Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 09/Mar/2019 às 11:33 COMENTÁRIOS

Diplomata justifica tapa na cara de mulher: "fiquei atônito com sua insolência"

Diplomata divulga carta para justificar tapa que deu no rosto de mulher. Além de agredir a mulher, homem ainda tentou intimidá-la: "Você não sabe com quem está falando". Vítima está abalada e irmã faz desabafo contra impunidade

Leonardo Lott tapa mulher
O diplomata Leonardo Lott (reprodução)

O diplomata Leonardo Lott Rodrigues deu um forte tapa na cara do rosto de uma mulher durante uma discussão de trânsito em Brasília. A vítima, Uiára Cerqueira, está abalada.

O carro do diplomata, que atua na Inspetoria do Serviço Exterior, foi atingindo levemente em uma colisão, quando ele ultrapassou o veículo de Uiára. O incidente aconteceu durante o carnaval.

Ali Onka, irmã da vítima, contou nas redes sociais detalhes do que aconteceu. Ela é uma das testemunhas oculares do crime. Leia a íntegra do relato:

“Peço que tirem uns minutos para ler o relato que segue.

Eu tenho trinta e oito anos e nunca tinha presenciado qualquer tipo de violência. Nunca achei que a minha temporada em Brasília fosse acabar assim.

Hoje pedi que a minha irmã me desse carona para visitar uma amiga. No caminho para a Asa Sul, após passarmos pelo Hotel Nacional, na curva anterior à Galeria dos Estados, um carro na pista à direita nos fechou para entrar à esquerda em direção ao Eixinho, o que ocasionou uma colisão.

Até aí tudo bem. Paramos o carro atrás do tal senhor, em frente à Galeria dos Estados. No gramado da galeria havia uma viatura estacionada por causa do carnaval.

A minha irmã desceu e foi conversar com o senhor, desci logo atrás. Transcreverei abaixo o diálogo entre os dois.

Ela: Você me fechou!

Ele: Hahaha! Você está sendo cínica, não é, minha filha? (e saiu do carro)

Ela insistiu: Mas você que me fechou!

Ele disse: Você é uma estúpida!

Ela: Quem você pensa que é pra falar assim comigo? Eu vou chamar a polícia.

Ele: Você que não sabe com quem está falando. Você é uma estúpida!

Nesse momento ele a agrediu com um tapa fortíssimo na cara que fez os óculos dela caírem a alguns metros.

Eu: Que absurdo! O que que é isso?

Ela gritou pela polícia.

Nessa hora os policias que estavam na viatura correram para acudir.

O senhor disse: vamos conversar, que com essa daí não dá pra conversar.

O policial disse: Não tem negociação não, o senhor acha que pode bater em mulher? O senhor vai preso. O senhor costuma bater em mulher? O senhor vai pra delegacia. Documento, por favor.

Nessa hora, o senhor entregou uma identidade funcional que logo reconheci, do Itamaraty, e pensei: não é possível que esse cara trabalhe no Ministério.

Os policiais pediram que seguíssemos a viatura até a 1a DP.

Ao chegar na delegacia, prestamos depoimento e o cara ficou detido. Enquanto prestamos depoimento consegui identificar o nome do agressor, um diplomata de seus cinquenta e poucos anos.

Passamos algumas horas na delegacia, depois fomos encaminhadas ao IML.

Imagino que a essas horas o agressor, por ser réu primário, já tenha retornado para casa. Acredito que, apesar de contarmos com o Sargento Vidal como testemunha ocular da agressão, o agressor enfrente somente que uma pena alternativa.

Apesar de bem, a Uiara está muito abalada e chorando muito. A agressão que ela sofreu não deixou marcas físicas, mas não será facilmente esquecida.

Agradeço a ajuda de vocês para divulgar esse infortúnio. Que a agressão a uma mulher não seja mais uma vez apagada com uma mera doação de cestas básicas.

Aos colegas, aviso: evitem a todo custo trabalhar com esse senhor.”

Justificativa

O caso repercutiu na mídia do Distrito Federal e também no Itamaraty. Por isso, Leonardo Lott Rodrigues enviou um e-mail à Associação e Sindicato dos Diplomatas.

Na mensagem, o homem assume que deu um tapa na cara de uma mulher, mas assegura que “foi um tapa leve”. E que tomou essa atitude porque “ficou atônito com a insolência” da jovem, identificada como Uiára Cerqueira.

Ao longo do texto, o diplomata tenta transferir para a mulher a culpa por ela ter levado um tapa. “Eu fiquei atônito com a insolência e a exagerada postura agressiva, até porque normalmente as pessoas evitam se comportar assim num acidente, que, reitero, foi provocado pela pessoa em questão. E, num segundo de descontrole, e contrariando meu temperamento e meu comportamento habitual, eu infelizmente dei-lhe um tapa no rosto, mas não com a violência alegada, pois nunca fui violento e não sei agir com violência”, afirma.

Lott Rodrigues vai além: “Não foi um ato premeditado, nem com intenção de ferir. Mas foi um erro, que eu deveria ter evitado chamando a polícia logo no início do incidente, até mesmo para eles testemunharem a agressividade e arrogância a mim dirigida”. Ele acrescenta ainda: “Estarei alerta para nunca mais permitir que a agressividade e arrogância de uma pessoa mal educada provoque em mim qualquer reação que volte a macular minha imagem e minha reputação”.

O Itamaraty informou que pretende avaliar o assunto. Em nota, o Ministério das Relações Exteriores informou que “tomou conhecimento, pela mídia, de incidente de alegada agressão ocorrido durante o feriado de carnaval”, que envolveria o diplomata.

“O servidor em questão será prontamente chamado a esclarecer o incidente, para que o Itamaraty possa avaliar as medidas administrativas a serem eventualmente adotadas”, disse a pasta.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Comentários