Redação Pragmatismo
Compartilhar
Corrupção 29/Apr/2012 às 14:00
2
Comentários

Demóstenes, Dadá e revista Veja tentaram destruir Agnelo Queiroz

Novos diálogos do inquérito Monte Carlo revelam ação coordenada do senador Demóstenes Torres para pressionar o governo do Distrito Federal a agir em defesa dos interesses da empreiteira Delta. Caso contrário, haveria mais denúncias na Veja para provocar um impeachment

agnelo demóstenes cachoeira dadá vejaGraças ao trabalho do jornalista Luiz Carlos Azenha, do blog Viomundo, novas peças do quebra-cabeças da Operação Monte Carlo começam a se encaixar.

Azenha garimpou informações relevantes para a compreensão da crise política no Distrito Federal, a partir de diálogos recentemente vazados, com as colaborações de Limpinho&Cheiroso e Brasil 247

Em 28 de janeiro deste ano, Veja publicou uma reportagem chamada “O PT na Caixa de Pandora”, apontando que o governador Agnelo Queiroz teria agido para derrubar o antecessor José Roberto Arruda.

Um dos personagens citados na reportagem era o senador Demóstenes Torres, que aparentemente pautava a sucursal brasiliense da revista Veja. Ouvido pela revista, o parlamentar goiano declarou que Agnelo teria agido de forma criminosa.

Leia mais

Os diálogos da Operação Monte Carlo, no entanto, revelam que Demóstenes não se pautava pela ética, mas sim pelos interesses comerciais da Construtora Delta.

Num dos grampos, de 30 de janeiro deste ano, Dadá comenta com um interlocutor identificado como Andrezinho que Demóstenes só sentaria com Agnelo para poupá-lo de novas denúncias na revista Veja se seus interesses (da Delta) fossem atendidos.

No mesmo dia, Dadá fala também com Carlinhos Cachoeira, que é explícito na pergunta: “Agora ele cai?” Ou seja: fica claro que o contraventor, sócio da Delta, trabalhou, em conluio com a revista Veja, pela queda do governador do Distrito Federal.

Depois disso, no mesmo dia, há um novo diálogo, entre Cachoeira e o diretor da Delta, Claudio Abreu. “Arrebentou, hein, o bicho arrebentou, hein”, diz Abreu. “Foi bom demais”, responde Cachoeira.

Antes de desligar, Abreu revela ter orientado o jornalista Policarpo Júnior, de Veja.

“Mas eu já tinha falado isso pro PJ lá: “PJ, vai nesse caminho”.

PJ é Policarpo Júnior.

Como diz Reinado Azevedo, Policarpo é f… Ele nunca vai ser nosso.

Clique aqui e leia a íntegra dos diálogos garimpados por Azenha.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários

  1. Ariane Futili Postado em 29/Apr/2012 às 14:43

    Não tem santo nesta história! Estão todos devendo para esse senhor Cachoeira! Trechos de gravações são como fotografia, mostram a parte, não o todo! E sabe qdo o todo vai ser divulgado? NUNCA!

  2. Charles Dale Postado em 30/Apr/2012 às 04:33

    mais site na area com outra visão "out grande midia" http://noticias.r7.com/brasil/noticias/serra-deu-r-34-milhoes-a-revista-veja-quando-era-governador-de-sp-20120429.html