Redação Pragmatismo
Mundo 19/Dec/2018 às 16:38 COMENTÁRIOS

Onda conservadora pode conquistar outros países do mundo em 2019

Primeiramente vieram o Brexit e a eleição de Donald Trump. Depois, em 2018, a vitória dos populistas e nacionalistas na Itália e de Jair Bolsonaro no Brasil. Em 2019, os cenários podem se repetir em outros locais do mundo

Onda conservadora países do mundo 2019 extrema direita
Mobilização dos “coletes amarelos” em Paris (reprodução)

Primeiramente vieram o Brexit e a eleição de Donald Trump. Depois, em 2018, a vitória dos populistas e nacionalistas na Itália e de Jair Bolsonaro no Brasil. Em 2019, os cenários podem se repetir em eleições como a do Parlamento europeu.

Leia também:
Após Brexit, separatistas fazem campanha pela independência de São Paulo
A vitória de Trump e o fim do neoliberalismo progressista
Pesquisadora explica a ascensão repentina de Bolsonaro

A democracia liberal não vive um bom momento. “Cada vez mais cidadãos se afastam” dela, afirma em seu último best-seller “O povo contra a democracia” o jovem cientista político americano Yascha Mounk.

Este sistema, que conjuga soberania popular e contra-poderes (Justiça, imprensa, sociedade civil), é o modelo dominante nos países ocidentais desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Mas, atualmente, este “sistema de governo que parecia imutável dá impressão de que pode despencar a qualquer momento“, resume Mounk.

A principal causa: as classes médias, base demográfica e política, que esses países deixaram desatendida.

Construir uma classe média contribui para a estabilidade política“, aponta a americana Kori Schake, do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), em um estudo recente do Lowy Institute sobre a “sobrevivência da ordem liberal“.

Soberania popular

Empobrecido por uma economia cada vez mais terceirizada, as classes médias se rebelam contra sua decadência, ou até seu desaparecimento econômico, político e cultural, acredita o geógrafo francês Christophe Guilluy em seu livro “No society“.

O presidente francês Emmanuel Macron pode corroborar. Uma parte significativa da população francesa, trajando coletes amarelos, protesta há cerca de um mês na França. A situação pode se tornar rapidamente insustentável para o governo, insistiu.

Uma das exigências desses cidadãos rebeldes é recuperar uma soberania popular que acreditam ter perdido. Assim, apenas 8% dos franceses estimam que os cidadãos têm o poder, contra 54% que acreditam que está nas mãos dos mercados financeiros, segundo pesquisa Ifop de outubro.

O slogan do Brexit “Take back control” (Retomar o controle) é um sinal disso.

‘Liberalismo antidemocrático’

A soberania popular é progressivamente reduzida, estima Patrick Moreau, editor-chefe da revista canadense Argument, em uma coluna no jornal Le Devoir. Os culpados são, segundo ele, as regras do comércio internacional e a importância conquistada pelas “minorias“.

As regras “nunca são sujeitas a debates reais” e as minorias tendem a explorar o Estado de direito em seu benefício, uma “retórica dos direitos” que mina “o papel político das maiorias históricas em favor dos tribunais e de pequenos grupos militantes“.

Esse desequilíbrio entre a soberania e o Estado de direito leva, segundo Yasha Mounk, à instalação de uma “forma de liberalismo antidemocrático na América do Norte e na Europa Ocidental“.

Nesta forma de governo (…) os eleitores concluíram há muito tempo que sua influência nas políticas públicas é mínima“.

E para tentar desafiar esta ordem, as classes mais baixas se afastam dos organismos intermediários (sindicatos, meios de comunicação) que consideram muito próximos do poder e incapazes de representá-los, tendendo a votar em quem promete devolver a eles o que perderam.

Estado de direito

O risco potencial para o Estado de direito é que o líder eleito pelo povo, armado com sua legitimidade democrática, comece a desfazer as conquistas importantes para seu país.

Alguns exemplos são a eliminação de liberdades individuais, ataques contra a imprensa ou ONGs. Países como a Hungria e a Polônia são regularmente alvo desse tipo de acusação.

Mas, para alguns analistas esta sede de soberania das classes populares também pode ser entendida como uma necessidade mais profunda: consolidar o sentimento de pertencer a uma nação, a um destino comum do qual algumas elites quiseram se afastar para chegar ao topo da globalização, deixando para os demais para trás.

O boom conservador “é explicado por um desejo cada vez mais profundo dos povos de ‘repatriar’ suas classes dirigentes, para impedi-los de escapar“, acredita que a ensaísta francesa Coralie Delaume.

Para Jérôme Fourquet, da Fundação Francesa Jean Jaurès, esse “separatismo social diz respeito a toda uma parte da classe superior da sociedade“. “Uma lacuna cada vez maior” separa os privilegiados do resto da população, destaca.

Fabien Zamora, AFP

Acompanhe Pragmatismo Político no Instagram, Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Pierre Garay Costa Postado em 06/Jul/2019 às 14:03

    A classe média não é causa coisa nenhuma. A causa da falência da democracia liberal é a acumulação de capital num polo da sociedade, deixando a maioria maciça da população na miséria ou perto dela. A classe média também é vítima desse processo, embora sinta as suas consequências de forma mais amena dos que as classes mais baixas. O problema do mundo e a desilusão das classes subalternas com a política é resultado do capitalismo neoliberal, que vem destruindo o tecido social há 40 anos, e sua crise insolúvel.

  2. Sombra Maceió Postado em 06/Jul/2019 às 14:03

    Não existe onda conservadora. O que se tem é a intensificação do capitalismo com sua política liberal em todo o mundo, assim como também aqui no Brasil, com o ultraliberalismo de Bolsonaro. Os planos econômicos de austeridade estão pressionando muitos países, como está acontecendo com a Argentina, que pode vir a ter a ameaça novamente, de pedir moratória, agora com o ultraliberalismo de Macri, com a economia sendo dominada por Wall Street. Assim como foram os poucos dias do governo dito progressista de Adolfo Rodríguez Saá. Logo depois, veio a próxima era progressista, a dos Kirschner, onde primeiro assumiu Nestor Kisrchner e logo depois sua esposa, Cristina Kirschner. Isso é o capitalismo, são as políticas ultraliberais comandadas pelas organizações criminosas como o FMI e o Banco Mundial e todas à mando dos países imperialistas, mais concentrada nos EUA. E com a economia igualmente ultraliberal de Trump, essa onda ultraliberal, que é o termo a ser melhor usado, se espalhará por toda a Europa, América, Ásia e em alguns países da África, como a África do Sul. Isso afeta não só a economia, mas tb podemos ver as garras do capitalismo na Europa separando os países impedindo as imigrações dos povos da África para lá, assim como Trump tb quer impedir o êxodo mexicano na América do Norte, mesmo o México sendo do norte. E nas guerras na Ásia menor, impedindo que o capitalismo avance cada vez mais e as guerras tb em alguns países da África. Aqui na América Latina, as garras do capitalismo estão na Venezuela, Chile, Colômbia e tb Brasil com Bozó como presidente.