Redação Pragmatismo
Eleições 2018 24/Oct/2018 às 21:51 COMENTÁRIOS

Jair Bolsonaro publica trecho do discurso de Mano Brown e Haddad responde

Jair Bolsonaro tenta usar Mano Brown como cabo eleitoral e toma invertida de Fernando Haddad. Presidenciável publicou trecho do vídeo em que Brown faz análise crítica do PT. Após polêmica, rapper também se manifesta

Mano Brown Haddad
Mano Brown em ato pró-Haddad

O discurso crítico de Mano Brown durante a manifestação pró-Haddad nos Arcos da Lapa, no Rio de Janeiro, na noite desta terça-feira (23), foi utilizado por Jair Bolsonaro como arma eleitoral.

O candidato do PSL publicou em seu Twitter um vídeo com um trecho da fala do líder dos Racionais Mc’s e escreveu a seguinte legenda: “Concordo com o Mano Brown!”.

A grande imprensa, que não costuma cobrir as manifestações em defesa de Haddad, deu amplo destaque à fala de Mano Brown.

“Vim aqui apenas me representar. Não gosto do clima de festa. A cegueira que atinge lá, atinge aqui também. Isso é perigoso. Não tá tendo clima pra comemorar. Não estou pessimista. Sou realista. Falar bem do PT para a torcida do PT é fácil. Tem uma multidão que precisa ser conquistada ou vamos cair no precipício […] Se somos o Partido dos Trabalhadores tem que entender o que o povo quer. Se não sabe, volta pra base e vai procurar entender. As minhas ideias são essas. Fechou”, disse Mano Brown.

Durante toda esta quarta-feira (24), as redes sociais do rapper foram invadidas por eleitores de Bolsonaro. Alguns ironizavam o músico, enquanto outros agradeciam.

Apoiadores de Haddad e Bolsonaro, naturalmente, entraram em rota de colisão por causa da polêmica.

“Os eleitores de Bolsonaro ficaram felizes pois entenderam tudo errado e acham que o Brown está a favor do candidato deles por conta da crítica ao PT. Eles não conseguem compreender voto crítico. Não sei se isso é engraçado ou triste”, escreveu um apoiador de Haddad.

“Isso é democracia. Ter espaço pra fazer a crítica onde quiser sem ser interrompido. Diferente de outros que sem argumentos mandam crianças calarem a boca perante uma simples pergunta. Queremos um governo melhor e diferente. Sim! Mas em hipótese alguma o diferente e o melhor se enquadram nas políticas do Bolsonaro”, publicou outra seguidora.

Após constatar que Bolsonaro estava tentando usar Mano Brown como cabo eleitoral, Fernando Haddad rebateu o candidato da extrema-direita no Twitter:

“Bolsonaro acha estranho que eu tenha eleitores críticos como Mano Brown e Cid Gomes. Bolsonaro estranha porque não admite críticas. Eu convivo com críticas e um governo democrático convive com críticas. Bolsonaro não”, escreveu o presidenciável petista.

Às 20h desta quarta-feira, Mano Brown se manifestou oficialmente através do Faceboook e do Instagram: “Pelo direito de divergir e ser respeitado e poder escolher seu candidato, #Haddad13”. Até o fechamento desta matéria, a publicação já soma 39 mil curtidas.

Críticas e divergências

No 2º turno da eleição presidencial, diversas lideranças políticas declararam voto crítico em Fernando Haddad. Nomes como Ciro Gomes, Cid Gomes, Marina Silva e Alberto Goldman externaram apoio ao petista.

Os dois presidenciáveis têm reagido de maneira completamente distintas diante de críticas e divergências. Enquanto Fernando Haddad concede entrevistas para todos os veículos, participa de sabatinas e se dispõe a debater com o adversário, Jair Bolsonaro prefere esconder-se atrás de computadores e celulares.

SAIBA MAIS: Pela primeira vez na história, um candidato foge dos debates no 2º turno

O candidato do PSL recusou os convites para participar das sabatinas no Roda Viva, Grupo Globo e Rádio CBN, que foram realizadas nesta semana. Há um entendimento interno na campanha de Bolsonaro que considera que ele perde votos se falar demais.

O caso mais emblemático deste 2º turno aconteceu nesta terça-feira, na Rádio Guaíba. Para conceder uma entrevista ao veículo, o candidato exigiu que todos os jornalistas presentes, exceto o apresentador, permanecessem em silêncio. Indignado, Juremir Machado pediu demissão ao vivo.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários