Redação Pragmatismo
Direita 18/Nov/2019 às 19:21 COMENTÁRIOS
Direita

Extrema-direita surfa na popularidade do Flamengo com o aval da diretoria

Publicado em 18 Nov, 2019 às 19h21

Afagados por dirigentes, Bolsonaro, Witzel e correligionários surfam na euforia em torno da boa fase do clube mais popular do Brasil. Diretoria do Flamengo se diz apolítica, mas negou homenagem a vítima da ditadura

flamengo bolsonaro extrema-direita
Flamengo se tornou instrumento da extrema-direita no Brasil (Imagem: Alex Farias/Photopress/Estadão/Agência Brasil)

Breiller Pires, El País

Embora seja comum chefes de Estado trocarem gentilezas em eventos diplomáticos, a cena chamou atenção de quem acompanhava, no fim de outubro, o encontro entre os presidentes de Brasil e China. No Grande Palácio do Povo, em Pequim, Jair Bolsonaro entregou um agasalho do Flamengo a Xi Jinping, explicando se tratar do “melhor time do Brasil no momento”. Torcedor do Palmeiras, principal oponente do rubro-negro carioca pelo título do Campeonato Brasileiro, Bolsonaro ainda disse ao anfitrião que “1,3 bilhão de chineses também serão Flamengo” na final da Copa Libertadores, contra o River Plate. Do outro lado do planeta, a breve cerimônia resumiu como o clube de maior torcida do país se tornou um instrumento político para a diplomacia do presidente.

Figura cativa em estádios, Bolsonaro tem utilizado o futebol como trampolim de popularidade desde que se elegeu – uma carta já empregada por muitos que o antecederam no cargo, do clássico ufanismo insuflado pela ditadura militar na campanha da Copa de 1970 ao lobby presidencial em prol da construção da Arena Corinthians durante o Governo Lula, às vésperas do último Mundial sediado pelo Brasil. Elevando a instrumentalização à máxima potência, incluindo o expediente de se convidar para grandes jogos como o clássico entre Santos e São Paulo, na Vila Belmiro, o presidente ultradireitista enxergou no Flamengo, que não vivia uma fase tão empolgante desde os tempos de Zico, nos anos 80, a plataforma de maior alcance para conquistar torcedores.

Em abril, na mesma semana em que o time sagrou-se campeão carioca, o mandatário recepcionou no Planalto a menina Yasmin Alves, que, supostamente, teria se recusado a cumprimentá-lo em visita a sua escola, e a presenteou com uma camisa do Flamengo. Em junho, Bolsonaro apareceu nas tribunas do Mané Garrincha ao lado do ministro da Justiça, Sergio Moro, para acompanhar o jogo dos rubro-negros contra o CSA. Ambos posaram para fotos vestindo camisas do time. A exibição no estádio aconteceu três dias depois do The Intercept revelar mensagens vazadas de Moro, que colocaram em xeque a imparcialidade do ex-juiz da Lava Jato. Na semana passada, o presidente voltou a agradar flamenguistas durante uma solenidade em Campina Grande, na Paraíba, ao cravar que Gabigol marcará o gol do título da Libertadores.

Concorrentes pelo protagonismo na direita recorrem a estratégia similar. No Rio de Janeiro, o governador Wilson Witzel (PSC), que venceu a eleição colado na imagem de Bolsonaro, mas agora se apresenta como desafeto do presidente, é outro chefe de governo a surfar na onda do Flamengo. Um dos primeiros compromissos oficiais como governador eleito foi receber o então candidato a presidente rubro-negro, Rodolfo Landim, para discutir a concessão do Maracanã. Em janeiro, Witzel esteve no estádio para assistir a um jogo do time pelo Campeonato Carioca. Apesar de torcer para o Corinthians, ele entrou no gramado com uma camisa do Flamengo, pediu autógrafos aos atletas e tirou selfies com torcedores. A partir dali, se dedicou a estreitar laços com o clube.

No início de abril, o governo estadual concedeu a Flamengo e Fluminense a gestão provisória do Maracanã, sob protestos do Vasco, que alegou falta de transparência no processo de escolha. Witzel tem comparecido ocasionalmente aos camarotes do estádio em partidas do time rubro-negro, já se reuniu com integrantes de torcidas organizadas do clube e chegou até a se dispor a convencer o português Jorge Jesus a permanecer no Brasil após rumores de que o treinador estaria preocupado com a violência no Rio. “Ele terá paz para fazer o melhor pelo Flamengo”, garantiu o governador. O elo entre Witzel e o presidente Landim reside dentro do clube, chancelado por um cargo oficial.

Aleksander Santos exerce o papel de relações públicas do Flamengo na política. Membro da executiva estadual do Solidariedade, ele já foi filiado ao MDB e PSC e chefiou secretarias em cidades como Itaboraí e Maricá. Inicialmente como colaborador informal, cuidou da intermediação de contatos de Landim com autoridades antes mesmo de ele assumir a presidência do clube. Amigo do vice-governador Cláudio Castro, a quem conheceu ao longo de sua militância no PSC, Santos estabeleceu ligação direta com o Palácio Guanabara. Castro esteve na posse de Landim, na Gávea, onde recebeu uma camisa personalizada e, assim como em outras duas solenidades, representou o governador.

