Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 22/Mar/2019 às 14:14 COMENTÁRIOS

Professora grávida torturada pelo ex-companheiro perdeu a audição

"Eu cheguei a me urinar. Ele me fez abaixar e limpar". Professora grávida de 7 meses foi torturada durante 12 horas pelo ex-companheiro e teve o tímpano perfurado

professora rosana espancada grávida
(Imagens: Reprodução/Agência O Globo)

A professora Rosana Louzada, de 36 anos, corre risco de vida. Ela teme que o seu ex-companheiro, Davidson da Silva, seja solto pela Justiça do Rio de Janeiro e volte às ruas.

Os advogados do homem tentam descaracterizar o crime de tortura para tentar um habeas corpus que colocaria o criminoso em liberdade. “Não tenho paz com medo dele ser solto e vir atrás de mim para me matar”, desabafou a professora.

Davidson está preso desde o dia 28 de fevereiro por força de um mandado de prisão temporária expedido pela Justiça por conta das agressões sofridas pela professora.

Rosana chegou a ser espancada no 7º mês de gestação. “Ele me levantou pelo pescoço com uma mão só. Eu segurei na mesa e o que estava em cima caiu e os copos quebraram. Ele me bateu também porque os copos haviam quebrado e estava fazendo barulho durante a madrugada”.

“Eu cheguei a me urinar. Ele me fez abaixar e limpar. Eu cheguei a escorregar na minha própria urina. Eu sujei a parede e ele me fez limpar”, lembra Rosana.

“Ele destruiu a minha vida, destruiu os meus sonhos, destruiu tudo o que eu tinha de melhor. Tirou de mim o meu emprego, a minha alegria, e agora ele está tirando a minha liberdade”, desabafa a vítima, que perdeu parte da audição de um dos ouvidos após as sessões de tortura.

Agredida com socos, chutes e pancadas no rosto, a professora teve o tímpano do ouvido esquerdo perfurado. A sessão de espancamento teria sido motivada por ciúmes.

VEJA TAMBÉM: Funcionária de Dória diz que homens são as principais vítimas de violência doméstica

Fernanda Fernandes, da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam), adiantou que vai concluir o caso na próxima terça-feira e disse que pedirá a conversão da temporária em prisão preventiva.

“Vamos ouvir a professora mais uma vez e finalizar o inquérito. Não há dúvida que o ex-companheiro da professora tem um perfil violento e já fez uma outra vítima. Vamos pedir à Justiça a conversão da temporária em preventiva”, disse Fernanda.

Outras vítimas

A delegada afirma que Davidson já agrediu outras mulheres. “Esse agressor já vem colecionando vítimas. Todas que passam por ele, as reais e virtuais, porque ele já teve relacionamento virtual, foram vítimas de violência doméstica”, afirmou a delegada.

Confira outros trechos do depoimento de Rosana:

Estou apavorada! Ele sempre disse que se fosse para cadeia por conta de uma mulher, sairia de lá e a mataria depois. Não durmo e nem estou me alimentando direito.Ele sabe onde eu moro. Quero sair do Rio e ir para um lugar em que ele não me ache. Todo mundo sabe que ele é violento. Tenho medo que o Davidson sai de lá e venha me matar.

Estávamos separados. Combinamos de conversar em lugar público para evitar que ele me agredisse como em outras ocasiões. Fomos para um bar no Centro de Caxias, mas Davidson pediu para que eu o deixasse em casa. Quando chegamos no local ele começou a discutir. Deu um soco na minha cabeça, me deixando tonta. Começou a sair sangue do meu ouvido. Ele queria que eu entrasse na casa dele, mas eu estava com medo.

Davidson me convenceu que iria me socorrer e me empurrou para dentro de casa. Começou a me acusar de traição e pegou o meu celular para ver os contatos no WhatsApp. Por volta das 5h, a discussão recomeçou e as agressões. Ele batia no meu rosto, socava minha cabeça. Cheguei a pedir socorro, mas ele cobriu a minha boca e me jogou na parede. Em alguns momentos cheguei a desfalecer. Ele chegou a me dar água e fazia com que eu recobrasse os sentidos para me bater novamente.

Imagens de Rosana e Davidson:

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Aliança Nacional Libertadora Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    A antiga relação, mulherengo = agressor.

  2. Thiago Melo Teixeira Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    Um cara que agride uma mulher grávida, ao invés de fazer amor bem gostoso com ela, pois é disso que as grávidas gostam e faz bem ao bebê ... é sinal que não gosta ou nunca gostou da fruta.