Redação Pragmatismo
Direita 16/Fev/2019 às 05:01 COMENTÁRIOS
Direita

Professores assistem aula de Olavo de Carvalho e se espantam com inconsistências

Publicado em 16 Fev, 2019 às 05h01

Professores foram convidados para assistir aula online de Olavo de Carvalho e ficaram espantados com a fragilidade do conteúdo e as inconsistências expostas pelo guru neoconservador

Professores aula Olavo de Carvalho inconsistências
Olavo Luiz Pimentel de Carvalho (Imagem: Mauro Ventura)

Daniel Tourinho Peres, Diplomatique

Dimitrius Dantas, do jornal O Globo, convidou a mim e a dois colegas, Maria de Lourdes Borges, da UFSC, e Maurício Keinert, da USP, para assistirmos a uma das aulas de Olavo de Carvalho e darmos nossa opinião. A matéria, publicada no dia 10 de Fevereiro, ficou interessante e gerou alguma polêmica[1], chegando até mesmo a figurar entre os trend topics do Twitter. Como toda matéria de jornal, restou muito por ser dito. Gostaria de retomar então alguns pontos que ficaram fora do texto publicado, justamente para tentar mostrar que, por detrás de disputas filosóficas, estão em jogo questões muito mais fundamentais.

Conta-se por aí que em ao menos duas vezes a filosofia de Kant deu azo a discussões tão acaloradas que acabaram em atos de violência e em duelos para decidir a questão disputada. Mais interessante do que saber, porém, se a interpretação A ou B é a correta, é saber por que esta questão ocupa tanto espaço. Não que Olavo de Carvalho ofereça um interpretação. Não. O que ele fornece é uma simples e pura falsificação, afirmações absurdas sobre o filósofo que não encontram nenhuma sustentação. Nenhuma, zero. Mas ele oferece isso a pessoas que querem saber, ou seja, milhares de jovens que chegaram até ele e que foram por ele acolhidos. Olavo de Carvalho existe porque existe uma demanda legítima, da parte dos jovens, por orientação, por uma explicação sobre o que está acontecendo. Se ele faz isso, e se atinge o público enorme que atinge, é porque há procura e ele acabou ocupando esse espaço. Nós, que trabalhamos seriamente com filosofia, precisamos reconhecer: deixamos o espaço aberto para que uma figura sem qualquer escrúpulo ou honestidade o ocupasse.

É claro que a Universidade não pode ocupar todos os espaços. Isso não é apenas impossível, é indesejável. É fundamental que haja vida intelectual fora da Universidade. No caso da filosofia principalmente. Quando alguém procura um curso de filosofia, no mais das vezes está em busca de algum tipo de orientação, um modo de lidar com suas angústias, suas fobias, suas incertezas, de compreender processos políticos, enfim, de se orientar no mundo e na vida. Esta é uma dimensão que nós, da Universidade, como que perdemos, e acabamos reduzindo a filosofia a questões técnicas, internas ao pensamento dos diversos filósofos que compõem os nossos cursos. Mais ainda: os estudantes querem respostas e nós, quase que de modo perverso, multiplicamos as perguntas, em certos casos de modo insuportável para alguns.

Na verdade estamos lidando aqui com dois conceitos de filosofia: a) filosofia como um certo saber, como uma visão abrangente do mundo, que nos oferece uma série de explicações para questões que consideramos relevantes, e b) filosofia como a compreensão destas mesmas questões, de procurar saber de onde elas vêm, se são questões necessárias, questões que não podemos evitar. Questões filosóficas são poucas. Respostas, bem, são muitas. O modo, porém, como o filósofo constrói a sua resposta depende do modo como ele coloca o problema, como ele o vê, em estreita relação com o que ele considera mal resolvido por outro filósofos. Em nosso trabalho técnico, tratamos disso muito bem. Apresentamos os diversos sistemas filosóficos – e também os filósofos não sistemáticos, os anti-sistemáticos, etc; analisamos os diversos argumentos, as milhares de passagens difíceis, nos menores detalhes, tomando sempre conhecimento do que melhor se publica sobre o assunto; é sempre um cartesiano apresentando Descartes, um kantiano apresentando Kant, um aristotélico apresentando Aristóteles, e por aí vai. Ou seja, mesmo com limitações damos excelentes cursos de história da filosofia. A questão é então inevitável: o aluno entra no curso de filosofia e tudo o que ele vê é história da filosofia?

Kant dividia a filosofia em duas partes. Uma parte crítica, na qual se avaliam as diversas figuras da racionalidade e se julga se tais esforços se estavam bem fundados, se não se afirma algo além do que se poderia ter afirmado, etc; e uma parte dogmática, posterior à crítica, na qual se constrói o sistema, ou a visão (filosófica) do mundo. A primeira parte, a parte da crítica, implica conhecer a história da razão, ou seja, no limite a história da filosofia. Não é gratuito, portanto, que a história da filosofia tenha sua matriz justamente em Kant. Mas não dá simplesmente para afirmar que história da filosofia e filosofia sejam a mesma coisa. Na chamada Lógica de Kant há uma passagem que muitas vezes é utilizada para ressaltar essa distinção. Ela é, no mais das vezes, compreendida do seguinte modo: não se deve ensinar filosofia (história da filosofia), e sim ensinar a filosofar. Mas quando vamos para o texto, lemos que não se ensina filosofia porque não há filosofia a ser aprendida. Kant afirma o seguinte: “Não se pode aprender filosofia já pela simples razão que ela ainda não está dada. E mesmo na suposição de que realmente existisse uma, ninguém que a aprendesse poderia se dizer filósofo; pois o conhecimento que teria dela seria sempre um conhecimento tão-somente histórico-subjetivo.”[2]

Professores assistem aula de Olavo de Carvalho e se espantam com inconsistências

Para Kant, então, a Filosofia não está dada, ou seja, ela é uma ideia, uma ideia de ciência (como conhecimento racional e rigoroso), e não uma ciência. Cabe insistir um pouco mais nesse ponto. Para Olavo de Carvalho, ao contrário, e com o perdão da justaposição a Kant, a Filosofia está dada em um conjunto de dogmas que ele afirma ter pensado e que ele se põe a ensinar. Chega a ser patético. Mas vamos em frente: não é porque para Kant a filosofia não está dada que somos condenados à inação e à morte do pensamento. Muito pelo contrário. Pensar, é uma atividade, fazer filosofia e filosofar são justamente atividade do pensamento. Assim, filosofar e pensar por si mesmo são a mesma atividade. Como Kant afirma, um pouco acima no mesmo texto da Lógica, se quisermos nos dedicar a esta atividade, teremos de “olhar mais para o método de nosso uso da razão do que para as proposições mesmas a que chegamos por intermédio dele”. E, assim, olhamos para o método de nosso uso da razão quando vemos como Leibniz pensa, como Locke pensa, como Aristóteles pensa, como Marx pensa, como Giannotti pensa. Pensar por si mesmo, portanto, não é pensar sozinho, é pensar com o outro e muitas vezes contra o outro. Não é aceitar, de modo acrítico, o que o outro pensa. E é isso que Olavo não está disposto a aceitar.

A diferença entre filosofia e religião nem sempre é clara, e pode mesmo variar de uma compreensão a outra do que seja filosofia. Há também uma distinção entre religião, como o conjunto de valores e crenças de uma certa comunidade que a liga ao transcendente, e igreja, como a instituição que cuida desses valores. É importante também distinguirmos entre igreja e seita. O mínimo que podemos dizer é que Olavo de Carvalho criou uma seita. Ele se apropria de algumas ideias caras a pensadores cristãos e pretende ter feito com elas a sua filosofia. Como disse minha colega e amiga Maria de Lourdes, um verdadeiro “liquidificador delirante”. Como liquidificador é coisa séria, uma arma poderosa, precisamos ter cuidado. Pois bem. Olavinho me acusa de ter deturpado seu pensamento, ao não distinguir entre a comunidade de amigos-discípulos que ele cria e a comunidade tal como ele afirma criar e que estaria baseada no conceito de amizade tal como pensado por Tomás de Aquino. Conversa fiada. Que comunidade há entre uma figura patética que fica defronte de um computador dizendo absurdo atrás de absurdo e os pagantes de seus cursos? Comunidade? A comunidade de Olavo é apenas isso, um espaço que ele controla de modo absoluto, no qual entra quem paga e fica quem ele deixa. Se discordou, está fora. Não há espaço para verdadeira discussão. Se todos o tratam como mestre, é porque ele se coloca nesta posição, como se sábio fosse. De sábio, porém, não tem nada. É, isto sim, para usar uma distinção conhecida Giannotti, um grande de um sabido!

Um sabido, porém, que tem feito um estrago enorme, em um ambiente já deficiente de discussões sérias e democráticas. Ele é um vírus que infecta a esfera pública e que encontra seu lugar de reprodução no ambiente putrefato de seu curso on-line. Compreender ou não Kant é irrelevante para a nossa democracia. Agora, defender uma visão de mundo aberta, livre, que vive do pensamento honesto, que aposta na razão e na liberdade, ou defender uma visão de mundo obscurantista, que recusa o diálogo porque tem na ofensa e na violência os únicos argumentos, que defende valores retrógrados, não, aí o debate não é irrelevante para a democracia. Ao atacar Kant, o que Olavo ataca são os valores da modernidade, modernidade que não é nem um pouco fácil e sem problemas, mas que tem um compromisso inquestionável com a democracia. E nesse projeto moderno ou mesmo democrático Kant é autor que não vacila! Como muitos pensadores do século XVIII (não todos, vejam bem) Kant tinha visão estreita sobre certos temas, por exemplo com relação as mulheres, sobre as quais diz coisas inaceitáveis; sua posição com relação ao problema das raças, que então começava a se colocar de modo muito forte, não é nem um pouco isenta de ambiguidades. Então não se trata de defender Kant cegamente, nenhum autor está livre da crítica, mas de defender a democracia, ou melhor, os princípios que a dão sustentação e que se encontram formulados por Kant. É a ela, democracia, que Olavo visa, ao atacar Kant. É à liberdade e à pluralidade, para começarmos.

Na aula on-line de Olavo sobre o texto de Kant “O que é a Ilustração”, são tantos os absurdos que chega a ser difícil comentar. Mas vamos lá. O texto de Kant é um texto de intervenção no debate público. O ano de publicação é 1784 e o que estava em questão era um brutal esforço de unificação da legislação do Império da Prússia, que ocupava um grande território, com culturas e costumes relativamente distintos, e portanto com legislações diversas e contrastantes, em especial a legislação tributária, sob forte controle dos poderes locais. O que serve de pretexto à intervenção de Kant foi uma publicação anterior, no mesmo periódico em que Kant publica o seu texto, em que se acusava a Ilustração de ir longe demais, de atacar a moralidade, ao pretender que o casamento poderia ser considerado um vínculo civil apenas, sem a necessidade da sua consagração pela Igreja. A Prússia era território da Igreja Reformada. Como dois jovens de fé católica poderiam se casar? Teriam de se casar em uma Igreja Protestante, contrariando a sua fé? E jovens de origem e religião judaicas? O Estado Prussiano reconheceria a autoridade religiosa de catolicismo e judaísmo? E jovens que não tivessem religião alguma? Jovens sem religião, pensava provavelmente o autor contra quem Kant escreve, são depravados, e depravados não devem casar. Pois que moral passarão para seus filhos?

Olavo de Carvalho ignora completamente o contexto da intervenção de Kant. Seja o pretexto, a questão do casamento, seja a questão maior, a unificação da legislação e a relação entre igreja e Estado. Ignora e já começa dizendo besteiras. Kant abre seu texto com uma definição muito preliminar do que é a Ilustração: é a saída do homem da menoridade da qual ele mesmo é culpado. O caminho para tal saída está em ter coragem de pensar por si mesmo. A primeira batatada de Olavo está em dizer que, para Kant, pensar por si mesmo é pensar o que a gente bem entende, quando não é nada disso. Pensar por si mesmo envolve uma relação livre entre o indivíduo e a comunidade, na qual a única autoridade é a autoridade da razão, do pensamento. Pensar não é, portanto, uma atividade que se faça de modo isolado. Porque se eu quero pensar de modo consistente, preciso comparar o meu pensamento com o pensamento dos demais – e para isso precisamos ser livres. Vejam que Kant logo se apressa em afirmar que a Ilustração talvez seja, para o indivíduo, impossível. Mas que talvez um povo possa pensar por si mesmo, isto é, chegar a um pensamento ilustrado, chegar ao ponto de ser capaz de decidir quanto ao seu destino, ser senhor de si mesmo, soberano. Então, por trás do lema sapere aude, tem coragem de fazer uso do teu entendimento, o que está em questão é uma figura da modernidade política: o exercício da soberania popular em regime de democracia representativa. Mas isto não interessa a Olavo. Interessa a ele insistir em uma suposta contradição, presente no que ele, Olavo, acredita que Kant está dizendo. Ora, quando encontramos uma contradição em um grande filósofo, o mínimo que se espera de nós é que leiamos o texto algumas vezes, porque muito provavelmente o equívoco está no nosso lado, fomos nós que não entendemos. Com Olavo é exatamente isto que se passa; ou não, talvez seja proposital.

É proposital, porque a ele não interessa a liberdade de pensamento. A ele interessa que seus seguidores repitam o que ouvem nos vídeos mal editados. Daí que, em uma aula sobre um texto de Kant, sequer apresente o texto de Kant , mas passe boa parte do tempo comentando outro texto que ele próprio publicou em um jornal. No texto “O que é a Ilustração”, Kant faz uma distinção entre uso público e uso privado da razão. Ela nos causa estranhamento porque é contraintuitiva: somos livres no uso público da razão, mas não somos livres no uso privado. Mas não é tão complicado assim. Todos nós pagamos impostos. E quanto a isto não somos livres, estamos privados de nossa liberdade de fazer ou não fazer algo. O que não significa, porém, que não possamos discutir o valor ou sobre onde incidem os impostos e, no limite, se é ou não legítima a cobrança de impostos. O sentido da discussão é justamente para que a legislação fiscal se aprimore. Então sou livre para discutir, e para discutir publicamente, isto é, sou livre no uso público da razão. Este é um exemplo dado pelo próprio Kant. Há um outro, agora em matéria de religião. É sobre este que Olavo realmente se detém. O que diz Kant? Um sacerdote, quando investido da função religiosa, isto é, no momento do culto, no púlpito, não pode criticar a religião a que pertence. Mas ele pode fazê-lo como alguém que conhece a religião, que reflete sobre ela, e que pode propor interpretações, alterações. Kant diz então o seguinte: uma religião que proibisse a discussão colocada nestes termos estaria cometendo um crime, porque impediria o progresso em matéria religiosa. Conclui Olavo: para Kant, Jesus foi o maior criminoso da humanidade.

Mas como se pode concluir isso? Para ele, todo filósofo tem “razões ocultas”, nunca escreve tudo o que pensa, método de leitura que ele afirma –só dando risada – basear-se em Leo Strauss. Daí Olavo poder afirmar (afinal, apelando para razões ocultas a gente afirma o que quiser) que o projeto de Kant, no porão clandestino da filosofia, é destruir o cristianismo. Isso porque o pacto que Jesus sela com os evangelistas é um pacto inquestionável. Mas como é que o pacto chega a nós, a não ser por meio de textos e leitura de textos e interpretações de textos? Vejam que, se Olavo tivesse razão, Lutero não poderia ter publicado suas 95 Teses na porta de uma igreja em Wittenberg e dado origem à Reforma. A suposta filosofia de Olavo é retrógrada a tal ponto: ele não é contra o Iluminismo, ele é contra a Reforma Protestante. Desnecessário lembrar de que o próprio cristianismo deriva do judaísmo. E por que Lutero não poderia fazer o que fez? Porque tem uma “alma consagrada”, e em relação a uma alma consagrada não se distingue entre uso público e uso privado da razão. Alma consagrada? O que é isto? Será que uma alma consagrada existe como existe o texto que vocês estão lendo agora?

O texto de Kant[3] é um texto sobre a relação entre religião e política, entre Estado e Igreja, entre Estado e Sociedade. Não tem nada de alma consagrada. Não tem qualquer ataque ao cristianismo. Agora, de modo absolutamente irresponsável Olavo[4] afirma que um projeto como o de Kant está na origem do regime político iraniano (!), justamente um regime no qual não há distinção entre política e religião. Mais ainda. Ele afirma que Kant é um dos principais autores que inspiram o terrorismo internacional. Eis o ponto de chegada de um trama urdida com a mais completa desonestidade intelectual. Repito. A questão não é Kant. Olavo tenta passar a ideia de que valores como liberdade do pensamento, respeito à dignidade humana, ao pluralismo de visões de mundo e à limitação do poder do Estado, distinção entre religião e política, enfim, valores liberais e democráticos, estão em colisão com os valores de nossa sociedade. Nossa sociedade não é uma sociedade de fanáticos intolerantes, como querem fazer crer Olavo e seus seguidores. É uma sociedade que tem na religiosidade um elemento muito importante, mas que é muito distante da que vem sendo propagada por Olavo, Malafaia e tantos outros, porque tolerante. Nosso imaginário, talvez como nunca antes, está fragmentado, partido. Olavo e seus asseclas, sobretudo aqueles que estão no poder, querem unificá-lo em um projeto obscurantista, antidemocrático e opressor, excludente, que naturaliza as desigualdades e perpetua nossa miséria. A maior corrupção que nos afeta é a incapacidade para resolvermos, passados já mais de um século, o escravismo presente em nossa sociedade. Não é Kant, portanto, que está em jogo. O que está em jogo somos nós, como sociedade, como povo, como democracia. Por isso a filosofia é importante. Por isso perdi o meu tempo com esta figura nefasta.

Não me interessa o que pensa Olavo de Carvalho. Interessa-me o que vamos pensamos nós, juntos ou em divergência democrática. Mas a intolerância, o ódio e a violência que hoje parecem nos envolver a todos têm em Olavo talvez o seu ponto mais forte. Vejam o caso de Jean Wyllys, por exemplo, que foi meu aluno. A primeira turma a que dei aula na Universidade Federal da Bahia foi a turma de Jean. Não dá para simplesmente assistir a um indivíduo se utilizar da filosofia para fomentar um ataque de tal natureza a uma pessoa, a várias pessoas, à democracia. Jean Wyllys, meu aluno, um dos deputados mais preparados e engajados na luta por suas ideias, é forçado a renunciar ao mandato por medo de ser assassinado. É como professor que não posso mais permitir que figuras como Olavo de Carvalho cometam os absurdos que cometem. Eu não vou abandonar Jean. Nós, verdadeiros professores, nós, que verdadeiramente trabalhamos com a filosofia, não podemos tolerar mais. Não podemos mais nos omitir. Precisamos entrar de modo muito decidido no debate público, elevar o nível, chamar as pessoas à razão e ao bom senso.

Referências

[1] Olavo de Carvalho está errado e não entendeu Kant, dizem três nomes de destaque da academia brasileira, O Globo, 10 de Fevereiro de 2019. https://oglobo.globo.com/sociedade/olavo-de-carvalho-esta-errado-nao-entendeu-kant-dizem-tres-nomes-de-destaque-da-academia-brasileira-23440419

[2] Kant, I. Lógica, Trad. Guido de Almeida, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1992, página 43.

[3] A melhor tradução do texto, que conta também com uma introdução e notas, foi feita Vinícius de Figueiredo, e pode ser encontrada aqui: https://www.academia.edu/7894936/I._KANT_Resposta_à_questão_O_que_é_Esclarecimento_Introdução_tradução_e_notas_por_Vinicius_de_Figueiredo

[4] Uma análise/depoimento do fenômeno Olavo de Carvalho e sua prática de deturpações pode ser lida em um ensaio excelente de Daniel Salgado, intitulado Transgressão à Direita, e publicado na revista Serrote, número 30. https://revistaserrote.com.br/2018/11/transgressao-a-direita-por-daniel-salgado/

*Daniel Tourinho Peres é Professor do Departamento de Filosofia da Universidade Federal da Bahia e pesquisador do CNPq. Sua área de atuação é História da Filosofia Moderna, com ênfase em filosofia alemã, e Filosofia Política. Publicou, entre outros trabalhos, Kant: Metafísica e Política. Salvador/São Paulo, Edufba/ UNESP, 2004.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. C.Poivre Postado em 06/Jul/2019 às 00:35

    Nem educação formal básica este imbecil teve.

  2. Thiago Melo Teixeira Postado em 06/Jul/2019 às 00:35

    E desde quando esta direita tem consistência? Não basta fazer esforços para refutar estes desescolarizados, ainda mais este que não não conclui sem o primário.