Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Juristas 28/Dec/2011 às 20:39
7
Comentários

Geraldo Alckim (PSDB) demite delegado que prendeu juíz. O juíz foi promovido

Apesar da repercussão, o caso não foi investigado pela Corregedoria da Polícia Civil. Dez dias após o incidente, o juiz foi promovido a desembargador pelo TJ.

Geraldo Alckmin

Geraldo Alckmin

O delegado Frederico Costa Miguel, 31, foi exonerado da Polícia Civil de São Paulo. A exoneração, assinada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), foi publicada ontem (27) no “Diário Oficial”.

Há 80 dias, Miguel acusou Francisco Orlando de Souza, magistrado do Tribunal de Justiça, de dirigir sem habilitação, embriaguez ao volante, desacato, desobediência, ameaça, difamação e injúria.

O governo nega qualquer relação entre a exoneração do delegado e o incidente.

Leia também

Souza discutiu no trânsito com um motorista e ambos pararam no 1º DP de São Bernardo do Campo (ABC Paulista) para brigar, mas foram impedidos pelo então delegado.

Apesar da repercussão, o caso não foi investigado pela Corregedoria da Polícia Civil. Dez dias após o incidente, o juiz foi promovido a desembargador pelo TJ.

Por conta do caso, o presidente do TJ paulista, José Roberto Bedran, pediu para a Secretaria da Segurança Pública criar a função de “delegado especial” para cuidar de casos envolvendo juízes. O pedido não foi atendido.

“Estou surpreso com a exoneração. Não sei os motivos da decisão do governador e não tive direito de defesa”, disse o ex-delegado.

Segundo o ato, Miguel foi exonerado por não ser aprovado no estágio probatório de três anos. Ele chegaria ao fim dessa fase em 30 de janeiro.

Desde 2008, quando entrou na polícia, Miguel foi alvo de três apurações na Corregedoria. Em todas, ele obteve pareceres favoráveis.

Miguel era plantonista quando apartou a briga, em outubro. Segundo o delegado, o juiz gritou várias vezes: “Você não grita assim comigo, não! Eu sou um juiz!”.

O desembargador afirmou ontem que não sabia da exoneração e que “tudo não passou de um mal-entendido”.

Leia mais

Souza disse ainda ser alvo de apuração na Corregedoria do TJ. A assessoria do órgão disse não ter acesso aos documentos da investigação “porque ela é sigilosa e por conta do recesso do Judiciário”.

Fonte: Agências

Recomendados para você

Comentários

  1. F.Silva Postado em 28/Dec/2011 às 22:35

    É claro que o governador não tem nenhum interesse em proteger o magistrado e nem o delegado.O Brasil está se tornando um país estranhíssimo!A gente está vendo que vem acontecendo coisas muito esquisitas no ambito da política,do judiciário.

  2. Gabriel Postado em 29/Dec/2011 às 06:53

    Acho que alguém está precisando de uma aula de democracia...

  3. Bento Postado em 29/Dec/2011 às 23:02

    É mais um caso a ser levado para a Corregedora CNJ Dra.Eliana Calmon para verificar se nao houve abuso de poder do judiciario neste caso. Pois o delegado esta coberto de razoes e agiu dentro da legalidade.Se nao tomasse nenhuma atitude com relacao a evidente agressao que o magistrado alcolizado poderia perpetrar contra o motorista, a coisa seria pior .

  4. Cicero C. Souza Postado em 30/Dec/2011 às 12:24

    Complicado, muito complicado. Assim não dá, enquanto os policiais só puderem atuar contra trabalhadores a nação estará ferrada. Oficiais das polícias e hierarcas dos três poderes - além dos costas largas do poder econômico - estão acima da lei: vivem na (prática da in)justiça; estão acima da lei - pior, fazem a lei, são a lei. Um abuso ao cidadão comum que paga impostos e cumpre as normas sociais.

  5. pombobranco13 Postado em 31/Dec/2011 às 09:43

    Mas a que situação chegamos? Estaríamos no Afeganistão? Dra. Eliana Calmon, dê uma espiada nisto!

  6. Janja Postado em 01/Jan/2012 às 17:06

    Imprecionante!

  7. Bonza Léo. Postado em 12/Jan/2012 às 19:59

    MAIS UMA BRAVATA DO PODER JUDICIÁRIO. "VOCÊ SABE COM QUEM ESTÁ FALANDO?" ISTO SÃO COISAS DE PAÍSES DE 5° MUNDO. O QUE ME IMPRESSIONA, É QUE SÃO OS JUÍZES QUE DEVERIAM DAR O EXEMPLO. E AQUI NO PAÍS DAS BANANAS É O CONTRÁRIO. E O PIOR, FOI PROMOVIDO PARA DESEMBARGADOR. AGORA, O FIM DO MUNDO, FOI QUE O JOSÉ ROBERTO BEDRAN, PRESIDENTE DO TJ PAULISTA, PEDINDO PARA QUE O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA, INSTITUICE "UM DELEGADO ESPECIAL", PARA PODER PRENDER JUÍZES. ISTO É O FIM DA PICADA. S E VIVA A REPUBLICA DAS BANANAS.