Luis Soares
Colunista
Compartilhar
PSDB 17/May/2012 às 23:53
2
Comentários

O dia em que o próprio governo do PSDB desmentiu Geraldo Alckmin

Geraldo Alckmin negou haver repasses do governo federal no metrô de SP, mas o próprio portal de transparência do governo do PSDB desmente a afirmação de Alckmin.

alckmin acidente metrô

Portal da Transparência também desmente a versão do governador paulista

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), negou a existência de recursos federais nas obras dos trens metropolitanos e do metrô paulistano, mas acabou contrariado por um estudo e pela consulta aos sistemas de transparência. “Não tem um centavo do PT em trem e metrô de São Paulo, só tem críticas e aleivosias como esta”, afirmou o tucano, durante evento no Palácio dos Bandeirantes.

Questionado sobre o choque entre trens ocorrido na última quarta-feira próximo à estação Carrão, na zona leste da capital paulista, o governador criticou estudo divulgado pela bancada do PT na Assembleia Legislativa mostrando corte de recursos na modernização e na construção de novas linhas. Para ele, os petistas “pinçam” dados na tentativa de prejudicá-lo, em episódio que classificou de “baixeza eleitoral” de “quem não contribui com nada para o sistema metroferroviário”.

Leia mais

A consulta ao Portal da Transparência, porém, desmente a versão do governador paulista. Segundo a Controladoria Geral da União (CGU), apenas com vistas à Copa de 2014 serão repassados pouco mais de R$ 1 bilhão do governo federal. A verba tem como objetivo a construção do monotrilho, que o governo estadual considera como uma extensão dos sistemas de trens e metrô.

O próprio portal de transparência do governo do PSDB desmente a afirmação de Alckmin. O convênio 610977, firmado em 2007 entre o Ministério das Cidades e o Palácio dos Bandeirantes, repassou R$ 271 milhões à Companhia do Metropolitano de São Paulo, o Metrô. O objetivo foi o prolongamento da Linha 2 – Verde, em especial para a construção entre os bairros Ipiranga e Vila Prudente, na zona leste. Este é, aliás, um dos maiores contratos firmados nos últimos 16 anos entre as gestões federal e do estado.

Segundo a bancada do PT na Assembleia, que consolidou e atualizou os repasses feitos de 1995 a 2011, os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, ambos do PT, enviaram ao sistema de trens e metrô R$ 15,2 bilhões nos últimos nove anos. Por outro lado, entre 1995 e 2002 o então presidente Fernando Henrique Cardoso, do PSDB, assinou contratos no valor de R$ 4,6 bilhões.

Acidente

Em conversa com jornalistas após evento no palácio, Alckmin minimizou o acidente, que deixou ao menos 47 feridos, enfatizando que se trata de um módulo de transporte responsável por transportar 5 milhões de passageiros ao dia. “Quero destacar que o metro é um sistema seguro, transportamos 11 bilhões de passageiros nos últimos dez anos”, afirmou. “A investigação está em curso ainda, vamos aguardar, mas provavelmente não foi falha humana, foi uma falha técnica do sistema. Isso está sendo averiguado com enorme responsabilidade.”

Ontem (16), ao visitar o local do acidente, o secretário estadual de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes,atribuiu o número elevado de feridos ao comportamento dos passageiros. “A velocidade era baixa, semelhante à velocidade de quando os trens engatam. Algumas pessoas só se machucaram porque estavam distraídas”, afirmou.

Rede Brasil Atual

Recomendados para você

Comentários

  1. Henrique Postado em 18/May/2012 às 00:03

    Há o candidato Sr Enganador/da Atômica Bolinha de Papel/dos Estados Unidos do Brasil e, há também, o Sr Enganador/Opus Dei/do Pinheirinho. ... Um dia SP acorda!

  2. PAULO CESAR Postado em 19/May/2012 às 11:06

    Sou de São Paulo, Paulista e paulistano de coração, adoro São Paulo, mais não sou natural de lá, com honra e orgulho, mais estou desanimado nestes anos de domínio tucano, vivemos com estradas boas mais privatizadas e com valor altíssimo e estão derrubando o estado hoje não temos mais aquela hegemonia nacional, acho que devemos mudar este pensamento politico nosso.