Redação Pragmatismo
EUA 01/Jul/2019 às 08:00 COMENTÁRIOS

Bilionários dos EUA querem pagar mais impostos

“Cobrem mais impostos de nós!”, pedem bilionários americanos. Clube de ricos dos Estados Unidos apoia ideia de um tributo sobre grandes fortunas em contrapartida a cobranças menores dos mais pobres

Bilionários dos EUA querem pagar mais impostos
Wall Street, distrito financeiro de Nova York (Imagem: PPAMPicture)

Sandro Pozzi, ElPaís

São donos de algumas das maiores fortunas dos Estados Unidos e têm uma mensagem para o vencedor das eleições de 2020: crie um imposto federal específico às famílias mais abastadas. George Soros, Abigail Disney, Chris Hughes e os Pritzker assinam uma carta aberta em que defendem que os novos dólares gerados em rendas tributárias não venham da classe média e das rendas mais baixas e sim dos que são financeiramente mais afortunados.

A mensagem é assinada por 19 ricos norte-americanos. Afirmam que é um passo “justo”, “patriota” e que “reforçará a liberdade e a democracia”. E ainda que a apresentem como um pedido bipartidário, respalda as propostas dos candidatos que defendem que os ricos sejam mais taxados. Os concorrentes democratas que colocaram a questão dos impostos entre suas prioridades são Elizabeth Warren, Bernie Sanders, Pete Buttigieg e Beto O’Rourke, entre os que estão mais acima nas pesquisas.

A senadora Warren, concretamente, propõe uma taxa de 2% aos indivíduos com mais de 50 milhões de dólares (190 milhões de reais) de patrimônio e de 3% se superarem 1 bilhão de dólares (3,8 bilhões de reais). Dessa forma, diz, poderiam ser gerados aproximadamente três trilhões de dólares (11 trilhões de reais) em renda adicional durante a próxima década. Esse dinheiro poderia ser utilizado para financiar os investimentos necessários na luta contra a mudança climática, infraestrutura e saúde.

Os bilionários que assinam a carta vão na mesma direção, ainda que peçam um imposto menos agressivo, de 1% para os 1% mais ricos. Esse dinheiro, que aumentará conforme a economia cresça, permitirá cobrir o custo de “investimentos inteligentes em nosso futuro”, como a inovação para o desenvolvimento de energias limpas que mitiguem a mudança climática, perdoar a crescente dívida estudantil, garantir o acesso universal da infância à saúde e “outras necessidades vitais”.

Leia também: Por que o governo Bolsonaro ignora o combate à sonegação?

Seria uma fórmula parecida à utilizada na Espanha e na Bélgica. O problema colocado pelos democratas mais reticentes a seguir esse caminho é que é muito difícil avaliar objetivamente ativos como as obras de arte e joias. Mas há dúvidas especialmente de que esse tipo de imposto seja constitucional, porque o Governo federal só tem autoridade para taxar a renda e não as propriedades. A França e a Alemanha, por exemplo, a abandonaram porque era difícil de se aplicar.

Respaldo crescente

Uma pesquisa recente realizada pela financeira CNBC reflete, entretanto, que a maioria dos milionários (60%) apoia a aplicação de um imposto como o pedido por Warren para que a abismo econômico pare de crescer. Hughes, cofundador do Facebook, tem um livro dedicado à desigualdade e Abigail Disney causou barulho recentemente ao criticar a remuneração do executivo responsável pelo conglomerado criado por Walt Disney.

Os EUA têm uma responsabilidade moral, ética e econômica de taxar mais nossa riqueza”, concluem: “deveríamos nos sentir orgulhosos de pagar um pouco mais”. Atualmente, existem 24 candidatos que disputam a indicação pelo Partido Democrata. Donald Trump se apresenta à reeleição com a reforma fiscal como um de seus grandes feitos no primeiro mandato. Antes de ser adotada, 400 milionários pediram ao Congresso para que não se diminuísse os impostos.

A congressista Alexandria Ocasio-Cortez apoia como alternativa um imposto sobre a renda de 70% para os que ganham mais de 10 milhões de dólares (38 milhões de reais), outra ideia que tem amplo respaldo. Os milionários, entretanto, procuram ao mesmo tempo que sejam preservadas as deduções que lhes permitem economizar impostos como as aplicadas às hipotecas e às doações. 72% dos pesquisados não querem sua total eliminação.

Os apoiadores

Estes são milionários que assinaram a carta aberta por mais impostos:

Louise J. Bowditch, Robert Séc. Bowditch, Abigail Disney, Sejam Eldridge, Stephen R. English, Agnes Gund, Catherine Gund, Nick Hanauer, Arnold Hiatt, Chris Hughes, Molly Munger, Regam Pritzker, Justin Rosenstein, Stephen M. Silberstein, Ian T. Simmons, Liesel Pritzker Simmons, Alexander Soros e George Soros.

Saiba mais:
Guru de Bolsonaro pretende aumentar imposto para os mais pobres
Bancos, spreads e impostos
Brasil ainda tem uma das maiores taxas de juros do mundo
Medidas macroprudenciais: bipolaridade ou hegemonia do financeiro?

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. ELCIO Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

    Será que os Bozópatas também vão querer copiar isso dos EUA? Seria ótimo, porquê até agora, só ví a FIESP, o vice Mourão e "jênios" como o dono da Havan, pedir: - extinção do 13º salário (a jabuticaba brasileira, segundo o vice Mourão); - férias menores; - mais tempo de trabalho para os operários/lavradores; - menos direitos trabalhistas; - fim das universidades públicas e do sistema de cotas. Ou então alguns vão falar que isso é coisa de comunistas?

  2. C.Poivre Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

    É o medo do povão que está no limite de sua tolerância com o ultraliberalismo que promove há 40 anos um período de criminosa desigualdade de renda na humanidade, promovendo a fome, o ódio, a imigração descontrolada, o desemprego maciço, um recorde de pessoas sem um teto para viver ao lado de uma multidão de pedintes nas ruas do mundo inteiro.

  3. Moacir Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

    Alternativa (se há real intenção) para esses milionários: Investir na Economia Real em países que passam por grave crise.