Redação Pragmatismo
Política Externa 01/Apr/2019 às 21:43 COMENTÁRIOS

Hamas pede reação após visita de Jair Bolsonaro a Jerusalém

Hamas diz que visita de Bolsonaro a Jerusalém não apenas contradiz a histórica atitude do povo brasileiro de apoio à causa palestina, mas também viola leis internacionais. Grupo pede reação de países árabes

Bolsonaro Israel Hamas
Bolsonaro divulgou foto segurando um fuzil durante visita a Israel (Reprodução/Instagram)

O movimento islamita Hamas divulgou nesta segunda-feira (01) uma nota crítica à visita do presidente Jair Bolsonaro a Israel, em um gesto que foi considerado uma “violação às leis e normas internacionais”.

Publicado no site do grupo, que é considerado a maior organização islâmica nos territórios palestinos, o texto repudia a visita de Bolsonaro ao Muro das Lamentações, além da decisão de criar um escritório comercial do Brasil em Jerusalém.

“O movimento Hamas condena veementemente a visita do presidente brasileiro Jair Bolsonaro à ocupação israelense como um movimento que não apenas contradiz a atitude histórica do povo brasileiro, que apoia a luta pela liberdade do povo palestino contra a ocupação, mas também viola as leis e normas internacionais”, diz trecho da nota.

Para eles, Bolsonaro e o Brasil precisam se retratar pela visita. “O Hamas conclama o Brasil a reverter imediatamente essa política que é contra o direito internacional e as posições de apoio do povo brasileiro e dos povos da América Latina”.

O grupo pede, ainda, que outras organizações pressionem o governo do Brasil para reverter a sinalização de que o país está ao lado de Israel na disputa pelo território da região.

“O Hamas chama a Liga Árabe, a Organização da Cooperação Islâmica e todas as organizações internacionais para pressionar o governo brasileiro a derrubar esses movimentos que apoiam a ocupação israelense e fornecem cobertura para seus abomináveis ​​crimes e violações contra o povo palestino”, conclui.

Leia a nota na íntegra

“Sobre a visita do presidente brasileiro à ocupação israelense, o movimento Hamas afirma o seguinte:

O movimento Hamas condena veementemente a visita do presidente brasileiro Jair Bolsonaro à ocupação israelense como um movimentação que não apenas contradiz a atitude histórica do povo brasileiro que apoia a luta pela liberdade do povo palestino contra a ocupação, mas também viola as leis e normas internacionais.

Particularmente, o Hamas denuncia que o presidente brasileiro fez uma visita à Cidade Santa de Jerusalém e ao Muro das Lamentações acompanhado pelo primeiro-ministro das ocupações israelenses. O movimento também condena o plano anunciado de criação de um escritório comercial para o Brasil em Jerusalém.

O Hamas conclama o Brasil a reverter imediatamente essa política que é contra o direito internacional e as posições de apoio do povo brasileiro e dos povos da América Latina. Ressaltamos que essa política não atende à estabilidade e segurança da região e ameaça os laços brasileiros com nações árabes e islâmicas.

Finalmente, o Hamas insta a Liga Árabe, a Organização da Cooperação Islâmica e todas as organizações internacionais a pressionar o governo brasileiro a derrubar esses movimentos que apoiam a ocupação israelense e fornecer cobertura para seus abomináveis ​​crimes e violações contra o povo palestino”.

Visita ao Muro das Lamentações

O presidente Bolsonaro visitou nesta segunda-feira (01), ao lado do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, o Muro das Lamentações, em Jerusalém.

A decisão fez com que ele se tornasse o primeiro chefe de Estado a realizar tal visita ao lado de um primeiro-ministro israelense, segundo o Chancelaria de Israel.

Rompendo com a prática diplomática, Bolsonaro foi ao local mais sagrado do judaísmo com Netanyahu.

Exame

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Apocalipsis 13 Postado em 06/Jul/2019 às 00:37

    Qualquer moleque do RJ tira esta metranca das mãos deste boçal.

  2. Edison Carleti Postado em 06/Jul/2019 às 00:37

    Olhem só a merda que essa besta energúmena está nos metendo. Se já não bastasse nossa violência urbana que diariamente nos atormenta, Bolsonaro gratuitamente está importando para nós o risco da violência por parte do terrorismo fundamentalista. Pra quê isso? Ô falta do que fazer!

  3. Apocalipsis 13 Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    E aí Bozo, vai encarar o Hamas? Quero ver se os EUA ou Israel vão te ajudar nesta guerra, seu palhaço!

  4. Lourdes Amorim Rocha Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    'Por apenas convicções religiosas e puramente ideológicas, o Brasil está enterrando mais de 40 anos de negociações para alcançar o nível de confiança na produção de produtos especializados para os padrões muçulmanos de sacrifício animal e obtenção de proteína. “Levamos mais de 40 anos para conquistar o mercado dos países árabes e, agora, por uma impropriedade, podemos sofrer retaliações, embora não tenha como ser mensurado isso no momento porque os contratos de exportação são de médio e longo prazos com os fornecedores”, afirmou Alaby'. *Informações do UOL economia.