Mas foi o empenho do conselheiro em obter as licenças com órgãos municipais e estaduais para desinterditar o Ninho do Urubu, após o incêndio que matou 10 garotos da base no centro de treinamento em fevereiro, que convenceu a diretoria a nomeá-lo, em maio, à função de diretor de relações governamentais. Antes da oficialização no cargo, Santos já havia atrelado a imagem do clube a outras referências da direita aliada ao bolsonarismo, como o ex-senador Magno Malta (PL-ES) e o deputado estadual Rodrigo Amorim (PSL-RJ), que receberam uniformes do time. O agrado a Amorim, entretanto, provocou divergências internas no clube.

Em seu gabinete na Alerj, ele ostenta uma camisa do Flamengo emoldurada entre a foto de Jair Bolsonaro com a faixa presidencial e um pedaço da placa com o nome de Marielle Franco quebrada pelo então candidato em um comício ao lado de Witzel. No início do ano, o deputado desfilou no gramado do Maracanã comemorando a conquista da Taça Rio entre jogadores rubro-negros. Em abril, agradeceu ao clube que o presenteou com uma camisa 17, número de seu partido. Porém, na mesma semana, a diretoria do Flamengo havia emitido uma nota ressaltando que a instituição “não se posiciona sobre assuntos políticos”. O comunicado rechaçava envolvimento do clube em uma homenagem de torcedores ao ex-remador rubro-negro Stuart Angel, torturado e morto em 1971 pela ditadura militar, regime exaltado por adeptos da corrente bolsonarista.

Diante do mimo entregue a Rodrigo Amorim, conselheiros e sócios questionaram a cúpula sobre a conotação política do ato, que dirigentes qualificaram como “uma gentileza”, de caráter extraoficial. O deputado segue pegando carona na boa fase do time. Em outubro, por exemplo, publicou duas fotos com trajes rubro-negros nas redes sociais. Uma delas por ocasião do Dia de Valorização da Família e a outra, em que posa com o vice-governador Cláudio Castro, no Dia do Flamenguista, celebrado em 28 de outubro. Apesar da polêmica, Alexsander Santos ganhou ainda mais prestígio com os cartolas. Desde que foi promovido ao cargo remunerado, passou a direcionar o foco à aproximação entre clube e Governo federal. O dirigente afirma que seu trabalho é “apartidário”, voltado somente ao “relacionamento institucional com os poderes públicos”.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Santos agilizou a ponte com o gabinete de Bolsonaro para a entrega de camisas autografadas a membros do Governo no jogo contra o CSA, em Brasília. Ele aparece, inclusive, em uma foto replicada pelos perfis oficiais do clube nas redes sociais ao lado do presidente, o ministro Sergio Moro, o deputado federal Helio Lopes (PSL-RJ) e o vice de futebol Marcos Braz. Em sua segunda passagem pelo alto comando do clube, Braz foi secretário de Esporte e Lazer na gestão de Eduardo Paes e se candidatou a vereador pelo PSB, em 2012 – não foi eleito. Próximo do senador Romário (Podemos-RJ), ele fez questão de registrar no início do ano, em sua conta no Instagram, um encontro com o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB-RJ), que é torcedor do Flamengo.

Já Helio Lopes, um dos parlamentares mais íntimos da família Bolsonaro, também se declara flamenguista. Ele é um dos oito deputados – cinco deles eleitos pelo PSL – que protocolaram requerimento para celebrar os 124 anos do clube em uma sessão solene na Câmara dos Deputados, marcada para este 19 de novembro, com presença confirmada do presidente Rodolfo Landim. O requerimento ainda é assinado por Dr. Luizinho (Progressistas-RJ), conselheiro do Flamengo e apoiador de Witzel, que, após um pênalti não marcado a favor do clube contra o Athletico, convocou, em conjunto com Lopes, uma audiência pública para questionar a CBF sobre o uso do árbitro de vídeo (VAR). “Não conseguem parar o Flamengo no campo e, agora, querem parar com o VAR”, diz o deputado. O debate será realizado logo depois do evento em comemoração ao aniversário rubro-negro.

Entre o jogo político e o alinhamento ideológico

Formado por torcedores e associados, o movimento Flamengo da Gente tem indagado publicamente a diretoria sobre o relacionamento do clube com autoridades. Quando perfis oficiais postaram a foto de Moro e Bolsonaro no estádio, em meio à repercussão da Vaza Jato, o grupo criticou um suposto proselitismo por parte de dirigentes, reconhecendo a “importância de manter relações institucionais com políticos e tomadores de decisão. Mas acreditamos que há uma diferença entre se relacionar e promover a agenda alheia, ainda mais em tempos de crise”. Na época, o comando rubro-negro reiterou sua orientação “apolítica”, por entender como natural a proximidade com um ministro e o presidente da República.

Para continuar lendo o texto, CLIQUE AQUI.

Recomendações

Comentários