Redação Pragmatismo
Eleições 2018 03/Oct/2018 às 23:23 COMENTÁRIOS

Policial usa viatura da PM para apoiar Jair Bolsonaro

PM do Rio Grande do Norte desrespeita pelo menos duas leis e usa viatura para apoiar Jair Bolsonaro (vídeo)

Policial viatura da PM apoiar Jair Bolsonaro rio grande do norte eleições

Arthur Stabile, Ponte

Um policial fardado, dentro da viatura escolta uma marcha pró-Jair Bolsonaro em Natal, capital do Rio Grande do Norte. Em serviço, o agente público buzina com a viatura, faz sinais de arma com os dedos, liga a sirene em apoio ao ato e tira foto com os manifestantes. As ações contrariam regulamentos da polícia local.

Vídeos obtidos pela Ponte mostram o momento em que o PM comete as faltas. Segundo membros da corporação ouvidos pela reportagem, sua identificação é Cabo Frederico, que contrariou ao menos dois artigos de conduta para policiais militares potiguares.

De acordo com o decreto-Lei n° 667/1969, os membros da corporação não podem usar fardamento em atos, exceto em serviço, como consta no art. 23. “É expressamente proibido a elementos das Polícias Militares o comparecimento fardado, exceto em serviço, em manifestações de caráter político-partidário”, diz o texto.

Outra lei, nº 9.504 de 1997, aponta que os agentes públicos estão proibidos de usarem qualquer tipo de instalação ou veículo do Estado em benefício de candidatos. A lei pretende evitar ações “tendentes a afetar a igualdade de oportunidades entre candidatos nos pleitos eleitorais”, como no caso de Natal.

O inciso 1 do texto aponta como crime um agente público “ceder ou usar, em benefício de candidato, partido político ou coligação, bens móveis ou imóveis pertencentes à administração direta ou indireta da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios”.

Integrantes da corporação apontam que o ato do cabo excedeu as duas regras. “Teve repercussão deste caso na categoria, o regulamento veta a manifestação política seja a ordem que for, em especial estando em serviço. É proibidíssimo”, conta um policial sob a condição de anonimato.

O mesmo PM conta que outros membros da corporação questionaram o policial envolvido no caso, o que motivou uma ação do comando. “A turma estremeceu e fez uma reconsideração, mandou para o comandante imediato deles, informou major, e mais nada. A meu ver, pouco importa o lado, o ato merece sanção”, afirma.

Segundo ele, já houve sanção a outros policiais por ações políticas, como 15 dias de prisão. Porém, nada aconteceu neste caso recente. “No atual quadro social brasileiro, o comando precisa ter firmeza, senão os policiais fazem o que querem. A PM não se pronunciou, merece pronunciamento. A ordem vale para vocês e não para a gente?”, questiona.

‘PM está sendo conivente’

A ordem para policiamento em Natal durante o ato favorável a Bolsonaro é assinada pelo tenente-coronal Antônio Marinho da Silva, em 23 de setembro de 2018. Nele, o detalhamento de ações para os PMs realizarem é a “preservação da ordem pública e a incolumidade das pessoas e do patrimônio público e privado, com ações de Polícia Ostensiva”.

O documento detalha oito locais por onde a carreta passou com a definição de efetivos específicos para cada área. Quatro deles estão tipificados como “locais de risco”, “setores onde merecem maior atenção por parte dos órgãos de segurança pública”.

A especificação é tratada por conta do atentado sofrido pelo candidato em Minas Gerais, quando levou uma facada. Tropas de elite da PM-RN, como o Bope e Choque, foram enviadas para estes locais.

Para o pesquisador do Obvio (Observatório da violência do RN) e membro do FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública) Ivenio Hermes, o caso do PM usando uma viatura da corporação é grave.

Encaro este ato como uma manifestação da própria corporação. Quando um PM age assim e não é punido, a corporação está incitando que outros façam o mesmo, é o maior absurdo”, define.

Segundo ele, a ação do policial em conjunto com o silêncio da corporação em não dar uma resposta a faz emprestar, conscientemente ou não, seu nome e estrutura para um ato político.

Neste caso, o policial feriu a lei de forma totalmente perceptível e ninguém faz nada. Quando a PM deixa um agente cometer um erro desse tipo, está sendo conivente. E, se é conivente com esse erro, imagine com outros”, critica. “É preciso que a corporação seja notificada, o MP faça seu papel pelo controle externo da polícia e aja para que não só o agente seja punido como a própria instituição”, conclui.

A Ponte questionou a PM-RN sobre o caso supostamente envolvendo o Cabo Frederico e, até o momento, a corporação não se pronunciou se houve quebra de protocolos ou se o policial responderá pelo ato.

Leia também:
Apoiador de Bolsonaro usa caminhões do exército em sua campanha
Policiais presos no RJ participaram de campanha do filho de Bolsonaro
Militar avalia proposta de Bolsonaro: “É a regulamentação da barbárie”
Globo submete Miriam Leitão à maior vergonha do ano
Mulher conta o que viveu nas mãos do Cel. Ustra, homenageado por Bolsonaro

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários