Redação Pragmatismo
Eleições 2018 16/Oct/2018 às 14:46 COMENTÁRIOS

Famoso líder da Ku Klux Klan elogia Bolsonaro: "ele soa como nós"

Nome mais famoso da Ku Klux Klan (KKK), conhecido por defender a supremacia branca e negar o Holocausto elogia Bolsonaro: “Ele soa como nós [...] Ele é totalmente um descendente europeu”

ku klux klan bolsonaro

Rosto mais conhecido do grupo racista Ku Klux Klan (KKK) nos Estados Unidos, David Duke fez um raro comentário sobre a política brasileira no programa de rádio que comanda.

“Ele soa como nós. E também é um candidato muito forte. É um nacionalista”, disse o ex-líder da KKK sobre Jair Bolsonaro, candidato à presidência pelo PSL.

“Ele é totalmente um descendente europeu. Ele se parece com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França. E ele está falando sobre o desastre demográfico que existe no Brasil […]”, afirmou Duke, que frequentemente classifica o prêmio Nobel da Paz sul-africano Nelson Mandela como um “terrorista”, em declaração que foi ao ar em um programa de rádio no dia 9.

Os KKK, como se tornaram conhecidos, começaram a atuar em 1865 nos Estados Unidos. Frequentemente usavam capuzes brancos para proteger sua identidade e fazer com que parecessem ainda mais assustadores para suas vítimas.

O grupo, que defende a supremacia branca sobre os negros e judeus, foi responsável ​​por muitas das torturas e linchamentos que ocorreram com os negros no país.

O historiador, conhecido também por negar o Holocausto, se referiu ao brasileiro como “o incrível Bolsonaro”. Na última segunda-feira, Duke compartilhou um vídeo com legendas em inglês em que o capitão reformado discursa “contra a degradação da família” e a “desconstrução da heteronormatividade”.

No ano passado, em palestra no clube judaico Hebraica, no Rio de Janeiro, Bolsonaro fez críticas a negros quilombolas e afirmou que “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas, não fazem nada, eu acho que nem pra procriador servem mais”. A fala foi aplaudida por parte dos presentes, mas depois recebeu críticas de lideranças judaicas.

Nos anos 1960, antes de se juntar à KKK, David Duke foi membro do extinto “Partido Nazista da América”, depois renomeado para Partido Nacional Socialista das Pessoas Brancas.

A liderança de Duke no Klan começou em 1974 e foi retratada no no filme BlacKkKlansman (“Infiltrado na Klan”, em português), que narra a história de um policial negro que se infiltrou na Ku Klux Klan no Colorado, em 1978, e foi lançado pelo cineasta Spike Lee em agosto. O filme foi o vencedor do Grande Prêmio do Júri do festival de Cannes de 2018.

Autor de teses contestadas, como a que sugere que negros seriam mais violentos e teriam QI inferior aos dos brancos, Duke voltou a ganhar projeção mundial em 2016, quando passou a apoiar a campanha presidencial de Donald Trump.

David Duke

BBC News Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários