Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 20/Oct/2011 às 21:13
4
Comentários

'Higienizados' esperam ajuda da Veja para impedir instalação de abrigo popular

Morador de Pinheiros, esperançoso com a reportagem da revista da editora abril, lança a seguinte pérola: “A imprensa é fascista, menos a Veja, ela vai ficar do nosso lado.”
Maquete de Prédio que será construído na rua
Cardeal Arcoverde, em Pinheiros
Alguns representantes dos moradores e comerciantes de Pinheiros, zona oeste de São Paulo, que protocolaram uma representação ao Ministério Público para evitar que um albergue fosse transferido para a sua região, se reuniram ontem (19) com o advogado Luiz Carlos Tucho, que os representa.

Após o encontro, a comissão decidiu aguardar o posicionamento da reportagem da revista Veja, que deve ser publicada no próximo fim de semana, para então decidir sobre a continuidade ou não da demanda diante do Ministério Público Estadual (MPE).

Leia mais:
Para a comerciante Joacy, uma das pessoas que encabeça o movimento, “o mais correto neste momento é aguardar a repercussão da matéria da Veja, que, acreditamos, será favorável a nós”. A preocupação com a rejeição da opinião pública preocupa os signatários do documento que, segundo o promotor Mauricio Antonio Ribeiro Lopes, “é de provocar inveja a qualquer higienista social do Terceiro Reich”.  Um dos comerciantes da região, que não quis se identificar, criticou a cobertura da mídia e também se mostrou esperançoso com a possível reportagem favorável da semanal da Abril. “A imprensa é fascista, menos a Veja, ela vai ficar do nosso lado.”
Mesmo antes da matéria da edição impressa, o colunista da revista, Reinaldo Azevedo, saiu em defesa dos moradores em seu blogue, adiantando o que pode ser um posicionamento da revista. Em um trecho de seu texto, o colunista compara os albergues a instituições prisionais, que abrigam criminosos. “Bairros costumam rejeitar albergues; cidades costumam reagir mal a presídios ou a casas que abrigam menores infratores. Será que isso tudo é só preconceito? Não haveria aí a expressão de um problema real, que afeta mesmo a vida das pessoas?”.
Azevedo segue em sua argumentação com estereótipos de usuários de albergues, o que justificaria a preocupação com violência, explicitada na representação. “O promotor pode pesquisar um pouco e vai constatar que muitos, talvez a maioria, têm problemas psíquicos graves — é a comunidade mais atingida pelo crack. Isso tudo implica, obviamente, distúrbios e ameaça à segurança”.

Carta gera incômodo entre signatários


“Quando passaram o documento pedindo assinatura, não tinha aquela carta, era outra coisa, depois que eu vi o conteúdo na internet”. A alegação é de Roseli Bauduíno, comerciante da região próxima ao local para onde o albergue pode ser transferido. A proprietária da loja concorda com a causa, de que o abrigo não deve ir para perto de seu estabelecimento, porém discorda do teor da carta. “Ninguém é idiota de achar que isso é uma coisa boa para a região, mas a carta ficou muito forte, agora estão todos contra nós por causa do documento”.

Ainda na rua Cardeal Arcoverde, outro comerciante, Jason Franco, teve o mesmo problema. “Quando recebi o documento não tinha a carta, aliás, ainda não vi, trabalho muito aqui, não tive nem tempo de entrar na internet para ver”. 

Leia também:
Somente na segunda (24), o advogado Luiz Carlos Tucho ou algum representante da comissão que encaminhou a petição deve se pronunciar. A reportagem de Fórum encaminhou no último dia 19 um e-mail com cinco perguntas para a comerciante Joacy, porém, até o fechamento da matéria não obteve retorno.

_

Igor Carvalho, Revista Fórum

Comentários

  1. Jean Sena Postado em 21/Oct/2011 às 00:34

    "Após o encontro, a comissão decidiu aguardar o posicionamento da reportagem da revista Veja"

    O que eles pensam que a veja é?

  2. RLocatelli Digital Postado em 21/Oct/2011 às 11:20

    Essa Veja não passa de um panfleto petista. Por isso não leio. Não vou pagar para ver propaganda política.

  3. Luis Soares Postado em 21/Oct/2011 às 16:35

    Reinaldo Azevedo que o diga. Um petista de marca maior.

  4. DanielRibeiro Postado em 24/Oct/2011 às 16:17

    Esse Reinaldo Azevedo tem uma argumentação curiosa. Pois se vício em crack e problemas psíquicos são determinantes para afastar moradores de rua das "pessoas limpas", então devemos pedir exames de sangue e psicológico de cada morador dos condomínios litigantes. Afinal, havendo viciados ou transtornados entre os moradores, devemos removê-los de suas casas e do convívio com os demais.
    Ademais, se há albergues, há demanda no próprio bairro. Os moradores não sentem qualquer responsabilidade com relação a isso?

O e-mail não será publicado.