Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Direita 11/Sep/2012 às 17:34
8
Comentários

Intelectual elogia assassino neonazista que matou 77 pessoas

Será que o intelectual neonazista está sozinho na sua cruzada cristã contra os estrangeiros por estarem mestiçando a Europa? Talvez não, porque multiculturalismo também não é coisa bem aceita no Brasil

breivik neonazista noruega

Anders Breivik, terrorista de extrema-direita matou 77 na Noruega. Foto: divulgação

Rui Martins, Direto da Redação

A mistura de povos, o chamado multiculturalismo, é coisa boa ou coisa ruim ?

Atualmente, o maior inimigo da multicultura na Europa, é o norueguês Anders Breivik, responsável pelo assassinato de 77 pessoas, a maioria abatida à queima-roupa, e, por isso, condenado à pena máxima, 21 anos, na Noruega.

Durante todo o processo, diante da justiça exemplar norueguesa que garantiu ao criminoso ampla defesa, Breivik sempre exibiu seu gesto de militante neonazista e procurou justificar o ato de abater à bala jovens participantes de uma reunião do partido trabalhista, sem qualquer outra razão se não a de estarem manchando a pele ou o pensamento branco tradicional norueguês com suas culturas vindas do estrangeiro.e

Ora, no mesmo dia do pronunciamento da sentença por um tribunal norueguês, saía nas livrarias francesas um pequeno livro, no qual um intelectual fazia o elogio literário do assassino Breivik.

Leia também

Seu nome, Richard Millet, escritor mas igualmente membro da comissão de leitura da editora francesa Gallimard, que seleciona os livros a serem editados.

Diante do horror criado com suas 18 páginas, Millet se apressou a declarar não aprovar os atos do racista defensor dos brancos cristãos do Ocidente, mas que houve uma perfeição formal do ponto de vista literário, no massacre cometido por Breivik na ilha de Utoya.

Num trecho do seu texto, Millet fala que costuma ser o único branco no metrô, querendo denunciar a miscegenação e a imigração como destruidoras das bases tradicionais e culturais da Noruega e igualmente da Europa. Branco, católico, de origem francesa, como o próprio Millet se define, esse defensor do Mal provocou arrepio e mal estar na França.

Na contra-corrente dos que defendem a pluralidade cultural como um passo ao entendimento mundial, Millet lamenta a invasão européia pelos imigrantes de hábitos, cultura e mesmo idiomas diferentes. E que a Noruega teve o Breivik que merecia.

Será que o intelectual neonazista está sozinho na sua cruzada cristã contra os estrangeiros por estarem mestiçando a Europa ?

Talvez não, porque multiculturalismo também não é coisa bem aceita no Brasil. A cultura branca elitista ainda não digeriu a atual mutação social brasileira com o progressivo reconhecimento da igualdade da população negra, que não tem de restringir só ao samba, ao futebol e ao banditismo, mas começa a ter acesso às universidades e aos bons empregos privados e públicos.

O racismo sofisticado do intelectual francês nos lembra o desafogo de um dos nossos ditadores, que preferia o cheiro dos cavalos ao cheiro do povo. A elite ou a suposta elite brasileira ainda hoje range os dentes com o fato de um homem do povo, sem acesso às universidades, ter chegado à presidência, do Sul ter se misturado com o Nordeste e dos filhos de muitos pés-de-chinelo terem hoje acesso ao curso universitário.

Nas colunas da grande imprensa brasileira, tem muito Richard Millet defendendo discretamente e com outras palavras o racismo e a exclusão dos pobres, negros e mestiços, contando com o apoio silencioso e dedicado dos tradicionalistas e quatrocentões.

Recomendados para você

Comentários

  1. Vínícius Postado em 11/Sep/2012 às 20:23

    Vai gerar polêmica o q vou dizer, mais existe casos para pena de morte. Podem dizer q esse pensamento é direitista (o q eu não considero) mas é verdade, esse Anders Breivik assassinou 77 pessoas e foi condenado a 21 anos de prisão!! É loucura esse cara voltar a ser livre algum dia, tampouco ele merece viver. Apoiar uma escória dessas é assinar um termo de neonazista, a direita na Europa é um grave problema, eu qro ver cada vez mais africanos, latinos e árabes vivendo na Europa, forçando-a ao multiculturalismo.

  2. Gustavo Martins Postado em 13/Sep/2012 às 13:58

    Vinícius, vou discordar de vc, mas eu sou contra a pena de morte por um simples motivo: Abrevia o sofrimento de quem merece sofrer a perda da liberdade. Ninguém sabe se há inferno ou paraíso do outro lado, pra mim não há nada, logo vai acabar com o sofrimento de alguém que merece sofrer o resto da vida num presídio sem qualquer liberdade.

  3. João Gabriel Postado em 13/Sep/2012 às 14:33

    O fato de ele ter sido condenado a 21 anos reflete a quase perfeição do direito penal norueguês. Numa sociedade que apresenta índices de criminalidade ínfimos, o cárcere vive vazio,ou quase isso. Naquele país, a pena restritiva de liberdade é a última das penas, já que na maioria dos casos,o condenado é conduzido a acampamentos,espécie de retiros,onde reflitirão sobre suas condutas e farão outro tipos de atividades. Assim, a pena de prisão de 21 anos é a representação máxima de reprovação do sistema noruguês. Atente-se que o Breivik ficará preso,com direito a tres celas: uma para dormir, outra para ler e a ultima para se exercitar,salvo engano. Visto isto, acredito ser esse homem uma excessao e invejo,e muito, a sociedade,por conseguinte,a lei penal norueguesa.

  4. Rafael Postado em 14/Sep/2012 às 09:20

    Comentário polêmico novamente, discordo do autor quanto ao Brasil resistir a este multiculturalismo, o que as pessoas chamam de resistência eu chamo de ser justo, no Brasil se atacam os consequencias e não as origens. Exemplo 1: A questão das cotas, não sou contra a elas existirem acho que porém não deveria ser somente para negros/indios, as cotas deveriam ser para pobres, pode parecer até esquisito para muitos, mas existem sim muitos pobres brancos, principalmente no sul, a política atual gera discriminação dentro da camada dos menos afortunados na sociedade, eles crescem no mesmo lugar, convivem com as mesmas dificultades e deveriam ter as mesmas chances de ingressar no sistema de ensino, e outra coisa que penso é que iniciativas como esta deveriam se extender também para escolas particulares, premiando alunos de periferia a frequentarem estas escolas retornado as isenções e descontos de impostos diretamente, estas crianças além de trazer um novo convivio agiriam como elementos multiplicadores de base na sociedade. O investimento em saúde pública, educação de base, segurança não dá resultado imediato então porque políticos investiriam em algo que não traria votos imediatamente. A questão da pena de morte ali em cima comentada, eu sou favoravel por um simples motivo, a mídia dá muito espaço para criminosos, pessoas que cometem genocídios e crimes hediondos, querendo ou não isso incentiva a disseminar mais e mais estas questões, daqui 5anos alguém vai fazer uma reportagem sobre como está o fulano, e traz novamente a luz todas estas questões, e querendo ou não influência alguém que pode estar em um momento de transição/dificuldade a fazer uma associação que um absurdo destes possa ser uma "solução". Quanto ao multiculturalismo acho que é essencial para o crescimento do povo, não digo multiculturalismo prefiro um termo de multiclassismo social.

  5. Daniel Cunha Postado em 04/Dec/2012 às 03:22

    Rafael, a nova lei de cotas contempla exatamente todas estas nuances que vc colocou! Um branco pobre, por exemplo, terá acesso às cotas!

  6. Felipe Silva Postado em 07/Jan/2013 às 15:09

    Está certo o que Daniel Cunha disse e concordo em parte com o que você disse Rafael, não sou favorável de hipótese alguma a pena de morte, e também não podemos colocar certas medidas europeias em nosso sistema, pois não alcançamos os níveis europeus de saúde, educação e segurança como bem informou. O sistema carcerário destes países são de suma inteligência, lá eles são acompanhados por vários psicólogos/psicanalistas e atividades que os educam conforme o crime procedido.

  7. Luciano Postado em 25/Dec/2013 às 21:53

    Neonazistas são patéticos mesmo! mesmo derrotados fazem questão de posar de vencedores, euma das cenas mais ridiculas da história.

  8. Nicolau Postado em 20/Aug/2015 às 20:32

    Quem escreveu isso aí acima, mente descaradamente, porque esses assassino Breivik, é um MAÇOM e não "neonazista"! Vai mentir assim no inferno!