Redação Pragmatismo
Economia 04/Apr/2019 às 09:07 COMENTÁRIOS

Chamado de "tchutchuca", Paulo Guedes se irrita e sessão na CCJ é encerrada

Deputado diz que Paulo Guedes é "tigrão" com os aposentados, agricultores e professores, e "tchutchuca" com "a turma mais privilegiada do país e com os amigos banqueiros". Ministro de Bolsonaro se irritou, começou a gritar e deu-se início uma confusão generalizada

Paulo Guedes tchutchuca reforma previdência

Paulo Guedes, ministro da Economia, foi chamado de “tigrão” e de “tchuchuca” durante audiência pública na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara dos Deputados nesta quarta-feira (3). A irritação do ministro de Bolsonaro foi tamanha a ponto de a sessão precisar ser encerrada.

“Você é ‘tigrão’ com os aposentados, agricultores e professores, e ‘tchutchuca’ com ” turma mais privilegiada do país e os “amigos banqueiros”, disse o deputado Zeca Dirceu (PT-PR).

Guedes revidou e, apesar de estar com o microfone desligado, gritou para o deputado que “tchutchuca é a sua mãe e a sua avó”. A declaração de Dirceu faz referência ao funk “Tchutchuca”, que foi sucesso do grupo Bonde do Tigrão em 2001.

Após encerrada a sessão, foi chamada a segurança da Câmara para conter os deputados e conduzir o ministro para fora da sala. Dirceu e Guedes continuaram discutindo e alguns deputados ameaçaram agredir fisicamente o petista.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) foi agredida pela assessora especial do Ministério da Economia Daniella Marques. A parlamentar exigiu que ela fosse levada para a delegacia da Polícia Legislativa na Câmara. Daniella foi levada pelos policiais até o local.

Vídeo:

Sessão

Logo no início da audiência pública, por volta das 15h, houve momentos tensos. O ministro disse que a Previdência é uma “fábrica de desigualdades” e citou os exemplos dos estados de Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, e Minas Gerais.

Nesse instante, ele foi aparteado por parlamentares de oposição – que citaram o sistema previdenciário chileno, cuja previdência social, com sistema de capitalização (similar ao proposto por Guedes), paga benefícios de baixo valor.

Durante toda a sessão, Guedes bateu boca com parlamentares do PT e do PSOL. Questionado sobre os privilégios na proposta de Reforma da Previdência dos militares, Guedes esbravejou: “Se há privilégios, cortem vocês que são o Congresso Nacional. Não têm coragem?”.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Apocalipsis 13 Postado em 06/Jul/2019 às 00:39

    O governo das tchutchucas. Falam grosso com países pequenos, mas com EUA e Israel rebolam até o chão.

  2. Romero Farias Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    Ministro Tchutchuca, tá batizado!

  3. Dr. Doom Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    Eu vivi pra ver o PP e os hipócritas que aqui comentam comemorarem o machismo.

  4. Edison Carleti Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    É louvável o que esses parlamentares de oposição estão fazendo para nos defender dessa famigerada reforma da Previdência. Eles foram brilhantes nesse confronto com Guedes na CCJ. Colocaram-no contra a parede, tal como as deputadas Tabata Amaral, Fernanda Melchiona e Sâmia Bomfim fizeram com Ricardo Vélez. Só que não basta apenas dependermos de alguns bons parlamentares para pararmos as atrocidades dos pacotes impostos por Bolsonaro. Principalmente no caso da reforma da Previdência, onde a Besta Mitológica tem o aval do "deus mercado". Além disso, a grande maioria dos parlamentares vive de conchavos e se vende com a maior facilidade. Ontem Mourão admitiu publicamente que pode barganhar cargos com os parlamentares que estiverem dispostos a defender a reforma da Previdência. Precisamos é ir às ruas e gritarmos muito contra tudo isso.

  5. Renata Maia Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    O que eu vi foi um show de misoginia e machismo de todos os lados. Sempre que querem rebaixar alguém utilizam de adjetivos e substantivos femininos, inclusive aqui nos comentários. Saber respeitar as mulheres é uma coisa que tanto a direita quanto a esquerda estão longe de alcançar.

  6. Rodrigo Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    O interessante é o Guedes fazer a Reforma que tira direitos do trabalhador, e aumentando mais ainda os lucros dos bancos, o qual ele tem interesse, ele é um dos fundadores da BTG Pactual, ou seja, ele indiretamente será beneficiado com a previdência por capitalização, ele própria deixa claro que é um covarde, pois quem tem que apresentar as proposta é ele e o Bolsonaro, mas, como dois medrosos, deixou os próprios militares fazerem as deles, que no fim, não ajuda em nada, pelo contrário, aumenta ainda mais o salário deles e os benefícios. Resumindo tudo, o Guedes acha que mandar os deputados fazer eles próprios dos militares, mostra como ele é covarde em todos os sentidos, pois se ele apresentou uma proposta, já deveria ter incluído os militares, para isso ele é o Ministro da Economia e etc.

  7. enganado Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    TCHUTCHUCA ! Amoreco da mamãe e da vovó!!! Menino rebelde!!!!

  8. Paulo Roberto Galliac Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    Não fica nervosa não tchutchuca. KKKKKKK!

  9. caca silva Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    Linnnnnnda! Maravilhosa! O mundo é gay.

  10. Luiz Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    Ficou clara a diferença entre os que são oposição e questionaram o ministro e os representantes do PT que provavelmente nem sabe o que o que estação fazendo lá. O ápice foi a discussão:” porque vocês não tacaram os dividendos, porque deram dinheiro pra milionários, pra JBS pro BNDES. Vocês ficaram no poder por 18 anos, eu disse 18 anos. Nos estamos a 3 meses. E sabe porque não mudaram? Porque não tiveram coragem” O ministro me representou. Força Paulo Guedes pois se deixar essa esquerda tupiniquim voltar ao poder o Brasil acaba.

    • Rodrigo Postado em 06/Jul/2019 às 00:39

      Entendo, então proteger interesses dos banqueiros pode. Previdência por Capitlização esta falhando e criando enormes distorções, você é um ser humano fake, percebe-se logo de cara, não deve nem se importa com quem irá passar fome, ele quer aumentar lucros dos bancos.