Redação Pragmatismo
Saúde 13/Set/2019 às 13:30 COMENTÁRIOS
Saúde

Uma menina, seu irmão caçula e a história por trás da foto que comoveu o mundo

Publicado em 13 Set, 2019 às 13h30

"Eles deixaram de brincar juntos na escola e em casa para ficar sentados em um quarto frio do hospital". A imagem que retrata o consolo de uma menina ao irmão caçula viralizou e provocou reações em todo o mundo

menina irmão câncer
Aubrey consola o irmão Beckett

Publicada no dia 3 de setembro, a imagem de uma menina de 5 anos consolando o seu irmão de 4 anos com câncer viralizou no Facebook nesta semana e alcançou diversos países do mundo.

Aubrey Burge, como qualquer menina da sua idade, poderia estar brincando, correndo, pulando ou nadando. Mas ela optou por ficar ao lado do pequeno Beckett enquanto ele vomitava após uma sessão de quimioterapia.

A foto foi compartilhada pela mãe das crianças, Kaitlin Burge, 28, moradora de Princeton (Texas). Ela queria transmitir sobre como sua filha está vivendo desde que o irmão foi diagnosticado com leucemia linfoblástica aguda –um tipo de câncer que começa na medula óssea –, em abril de 2018.

Kaitlin escreveu que decidiu postar a foto para lembrar da importância da família em momentos difíceis. A jovem conta que a filha ficou o tempo todo ao lado do irmão, enquanto ele passava mal no banheiro, massageando suas costas. A menina ainda o ajudou a lavar o rosto e as mãos, o levou de volta para o sofá na sala, e se ofereceu para limpar o banheiro.

“Uma coisa que ninguém te conta sobre câncer infantil é que ele afeta a família inteira. Você sempre escuta sobre as dificuldades médicas e financeiras, mas com que frequência você ouve sobre os apertos que as famílias que têm outras crianças vivem? ”, questiona Kaitlin.

A mãe diz que a diferença entre os seus dois filhos é de apenas 15 meses e conta como eles deixaram de brincar juntos na escola e em casa para ficar sentados em um quarto frio do hospital.

“Para alguns, isso pode ser difícil de ler e ver. Meus dois filhos, com 15 meses de diferença de idade, foram de brincar juntos na escola e em casa para se sentar juntos em um quarto frio de hospital. Minha menina, então com 4 anos, viu seu irmão ir de uma ambulância para a UTI. Ela viu uma dúzia de médicos colocarem uma máscara no rosto dele, colocar várias agulhas, colocar uma dúzia de medicamentos no corpo dele, tudo enquanto ele estava ali, deitado, sem poder fazer nada. Ela não tinha certeza do que estava acontecendo. Tudo o que ela sabia era que algo estava errado com o irmão dela, com seu melhor amigo”, disse.

“As crianças precisam de apoio e de companheirismo e não devem ser mantidas à distância de quem está doente. O mais importante é mostrar que eles estão sendo cuidados, independentemente da situação”, continuou Kaitlin.

Segundo a mãe, o menino já apresentou melhoras, mas deve continuar em tratamento por mais dois anos. Aubrey e Beckett têm ainda uma irmã mais nova, Chandler, de 2 anos.

“Vomitar entre as sessões de brincadeira. Ficar e apoiar seu irmão e acariciar suas costas quando ele se sente mal. Passar de 13 quilos para nove. Isso é o câncer infantil. Ou você lida com isso. Ou o abandona”, finaliza a mãe.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários