Redação Pragmatismo
Corrupção 21/Dec/2018 às 14:35 COMENTÁRIOS

O único inocente do Brasil até "provarem o contrário"

Ministério Público monta operação de despiste para que Fabrício Queiroz, ex-PM, ex-motorista e ex-assessor de Flávio Bolsonaro, e também ex-amigo de décadas de Jair Bolsonaro preste declarações, hoje à tarde, sem ter o “incômodo” de cruzar com jornalistas

Fabrício Queiroz família bolsonaro
Ex-PM Fabrício Queiroz atuou como assessor e motorista da família Bolsonaro durante anos

Fernando Brito, Tijolaço

Diz Lauro Jardim, em O Globo, que o Ministério Público está montando uma operação de despiste para que Fabrício Queiroz, ex-PM, ex-motorista e ex-assessor de Flávio Bolsonaro, também ex-amigo de décadas de seu pai, Jair preste declarações, hoje à tarde, sem ter o “incômodo” de cruzar com jornalistas.

“São cinco entradas possíveis no prédio do MP fluminense, no Centro do Rio. Queiroz e seus advogados entrarão por uma delas e, no MP, garante-se que ele não será filmado ou abordado por jornalistas”, diz Lauro.

Ao que parece, a única pessoa que, no Brasil, goza de todas as garantias contra conduções coercitivas, buscas e apreensão e quebra de sigilos bancário e fiscal e, até o de não “ser exposto” aos jornalistas.

Não foi dar os esclarecimentos – meio mês depois da revelação das movimentações financeiras de R$ 1,23 milhão em sua conta bancária, ontem. Mandou dizer que teve problemas não especificados de saúde e não poderia ir contar a “história plausível” prometida pelo senador eleito há dez dias.

Presidentes e ex-presidentes recebem inquéritos, denuncias, processos, e até penas de prisão e Fabrício, nada. Nem mesmo há uma investigação formal sobre o caso.

Diz-se que a “história plausível” é que o homem de confiança do “mito” e de um dos “mito júnior” seria uma espécie de “agiota do gabinete”, emprestando dinheiro e recebendo-o com juros dos demais funcionários.

As transferências de dinheiro das filhas e da mulher, também funcionárias dos gabinetes de pai e filho, nesta versão, seriam para formar “capital de giro” para o “Banco Fabrício”.

É evidente que se o desejo de investigar extorsões e eventual “caixinha” formada com valores recebidos dos servidores de gabinete, a esta altura, as movimentações financeiras de Fabrício estariam sendo investigadas não apenas durante um ano, mas nos últimos cinco anos – dos dez que está agregado aos Bolsonaro – sobre os quais ainda incidem sanções penais.

E, nisso, certamente se poderia detectar os “dez cheques” que o presidente eleito diz ter recebido do auxiliar e, de outro lado, a entrada dos recursos que diz ter emprestado a ele.

É inacreditável, também, que Flávio e Jair Bolsonaro, por tantos anos, não tivessem percebido, nas suas barbas, a atuação de Fabrício como um agiota dentro dos seus gabinetes, ainda mais se tratando de companheiro de mesa e de pescarias.

O caso Fabrício, para os velhos amantes de cinema, bem que mereceria o título de “Investigação sobre um homem acima de qualquer suspeita.”

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Comentários