Redação Pragmatismo
Jair Bolsonaro 07/Mar/2019 às 09:21 COMENTÁRIOS

Mídia internacional e aliados repercutem post de Bolsonaro com pornografia

Imprensa estrangeira e até aliados repudiam Bolsonaro por divulgação de vídeo. Jornal britânico diz que a postagem do presidente provocou "indignação" e "nojo" em clara "tentativa de rebater críticas à sua administração feitas durante o Carnaval"

Bolsonaro mídia internacional

As postagens do presidente Jair Bolsonaro no Twitter com conteúdo obsceno desencadearam uma sequência de críticas, até mesmo de aliados, e repercutiram também na imprensa internacional.

A polêmica começou na noite de quinta (5) com a divulgação de um vídeo classificado pela própria plataforma como “conteúdo sensível”, mas continuou na manhã desta quarta-feira (6), em um novo post, com uma pergunta sobre o que é “golden shower” – nome popular, em inglês, para um fetiche de urinar na frente ou sobre o parceiro.

O The New York Times afirmou que o Bolsonaro “não está menos impulsivo em suas redes sociais do que quando candidato” na matéria intitulada “As guerras culturais no Brasil fazem uma aparição gráfica no feed de Twitter de Bolsonaro”, intitulou a publicação.

A gravação publicada na conta oficial de Bolsonaro na rede social mostra um homem dançando sobre um ponto de táxi. Ele introduz, aparentemente, o dedo no ânus enquanto dança. Na sequência, outro jovem urina na cabeça dele. Embora o presidente não tenha identificado o local onde foi registrada a cena, o episódio ocorreu na segunda-feira (4) em um bloco chamado Blocu, no centro de São Paulo.

“Não me sinto confortável em mostrar, mas temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades. É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro. Comentem e tirem suas conclusões”, escreveu o presidente, que foi um dos alvos preferenciais nos blocos de carnaval de rua em todo o país.

O também americano The Washington Post destacou o fato de que o posto do presidente “pretendia despertar indignação sobre como o feriado [de Carnaval] se tornou vulgar”.

Já o The Guardian afirmou, no título, que o capitão foi “ridicularizado” pelas postagens na sua rede social. “Bolsonaro ridicularizado após tuitar vídeo carnavalesco explícito”.

Na reportagem, a publicação britânica menciona as inúmeras manifestação contrárias ao presidente durante o Carnaval e as marchinhas de protesto. “Bolsonaro, que goza de comparações com Donald Trump, aparenta não ter recebido bem as críticas”.

Aliado de Bolsonaro, o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), afirmou, também no Twitter, que a postagem “é incompatível com a postura de um presidente, ainda mais de direita. Bola fora”.

“Criticar a postura de Bolsonaro não significa elogiar o ato. A atitude dos foliões foi reprovável, abjeta, criminosa. Tem de ser punida com o rigor da lei. É tarefa para o Ministério Público. De todo modo, nada justifica o Presidente compartilhar pornografia no Twitter”, acrescentou o deputado Kim Kataguiri.

Líderes da oposição classificaram a divulgação do vídeo como conduta incompatível com o cargo e avaliam a possibilidade de tomar alguma providência em relação ao episódio. “Não podemos descartar a possibilidade de solicitar um teste de sanidade mental”, provocou o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS).

O também petista Paulo Teixeira (SP) afirmou que irá representar contra o presidente com base na lei 13.718, que tipifica o crime de divulgação sem consentimento da vítima, de cena de sexo, nudez ou pornografia.

O ator José de Abreu, crítico contumaz do presidente, não perdeu a oportunidade de, mais uma vez, se manifestar. Em sua conta no Twitter disse: “Alo, @jairbolsonaro, seu meteoro chegou! Sou eu, seu fascista!”, ao que recebeu retorno quase imediato. “Estamos processando alguns e este “meteoro” será o próximo”, afirmou Bolsonaro.

Diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI, o ativista Toni Reis criticou a divulgação do vídeo por Bolsonaro. Para ele, o presidente deveria estar empenhado em buscar votos para aprovação da reforma da Previdência e trabalhar pela melhoria da educação, da saúde e da cultura.

“Não cabe ao presidente da República expor isso de forma tão vergonhosa no Twitter. Agora ele é presidente da República, não mais um deputado federal do baixo clero”, afirmou. Toni também considera equivocada a generalização feita por Bolsonaro para questionar os blocos de Carnaval. “Generalizações não convêm a ninguém. O que se passou entre essas duas pessoas é uma exceção e não pode ser colocado como regra”, defendeu.

A oposição também defende a exclusão da conta de Bolsonaro no Twitter, usada diariamente pelo presidente para se comunicar diretamente com a população. A plataforma estabelece uma série de diretrizes sobre a publicação de conteúdo adulto.

De acordo com as normas da plataforma, mídias com conteúdo adulto devem ser classificadas como sensíveis, uma espécie de filtro para saber se o usuário concorda em ver as imagens ou não. Isso não foi feito pelo presidente no primeiro momento. A advertência só foi publicada duas horas após a publicação do conteúdo.

Débora Álves, Congresso em Foco

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Anderson Flip Postado em 06/Jul/2019 às 00:37

    Esse video mostra o nefasto efeito do progressismo.

  2. Eduardo Ribeiro Postado em 06/Jul/2019 às 00:37

    Não levou 3 meses pra comprovar: o Mito não reune as mínimas condições morais, intelectuais, técnicas e políticas pra presidir um país tão gigante e complexo. Saudades do meu presidente.....alem de ter propiciado a milhões de desfavorecidos irmãos a possibilidade de 3 refeições diárias, quando chegava Carnavalzão das massas e todo tipo de feriado, sabe o que ele fazia? Ele ia pra alguma praia, botava lá uma bermuda, metia nos ombros um isoporzão cheio de gelo e cerveja, e só curtia a brisa junto a sua senhora, a digna companheira de uma vida. Não compartilhava escatologia sexual na rede social, não atacava a maior instituição cultural do Brasil, não envergonhava seu povo, não transformava o Brasil em chacota planetária e não criava problemas pra todo o setor de turismo que depende do Carnaval. Só tomava sua gelada, dormia e dava umas risadas com a esposa. Bons tempos.