Redação Pragmatismo
Educação 21/May/2019 às 10:35 COMENTÁRIOS

O que a mídia não mostrou do encontro entre Bolsonaro e alunos do Bandeirantes

O que a imprensa brasileira e a assessoria do Planalto não mostraram do encontro entre o presidente Jair Bolsonaro e alunos do Colégio Bandeirantes

alunos colégio bandeirantes bolsonaro
Alunos do Colégio Bandeirantes posam ao lado de Jair Bolsonaro (Reprodução/Jornalistas Livres)

Laura Capriglione e Lina Marinelli, Jornalistas Livres

“E este movimento do pessoalzinho aí que eu cortei verba, o que vocês acharam?”, indagou Jair Bolsonaro a um grupo de 36 alunos do Colégio Bandeirantes, o Band, como a escola é carinhosamente chamada, que faziam uma excursão por Brasília (DF) neste sábado (18).

“Um lixo. A gente é estudante de verdade. A gente estuda”, respondeu um dos alunos.

No entanto, a imprensa deu destaque para a frase de um aluno que chamou seus colegas das escolas públicas e de várias particulares de “lixo”. A mídia também deu voz para os estudantes gritando “Ô Bolsonaro, cadê você, eu vim aqui só pra te ver”.

Seria a prova de que, ali, onde se pratica um ensino hiper-competitivo, todos os alunos e professores endossam os cortes de 30% nos orçamentos das universidades e institutos federais de ensino. Só que não.

O que não se mostrou, o que a assessoria de imprensa de Bolsonaro escondeu e o Colégio Bandeirantes convenientemente deletou foi a “foto pra posteridade” do encontro de Bolsonaro com os alunos. Por quê?

Porque ali, no meio de tanta festa, de tanta balbúrdia, de tantos sorrisos perfeitos de estudantes brancos, 15-16 anos, frequentadores de uma escola de elite, que cobra mensalidades de R$ 4.000… Ali, bem pertinho de um Bolsonaro “simplão” na medida certa, de sandália, short amarelo e a camisa do segundo uniforme da Seleção Brasileira, feliz por ainda receber algum apoio quando até mesmo os entusiastas de sua candidatura pulam do barco. Bem, ali, no meio da festa, dois estudantes tiveram a coragem de destoar da farra, conscientes de que não há o que comemorar no Brasil dos nossos dias.

Trata-se de Ivan, de 15 anos, e G., de 16 anos, que corajosamente, no meio da euforia juvenil do presidente e seus fãs, ousaram desafinar o coro dos contentes e fazer um “L” perfeito, “L” de Lula Livre, contra o desmanche da Educação e a destruição de direitos, que Bolsonaro representa.

Tem mais: quatro alunas não quiseram sair na foto-felicidade e retiraram-se, chorando.

Mauro de Salles Aguiar, diretor presidente do Colégio Bandeirantes, apoiou o presidente Jair Bolsonaro nas últimas eleições (e fez campanha contra Fernando Haddad), além de explicitamente endossar a candidatura da atual senadora Mara Gabrilli, do PSDB de São Paulo, enviando propaganda aos pais.

Os Jornalistas Livres enviaram o seguinte questionamento ao diretor:

Prezado professor Mauro Aguiar,

Estamos escrevendo uma reportagem sobre o encontro do presidente Jair Bolsonaro com os estudantes do Colégio Bandeirantes, neste sábado (18).

Segundo uma mãe de aluno essa atividade de visita a Brasília é realizada todos os anos. Havia outros colégios visitando o palácio no mesmo momento, mas o presidente resolveu conversar apenas com os seus alunos. Por quê?

O senhor apoiou o presidente Jair Bolsonaro nas últimas eleições (fez campanha contra Fernando Haddad e o PT), além de apoiar a candidatura da atual senadora Mara Gabrilli, do PSDB. Qual a sua opinião sobre a Escola Sem Partido, projeto tão caro ao presidente Jair Bolsonaro?

Gostaríamos de entrevistar o estudante que trava o diálogo a seguir com o presidente. Claro que isso seria feito com a anuência dos pais ou responsáveis. O senhor poderia intermediar esse contato?

Mauro Aguiar ainda não se manifestou.

No domingo (19), os meninos e meninas do Colégio Band chegaram a São Paulo, vindos de avião de Brasília. No saguão do desembarque, a mãe de Ivan, Fabiana Kelly, estava com outras mães, para levar uma mensagem de tolerância e amor a todos os alunos, e de solidariedade a Ivan e aos demais membros da comunidade escolar que se sentiram usados e ultrajados pela propaganda pró-Bolsonaro.

“Eles não autorizaram que tivessem suas imagens juvenis usurpadas pela máquina de campanha do presidente. Mas nossos cartazes são de amor e de ênfase no diálogo. O bullying com quem pensa diferente de nós é um caminho sem volta para a barbárie”, disse Fabiana.

<>

PS.: Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, a mãe de um dos alunos diz que não interpretou o gesto do filho necessariamente como uma defesa de Lula, mas como uma tomada de posição contra o presidente e a favor do direito de divergir: “Caí no choro de orgulho”.

A mãe revelou ainda que o filho gosta muito de história e estava ansioso há mais de um ano pela viagem a Brasília, que é optativa. Com a polarização do período eleitoral, porém, o menino cogitou desistir.

Depois de refletir, o jovem acabou decidindo participar da viagem, na qual, conta a mãe, teve que mudar de lugar no avião algumas vezes devido a provocações por seu posicionamento anti-Bolsonaro.

Sobre todo o episódio, um internauta fez o seguinte comentário: “Muito bom ver jovens reagindo. Sinal de que não estão vendados como tantos outros. Em relação a imaturidade do sr. presidente no comentário infeliz, como tantos outros, a respeito do “movimento do pessoalzinho aí que eu cortei verba”, todos os alunos precisavam reagir, principalmente porque, pelo que sei, muitos pagam uma boa mensalidade com desejos de ingressarem numa universidade Federal, agora com corte nos investimentos. Amei a foto e, como já era de se esperar, nenhum negro!”

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Comentários