Redação Pragmatismo
Mulheres violadas 20/Fev/2019 às 16:09 COMENTÁRIOS
Mulheres violadas

Homem que chicoteou mulher em Angra dos Reis segue foragido

Publicado em 20 Fev, 2019 às 16h09

Com a voz embargada, vítima relembra a agressão. Homem permanece foragido e disque denúncia divulga cartaz

Homem chicoteou mulher Angra dos Reis foragido Uelinton
Uelinton de Oliveira está foragido após espancar a esposa

Mariana Ferrari, Ponte

Pelo amor de Deus é o caralho, você tem que apanhar, sua filha da puta”, foi assim que, aos gritos, Uelinton Oliveira, de 33 anos, teria agredido a esposa na madrugada do dia 3 fevereiro deste ano, em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. Com um chicote caseiro feito com fios elétricos, a mulher, de 28 anos, afirma que foi espancada pelo marido em um colchonete ao lado do filho de apenas oito meses. Os dois iriam completar 10 anos de casamento no dia 3 de abril.

A vítima, que prefere não se identificar, relatou à Ponte que havia tirado o dia de folga para levar o bebê para visitar a família do esposo. Oliveira, por sua vez, teria escolhido ficar em casa, porque não se dava muito bem com o pai, e havia dito que mulher deveria estar em casa até 20h. “Eu liguei para ele avisando que o pai dele ia fazer um frete [entrega] e pela hora não ia chegar cedo, só por volta das 22 horas”. A mulher estava acompanhada da irmã e da comadre do esposo.

O caso tomou repercussão no dia 13 de fevereiro quando a irmã da vítima compartilhou as agressões no Facebook, que teve mais de 50 mil compartilhamentos. O texto acompanhava as fotos da mulher com as costas cheia de marcas e hematomas, parte do boletim de ocorrência e imagens do agressor, que está foragido. No dia seguinte, o canal do Disque Denúncia divulgou as imagens de Uelinton, após ter sido expedido mandado de prisão contra ele na DEAM (Delegacia Especial de Apoio à Mulher), no dia 8/2. A ocorrência foi registrada no 166ª delegacia como ameaça, lesão corporal, injúria e constrangimento ilegal.

Com a voz embargada, a vítima relembra a agressão. Ela conta que, ao chegar em casa naquele dia 3, depois de extrapolar o horário combinado, o homem estava furioso e começou a destrinchar uma séria de frases “insanas”, de acordo com ela. “Por que você está ligando para a sua mãe? Eu não quero que você ligue para a sua mãe. Liga para a sua mãe agora e fala para ela não vir aqui nunca mais”, teria dito o agressor aos gritos. A vítima conta que o questionou, em um tom um pouco mais alto, o porquê ele estava agindo daquela maneira e começaram a discutir.

A discussão começou a ganhar um viés ainda mais violento quando a mulher, por exaustão, passou a listar sua rotina diária e de como sempre estava à disposição do marido. “Você não tem nada para arrumar briga comigo”, soltou. Na sequência, ela relata que ele a empurrou dizendo que estava muito “exaltada” e a trancou dentro do quarto, onde estava o bebê de oito meses. “Meu filho estava deitado no chão em um colchete e eu sentei ao lado dele, pensando que ele [marido] fosse dormir”, lembra.

Em seguida, o marido teria retornado ao quarto carregando um pano, para tentar amarrá-la, e um chicote caseiro, feito com a fiação da casa que estava em reforma. “Ele fez um chicote bem feito, como se fosse o chicote de um cavalo, do tamanho de um cassetete”, explica a jovem.

Em seguida, ele teria começado a trancar as janelas e portas da casa. “Vi aquilo e pensei, ele vai acabar comigo”. “Aí ele me pegou pelo pescoço, como se estivesse me enforcando por trás, do ladinho do meu bebê e começou a me chicotear muito. A cada chicotada eu sangrava”, dizia a jovem sem conseguir conter as lágrimas. Naquele momento a única preocupação da mulher era seu filho. Aos gritos, em tom de súplica, ela implorava misericórdia ao esposo. “Pelo amor de Deus não faz isso com o meu filho, não faz isso com a gente. Pelo amor de Deus você vai me matar”. O homem teria respondido com mais chicotadas e palavrões: “Pelo amor de Deus é o caralho. Você tem que apanhar mesmo sua filha da puta. Você tem que me obedecer, quem manda aqui sou eu, você não vai gritar comigo. Já falei para você que você vai sair daqui em um caixão”.

