Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 11/May/2012 às 19:04
2
Comentários

Roberto Gurgel apela à Suprema Corte para salvar a si próprio e a esposa

O que será que está guardado a sete chaves na Operação Vegas, engavetada pela subprocuradora Claudia Sampaio, esposa de Gurgel? Quais serão os grampos perdidos desta operação? Com quem o senador Demóstenes Torres falava com tanta frequência em 200 ligações?

gurgel demóstenes cachoeira

Roberto Gurgel troca gentilezas com Demóstenes Torres (ex-DEM) e Álvaro Dias (PSDB), líder da oposição no Senado Federal

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deve uma explicação ao País. Afinal, por que cargas d´água decidiu paralisar as investigações relacionadas à Operação Vegas, realizada em 2009? Pior: por que acatou a sugestão da subprocuradora-geral da República, Claudia Sampaio, que vem a ser também sua esposa e disse não haver não haver indícios de crimes nas atividades de Carlos Cachoeira? Aliás, no mundo de Cachoeira o difícil era encontrar indícios de legalidade. E isso já era notório, pois no Brasil não existem “empresários de jogos”, como ele era definido por Veja. Existem bicheiros.

Gurgel está nitidamente na defensiva. Dois dias atrás, soltou uma declaração estapafúrdia: a de que está sendo vítima de retaliações por ter feito a denúncia do mensalão. Ou seja, misturou alhos com bugalhos e buscou apoio entre procuradores e ministros do Supremo Tribunal Federal. No entanto, um dos decanos da corte, o ministro Marco Aurélio Mello classificou como “extravagante” a declaração de Gurgel. Em sua linha de defesa, o procurador-geral tem tentado argumentar que havia outros casos prioritários. Procurador não tem o direito de decidir se abre investigação ou não.

Leia mais

Procurador é fiscal da lei. Portanto, se há crime, ele deve obrigatoriamente ser investigado. E com rapidez. De 2009 até 2012, a quadrilha de Cachoeira, sustentada no Congresso pelo senador Demóstenes Torres, produziu estragos no País. Não só no mundo, do bicho, mas também das obras públicas, com infiltrações na mídia e em vários poderes.

“Alô, Demóstenes, tudo bem?”

Por que será que, no começo da semana, uma nota emblemática foi publicada na coluna Radar dando conta de que um novo inquérito-bomba seria enviado ao Supremo Tribunal Federal? A nota sugeria que vários ministros do STF e do STJ poderiam ser investigados, assim como outros senadores.

O que será que está guardado a sete chaves na Operação Vegas, engavetada pela subprocuradora Claudia Sampaio? Quais serão os grampos perdidos desta operação? Com quem o senador Demóstenes Torres falava com tanta frequência em 200 ligações? Pois é esta informação que se espalha pela CPI, como um rastilho de pólvora.

– Alô, Demóstenes, tudo bem?
– Tudo, e você…

Por que os argumentos de Gurgel são furados?

É preciso listar três evidências que desmontam o raciocínio de Gurgel, que teme ser acusado de prevaricação:

1) Não foi Gurgel, mas Antônio de Souza, procurador-geral à época, quem apresentou a denúncia contra os réus do mensalão. Primeiro ponto para mostrar que a personificação não cabe neste caso;

2) A denúncia foi acolhida pelo STF, onde o processo agora tramita. Não há nenhum risco à continuidade da ação penal e a seu julgamento;

3) Caso se veja impedido de fazer a sustentação oral pelo Ministério Público no julgamento do mensalão, há vários subprocuradores capazes de conduzi-la de forma brilhante. Portanto, Gurgel tenta se confundir com a instituição de maneira tosca e ciente do apoio de parte da mídia, interessada em misturar os casos. O processo do mensalão não corre risco algum se o procurador-geral tiver de explicar sua inépcia na apuração do escândalo Cachoeira. Além do mais, quem apontou a falta de iniciativa do procurador-geral em investigar Demóstenes foi um policial federal, não um político.

Segundo o delegado Raul Alexandre Marques de Souza, a investigação ficou paralisada após chegar à Procuradoria-Geral. “Não foi feita nenhuma diligência, investigação, após a entrega dos autos”, declarou. Em seguida, informou que desde setembro de 2009 o órgão foi comunicado de que a operação Vegas identificara a participação de parlamentares no esquema de Cachoeira. Entre eles, além de Torres, os deputados Carlos Leréia, do PSDB, Sandes Júnior, do PP goiano, e Rubens Otoni, do PT. O delegado chegou a se reunir com a subprocuradora-geral da República, Claudia Sampaio, mulher de Gurgel, que lhe explicou, falando em nome do procurador-geral, que não tinha encontrado elementos para processar o senador e os deputados.

Diferentemente do que argumentou o procurador, não foram “mensaleiros” os parlamentares que declararam que agora veem motivos para trazer, no mínimo, a subprocuradora à CPI. Do PSOL, o senador Randolfe Rodrigues anunciou a disposição de pedir a convocação da mulher de Gurgel. “Eu era contra, mas mudei de opinião com o depoimento do delegado.” Outros parlamentares se declararam ainda mais convictos da necessidade de convocar o próprio procurador. “Ele deve explicações ao País”, afirmou o deputado Rubens Bueno, do PPS, de oposição ao governo.

CartaCapital & Brasil 247

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Luciano Postado em 11/May/2012 às 19:36

    Ele correu a procura dos Senadores Aloysio Nunes, Alvaro Dias e outras "autoridades" pra tentar escapar do seu ato de prevaricação. Já imagino o que ele deve ter dito nesse encontro com esse "honestos" acida descritos: - Olha, é o seguinte: tenho dados aqui que pega todos vocês em cheio, mas sentei em cima há muito tempo. Agora, ou vocês me ajudam ou...".