Redação Pragmatismo
Justiça 02/Jul/2019 às 12:22 COMENTÁRIOS

Ex-assessora de Sergio Moro: “Não foi hacker, foi fogo amigo”

Apontada como a possível fonte dos vazamentos da Lava Jato, ex-assessora de Sergio Moro garante não ter nada a ver com o caso, mas dispara: “Não foi hacker, foi fogo amigo”

Sergio Moro hacker x9 vazamentos
Sergio Moro (Imagem: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Joaquim de Carvalho, DCM

Com o escândalo da VazaJato, a pergunta que não que calar é: quem é a fonte do vazamento divulgado pelo Intercept?

Esta é uma pergunta que ficará sem resposta até que os profissionais do site fundado e dirigido por Glenn Greenwald decidam quebrar o silêncio.

Ressalvadas as proporções, é como a pergunta que, durante anos, ficou sem resposta em outro caso célebre do jornalismo: quem era o Garganta Profunda da série de reportagens produzidas por Bob Woodward e Carl Bernstein que receberam o nome de Watergate?

Os autores das reportagens tinham se comprometido com a fonte a só revelar sua identidade depois que ela morresse.

Mais eis que, em 2005, 33 anos depois da publicação do primeiro texto, a fonte conta a um advogado que ela era a fonte das reportagens que levaram à renúncia do então presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon.

“Eu sou o cara a quem chamavam de Garganta Profunda”, declarou o ex-vice-presidente do FBI, Mark Felt.

O que o levou a dar informações para o repórter sobre a espionagem e corrupção praticadas com o conhecimento de Nixon para bisbilhotar os adversários políticos do Partido Democrata foi o corporativismo.

Felt era o segundo no FBI e, com a morte de Edgar Hoove, ele esperava sucedê-lo ou, pelo menos, que alguém dos quadros do próprio escritório de Bureau de Investigação fosse o escolhido.

Mas Nixon acabou chamando para chefiar o escritório um advogado que nada tinha a ver com a ver com os quadros do FBI.

No caso do Intercept, assim como nos Estados Unidos durante décadas, a imprensa especula sobre quem seria a fonte do vazamento.

Em um especial do SBT, o repórter Roberto Cabrini entrevistou um suposto hacker que falou sobre como as mensagens secretas de Deltan Dallagnol, Moro e outros procuradores foram acessadas.

O suposto hacker, Daniel Lofrano Nascimento, teoriza sobre como teria sido o acesso.

“Como as mensagens de Sergio Moro foram invadidas?”, pergunta o repórter.

O suposto hacker fecha o olho e diz:

“Olha, é uma pergunta muito pesada, mas eu vou tentar explicar”, diz. Então, ele fala sobre a invasão de celular e a clonagem do chip.

No mundo das coisas mais simples, aplicativos de mensagens, como o Telegram, são muito mais facilmente acessados.

Basta deixar a tela de computador com o aplicativo na versão web aberta para que qualquer pessoa possa fazer o espelhamento da página.

E os procuradores da Lava Jato usavam o aplicativo na versão web, como mostra o diálogo em que Deltan Dallagnol transmite ao procurador Carlos Fernando dos Santos Lima a sugestão de Moro de tirar Laura Tessler das audiência do caso Lula.

Deltan Dallagnol: Recebeu a mensagem do Moro sobre a audiência também?

Carlos Fernando: Não, o que ele disse?

Deltan Dallagnol: Não comenta com ninguém e me assegura que teu telegrama não está aberto aí no computador, e que outras pessoas não estão vendo por aí que falo. Você vai entender porque estou pedindo isso

Carlos Fernando: Ele está só pra mim, depois apagamos o conteúdo 

“Para mim, não é ação de hacker, é fogo amigo”, disse ao DCM a jornalista Christianne Machiavelli, que foi assessora de imprensa de Sergio Moro durante seis anos, na Justiça Federal de Curitiba.

Christiane deu entrevista ao Intercept em outubro do ano passado, em que falou que a imprensa comprava tudo da Lava Jato, sem um filtro crítico.

A autora da entrevista é Amanda Audi, uma das jornalistas do Intercept que assinam as reportagens sobre as conversas secretas.

Por conta da entrevista que concedeu a Amanda em outubro, especula-se que Christianne Machiavelli seria a fonte dos vazamentos.

“Meu Deus do Céu, eu não tenho nada com isso”, disse Christianne, acrescentando, em seguida, que não acredita na versão do hacker.

“É fogo amigo”, disse ela mais de uma vez.

Como é fogo amigo, também se comenta que o vazador poderia ser o procurador Diogo Castor de Mattos, insatisfeito por ter sido afastado da Lava Jato — oficialmente, é ele quem teria pedido o afastamento por razões médicas, uma vez que estaria com estafa física e mental.

Christianne hoje tem uma empresa de assessoria de imprensa e se afastou da Justiça Federal antes de Moro aceitar o convite para ser ministro de Jair Bolsonaro

Ela não responde se ficou frustrada por não ter sido convidada para ser assessora de Moro no Ministério da Justiça.

Disse apenas que o lugar está sendo ocupado por Giselly Siqueira, esposa do jornalista Vladimir Netto, da Globo, autor da biografia do ex-juiz.

Por conta da nomeação de Giselly, Vladimir Netto foi afastado da cobertura do seu biografado.

Filha de juiz, Christiane conta que, nos seis anos em que trabalhou com Moro, ela acumulou experiência e histórias que estarão em um livro que começou a escrever.

Pode ser ela a fonte? “Não”, refuta.

Mas este será um mistério que permanecerá, até que a própria fonte um dia diga: “Fui eu”.

Enquanto isso, aparecerão na imprensa hackers ou supostos hackers para contar histórias mirabolantes.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários