Humanos informaram que estão tratando do assunto. A cúpula da secretaria tem debatido o assunto e chegou a redigir uma nota pública condenando o gesto do coronel. O militar pode ser afastado das próximas expedições do GTA.

Marco Antônio Barbosa, presidente da Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, vinculada à SDH, criticou o coronel Cordeiro:

“Isso que ocorreu foi grave. A colaboração do Exército até agora era de uma logística de boa qualidade. Foi surpreendente. Um gesto violento e incompatível com os tempos de hoje. É lamentável, e o que se espera é que seja dada uma resposta à altura”, afirmou Barbosa.

Sete parentes de desaparecidos e vítimas da ditadura que estavam presentes ao encontro elaboraram uma carta aos ministros da Defesa, da Justiça e dos Direitos Humanos na qual repudiam o fato. No texto, eles fazem um protesto contra a “atitude malsã e desequilibrada do oficial militar”.

Ex-vereador pelo PCdoB, Paulo Fonteles Filho, observador do grupo presente à reunião, escreveu no seu blog: “(O coronel) esbaforido e nervoso gritou, no meio da sessão, orientando grosseiramente que todos os seus subordinados se retirassem dali”.

Audiência

O Comitê Paraense pela Memória, Verdade e Justiça e a Associação dos Torturados na Guerrilha do Araguaia (ATGA) realizam na sexta-feira (16) e sábado (17), também em Marabá, uma audiência pública da Comissão Nacional da Verdade. O evento busca o restabelecimento da verdade em relação aos atos de torturas, desaparecimentos e mortes praticados por agentes da ditadura militar na região durante a repressão à Guerrilha do Araguaia (1972-1975).

Participam da audiência camponeses, indígenas, militantes de direitos humanos e representantes da Comissão Nacional da Verdade, Maria Rita Kehl, Claudio Fonteles e Paulo Sérgio Pinheiro.

Vermelho e O Globo

Recomendados para você

Comentários

  1. LUCAS ROVER Postado em 16/Nov/2012 às 17:08

    Grupo de Trabalho do Araguaia, sua sigla me faz pensar em outra coisa..

  2. Daniel Nazar Postado em 16/Nov/2012 às 17:28

    Pensamos o mesmo companheiro...

  3. Leandro Coelho Postado em 16/Nov/2012 às 22:34

    Sinto pena dos subordinados de um cara desses...Aliás, isso aí é para as pessoas verem o que foi o Brasil durante os anos nojentos do GOLPE militar. Me dá até um frio na barriga de lembrar dos bandidos comuns que governaram o nosso país a mando dos americanos. Lugar de militar é no quartel, CALADOS e servindo os civis em comando, escolhidos democraticamente.

  4. Valdir Fraga Junior Postado em 16/Nov/2012 às 23:45

    "O militar pode ser afastado das próximas expedições do GTA". O mínimo que se deve fazer!

  5. josé serra Postado em 17/Nov/2012 às 11:49

    EU MORO EM BELÉM E SOFRO TODOS OS DIAS AO PASSAR DE ONIBUS EM FRENTE AO EXERCITO E AERONÁUTICA...UM BANDO DE VAGABUNDOS, INFERIORES E ALTO COMANDO, SEM TER NADA, ABSOLUTAMENTE NADA PRA FAZER...ALIÁS, A UNICA COISA QUE VEJO É O DESFILE DO DIA 7 DE SETEMBRO E AS ELEIÇÕES..NÃO PROCURAM FAZER NADA EM PROL DA SOCIEDADE...FICO IMAGINANDO A FOLHA DE PAGAMENTO ALI E QUANTO DINHEIRO JOGADO FORA..NA AERONAUTICA E EXERCITO TEM HOSPITAIS...LOGICAMENTE PRA ATENDER A FAMILIA DESSES SEM-NADA-PRA-FAZER...ME VEM UM CORONELZINHO VAGABUNDO REMEMORAR COM SAUDADE OS TEMPOS TURVOS DA DITATURA...CADEIA SERIA POUCO..!

  6. Écio Rosa Ferreira Postado em 17/Nov/2012 às 14:43

    O cidadão acima mora em Belém e não conhece o trabalho realizado pelas Forças Armadas na região Norte do Brasil.Que falta de informação.Quanto ao trabalho do GTA eu acho que se tem de apurar sim,doa a quem doer.E infelizmente alguém da Secretaria de Direitos Humanos achou por bem não apurar absolutamente nada sobre as vítimas dos guerrilheiros, como se não houvesse vítimas dos guerrilheiros.A propósito e para os que não sabem ou não fazem questão de saber tem muitos desses guerrilheiros, heróis infelizmente para muitos, que foram indenizados por esse ato de ir para o Araguaia combater o regime militar de então.Quer dizer que o cidadão sai de sua cidade, combate, é derrotado pelo sistema e aí passa o tempo e vem um governo que o indeniza por ele ter sido guerrilheiro.Guerrilha virou sinônimo de capitalização, e isso tudo é muito triste.

  7. Leandro Coelho Postado em 17/Nov/2012 às 18:29

    Pois é José...quase ninguém vê isso. Militar, como dizia Chico Anysio "é igual a camarão: tem merda na cabeça e vive nas costas do Brasil".

  8. Strider Postado em 22/Nov/2012 às 06:24

    No Araguaia, como de resto em toda a luta armada durante o período militar, houve excessos, barbaridades mesmo, cometidas de ambos os lados, e elas não são desculpáveis. Porém, o que assistimos hoje é uma ação articulada para reescrever a história, transformando terroristas e guerrilheiros comunistas em paladinos da liberdade. Parabéns, Coronel. Pena que seus comandantes não pensem da mesma forma.Esses ptrallhentos esquerdóides e corruptos estão indo longe demais!"Me dá até um frio na barriga pensar nos bandidos comuns que governam nosso país"

  9. sofia Postado em 29/Nov/2012 às 13:36

    Viva a esquerda. O golpe de estado so existiu pra poder favorecer os ricos e facilitar a exploraçao do pais pelos americanos e ingleses.

  10. VOZ ATIVA Postado em 09/Jan/2013 às 15:19

    Observo daqui, escuto dali, são muitas as opiniões e todas com sua dose de acertiva para mais ou para menos. Porém o que ninguém se dá conta, mas eu os convido a pensar: "Caso o nazismo houvesse vencido a 2ª. Guerra não teria sido melhor para a humanidade?" Com a palavra os intelectuaís do casuísmo, sempre os memos porcos de plantão...

  11. Alex Postado em 21/May/2013 às 19:22

    Parece que apesar de tudo, depois desses anos todos, a cartilha das forças Armadas não mudou. E olha que esse coronel que interrompeu a sessão devia ser menino de colo na época da guerrilha e da ditadura. A lavagem cerebral 'anticumunista comedora de criancinha' continua lá por dentro ... esses caras pararam no tempo.