Depois de toda a violência, a jovem relata que sentia o corpo pegando fogo de dor e permaneceu trancada. “Passei a noite em claro, porque eu sabia que eu precisava fazer alguma coisa. Pedi para Deus resolver, mas também falava que se o Senhor não resolvesse eu iria resolver”, descreve.

No dia seguinte, às seis horas da manhã, Uelinton teria entrado no quarto e, ao ver a esposa acordada, a destrancou. Enrolada em uma coberta para esconder as marcas da noite anterior, a vítima disse que levantou e tentou esconder os hematomas com medo de que o marido a trancasse novamente. Assim que ele saiu para trabalhar, a jovem conta que entrou em contato com a mãe para que ela a ajudasse a sair de casa.

Assim que entrou no carro arrumado pela mãe, a jovem foi direto para a delegacia prestar queixa. “Eu quero sumir, mas antes eu vou dar queixa para as pessoas não acharem que eu sou louca e por conta de uma briguinha eu sumi com o meu filho”, disse a caminho de fazer o boletim de ocorrência, no dia seguinte às agressões. Depois de relatar o caso e fazer exames de corpo de delito, ela pediu para que as imagens fossem compartilhadas com a família.

A mulher conta que já tinha sido agredida pelo marido outras vezes. No primeiro ano de casada, ela afirma que fez boletim de ocorrência na delegacia, mas retirou a queixa por influência de amigos e familiares. “As pessoas que estavam fora falavam: ‘Poxa, dá mais uma chance. O rapaz é bacana, você vai estragar o seu casamento’. E eu, como era nova [ela casou com quase 18 anos] dei uma segunda chance para ele, a pior coisa que eu fiz”, desabafa.

Você vai sendo manipulada aos poucos, sendo presa aos poucos. Quando se vê já não pode mais falar com os amigos, com a sua família. Você não pode se vestir do jeito que quer. Você não pode mais trabalhar. Ou então ele vai tirando de você as coisas que você gosta, ‘amigavelmente’. Dizendo que quer te proteger, quer te resguardar”, prossegue. “Quando eu voltei, ele me ameaçava dizendo que se eu o abandonasse, ele iria me matar, ir atrás da minha família”.

A psicóloga Gisele Perosa Paulucci explica que num relacionamento abusivo, a mulher é vista como um objeto de posse do companheiro e que há uma escala de violência, que vai desde a proibição de uma roupa, a manipulação psicológica, chamado de gaslighting, até uma agressão física. “O cara que quer fazer um relacionamento abusivo quer conquistar a vítima. Ele vai conquistar com carinho, amor, até o ponto em que tudo o que ele falar ela vai ter que aceitar para evitar briga ou confusão”, explica.

A jovem, no entanto, decidiu dar visibilidade ao próprio caso para incentivar outras mulheres a denunciarem casos de agressão. “Quem está por perto, pode até ser o seu vizinho, vai reconhecer o cara como uma pessoa ótima. Para eles o cara é só nervoso. Nunca vão pensar que o cara fez isso, até porque ninguém é 24 horas por dia nervoso. Para a sociedade são homens ótimos. Eles acham que não estão cometendo um crime”.

De acordo com o último Panorama da Violência Contra as Mulheres no Brasil, divulgado no ano passado, em 2016, mais de 427 mil mulheres foram ameaçadas. No caso de lesão corporal dolosa, foram registrados mais de 222,7 mil casos. O Brasil é o quinto no ranking de feminicídio e a cada duas horas uma mulher morre, pelo simples fato de ter nascido mulher.

Outro lado

A Ponte tentou contato com a 166ª Delegacia Policial, localizada no centro de Angra Dos Reis, onde a vítima prestou queixa e, por telefone, pediram para retornar na terça-feira, dia 19 de fevereiro, e falar com o delegado Celso que, segundo o atendente, é quem está cuidando do caso. Também solicitamos posicionamento à assessoria de imprensa da Polícia Civil do Rio, que não respondeu até publicação.

A reportagem não conseguiu localizar a defesa de Uelinton.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários