Luis Soares
Colunista
Compartilhar
Política 01/Oct/2010 às 15:47
0
Comentários

Roberto Jefferson retira apoio do PTB a Serra

O presidente nacional do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), anunciou hoje (1º) que seu partido está desembarcando da campanha do candidato do PSDB à Presidência, José Serra. Em mensagens publicadas em seu microblog, Jefferson liberou os petebistas a votarem como quiserem para presidente no próximo domingo (3) e surpreendeu ao declarar a mudança de voto.
Roberto Jefferson disse que decidiu votar em Plínio de Arruda Sampaio (Psol). “Como presidente do PTB, libero meus companheiros a escolherem seu candidato a presidente do Brasil”, escreveu.

Em junho, o partido havia oficializado apoio à campanha do tucano. Apesar disso, parte da bancada do PTB no Congresso pede votos para Dilma. O ex-deputado criticou a postura do tucano no debate promovido ontem à noite pela TV Globo, o último antes da votação do próximo domingo. “Serra o mesmo de sempre. Sem graça, sem emoção, sem colorido. Sem compromisso com o coletivo de partidos a seu lado. Eu, eu, eu…”, atacou.

Para ele, Marina Silva começou bem o debate, mas perdeu energia. Dilma, na avaliação do presidente do PTB, se saiu bem. “Dilma começou de nariz pra cima, depois se afirmou. Acertou a maquiagem e o casaco rosa. Soube repelir o deboche da platéia”, afirmou, em referência ao momento em que a candidata repudiou os risos do público quando disse que todas as doações de sua campanha são oficiais.

Mas, segundo Roberto Jefferson, o grande vencedor do debate foi o candidato do Psol, de 80 anos. “Plínio terá meu voto pessoal para presidente do Brasil”, escreveu. “Plínio mostrou a forca de terceira idade. Idealista, corajoso, fina ironia, coletivo, partidário. Me tocou seu brado pelo Brasil”, acrescentou.

Durante a campanha, Jefferson causou polêmica entre aliados por meio de seu twitter. A primeira confusão ocorreu em 25 de junho, quando publicou pelo microblog, em primeira mão, que o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) seria o vice de Serra. O anúncio causou reação principalmente no DEM, que reivindicava a indicação do posto. Lideranças do Democratas criticaram, ainda, o vazamento da informação pelo petebista. Com a ameaça de implosão na aliança, Alvaro Dias acabou cedendo a vaga para o deputado Índio da Costa (DEM-RJ).

O petebista voltou a causar barulho em 19 de agosto, quando ele acusou José Serra de provocar “dispersão” entre os partidos aliados. “Ele nunca nos reuniu”, criticou. O ex-deputado afirmou, na ocasião, que só havia conversado com Serra duas vezes, uma na convenção do PTB, e outra na casa do candidato a governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB).

“Eu apoio Serra a pedido do Geraldo Alckmin. Sou Geraldo, não conheço o Serra. Só de ouvir falar”, escreveu o petebista no microblog. “Sem unidade das oposições ninguém, nem Cristo, venceria”, emendou.

Em 2005, o ex-líder da tropa de choque do ex-presidente Fernando Collor deflagrou a maior crise do governo Lula ao denunciar que parlamentares e partidos da base aliada, inclusive o PTB, recebiam dinheiro em troca de apoio ao Planalto. Por causa do escândalo do mensalão, Roberto Jefferson acabou tendo o mandato cassado, juntamente com os deputados José Dirceu (PT-SP) e Pedro Corrêa (PP-PE).
 

Congresso em Foco

Comentários

O e-mail não será publicado.