Redação Pragmatismo
Política Externa 05/Apr/2019 às 16:41 COMENTÁRIOS

Discurso de Bolsonaro para empresários de Israel é de cair o queixo

“O que está detrás inspeciona eu”. Discurso do presidente Jair Bolsonaro para empresários de Israel é o vídeo mais bizarro que você verá neste mês

Jair Bolsonaro inspeciona detrás

Uma fala incompreensível do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para empresários de Israel viralizou nas redes sociais nesta quinta-feira (4) e continua a repercutir nesta sexta.

No vídeo, Bolsonaro diz, com gestos que apontam para o lado oposto do que está afirmando: “Não interessa quem está na frente ou atrás, o importante é que quem está atrás confia em quem está na frente. E eu, que estou na frente ou no meio, confia em quem está na frente. Isso desperta a confiança entre nós (sic)”.

As reações foram imediatas na internet. “Saudades de Dilma saudando a mandioca…”, escreveu Jefferson Monteiro. Até o perfil humorístico ‘Dilma Bolada’ se manifestou: “Eu avisei. Quem ganhar ou quem perder, nem que ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder”.

“Saudades de quando nosso maior problema era a dificuldade de estocar vento. E ele todo orgulhoso, meu pai, achando que está arrasando”, comentou uma internauta.

“Prefiro mil vezes o discurso do cachorro oculto que Dilma fez no dia das crianças. Esse homem tem algum grau de demência? Isso ainda deve ser revelado. É sério…”, observou outro internauta.

VÍDEO:

Viagem pouco produtiva

O discurso de Bolsonaro em Israel não resume o fracasso de sua viagem ao país governado por Benjamin Netanyahu. Analistas internacionais observaram que a importância da ida a Israel foi meramente simbólica, enquanto os efeitos práticos para o Brasil devem ser poucos.

“Foi uma viagem de caráter mais simbólico, mais que substancial. Houve acordos na área de energia, de startups, mas a relevância que isto terá ainda é incerta”, disse o professor de relações internacionais da FGV, Oliver Stuenkel.

A data da visita foi pensada de forma estratégica para Netanyahu — que enfrentará as urnas em seu país na semana que vem. Como um líder de direita, Netanyahu viu na presença de Bolsonaro a possibilidade de criar um fato político para sua campanha — ainda mais se o presidente brasileiro anunciasse a mudança da embaixada de Tel Aviv para Jerusalém.

“O problema é que Bolsonaro está numa situação política difícil no Brasil. O governo está fraturado entre vários grupos de interesses, como evangélicos, militares e ruralistas, e o presidente começou a pesar com mais cautela o impacto que a mudança de embaixada poderia ter”, afirmou o professor Guilherme Casarões, também da Fundação Getúlio Vargas.

“Com a decisão de abrir o escritório comercial, Bolsonaro encontrou uma solução que é ruim para todos. Desagrada quem esperava o anúncio da mudança da embaixada, tanto em Israel quanto no Brasil, e irrita também os países árabes”, acrescenta.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Comentários