Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 04/Nov/2011 às 15:00
0
Comentários

Mais um cidadão de bem? Juiz covarde 'educa' a filha com sadismo

Nas imagens (vídeo abaixo), o homem aparece gritando: ‘Deita ou eu vou bater na sua cara’, enquanto a menina, em vão, chora e implora que ele pare de espancá-la

Juiz William Adams, o covarde
A polícia nos Estados Unidos está investigando um vídeo publicado no YouTube que mostra um juiz americano da vara de família espancando sua filha adolescente com um cinto mais de trinta vezes.
Em entrevista à TV local Kris-TV, Hillary Adams disse que as imagens foram feitas secretamente em 2004, quando seu pai, o juiz William Adams, decidiu puni-la por ter acessado sites na internet que ele não aprovava.
Agora, quase sete anos depois, ela disse à mídia que resolveu expor os abusos do pai colocando o vídeo de oito minutos na rede.

‘Eu disse a ele que tinha o vídeo e ele agiu como se não tivesse nada com que se preocupar. Eu falei: ‘Eu posso colocar o vídeo de você me batendo na internet’ e ele disse: ‘Você pode fazer isso se fizer você se sentir melhor’. Então, eu coloquei’, disse Hillary ao canal de TV.

O juiz do condado de Aransas, no Texas, teria admitido que era ele no vídeo, mas alegou que o incidente ‘não era tão grave como parecia’.

Assista abaixo as imagens perturbadoras:

Em entrevista ao jornal San Antonio Express, o promotor público Richard Bianchi, que estaria participando das investigações, disse que Adams vai continuar trabalhando, mas concordou em deixar outro juiz cuidar de casos que envolvam crianças ‘pelo menos pela próxima semana’.

‘Obviamente, é um vídeo muito perturbador. Nós, no meu escritório, assim como todos no planeta, estamos assistindo ao vídeo neste momento’, disse Bianchi, confirmando que o homem no vídeo é Adams.

Organizações de defesa dos direitos das crianças condenaram as cenas mostradas no vídeo, dizendo que se trata de crime, mas outros defendem o direito de os pais disciplinarem os filhos.

O especialista em família e punição corporal da Universidade de New Hampshire Murray Strauss diz que muitos casos de violência física começam como simples punições.

‘Isso é um caso de abuso físico, não de punição socialmente aceitável, mas ele ilustra uma das muitas razões pelas quais o pais nunca devem bater nos filhos, bater abre possibilidades de o incidente se intensificar e se tornar violência física’, disse Strauss.

Leia também:

BBC

Comentários