Redação Pragmatismo
Racismo não 15/May/2019 às 15:00 COMENTÁRIOS

Deputado do PSL diz que "escravidão é parte do ser humano"

Escravidão é “aspecto da natureza humana”, diz deputado do PSL descendente da família imperial. Declaração provocou reações

Deputado do PSL escravidão parte ser humano
Luiz Philippe de Orléans e Bragança, deputado pelo PSL/ SP (Imagem: Captura de tela)

Descendente da família imperial brasileira, o deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança (PSL-SP) provocou revolta em colegas e integrantes do movimento negro durante discurso em sessão solene na Câmara, nesta terça-feira (14), pelos 131 anos da Lei Áurea, completados ontem (13). O deputado disse que a escravidão, abolida pela lei, é “tão antiga quanto a humanidade” e, por isso, “é quase um aspecto da natureza humana“.

O discurso dele foi interrompido por gritos de “luta, resistência e sobrevivência” e de “parem de nos matar” por lideranças do movimento negro e deputados aliados da causa. A sessão só foi retomada dez minutos depois.

Chamado de “Príncipe”, por ser trineto da Princesa Isabel, que assinou a Lei Áurea, ele citou que a escravidão se repetiu em vários momentos da história, incluindo os povos indígenas e tribos africanas. “Independente de raça, sim, mas entre si. Faz parte do aspecto do ser humano”, afirmou.

Durante o protesto, os participantes cantaram o samba da Mangueira, vencedora do Carnaval deste ano no Rio de Janeiro, que abordava o racismo e a negritude. O samba homenageia heroínas negras, como Luiza Mahins e Dandara dos Palmares. A memória da vereadora carioca Marielle Franco (Psol), assassinada em março do ano passado, também é reverenciada na canção.

Amiga de Marielle, a deputada Talíria Petrone (Psol-RJ) disse que o 13 de maio não é uma data a ser comemorada, pois a abolição da escravatura e a liberdade da população negra não foram “concedidas pela bondade de uma princesa“. Mas pela resistência negra, a custo de muito sangue.

Talíria disse que, como professora de História, lamentava o “profundo desconhecimento histórico” demonstrado por deputados como Luiz Philippe de Orleans e Bragança. “Nega a nossa história e tenta apagar a memória de tanta dor, de violação, mas também de tanta resistência do nosso povo“, discursou. “Nós nascemos livres“, acrescentou.

Deputados do PSL reagiram com vaias e provocações ao discurso da deputada negra.

Veja a declaração que causou a polêmica:

Leia também:
Jair Bolsonaro faz comentário imperdoável sobre negros quilombolas
13 expressões racistas que precisam sair do seu vocabulário
Universitários negros seguram cartazes com frases racistas para denunciar preconceito

Congresso em Foco

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários