Redação Pragmatismo
Política Externa 07/Nov/2019 às 18:17 COMENTÁRIOS
Política Externa

Na ONU, apenas 3 países votam a favor do embargo a Cuba

Publicado em 07 Nov, 2019 às 18h17

Pela primeira vez na história, Brasil vota na ONU a favor do embargo a Cuba. 187 países votaram contra o embargo e apenas três a favor

brasil embargo a cuba
Painel de votação do embargo a Cuba (reprodução)

Pela primeira vez na história, o Brasil votou contra uma resolução da Organização das Nações Unidas que condena e pede o fim do embargo dos Estados Unidos a Cuba.

A resolução foi votada nesta quinta-feira (7) na plenária da Assembleia-Geral da ONU e foi aprovada por 187 votos a favor, 3 contra, e 2 abstenções. Além do Brasil, os únicos países que votaram contra a resolução foram Israel e os próprios Estados Unidos. Colômbia e Ucrânia se abstiveram.

A mudança da posição brasileira segue o princípio da subserviência do governo de Jair Bolsonaro ao presidente dos EUA, Donald Trump. “O regime cubano, desde sua famigerada revolução 60 anos atrás, destruiu a liberdade de seu próprio povo, executou milhares de pessoas e criou um sistema econômico de miséria”, escreveu nas redes sociais o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

Araújo também afirmou que Cuba “é hoje o principal esteio do regime Maduro na Venezuela, o pior sistema ditatorial da história do continente”. O ministro disse ainda que “o Brasil votou a favor da verdade” e que “nada nos solidariza com Cuba”.

A resolução condenando o embargo é apresenta pela Assembleia-Geral desde 1992. No ano passado, foi aprovada por 189 países, com votos contrários apenas dos Estados Unidos e de Israel, e sem os votos de Moldávia e Ucrânia.

Em discurso na Assembleia-Geral da ONU, em setembro, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que um plano de Castro, Hugo Chávez e Lula para estabelecer o socialismo na América Latina ainda está vivo e precisa ser combatido.

Embargo a Cuba

O embargo que os EUA mantêm contra Cuba impede a maioria das trocas comerciais. Por meio de duas leis, uma de 1992 e outra de 1996, Washington proíbe envio de alimentos ao país caribenho e torna passível de punição judicial empresas nacionais e estrangeiras que tenham relações financeiras com a ilha.

De forma mais ampla, o embargo econômico norte-americano a Cuba existe desde 1962. As primeiras medidas começaram antes mesmo, em 1960 – um ano após Fidel Castro tomar o poder.

O governo de Barack Obama (2009-2017) chegou a reatar relações com Cuba e, em votação histórica em 2016, os EUA se abstiveram na sessão na ONU sobre a condenação ao embargo. No mandato de Trump as sanções contra Cuba foram ampliadas.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários